Vitorino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vitorino
Imperador do Império das Gálias
AV Antoninian Victorinus.JPG
Antoniniano de Vitorino
Governo
Reinado 269271
Antecessor Marco Aurélio Mário
Sucessor Vitória & Domiciano II (usurpadores)
Tétrico I
Vida
Gália
Morte Início de 271
Colonia Claudia Ara Agrippinensium
Filhos Vitorino Júnior
Mãe Vitória

Marco Piavônio Vitorino (em latim: Marcus Piavonius Victorinus)[1] [a] foi um imperador gálico entre 269 e 271[2] e sucessor do fugaz Mário no trono do Império das Gálias. Ele foi assassinado por um marido enciumado depois de tentar seduzir a mulher dele.

Reinado[editar | editar código-fonte]

Oriundo da Gália[3] , Vitorino nasceu numa família muito rica[2] e serviu no exército de Póstumo, o primeiro dos imperadores gálicos[1] . Ele demonstrou ser um soldado muito hábil e alcançou a posição de tribuno pretoriano em 266/267[1] [2] [4] , ascendendo rapidamente à posição de co-cônsul com Póstumo em 268[5] [4] . É possível ainda que Póstumo o tenha promovido à função de prefeito pretoriano[6] .

Depois de arquitetar a morte de Mário, Vitorino foi declarado imperador pelas tropas em Augusta Treveroro (moderna Trier, na Alemanha) no outono de 269[6] [7] . Sua preocupação imediata era evitar que as províncias mais ocidentais voltassem para o controle do Império Romano, algo que lhe pareceu imediato nas primeiras semanas de seu reinado, quando apenas as províncias na Gália, Germânia e Britânia haviam reconhecido-o. A Hispânia desertou e declarou-se em favor de Cláudio Gótico[6] [2] , que enviou seu general mais confiável, Placidiano, para o sudeste da Gália com ordens de atrair para a esfera romana o maior número possível de cidades[5] . Ele rapidamente capturou Cularo (Grenoble), mas não conseguiu avançar mais[6] .

A presença de Placidiano inspirou Augustodunum Haeduorum (Autun) a abandonar Vitorino e declarar sua intenção de se juntar a Cláudio[5] [6] , forçando Vitorino a marchar par ao sul para cercá-la. Depois de sete meses, a cidade caiu e as tropas de Vitorino saquearam e destruíram completamente a cidade[5] [2] [4] . Vitorino em seguida retornou para Colonia Claudia Ara Agrippinensium em triunfo[2] . Permanece um mistério o motivo pelo qual Cláudio não permitiu que Placidiano socorresse Augustodunum Haeduorum e especula-se que Cláudio, que estava muitíssimo ocupado seja na Itália - contra os alamanos - seja nos Bálcãs - contra os godos -, não queria abrir mais uma frente na Gália, o que o obrigaria não só a um grande esforço militar, mas também faria com que ele tivesse que assumir a difícil fronteira do Reno se tivesse sucesso[8] . Há evidências que sugerem que Cláudio estava, além disso, tendo dificuldades no oriente, o que só piorava sua situação[6] .

Vitorino foi assassinado em Colonia[1] no início de 271[9] por Aticiano, um de seus oficiais, cuja esposa Vitorino teria supostamente seduzido[10] [4] . Como o motivo foi pessoal e não político[2] [10] , a mãe de Vitorino, Vitória (ou Vitrúvia) conseguiu se manter no poder depois da morte do filho e arranjou para que ele fosse deificado. Depois de pagar uma considerável quantia às tropas, ela conseguiu também que Tétrico I fosse aclamado imperador[10] [2] . Outro comandante parece ter sido também proclamado, Domiciano II, mas ele foi rapidamente eliminado[11] .

Vitorino aparece entre os "Trinta Tiranos" da "História Augusta". Esta crônica, pouco confiável, traz também uma breve descrição de Vitorino Júnior, supostamente um filho de Vitorino que teria sido nomeado imperador por sua família no dia da morte do pai e que teria sido morto imediatamente depois pelas tropas. A História Augusta afirma também que pai e filho teriam sido sepultados perto de Colonia Claudia Ara Agrippinensium em túmulos de mármore

Ver também[editar | editar código-fonte]

Títulos de nobreza
Precedido por:
Marco Aurélio Mário
Imperadores do Império das Gálias
ca. 269-271
com Domiciano II
(usurpador) (271)
Sucedido por:
Tétrico I
Cargos políticos
Precedido por:
Galieno,
Sabinilo
Cônsules do Império Romano
268
com Póstumo,
Ovídio Paterno,
Arcesilau
Sucedido por:
Aspásio Paterno,
Públio Licínio Inácio Mariniano,
Póstumo
Precedido por:
Aspásio Paterno,
Públio Licínio Inácio Mariniano ,
Póstumo
Cônsules do Império Romano
269-270
com Santo,
Cláudio II,
Paterno
Sucedido por:
Aureliano,
Pompônio Basso,
Tétrico I

Notas[editar | editar código-fonte]

[a] ^ Algumas inscrições trazem seu nome como M. Piavvonius Victorinus, assim como o primeiro lote de moedas emitidas em Colonia Claudia Ara Agrippinensium. Um mosaico de Augusta Treveroro chama-o de Pianoius.

Referências

  1. a b c d Martindale, p. 965
  2. a b c d e f g h Polfer, Victorinus
  3. Potter, p. 261
  4. a b c d Canduci, p. 92
  5. a b c d Southern, p. 118
  6. a b c d e f Potter, p. 266
  7. Canduci, p. 91
  8. Watson, Alaric. Aurelian and the Third Century. London: Routledge, 1999. p. 90.
  9. Potter, p. 272
  10. a b c Southern, p. 119
  11. Canduci, p. 96

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Fontes primárias[editar | editar código-fonte]

Fontes secundárias[editar | editar código-fonte]

  • Southern, Pat. The Roman Empire from Severus to Constantine. [S.l.]: Routledge, 2001.
  • Potter, David Stone. The Roman Empire at Bay, AD 180-395. [S.l.]: Routledge, 2004.
  • Jones, A.H.M.; Martindale, J.R.. In: A.H.M.. The Prosopography of the Later Roman Empire, Vol. I: AD260-395. [S.l.]: Cambridge University Press, 1971.
  • Canduci, Alexander. Triumph & Tragedy: The Rise and Fall of Rome's Immortal Emperors. [S.l.]: Pier 9, 2010. ISBN 978-1-74196-598-8

External links[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Vitorino