António Francisco de Bragança

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde março de 2014). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
António Francisco de Bragança
Nascimento 15 de março de 1695
Lisboa
Morte 20 de outubro de 1757 (62 anos)
Lisboa
Sepultamento Igreja de São Vicente de Fora
Progenitores Mãe:Maria Sofia Isabel de Neuburgo
Pai:Pedro II de Portugal
Irmão(s) Isabel Luísa, Princesa da Beira, Francisca Josefa de Bragança, Luísa de Bragança, Francisco, Duque de Beja, João V de Portugal, José de Bragança, arcebispo de Braga, João de Bragança, Príncipe do Brasil, Manuel de Bragança, Infante de Portugal

António de Bragança, de seu nome completo António Francisco Xavier José Bento Teodósio Leopoldo Henrique de Bragança (Lisboa, 15 de Março de 1695 - quinta da Tapada, arredores de Lisboa, 20 de Outubro de 1757) foi o quinto filho resultante da união de Pedro II de Portugal e Maria Sofia de Neuburgo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

O Infante era «apático e egoísta, e em sua casaca verde se metia e protegia a Companhia do Olho Vivo, bando de ladrões que alarmou Lisboa e aos quais o Infante quis por vaidade salvar, pois dele fazia parte seu mordomo.» Não deixava de ser simpático e se tratava do irmão dilecto do rei João V de Portugal, mas viveu sempre retirado da Corte, nos arredores. D. António tinha um grande interesse na música, tocava o cravo e o pianoforte, era aluno do famoso compositor italiano e cravista Domenico Scarlatti,[1] e em 1732 o compositor Lodovico Giustini dedicou-lhe a primeira colecção já mais editada de sonatas para o pianoforte.[2]

Aquando da morte do seu irmão D. Francisco de Bragança, em 1742, D. António reclamou para si a sucessão na chefia da Casa do Infantado, que viria contudo a ser entregue ao seu sobrinho D. Pedro, filho secundogénito de D. João V, o que muito agravou a relação entre os dois irmãos.

Foi sepultado no Panteão dos Braganças, no Mosteiro de São Vicente de Fora. Nunca se casou, mas atraveés de seu filho natural, Duarte, ele é um antepassado de José de Alencar.

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • Lodovico Giustini, Sonate da Cimbalo di piano e forte detto volgarmente di martelletti (Firenze 1732), Florença: Studio der Edizioni Scelte, 1982.
  • Stanley Sadie, "Domenico Scarlatti", in: The New Grove Dictionary of Music and Musicians, vol. 16, London, 1980, p. 568ff.

Referências

  1. Stanley Sadie, "Domenico Scarlatti", in: The New Grove Dictionary of Music and Musicians, vol. 16, London, 1980, p. 568ff.
  2. Lodovico Giustini, Sonate da Cimbalo di piano e forte detto volgarmente di martelletti (Firenze 1732), Florença: Studio der Edizioni Scelte, 1982.