Tibério Gêmelo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Março de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Tibério Júlio César Nero, conhecido como Tibério Gemelo (10 de outubro de 1938), filho de Druso e Lívila, foi neto de Tibério. Seu sobrenome "Gemellus" significa "gêmeo", uma alusão ao seu nascimento, tendo seu irmão morrido ainda na infância.

Tibério Gemelo

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ficou órfão ainda criança, tendo sua mãe sido envolvida na conspiração de Sejano e acusada de ter envenenado o próprio marido.

Passou a ser criado por sua avó materna Antónia Minor até os doze anos, quando foi levado, juntamente com seu primo Calígula, para a ilha de Capri, para viver junto ao seu avô Tibério. Este os declarou herdeiros em conjunto do Império.

Embora Gemelo fosse seu neto legítimo, pois Calígula era filho de seu sobrinho Germânico, adotado como filho por ordem de Augusto, foi mantido em segundo plano, por conta de desconfianças de que era na realidade fruto de um adultério de Lívila com Sejano.

Quando o imperador Tibério morreu, ele deixou o império para Calígula e para seu neto Tibério Gemelo,[1] mas Calígula conseguiu anular o testamento, alegando que Tibério não estava lúcido.[2]

Tibério Gemelo foi adotado na família imperial mas foi morto quando Calígula ficou doente e se recuperou, acusado de ter rezado e esperado que Calígula morresse.[3]


Referências

  1. Dião Cássio, História de Roma, Livro LIX, 1.2
  2. Dião Cássio, História de Roma, Livro LIX, 1.3
  3. Dião Cássio, História de Roma, Livro LIX, 8.1