Júlia (filha de Júlio César)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Agosto de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Júlia ou Iulia (83 a.C.54 a.C.) foi filha de Júlio César e da sua primeira esposa, Cornélia.

Efígie de Julia no "Promptuarii Iconum Insigniorum "

Biografia[editar | editar código-fonte]

Júlia foi inicialmente prometida como esposa a Servílio Cepião, mas quando seu pai estabeleceu uma aliança com Pompeu, a jovem casou com este [1] para selar a aliança política que estabeleceu o primeiro triunvirato.[Nota 1] Servílio Cepião ficou noivo de uma filha de Pompeu, que também estava prometida a outro, a Fausto, filho de Sula.[1] Segundo alguns historiadores modernos, este Servílio Cepião, citado por Plutarco, era Quinto Servílio Cepião Bruto, ou Bruto, o mais famoso assassino de César.[2] William Smith, porém, considera-o um personagem distinto.[3]

O casamento com Pompeu ocorreu em Abril de 59 a.C., quando Júlia tinha pouco mais de 20 anos e Pompeu perto de 50. Júlia tornou-se a quarta esposa de Pompeu, que já tinha vários filhos adolescentes. Embora se tivesse tratado de um casamento arranjado, a união resultou venturosa, pois entre ambos nasceu o amor. Segundo Plutarco, Pompeo teria mesmo descurado os seus deveres por causa da sua esposa.

Na eleição dos Edís de 55 a.C., Pompeu viu-se envolvido em um tumulto, no Campo de Marte, ficando sua toga manchada de sangue (de outra pessoa). Um de seus escravos foi buscar uma toga limpa, em sua casa, e Júlia, que estava grávida, ao ver a toga ensanguentada do marido, julgando que ele estivesse morto, provocou um aborto, que teria abalado, irreversivelmente, seu organismo.[4]

Júlia faleceu no ano seguinte, quando dava à luz uma filha (ou filho, segundo outras fontes [5] [6] ), que faleceu, por sua vez, poucos dias depois do nascimento. A morte de Júlia foi uma catástrofe para o seu marido, para o seu pai, e até mesmo para Roma; em pouco tempo a aliança entre Pompeio e César desfez-se e entrou-se na guerra civil.

Júlia foi sepultada no Campo de Marte, tendo o seu pai ordenado um banquete e espectáculos de gladiadores em sua honra, um feito raro para uma mulher da Roma Antiga.


Notas e referências

Notas

  1. O primeiro triunvirato foi formado por Júlio César, Pompeo e Marco Licínio Crasso

Referências

  1. a b Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de César, 14.7
  2. Franklin H. Potter, University of Iowa, Political Alliance by Marriage (1933)
  3. William Smith. Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology, Caepio (em inglês). Ancientlibrary.com.
  4. Plutarco. Vida de Pompeu (48)
  5. Suetônio. Vida dos 12 césares - Júlio César (26)
  6. Lucano. Farsália (v. 474, ix. 1049).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • LIGHTMAN, Marjorie; LIGHTMAN, Benjamin - Biographical Dictionary of Greek and Roman Women. Checkmark Books, 2000. ISBN 0816044368
  • DUGGAN, Alfred. Julius Caesar. Cia. Editora Nacional, 1958.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.