Bandeira de Minas Gerais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bandeira do estado de
Minas Gerais
Bandeira do estado de Minas Gerais
Aplicação
Proporção 7:10
Adoção 8 de janeiro de 1963
Cores
  Branco
  Vermelho
  Preto

A bandeira do estado de Minas Gerais é um dos símbolos oficias do estado brasileiro de Minas Gerais[1].

História[editar | editar código-fonte]

Era um projeto para uma bandeira nacional, de autoria dos inconfidentes mineiros e instituída como bandeira oficial do estado de Minas Gerais pela lei estadual nº 2793 de 8 de janeiro de 1963.[2]

Tal como descrita no artigo 2 daquela lei, a bandeira é formada por um retângulo com vinte módulos de comprimento por 14 módulos de altura (tal como a bandeira do Brasil), contendo, ao centro, um triângulo equilátero em vermelho com oito módulos de cada lado; possui no lado superior esquerdo a palavra "LIBERTAS", no lado superior direito as palavras "QUÆ SERA" e na base a palavra "TAMEN".

Descrição vexilológica e lema[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Liberdade ainda que tardia

Há controvérsias a respeito da cor original do triângulo, pois alguns historiadores julgam ser verde originalmente. O vermelho, contudo, acabou sendo adotado como símbolo-mor das revoluções. O triângulo equilátero simboliza a Santíssima Trindade.

O lema LIBERTAS QUÆ SERA TAMEN. (muitas vezes traduzido como "Liberdade ainda que tardia") teria sido cunhado pelo inconfidente Alvarenga Peixoto a partir de um verso das Bucólicas (1.27) do poeta latino Virgílio, em que se lê Libertas quae sera tamen respexit inertem, que pode ser traduzido por "Liberdade, a qual, embora tarde, (me) viu inerte". Há quem sustente, contudo, que a tradução correta do dístico seria "Liberdade ainda que tardia, todavia...", o que não faz sentido[3]. Para esses, a frase correta a ser usada na bandeira para ter o sentido desejado deveria ser Libertas quae sera[4].

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. ALVES. Derly Halfeld. Bandeiras: nacional, históricas e estaduais. Brasília. Edições do Senado Federal, 2011. ISBN 978-85-7018-358-3.
  2. s:Lei estadual de Minas Gerais 2793 de 1963
  3. «"Um crucifixo com a marca INRI", Jornal do Brasil, 14/03/2005». Consultado em 4 de maio de 2009 
  4. FERNANDES, Millôr: revista Veja, 17/01/1979.
  5. «"Vexilologia Brasileira - Bandeira do Estado de Minas Gerais». Consultado em 4 de setembro de 2015 
Ícone de esboço Este artigo sobre vexilologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.