UA1 (experiência)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A UA1 e a UA2, experiências de física de alta energia decorram entre 1981 e 1993 no SPS do CERN. A descoberta dos bosões W e Z nesta experiência valeram o prémio Nobel [1] e [2] a Carlo Rubbia e a Simon van der Meer em 1984.

O nome UA provém de Underground Area numa intersecção do acelerador SPS que foi transformado nesse ponto para a experiência.

Secção central da UA1

O detector central da U1 era crucial para compreender a topologia complexa das interações protão-antiprotão. Teve um papel muito importante na identificação de uma série de bosões W e Z entre biliões de colisões [3] mesmo se no início tivesse sido desenhado como um detector não específico [4] . Era formado por seis câmaras cilíndricas para formar um conjunto de 8.8 m por 2.3 m de diâmetro, a maior câmara de câmara de fios da época.

Os átomos eram detectados na mistura argão-metano que enchia a câmara e eram ionizados pela passagem das partículas carregadas. O arranjo geométrico dos 17 000 fios que compunham a câmara permitiam uma formidável mostra em 3-D na reconstrução física dos acontecimentos produzidos [3] .

(1) antes que o LEP dê lugar ao que é hoje o LHC


Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

CERN- Imagens da UA1 e UA2