Veni, vidi, vici

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Setembro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Veni, vidi, vici (em português: "Vim, vi, venci") é uma famosa frase latina supostamente proferida pelo general e cônsul romano Júlio César em 47 a.C.. César utilizou a frase numa mensagem ao senado romano descrevendo sua recente vitória sobre Fárnaces II do Ponto na Batalha de Zela.[1] A frase serviu tanto para proclamar seu feito, como também alertar aos senadores de seu poder militar (Roma passava por uma guerra civil).

Uso[editar | editar código-fonte]

Hoje, as frases em latim são utilizadas em negócios, competições sociais e na área jurídica. Um homem de negócios pode usar a frase de Júlio César para celebrar um contrato importante.

A rede de computadores Apple Inc. deu aos participantes de uma conferência, uma camisa com a frase Veni. Vidi. Codi. — "Vim. Vi. Codifiquei."

Na década de 1990, camisas tinham a frase "Veni, vidi, veggie": Vim, vi.

"Veni Vidi Vici" também pode ser encontrada no brasão de armas da Philip Morris International, produtora dos famosos cigarros Marlboro.

Usada como tatuagem pelo modelo fitness, Aziz Shavershian (Zyzz), no peito direito, representando a difícil vida de quem treina.

No romance Jingo de Terry Pratchett, o personagem Samuel Vimes especula outras frases (Veni, vermini, vomui e Visi, veneri, vamoosi)

No livro Discworld, o personagem Havelock Vetinari, profere a frase "Veni, vidi, Vetinari".

No piloto original da série inglesa The Black Adder, o listel do brasão da família contém o lema "Veni Vidi Castratavi Illegitimos", ou seja, "Vim, vi, castrei os bastardos"

No livro Ender's Game, de Orson Scott Card, o Capítulo 11 se chama Veni Vidi Vici.

O jogo de computador The Settlers II usa a frase como subtítulo.

No jogo Fallout: New Vegas há uma quest chamada Vini Vidi Vici

Em Sid Meier's Civilization V, um jogo de computador, a conquista "Veni Vidi Vici" é dada aos jogadores que ganharem uma partida como Júlio César

O software DreaMule, versão alternativa do Emule, utiliza a frase como uma espécie de slogan. Tudo e aquilo que pensamos,a verdade são ideias suave da mente.

No jogo Assassins Creed II, a sequência final em que o herói derrota Rodrigo Bórgia (papa Alexandre VI) recebe o nome de "Veni, Vidi, Vici".

Na TV[editar | editar código-fonte]

A mídia utiliza a frase de várias maneiras, como no desenho cômico Asterix e Obelix, no qual há as frases "Vim, vi e não acredito no que vejo" (dita pelo próprio César) e "Vim, vi e perdi".

O seriado infantil Doug, utiliza o termo como mágico. As três palavras são bastante similares, o que soa como mágico.

Em Ghostbusters, Bill Murray faz uma paródia ao se referir a um fantasma dizendo: "Viemos, vimos, chutamos as suas bundas"

No desenho animado, Johnny Bravo, o personagem principal faz uma paródia após se machucar: "Vim, vi, quebrei as cadeiras"

Em House, M.D. na última fala do episódio "Needle in a Haystack - 2 de junho de 2007" em que Greg House (Hugh Laurie) luta pelo seu lugar no estacionamento, numa conversa sobre o "ar de culpa" de Cuddy com Wilson diz: "That space is mine! Veni, vidi, vici" ("Aquela vaga é minha! Vim, vi e venci.").

Na serie Bones da rede Fox o agente especial do FBI Seeley Booth (David Boreanaz) pronuncia a frase Veni, vidi, vici em um dos episódio da 4ª

Na serie Everybody hates Chris, Todo mundo odeia o Chris, no episódio Everybody hates the substitute, o professor substituto (Orlando Jones) escreve no quadro negro a frase "Veni, vidi, vici".

No seriado Person of Interest,[2] ela é usada por um professor depois de se revelar ser Elias (futuro chefão supremo do crime em Nova Iorque) após a "reviravolta" do episódio.

Na música[editar | editar código-fonte]

Na canção Adam's Song do grupo Blink-182, a segunda estrofe começa com "I never conquered, rarely came" (Eu nunca venci, raramente vim).

Na canção "Encore", do cantor estadunidense Jay-Z há um trecho em que ele canta I came, I saw, I conquered (Vim, vi, conquistei).

Na canção, "Get Back" do cantor estadunidense Ludacris, ele diz: I came, I saw, I hit him right there in the jaw (Vim, vi, acertei-lhe o queixo).

A banda The Hives intitulou o seu segundo CD com o título de Veni Vidi Vicious.

A canção título do musical da Broadway, Mame contém o trecho: "You came, you saw, you conquered | And absolutely nothing is the same" (Vieste, viste, conquistaste | e absolutamente nada é o mesmo)

"You Came, You Saw, You Conquered" também é título de uma música de Phil Spector, Irvin Levine, & Toni Wine.

"Beware! Criminal" da banda Incubus possui o refrão "you came, you saw, you conquered..."

Virgin Steele, uma banda dos Estados Unidos, possui uma canção chamada "Veni Vidi Vici" no seu álbum Invictus.

O primeiro álbum de Ja Rule se chama Venni Vetti Vecci, uma brincadeira com a frase original.

A cantora Alizée também possui uma canção chamada Veni Vidi Vici.

A banda de Eurodance "Imperio" também possui uma música chamada Veni vidi vici

O piloto de formula 1 Lewis Hamilton, após vencer o campeonato mundial de 2008 numa disputa apertada que acabou no Brasil, proferiu a frase "vini,vidi,vici" em ingles, sua língua natal.

A banda Black Lips de Atlanta, Georgia, têm uma música chamada "Veni, Vidi, Vici" do álbum de 2007, "Good Bad Not Evil".

A sigla V3 do grupo V3 significa "Veni,Vidi, Vici"

A cantora Zélia Duncan, na música "Vi, não vivi" diz: "Nem com os olhos comi. Nem "veni", nem "vidi" nem "vici".

A música "Qual é" de Marcelo D2, ele canta: "Mas sem esse câo de que ta ruim, não dá, isso eu já vi, vivi, venci, deixa prá lá

A música "Ninguém paga minhas contas" de Conecrew Diretoria, eles cantam: "Eu to de pé, vim, vi e venci, veni, vidi, vici"

Netinho do Vini , vidi , vici

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de César, 50.3 [em linha]
  2. [1]