William Stanley Jevons

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
William Stanley Jevons

William Stanley Jevons (Liverpool, 1 de setembro de 1835Bexhill, 13 de agosto de 1882) foi um economista britânico.

Foi um dos fundadores da Economia Neoclássica e formulador da teoria da utilidade marginal, que imprimiu novo rumo ao pensamento econômico mundial, especialmente no que se refere à questão da determinação do valor, solucionando o paradoxo utilidade na determinação dos valores das coisas (por que o pão, tão útil, é barato, e o brilhante, quase inútil, é caro?) que até então confundia os economistas.

Inicialmente estudou química e botânica, e depois lógica e economia no University College de Londres onde assumiria a cadeira de economia política na University College, até se aposentar (1880) e tornou-se conhecido pela originalidade de suas teorias.

Brilhante escritor, e que teve ampla influência, sua obra capital foi Theory of Political Economy (1871), livro de importância relevante na história do pensamento econômico, em que expôs de forma definitiva a teoria da utilidade marginal, desenvolvida paralelamente por Karl Menger em Viena e Léon Walras na França.

Outros livros importantes seus foram A Serious Fall in the Value of Gold (1863), Jevons lançou The Coal Question (1865). Outros escritos foram reunidos no livro póstumo Investigations on Currency and Finance (1884), em que examina o problema das flutuações econômicas. Defendia o uso da economia matemática, pois a economia lidava com quantidades e formulou a equação de trocas, que estabelecia a igualdade entre a utilidade marginal do item consumido e seu preço.[carece de fontes?]

Estudou as relações entre as necessidades materiais e o estímulo ao trabalho, tendo chegado a conclusões que - embora hoje pareçam curiosas - estavam alinhadas com o mainstream do pensamento econômico liberal e dos marginalistas de sua época:

É evidente que problemas desse tipo dependem muito da índole ou da raça. Pessoas de temperamento enérgico acham o trabalho menos penoso que seus camaradas e, se elas são dotadas de sensibilidade variada e profunda, nunca cessa seu desejo por novas aquisições. Um homem de raça inferior, um negro, por exemplo, aprecia menos as posses e detesta mais o trabalho; seus esforços portanto, param logo.1

Morreu em Bexhill, Inglaterra, com apenas 47 anos, vítima de um afogamento acidental. Tinha, também, conhecimentos práticos de Física, Metalurgia e Meteorologia e deixou inacabados um ensaio sobre religião e ciência, um estudo sobre a filosofia de John Stuart Mill e a obra Principles of Economy.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. JEVONS, S. A teoria da economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1987. (Coleção Os Economistas). p. 116.