Adi-Buda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

No budismo vajrayana, o ādibuddha (Tibetano: དང་ པོའ ི་ སངས་ རྒྱས ་. Dang-po'i sangs-rgyas), é o "Primeiro Buda" ou "Buda Primordial".[1] O termo ressurge na literatura tântrica, mais proeminentemente no Kalachakra.[2] De acordo com a primeira interpretação, ādi significa "primeiro" tal que o ādibuddha foi o primeiro a atingir a "budeidade". De acordo com a segunda interpretação, ādi também pode significar "primordial", não se referindo a uma pessoa, mas a uma sabedoria inata que está presente em todos os seres sencientes.[2] No budismo tibetano, o termo ādibuddha é usado frequentemente para descrever Samantabhadra, Vajradhara ou Kalachakra.[2][1] Na Ásia Oriental, o ādibuddha é tipicamente considerado como Vairocana.[2]

O Guhyasamāja Tantra diz de Vajradhāra: "Então Vajradhara, o Mestre, a quem todos os Budas se curvam, o melhor dos três diamantes, o melhor do maior bem, e supremo senhor dos três diamantes[.]"[1]

Alex Wayman observa que o Pradipoddyotana, um comentário tântrico, afirma que os "três diamantes" são os três mistérios de Corpo, Fala e Mente. Wayman ainda escreve: "O Mchan-'grel de Tsong-kha-pa explica que o "senhor do corpo": exibe simultaneamente inúmeras materializações do corpo; "senhor da fala": ensina o Dharma simultaneamente a seres sencientes sem limites, cada um na sua própria língua; "senhor da mente": entende todo o conhecimento que parece impossível.[1]

De acordo com o 14º Dalai Lama, o ādibuddha também é visto no budismo maaiana como representação do universo, suas leis e sua verdadeira natureza, como uma fonte de iluminação e manifestações cármicas e uma representação do Trikaya.[3] Nos tantras, o conceito de Buda Primordial é associado a compaixão e sabedoria supremas, conferindo-lhe uma dimensão cósmica na filosofia budista subsequente que fundamenta o "Buda" como o Absoluto, como afirma Dolpöpa (1292-1361):

"Portanto, a Realidade Última de todos os sūtras e tantras profundos que cuidadosamente apresentam Tathatā e daí por diante ... É absoluto, nunca relativo. ... É primordial, nunca incidental. É Buddha, nunca um ser senciente."[4][5]

Segundo Léon Feer: "Para remediar a desvantagem da multidão de Budas, imaginou-se um Buda primordial (que é o que significa o sânscrito Adi-Buda), do qual todos os outros são apenas uma emanação ou uma manifestação. Este Adibuddha, os tibetanos o honram sob o nome de Vadjradhara (em sânscrito, porta-cetro), que é como o mestre supremo de todas as coisas, especialmente o chefe dos bons gênios: também se lhe dá o nome de Vajrasattva, o qual é feito uma personalidade distinta em outros lugares. A concepção do Adi-Buda é uma tentativa monoteísta específica do budismo tibetano ou nepalês."[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d Wayman, Alex (2013). The Buddhist Tantras: Light on Indo-Tibetan Esotericism. [S.l.]: Routledge. p. 53. ISBN 1-135-02922-9 
  2. a b c d Buswell, Robert E.; Lopez, Jr., Donald S. (2013). The Princeton dictionary of Buddhism. Princeton: Princeton University Press. ISBN 9781400848058. Entry on "ādibuddha".
  3. «Dalai Lama Answers Questions on Various Topics». hhdl.dharmakara.net (em inglês) 
  4. Carlucci, Bruno. (2013). O Grande Cálculo: ensaio sobre a tradução indireta de um texto budista tibetano. Dissertação de mestrado. Brasília: UNB.
  5. Stearns, Cyrus (2002). The Buddha from Dolpo: A Study of the Life and Thought of the Tibetan Master Dolpopa Sherab Gyaltsen (em inglês). [S.l.]: Motilal Banarsidass Publ. p. 149-150. ISBN 9788120818330
  6. Léon Feer, Le Tibet (1886), t. 1, Paris, Maisonneuve, 1886 (lire sur Wikisource), « Chap. IV », p. 53-69.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Grönbold, Günter (1995). Weitere Adibuddha-Texte, Wiener Zeitschrift für die Kunde Südasiens / Vienna Journal of South Asian Studies 39, 45-60
Ícone de esboço Este artigo sobre budismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.