Trigo sarraceno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaFagopyrum
Fagopyrum esculentum

Fagopyrum esculentum
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Caryophyllales
Família: Polygonaceae
Género: Fagopyrum
Nome binomial
Fagopyrum esculentum
Moench

Trigo sarraceno (Fagopyrum esculentum), também chamado de trigo mourisco, é uma planta da família Polygonaceae. Os grãos do trigo sarraceno são comestíveis e parecem-se aos grãos dos cereais, sendo ricos em Rutina, mas são, na verdade, sementes de um fruto aparentado com o ruibarbo e as azedas.[1] Para ser consumido, a casca exterior deve ser removida, um processo que exige equipamento próprio de moagem, devido à sua forma pouco habitual.

Trigo sarraceno na gastronomia[editar | editar código-fonte]

Na cozinha polaca, russa e judaica, o trigo sarraceno é usado para fazer uma papa, chamada kacha, ou kache. Na cozinha ucraniana o trigo sarraceno se chama hretchka e é largamente usado no dia-a-dia e também para confecionar um dos pratos do menu natalino – a kutia. Na cozinha bretã a farinha do trigo sarraceno faz parte da massa dos crepes. Na cozinha japonesa, o trigo sarraceno é chamada de sobá e é largamente consumido no dia-a-dia pelos japoneses como um prato de macarrão mergulhado em caldo quente à base de shoyu, como uma sopa, acrescido de vários tipos de ingredientes desde algas a tempurá, ou com caldo à parte, normalmente gelado (consumido muito no verão).

Trigo sarraceno na saúde[editar | editar código-fonte]

É considerado energizante e nutritivo, apresenta altas quantidades de farelo, disponível quer nas variedades leve ou integral, com a variedade integral mais nutritiva. Uma vez que o trigo-sarraceno não contém glúten, é apto para uma dieta celíaca. Apresenta mais proteína do que o arroz, trigo ou milho, fonte de proteínas e de ferro.[2]

É também fonte de manganês, magnésio (o magnésio é um mineral que ajuda a baixar a pressão dos vasos sanguíneos) e fibras dietéticas. Uma só chávena de trigo sarraceno contém cerca de 86 miligramas de magnésio. Os seus efeitos benéficos também estão ligados à presença de flavonóides, com destaque para a rutina (Vitamina P) e a quercetina. Estes previnem doenças, com a sua ação antioxidante. A sua proteína é de alto valor biológico, pois contém todos os aminoácidos essenciais, incluindo a lisina. Pesquisas afirmam que uma alimentação rica em grãos integrais, como o trigo sarraceno, previne doenças cardiovasculares, incluindo a aterosclerose, diabetes e obesidade, entre outras, devido ao seu teor de fibras e outros compostos, como gorduras polinsaturadas.[3]

Os Yi, um dos povos da China, consome cerca de 100g diários de trigo sarraceno; uma investigação demonstrou que os que na sua dieta alimentar utilizavam trigo sarraceno, tinham conseguido diminuir os níveis do colesterol LDL e aumento do HDL.[4]

Outro estudo, efetuado em 35.972 pessoas, no Reino Unido, mostrou que mulheres no período de pré-menopausa, que incluem na sua dieta alimentar a ingestão de cereais integrais – como o trigo sarraceno – e fruta, o risco de cancro da mama diminui significativamente.[5]

Referências

  1. Alimentação Saudável e Nutrição. Trigo Sarraceno. Página visitada em 2012.09.25.
  2. Gazeta Russa. Os milagres do trigo sarraceno. Página visitada em 2012.09.25.
  3. Estação dos Grãos. Farinha de Trigo Sarraceno. Página visitada em 2012.09.25.
  4. I Legumes - Informações sobre Legumes. Benefícios do Trigo Sarraceno. Página visitada em 2012.09.25.
  5. E Cade, Burley VJ, et al. International Journal of Epidemiology