Xanto (cidade)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde junho de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Pix.gif Xanthos-Letoon *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Reconstruction Nereid Monument BM.jpg
Teatro de Xanto
País Turquia
Critérios (ii)(iii)
Referência 484
Coordenadas 36° 20' N 29° 19' E (Kınık, Turquia)
Histórico de inscrição
Inscrição 1988  (12ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.

Xanto (em hitita: Arinna; em lício: Arñna; em grego: Ξάνθος, transl.: Xanthos) foi uma cidade da Antiguidade, capital do Reino da Lícia, situada próxima à foz do rio homônimo. Seus edifícios principais eram o templo de Sarpedão e o de Apolo de Lícia. Não muito longe estava o santuário de Letoon, à beira-rio. Juntamente com esse santuário, Xanto está inscrita na lista de Património Mundial da UNESCO.

A cidade foi atacada por volta de 540 a.C. pelo general persa Harpago, ao serviço de Ciro II, o grande.[1] Os lícios defenderam-se heroicamente mas foram derrotados, e retornando para a cidade, a queimaram com suas mulheres e seus filhos antes de cairem nas mãos dos persas.[1] Mais tarde foi reconstruida e cerca de vinte anos depois emitiram-se moedas na cidade. Foi incluída na primeira sátrapa de Dario I da Pérsia. Escavações arqueológicas demonstram que foi destruída outra vez durante as lutas entre persas e gregos por volta de 470 a.C., por uns ou outros ou por causas naturais, e uma vez mais foi reconstruida. Antes de 400 a.C. Xanthos incorporou Telmessos.

É mencionada como cidade lícia por escritores gregos e romanos. Alexandre, o Grande ocupou a cidade mas não se sabe se a tomou pela força (como disse Apiano) ou voluntariamente (como disse Arriano). Depois da morte de Alexandre, o Grande pertenceu a Antígono I, depois a Ptolomeu I Sóter[2] , e mais tarde aos seleucidas. Entre 272 a.C. e 188 a.C. foi incluída no reino de Pérgamo. Em 133 a.C. o reino de Pérgamo pasou a Roma por herança, e assim Xanto converteu-se em cidade romana.

Depois do assassinato de Júlio César a cidade foi atacada pelo exército de Bruto em 42 a.C., mas os habitantes resistiram e foi ocupada ao assalto, continuando a luta nas ruas e morrendo a maior parte das pessoas, antes de se renderem e de a cidade ter ficado destruída pelos incêndios. Depois desta destruição a cidade já não foi reconstruida. Apiano diz que foi reconstruida por Marco António, mas a cidade perdeu toda a sua importância.

As suas ruínas foram descobertas por Sir C. Fellows. Estão próximas a Kınık e conteem templos, túmulos, arcos triunfais, muralhas, e o teatro como elementos principais. Uma parte dos objectos achados seriam levados Inglaterra em 1842 e 1843 e actualmente estão no Museu Britânico.

Referências

  1. a b Heródoto, Histórias, Livro I, Clio, 176 [pt] [el] [el/en] [ael/fr] [en] [en] [en] [es]
  2. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XX, 27.1. Ptolomeu tomou a cidade de Antígono no ano em que Demétrio de Falero era arconte de Atenas, e Quintus Fabius Maximus cônsul romano pela segunda vez e Caio Márcio pela primeira

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Xanto (cidade)
Ícone de esboço Este artigo sobre História da Turquia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.