Abbé Pierre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Abbé Pierre
L'abat Pierre el 1999
Nascimento Marie Joseph Henri Grouès
5 de agosto de 1912
4th arrondissement of Lyon
Morte 22 de janeiro de 2007 (94 anos)
5.º arrondissement de Paris
Sepultamento Sena Marítimo, Esteville
Cidadania França
Ocupação frade capuchinho, padre, membro da Resistência Francesa, teólogo, político
Prêmios
  • Grã-cruz da Legião de Honra
  • Cruz de guerra 1939-1945
  • Medalha da Resistência
  • Prêmio Balzan (humanidades, França, 1991)
  • Oficial da Ordem Nacional do Cedro
  • Grã-Oficial da Ordem Nacional de Quebec
  • doutor honoris causa na Universidade Laval
Religião Igreja Católica
Causa da morte pneumonia

Henri Antoine Groués, mais conhecido como Abbé Pierre (Lyon, 5 de Agosto de 1912 — Paris, 22 de Janeiro de 2007) foi um sacerdote católico francês que fundou o Movimento Emaús.[1][2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em uma família de comerciantes de seda,[3] sendo o quinto de uma família de oito filhos. Durante a infância, viveu em Irigny, uma cidade a sudoeste de Lyon.

A partir dos seis anos de idade, passou a acompanhar o seu pai em ações de amparo aos sem-teto e mendigos da região de Quai Rambaud.[4]

A partir dos 12 anos de idade, acompanhou o seu pai na Ordem de São João de Jerusalém onde integrantes das elites, utilizavam algumas horas dos domingos para cortar o cabelo e fazer a barba dos mais pobres.

Estudou em um internato dirigido pelos jesuítas e foi escoteiro.

Em 1928, durante uma peregrinação à Roma, decidiu tornar-se um franciscano.[5]

Em 1931, fez os primeiros votos na ordem dos capuchinhos, onde passou a ser conhecido como: "Frei Philippe".

Em 1932, terminou o noviciado e foi transferido para o convento capuchinho de Crest (Drôme) ( Drôme ), onde passou sete anos de formação intelectual e religiosa em grande austeridade de vida. Ele é particularmente marcado pela adoração diariamente à noite.[6]

Em 18 de dezembro de 1937, foi ordenado como diácono.

Em 24 de agosto de 1938, foi ordenado como sacerdote.

Em 18 de abril de 1939, deixou a ordem dos capuchinhos por causa de sua saúde frágil.

Em 02 de maio de 1939, foi incorporado na Diocese de Grenoble.[7]

Em outubro de 1940, foi nomeado como capelão do hospital de La Mure e depois do orfanato de La Côte-Saint-André, onde acolheu crianças judias após a prisão dos seus pais.[8]

Em novembro de 1943, ajudou a trazer para a Suíça o irmão mais novo do General de Gaulle, Jacques, que sofria de graves deficiências físicas, juntamente com a sua esposa.[9]

Depois se integrou à Resistência Francesa, razão pela qual teve que se esconder e adotar o nome de Abbé Pierre que continuaria a utilizar até o final da vida.

Em 1944, foi brevemente preso pelos nazistas, mas foi libertado e conseguiu fugir para a Espanha de onde conseguiu fugir para Gibraltar, de onde partiu Argel (Argélia), onde estava o General de Gaulle. Depois foi enviado para Casablanca (Marrocos), onde seria capelão militar no Couraçado Jean Bart.

Devido ao seu apoio à Resistência Francesa, durante a Segunda Guerra Mundial, seria condecorado com a Croix de Guerre.[10]

Foi eleito por três vezes como deputado, pelo Departamento de Meurthe-et-Moselle, apoiado pelo Movimento Republicano Popular (MRP), atuando como deputado entre 1946 e 1951.[11][12]

Entre os dias 27 e 31 de agosto de 1947, participou do Congresso de Fundação do Movimento Federalista Mundial, do qual se tornou vice-presidente.[13][14]

Em 1948, fundou, juntamente com Albert Camus e André Gide, o comitê de apoio a Garry Davis, fundador do Movimento dos Cidadãos do Mundo, que se opunha ao rápido aumento do egoísmo nacional.[15]

Em 1949, fundou o Movimento Emaús, uma organização que luta contra a exclusão social, que, em 2008, atuava em 41 países ao redor do mundo.[16]

Em 28 de abril de 1950, se desligou do MRP, em meio à comoção causada pela morte do operário Edouard Mazé, morto pela polícia com uma bala na cabeça durante uma manifestação. Depois disso, se juntou à "Ligue de la jeune République" (Liga da Jovem República), um partido socialista cristão.

Não conseguiu novo mandado nas eleições de 1951.[11]

Durante a Guerra de Independência Argelina (1954-1962), participou da comissão de defesa do direito à objeção de consciência criada por Louis Lecoin, juntamente com André Breton, Albert Camus, Jean Cocteau e Jean Giono.

No dia 1º de fevereiro de 1954, fez um apelo, nos microfones da Rádio Luxemburgo, para recolher apoio para ajudar os mais pobres que sofriam com um inverno rigoroso. Esse apelo teve grande repercussão e conseguiu arrecadar cerca de 500 milhões de francos franceses. Dentre os doadores, destacou-se Charles Chaplin, que contribuiu com dois de francos. As doações de roupas e outros materiais também foram muito numerosas.[17][18]

Dedicou o restante de sua vida ao fortalecimento do Movimento Emaús.

Filmes sobre Abbé Pierre[editar | editar código-fonte]

  • 1955: "Les Chiffonniers d'Emmaüs", dirigido por Robert Darène com André Reybaz no papel de Abbé Pierre.
  • 1989: "Hiver 54, l'abbé Pierre" (Inverno de 1954), dirigido por Denis Amar com Lambert Wilson no papel de Abbé Pierre e participação de Claudia Cardinale.
  • 2005: "Vous direz à vos enfants… Le plus beau témoignage sur la beauté du don" (Você vai contar aos seus filhos… O mais belo testemunho sobre a beleza do presente), entrevista com Abbé Pierre.
  • 2007: "Paroles - Abbé Pierre". Série de entrevistas com Abbé Pierre.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Fichier des décès : Marie Joseph Henry Grouès, em francês, acesso em 09/05/2021.
  2. Alias pris dans la Résistance.
  3. Jean-Louis Beaucarnot, Quand nos ancêtres partaient pour l'aventure, JC Lattès, 1997, p. 107.
  4. André Bonnet, Michel Bolasell, Les insurgés de la pauvreté, Philippe Rey, 2016, p. 83.
  5. Denis Lefevre, Les combats de l'Abbé Pierre, Le Cherche Midi, 2011, p. 15.
  6. Denis Lefevre, Les combats de l'Abbé Pierre, Le Cherche Midi, 2011, p. 15.
  7. Gilles-Marie Moreau, La cathédrale Notre-Dame de Grenoble, L'Harmattan, 2012, p. 227.
  8. Julien Arbois, Histoires insolites de la Résistance française, City, 2015, 230 p.
  9. Christian Sorrel, La Savoie, éd. Beauchesne, 1996, 441 p.
  10. HENRI GROUÈS, "ABBÉ PIERRE" : LA RÉSISTANCE DE MALLEVAL À LA FRANCE LIBRE, em francês, acesso em 09/05/2021.
  11. a b Il y a 70 ans, l'Abbé Pierre était élu député de Meurthe-et-Moselle, em francês, acesso em 09/05/2021.
  12. L'abbé Pierre, em francês, acesso em 09/05/2021.
  13. FRÈRE DES PAUVRES, PROVOCATEUR DE PAIX, em francês, acesso em 09/05/2021.
  14. L’Abbé Pierre, fédéraliste européen et mondial, em francês, acesso em 09/05/2021.
  15. "Plusieurs personnalités internationales lancent un appel en faveur de la citoyenneté mondiale", Le Monde,‎ 4 de março de 1966.
  16. Axelle Brodiez-Dolino, Emmaüs et l'abbé Pierre, Presses de Sciences-Po, 2008, p. 39.
  17. Appel de l'abbé Pierre, em francês, acesso em 06/05/2021.
  18. L'abbé Pierre, fondateur d'Emmaüs, est mort, em francês, acesso em 10/05/2021.
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Abbé Pierre