Beretta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fabbrica d'Armi Pietro Beretta S.p.A.
Beretta text logo.jpg
Privada
Atividade Armas de fogo
Fundação 1526; há 494 anos Brescia, Itália
Fundador(es) Bartolomeo Beretta (1490 – 1565/68)
Sede Bréscia, Itália
Área(s) servida(s) Mundo
Produtos Armas de fogo, armas
Empresa-mãe Beretta Holding
Website oficial

Fabbrica d'Armi Pietro Beretta (literalmente, "Fábrica de Armas Pietro Beretta"), Beretta é o nome genérico atribuído à fábrica de armas de fogo italiana Fabbrica d'Armi Pietro Beretta S.p.A., cujo fundador foi Pietro Beretta, e às armas por esta fabricadas.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Vista da área de produção de uma das fábricas da Beretta .

Fundada no século XVI, a Beretta é a mais antiga fabricante ativa de componentes para armas de fogo do mundo. [1] Em 1526 seu primeiro produto foram canos de arcabuz; segundo todos os relatos, canos feitos pela Beretta equiparam a frota veneziana na Batalha de Lepanto em 1571. [2] A Beretta forneceu armas para todas as grandes guerras europeias desde 1650. [3]

Val Trompia, um vale fluvial do norte da Itália na província de Bréscia, Lombardia, foi de onde era extraído minério de ferro desde a época do Império Romano. Na Idade Média, Val Trompia era conhecido por suas ferrarias; após o Renascimento, passou a ser um centro de fabricação de armas. [4] Em meados do século XVI, Val Trompia tinha quarenta ferrarias, abastecidas por cinquenta minas e oito fundições. O local de nascimento de Beretta está na aldeia de Gardone, localizada nas margens do rio Mella, no meio de Val Trompia (ou seja, entre o vale superior e o vale inferior). [1]

A forja Beretta esteve em operação desde 1500, [5] embora a primeira transação documentada seja um contrato datado de 3 de outubro de 1526 para 185 canos de arcabuz, pelo qual a República de Veneza deveria pagar 296 ducados ao "Maestro di Canne" ("Mestre de Canos") Bartolomeo Beretta. [4] O documento original da conta para o pedido desses canos está agora armazenado no Archivio di Stato di Venezia. [6] No final do século XVII, a Beretta havia se tornado a segunda maior fabricante de canos de arma em Gardone. [1]

No sistema de guilda, o conhecimento da fabricação de canos de espingarda que foi legado a Jacopo (1520/25 -…) de seu pai Bartolomeo (1490 - 1565/68) [7] foi então passado para seu próprio filho Giovannino (1550 - após 1577), e a seu neto Giovan Antonio (1577 - após 1649) [8] e assim por diante até que as guildas foram abolidas por Napoleão após sua conquista da República de Veneza em 1797. [1]

A Beretta pertence à mesma família há quase quinhentos anos [9] e é membro fundador da "Les Hénokiens", uma associação de empresas bicentenárias que são de propriedade e operação familiar. [10]

Em 1918, a "Moschetto Automatico Beretta Mod.1918", uma das primeiras metralhadoras do mundo, foi colocada em campo pelo exército italiano. A Beretta fabricou rifles e pistolas para os militares italianos até o Armistício de Cassibile de 1943 entre a Itália e as Forças Aliadas durante a Segunda Guerra Mundial. Com o controle da Wehrmacht do norte da Itália, os alemães apreenderam as fábricas da Beretta e continuaram produzindo armas até a rendição alemã de 1945 na Itália. [4] Durante esse tempo, a qualidade do acabamento externo das armas diminuiu, com os exemplares do final da guerra sendo muito inferiores às armas do pré e do meio da guerra, mas sua operação permaneceu excelente. [11] A última remessa de fuzis Tipo I deixou Veneza para o Japão em um submarino em 1942.

Após a Segunda Guerra Mundial, a Beretta esteve ativamente envolvida no recondicionamento dos M1 Garands americano cedidos à Itália pelos EUA. A Beretta modificou o M1 no fuzil Beretta BM-59, que é semelhante ao fuzil de combate M14; os armeiros consideram o rifle BM-59 superior ao rifle M14 em alguns aspectos, porque é mais preciso sob certas condições. [12][13]

Após a guerra, a Beretta continuou a desenvolver armas de fogo para o Exército e a polícia italianos, bem como para o mercado civil. [14]

Em 1974, abriu sua primeira fábrica no Brasil, na cidade de São Paulo, como parte de um contrato assinado com o Exército Brasileiro onde forneceria suas submetralhadoras M12 e as pistolas Beretta 92 para o programa de modernização de armamentos das Forças Armadas. Sua fábrica ficava na Avenida Victor Manzini, 450, no distrito de Santo Amaro.[15] O contrato duraria até 1980, que foi quando a Beretta vendeu sua fábrica, maquinário e projetos para a brasileira Taurus, que desenvolveu sua famosa pistola PT92 baseado no projeto original da Beretta 92 (cuja patente havia expirado).[16][17]

Na década de 1980, a Beretta desfrutou de uma renovação de popularidade na América do Norte depois que sua pistola Beretta 92 foi selecionada como a arma de serviço do Exército dos Estados Unidos sob a designação de "M9 pistol". [2]

A Beretta adquiriu vários concorrentes domésticos (notadamente Benelli e Franchi) e algumas empresas estrangeiras (notadamente na Finlândia) no final dos anos 1980. [18]

Visão geral[editar | editar código-fonte]

Hoje, a Fabbrica d'Armi Pietro Beretta (Beretta S.p.A) é dirigida por Franco Gussalli Beretta, presidente e CEO. [19]

A tradicional dinastia Beretta de pai para filho foi interrompida quando Ugo Gussalli Beretta assumiu o controle da empresa; os tios Carlo e Giuseppe Beretta não tinham filhos; Ugo se casou com alguém da família Beretta e adotou o sobrenome Beretta. Seus filhos agora são descendentes diretos por meio do lado materno da família.

A Beretta é conhecida por sua ampla gama de armas de fogo: espingardas de cano duplo, invertidas, semiautomáticas, de caça, de alta velocidade de saída, fuzis de assalto, submetralhadoras, fuzis por alavanca e por ferrolho, revólveres de ação simples e dupla e pistolas semiautomáticas. [20] A empresa controladora, Beretta Holding, também possui a Beretta USA, Benelli, Franchi, SAKO, Stoeger, Tikka, Uberti e também a Burris Optics.

O modelo Beretta 92FS tornou-se a arma secundária padrão do Exército dos Estados Unidos, Corpo de Fuzileiros Navais, Marinha e Força Aérea, designada como "M9 pistol". [21] Em 1985, a Beretta foi escolhida após uma competição polêmica para produzir a M9, ganhando um contrato de 500.000 pistolas. [22][23] Uma condição do acordo original era de que o fabricante da M9 fosse doméstico. [24][25] Em 2019, a versão de 9 mm da SIG Sauer P320 foi selecionada para substituir a M9 em todas as Forças Armadas dos EUA. [26]

Armas Beretta[editar | editar código-fonte]

Mini pistolas Beretta[editar | editar código-fonte]

  • Beretta 21 Bobcat
  • Beretta 950 Jetfire
  • Beretta B 950
  • Beretta B 985
  • Beretta 3032 Tomcat

Caçadeiras Beretta[editar | editar código-fonte]

  • Beretta 1201FP
  • Beretta DT-10
  • Beretta 682
  • Beretta 686
  • Beretta Silver Pigeon falls
  • Beretta AL391
  • Beretta SO4 and SO5
  • Beretta Xtrema
  • Beretta Xtrema 2
  • Beretta 687
  • Beretta Modelo A

Rifles e carabinas Beretta[editar | editar código-fonte]

  • Beretta BM-59
  • Beretta AR70/90
  • Beretta AS70/90
  • Beretta Cx4 Storm
  • Beretta Rx4 Storm

Submetralhadoras Beretta[editar | editar código-fonte]

Metralhadoras Beretta[editar | editar código-fonte]

Revólveres Beretta[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d Grant, Tina (8 de junho de 2001). International directory of company histories. Detroit, Mich: St. James Press. ISBN 9781558624443 – via FundingUniverse 
  2. a b Suro, Roberto (7 de junho de 1987). «ITALY: HOST FOR THE ECONOMIC SUMMIT - A LAND OF FAMILY BUSINESSES; The Careful Aim of the Beretta Clan». The New York Times. Consultado em 26 de agosto de 2015. The Pentagon's 1984 decision to buy 320,000 Beretta 92SB-F 9-millimeter pistols for use as a standard sidearm produced a pile of exceptional publicity for Beretta (which also supplies the Texas Rangers.) 
  3. Anderson, Lisa (30 de outubro de 1990). «Still The Big Guns Of Weaponry». Chicago Tribune. Consultado em 26 de agosto de 2015. Since 1526, The Beretta Family Has Been The World`s Most Fashionable Arms Supplier 
  4. a b c Alderson, Keanon (20 de dezembro de 2011). «ADVICE: Longevity teaches family business lessons». Riverside, CA. The Press Enterprise. Consultado em 27 de agosto de 2015. Learn from a company that weathered bubonic plague, political intrigue, assassination attempts and World War II to become a premier manufacturer in its industry segment 
  5. «FABBRICA D'ARMI PIETRO BERETTA S.p.A. Today». Fabbrica d'Armi Pietro Beretta. Consultado em 1 de setembro de 2015. Passed down through 15 generations of the Beretta family, the company was already active in Gardone Valtrompia in the 1400s and its work has been documented since 1526. 
  6. «Private Museum». Fabbrica d'Armi Pietro Beretta. Consultado em 1 de setembro de 2015 
  7. "Bartolomeo Beretta" Encyclopædia Britannica
  8. «Beretta Since 1526». Fabbrica d'Armi Pietro Beretta. Consultado em 5 de setembro de 2015 
  9. Thomson, Candus (30 de março de 2001). «Same aim, for nearly 500 years». Tribune Publishing Company. The Baltimore Sun. Consultado em 28 de agosto de 2015 
  10. «Press Room : Gallery». Les Hénokiens - Association internationale d'entreprises familiales au moins bicentenaires. Consultado em 2 de setembro de 2015 
  11. «Beretta International». Beretta.com. Consultado em 8 de setembro de 2008 
  12. «Beretta's BM59: The Ultimate Garand» (PDF). Consultado em 7 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 25 de março de 2009 
  13. «Beretta BM 59 Semi Automatic Rifle». National Firearms Museum. NRA. Consultado em 27 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2015 
  14. McClellan, Angus (12 de novembro de 2009). «The Beretta M9: 25 Years of Service». NRA. American Rifleman. Consultado em 30 de agosto de 2015 
  15. Brazilian Bulletin. Nova Iorque: Brazilian Government Trade Bureau. 1974. p. 6 
  16. Small Arms in Brazil: Production, Trade and Holdings. Genebra: Viva Rio, ISER. 2010. pp. 42, 43 
  17. Welfer, Rafael Luciano (2014). A História da Indústria Militar Brasileira: Organizações, Complexo Industrial e Mercado durante o Século XX. Ijuí: UNIJUÍ. p. 56 
  18. «Switching targets». The Economist. 16 de novembro de 2006. Consultado em 27 de agosto de 2015. Beretta has reinvented itself in the past decade, a change as dramatic as the reinvention of its most famous customer in 'Casino Royale', the latest Bond film. 
  19. Roberts, Hannah (9 de junho de 2016). «Franco Gussalli Beretta defends the family-run gunmaking company». Financial Times (em inglês). Consultado em 15 de abril de 2019 
  20. «Beretta Announces Limited Edition 92 Centennial Pistol». NRA. American Rifleman. 28 de maio de 2015. Consultado em 30 de agosto de 2015. The original Beretta Model 1915 was adopted by the Italian forces one month after Italy entered World War I. 
  21. «Beretta and the M9A3: Update». NRA. American Rifleman. 3 de fevereiro de 2015. Consultado em 30 de agosto de 2015. …Beretta submitted an Engineering Change Proposal (ECP) to its current contract the company calls the M9A3, which fulfilled many of the requirements set out for the looming Modular Handgun project. 
  22. «U.S. Army Acquires Additional Beretta M9 9mm Pistols». NRA. Shooting Illustrated. 29 de julho de 2014. Consultado em 29 de agosto de 2015. To date, Beretta has delivered over 600,000 M9 pistols, with 18,000 already scheduled for delivery under the new 5 year contract. 
  23. «Italian designed, American made, Iraq deployed». American Machinist. Penton. 13 de dezembro de 2005. Consultado em 27 de agosto de 2005. Its pistols have been used in every major U.S. military engagement since the late 1980s, including both Iraq campaigns, in Bosnia, Panama and Afghanistan. 
  24. Valsecchi, Piero (10 de março de 1985). «Italy-Based Beretta Has Made Weapons Since 1526 : Army Opts for James Bond's Handgun». Los Angeles Times. Associated Press. Consultado em 27 de agosto de 2015. Beretta will begin production of the model for the U.S. military in its ancient factory in this northern region that has been the stronghold of Italy's arms industry since Roman slaves began working on metals and arms. 
  25. Kennedy, Harold (Outubro de 2000). «Beretta 9 mm Finds Niche In 'Low-Intensity' Missions». NDIA. National Defense. Consultado em 28 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 30 de julho de 2016 
  26. Mizokami, Kyle (23 de janeiro de 2017). «The Sig P320 is the U.S. Army's New Sidearm». Yahoo News. Consultado em 28 de janeiro de 2017. After a two-year, $17 million dollar search involving 12 contestants, the U.S. Army has finally picked its first new handgun in 32 years. 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Wilson, R. L. (2000). The world of Beretta : an international legend. New York: Random House. ISBN 9780375501494 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]