Bolsa de Falaise

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Batalha da Bolsa de Falaise
Segunda Guerra Mundial - Operação Overlord
Falaise Pocket map.svg
Situação da batalha entre 8–17 de Agosto de 1944
Data 12–21 de Agosto de 1944
Local Falaise, Normandia, França
Desfecho Vitória decisiva dos Aliados
Beligerantes
 Estados Unidos
 Reino Unido
 Canadá
 Polônia
 França Livre
 Alemanha Nazi
Comandantes
Reino Unido Bernard Montgomery
Estados Unidos Omar Bradley
Canadá Harry Crerar
Reino Unido Miles Dempsey
Estados Unidos Courtney Hodges
Estados Unidos George Patton
Alemanha Nazista Günther von Kluge 
Alemanha Nazista Walter Model
Alemanha Nazista Paul Hausser
Alemanha Nazista Heinrich Eberbach
Forças
17 Divisões 14–15 Divisões
Baixas
Estados Unidos:
Desconhecido
Reino Unido:
Desconhecido
França Livre:
Desconhecido
Canadá:
5679 baixas[nota 1]
Polónia:
c. 5150 baixas[1]
dos quais 2300 da 1ª Divisão Blindada.[2]
c. 60 000:
  • c. 10 000 mortos
  • c. 50 000 capturados
500 tanques/armas de assalto

A Bolsa de Falaise ou Batalha da Bolsa de Falaise (12–21 de Agosto de 1944) foi o confronto decisivo da mais abrangente Batalha da Normandia durante a Segunda Guerra Mundial. As forças alemãs do Grupo de Exércitos B, 7.º Exército e 5.º Exército Panzer (anterior Panzergruppe West), posicionaram-se em redor de Falaise, e foram cercadas pelas tropas aliadas. A batalha também é referida como Batalha da Abertura de Falaise, devido ao corredor que os alemães procuraram manter para permitir a sua fuga, e algumas vezes referida como a Bolas de Chambois, Bolsa de Falaise-Chambois Pocket, Bolsa de Argentan–Falaise ou Abertura de Trun–Chambois. A batalha acabou com a destruição da maior parte do Grupo de Exércitos B a oeste do rio Sena, que abriu o caminho em direcção a Paris e à fronteira alemã às forças aliadas.

No seguimento da Operação Cobra, a transposição das defesas alemãs nas praias da Normandia, o avanço do 3.º Exército dos Estados Unidos em direcção a sul e sudeste, sob o comando do general George S. Patton, foi rápido. Apesar da falta de meios para derrotar o avanço das tropas norte-americanas e, em simultâneo, fazer frente à ofensiva britânica e canadiana a sul de Caumont e Caen, o marechal-de-campo Günther von Kluge, comandante do Grupo de Exércitos B, não obteve permissão de Adolf Hitler para retirar, e recebeu ordens para dar início a uma contra-ofensiva em Mortain para bloquear o avanço americano. As quatro divisões panzer mobilizadas para a ofensiva não foram suficientes para derrotar o 1.º Exército dos Estados Unidos. A Operação Lüttich foi um desastre, o que enfraqueceu ainda mais os alemães dentro do cerco Aliado.

A 8 de Agosto, o comandante das forças terrestres Aliadas, general Bernard Montgomery, deu ordens aos exércitos Aliados para se dirigirem para a zona de Falaise–Chambois e cercar o Grupo de Exércitos B; o 1.º Exército americano posicionava-se a sul, o 2.º Exército britânico no centro, e o 1.º Exército canadiano a norte do cerco. Os alemães começaram a retirar-se em 17 de Agosto, e a 19 os Aliados completaram o envolvimento em Chambois. Algumas partes do cerco foram furadas por contra-ataques alemães, sendo o maior um corredor através da 1.ª Divisão Blindada polaca em Hill 262, uma posição de controlo na entrada da bolsa. Na tarde de 21 de Agosto, a bolas estava sob cerco total, com cerca de 50 mil alemães presos no seu interior. Muitos deles escaparam, mas as perdas em homens e equipamento foram enormes. Dois dias mais tarde, a Paris foi libertada e, a 30 de Agosto, o que sobrou do Grupo de Exércitos B fugiu através do Sena, terminando, assim, a Operação Overlord.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Operação Overlord[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Operação Overlord

Os primeiros objetivos aliados na sequência da invasão do dia D da França ocupada pelos alemães incluíram o porto de águas profundas de Cherbourg e a área que cercava a cidade de Caen.[3] Os ataques aliados para expandir a cabeça de ponte derrubaram rapidamente as tentativas iniciais alemãs de destruir a força de invasão, mas o mau tempo no Canal da Mancha atrasou a acumulação aliada de suprimentos e reforços, ao mesmo tempo em que permitiu que os alemães movessem tropas e fornecessem menos interferência das forças aéreas aliadas.[4][5] Cherbourg não foi capturado pelo VII Corpo de Exército dos Estados Unidos até 27 de junho e a defesa alemã de Caen durou até 20 de julho, quando os distritos do sul foram ocupados pelos britânicos e canadenses na Operação Goodwood e Operação Atlantic.[6][7]

O general Bernard Montgomery, comandante das forças terrestres aliadas, planejava uma estratégia de atrair as forças alemãs para o extremo leste da cabeça de ponte contra o exército britânico e canadense, enquanto o 1.º Exército dos Estados Unidos avançava pelo lado oeste da península Cotentin até Avranches.[8] Em 25 de julho, o comandante do 1.º Exército dos Estados Unidos, o tenente-general Omar Bradley começou a Operação Cobra.[9] O 1.º Exército dos Estados Unidos atravessou as defesas alemãs perto de Saint-Lô e, no final do terceiro dia, havia avançado 24 km ao sul da sua linha de partida em vários pontos.[10][11] Em 30 de julho, Avranches foi capturada e, dentro de 24 horas, o VIII Corpo de Exército do Terceiro Exército dos Estados Unidos cruzou a ponte em Pontaubault para a Bretanha e continuou ao sul e oeste por um país aberto, quase sem resistência.[12][13][14]

Operação Lüttich[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Operação Lüttich

O avanço dos Estados Unidos foi rápido e, em 8 de agosto, Le Mans, o antigo quartel-general do 7.º Exército alemão, havia sido capturado.[15] Após a Operação Cobra, a Operação Bluecoat e a Operação Spring, o exército alemão na Normandia ficou tão reduzido que "apenas alguns fanáticos da SS ainda alimentavam esperanças de evitar a derrota".[16] Na Frente Oriental, havia começado a Operação Bagration contra o Centro de Grupos do Exército, o que não impossibilitava o reforço da Frente Ocidental.[16] Adolf Hitler enviou uma diretiva ao marechal de campo Günther von Kluge, o comandante substituto do Grupo de Exércitos B após o saque de Gerd von Rundstedt, ordenando "um contra-ataque imediato entre Mortain e Avranches" para "aniquilar" o inimigo e fazer contato com os costa oeste da península de Cotentin.[17][18]

Oito das nove divisões Panzer na Normandia deveriam ser usadas no ataque, mas apenas quatro podiam ser preparadas a tempo.[19] Os comandantes alemães protestaram que suas forças eram incapazes de uma ofensiva, mas os avisos foram ignorados e a Operação Lüttich começou em 7 de agosto em torno de Mortain.[18][20] Os primeiros ataques foram feitos pela 2ª Divisão Panzer, a Divisão SS Leibstandarte e a Divisão SS Das Reich, que tinham apenas 75 Panzer IV, 70 Panthers e 32 armas de propulsão.[21] Os Aliados foram avisados por interceptações de sinais Ultra e, embora a ofensiva tenha continuado até 13 de agosto, a ameaça da Operação Lüttich havia terminado em 24 horas.[22][23][24] A operação levou as mais poderosas unidades alemãs restantes a serem derrotadas no lado oeste da península de Cotentin pelo Primeiro Exército dos EUA e a frente da Normandia à beira do colapso.[25][26] Bradley disse:

Esta é uma oportunidade que chega a um comandante não mais do que uma vez em um século. Estamos prestes a destruir um exército hostil inteiro e percorrer todo o caminho daqui até a fronteira alemã.[26]

Operação Totalize[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Operação Totalize
Um tanque Cromwell e um jipe Willys MB passando por um canhão anti-tanque alemão, abandonado durante o Totalize

O primeiro exército canadense recebeu ordens de capturar terras altas ao norte de Falaise para prender o grupo de exército B.[27] Os canadenses planejaram a Operação Totalize, com ataques de bombardeiros estratégicos e um novo ataque noturno usando veículos blindados de transporte de cangurus.[28][29] A operação Totalize começou na noite de 7/8 de agosto; a infantaria principal montou nos cangurus, guiados por dispositivos eletrônicos e iluminantes, contra a 12ª Divisão SS Panzer Hitlerjugend, que mantinha uma frente de 14 km (8,7 milhas), apoiada pelo 101º Batalhão SS Panzer Pesado e remanescentes da 89ª Divisão de Infantaria.[28][30] O cume de Verrières e Cintheaux foram capturados em 9 de agosto, mas a velocidade do avanço foi reduzida pela resistência alemã e por algumas lideranças das unidades canadenses, o que levou a muitas baixas na 4ª Divisão Blindada Canadense e na 1ª Divisão Blindada Polonesa.Predefinição:Hastings[31][32] Em 10 de agosto, as forças anglo-canadenses alcançaram a Colina 195, ao norte de Falaise.[32] No dia seguinte, o comandante canadense Guy Simonds aliviou as divisões blindadas com as divisões de infantaria, encerrando a ofensiva.[33]

Prelúdio[editar | editar código-fonte]

Ainda esperando que Kluge retirasse suas forças do estreito laço aliado, Montgomery havia algum tempo planejando um "longo envolvimento", pelo qual britânicos e canadenses girariam à esquerda de Falaise em direção ao rio Sena, enquanto o Terceiro Exército dos EUA bloqueava a rota de fuga entre o Sena e o Loire, prendendo todas as forças alemãs sobreviventes no oeste da França.[34] Numa conversa por telefone em 8 de agosto, o comandante supremo aliado, general Dwight D. Eisenhower, apresentou uma proposta americana para um envolvimento mais curto em Argentan. Montgomery e Patton tinham apreensões; se os aliados não conquistassem Argentan, Alençon e Falaise rapidamente, muitos alemães poderiam escapar. Acreditando que sempre poderia recorrer ao plano original, se necessário, Montgomery aceitou os desejos de Bradley como o homem no local, e a proposta foi adotada.[34]

Notas

  1. Entre 8 e 21 de Agosto: 1479 mortos, 4023 feridos e 177 capturados.Stacey, p. 271

Referências

  1. Historynet: World War II: Closing the Falaise Pocket
  2. The Canadians in the Falaise Pocket
  3. Van der Vat, p. 110.
  4. Williams, p. 114.
  5. Griess, pp. 308–310.
  6. Hastings, p. 165.
  7. Trew, p. 48.
  8. Hart, p. 38.
  9. Wilmot, p. 390–392.
  10. Hastings, p. 257.
  11. Wilmot, p. 393.
  12. Williams, p. 185.
  13. Wilmot, p. 394.
  14. Hastings, p. 280.
  15. Williams, p. 194.
  16. a b Hastings, p. 277.
  17. D'Este, p. 414.
  18. a b Williams, p. 196.
  19. Wilmot, p. 401.
  20. Hastings, p. 283.
  21. Hastings, p. 285.
  22. Messenger, pp. 213–217.
  23. Bennett 1979, pp. 112–119.
  24. Hastings, p. 286.
  25. Hastings, p. 335.
  26. a b Williams, p. 197.
  27. D'Este, p. 404.
  28. a b Hastings, p. 296.
  29. Zuehlke, p. 168.
  30. Williams,, p. 198.
  31. Hastings, p. 301.
  32. a b Bercuson, p. 230.
  33. Hastings, p. 300.
  34. a b Hastings, p. 353.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bennett, R. (1979). Ultra in the West: The Normandy Campaign of 1944–1945. London: Hutchinson. ISBN 0-09-139330-2 
  • Bercuson, D. (2004) [1996]. Maple Leaf Against the Axis. Markham, Ontario: Red Deer Press. ISBN 0-88995-305-8 
  • Bradley, O. (1951). A Soldier's Story Modern Library 1999 ed. New York: Holt. ISBN 978-037-575421-0 
  • Copp, T. (2006). Cinderella Army: The Canadians in Northwest Europe, 1944–1945. Toronto: University of Toronto Press. ISBN 0-8020-3925-1 
  • Copp, T. (2007) [2003]. Fields of Fire: The Canadians in Normandy. Toronto: University of Toronto Press. ISBN 978-0-8020-3780-0 
  • D'Este, C. (2004) [1983]. Decision in Normandy: The Real Story of Montgomery and the Allied Campaign. london: Penguin Books. ISBN 0-141-01761-9 
  • Eisenhower, Dwight D. (1948). Crusade in Europe. New York: Doubleday 
  • Ellis, Major L. F.; R.N., Captain G. R. G. Allen; Warhurst, Lieutenant-Colonel A. E. & Robb, Air Chief-Marshal Sir James (1962). Butler, J. R. M., ed. Victory in the West: The Battle of Normandy. Col: History of the Second World War United Kingdom Military Series. I Naval & Military Press, 2004 ed. London: HMSO. ISBN 1-84574-058-0 
  • Essame, H. (1988) [1973]. Patton: as Military Commander. New York: Da Capo Press. ISBN 978-0-585-10019-7 
  • Griess, T. (2002). The Second World War: Europe and the Mediterranean. United States Military Academy West Point, New York: SquareOne. ISBN 0-7570-0160-2 
  • Hart, S. A. (2007) [2000]. Colossal Cracks: Montgomery's 21st Army Group in Northwest Europe, 1944–45. Mechanicsburg PA: Stackpole Books. ISBN 0-8117-3383-1 
  • Hastings, M. (2006) [1985]. Overlord: D-Day and the Battle for Normandy. New York: Vintage Books USA; Reprint. ISBN 0-307-27571-X 
  • Jarymowycz, R. (2001). Tank Tactics: from Normandy to Lorraine. Boulder CO: Lynne Rienner. ISBN 1-55587-950-0 
  • Keegan, J. (2006). Atlas of World War II. New York: HarperCollins. ISBN 0-06-089077-0 
  • Lucas, J.; Barker, James (1978). The Killing Ground, The Battle of the Falaise Gap, August 1944. London: BT Batsford. ISBN 0-7134-0433-7 
  • McGilvray, E. (2004). The Black Devils' March - A Doomed Odyssey - The 1st Polish Armoured Division 1939–45. Solihull: Helion. ISBN 978-1-874622-42-0 
  • Messenger, C. (1999). The Illustrated Book of World War II. San Diego, CA: Thunder Bay. ISBN 1-57145-217-6 
  • Moczarski, K.; Mariana Fitzpatrick; Jürgen Stroop (1981). Conversations With an Executioner. New Jersey: Prentice-Hall. ISBN 0-13-171918-1 
  • Reynolds, M. (2002). Sons of the Reich: The History of II SS Panzer Corps in Normandy, Arnhem, the Ardennes and on the Eastern Front. Philadelphia PN: Casemate. ISBN 0-9711709-3-2 
  • Shulman, M. (2007) [1947]. Defeat in the West. Whitefish MT: Kessinger. ISBN 0-548-43948-6 
  • Tamelander, M.; Zetterling, N. (2003) [1995]. Avgörandes ögonblick: Invasionen i Normandie 1944 (em Swedish). Stockholm: Nordstedts Förlag. ISBN 91-1-301204-5 
  • Trew, S.; Badsey, S. (2004). Battle for Caen. Col: Battle Zone Normandy. Stroud: History Press. ISBN 0-7509-3010-1 
  • van der Vat, D. (2003). D-Day; The Greatest Invasion, A People's History. Aurora IL: Madison Press. ISBN 1-55192-586-9 
  • Williams, A. (2004). D-Day to Berlin. London: Hodder & Stoughton. ISBN 0-340-83397-1 
  • Wilmot, C.; McDevitt, C. D. (1997) [1952]. The Struggle For Europe. Ware: Wordsworth Editions. ISBN 1-85326-677-9 
  • Zuehlke, M. (2001). The Canadian Military Atlas: Canada's Battlefields from the French and Indian Wars to Kosovo. north york Ontario: Stoddart. ISBN 0-7737-3289-6 
  • Ingersoll, Ralph (1946). Top Secret. New York: Harcourt Brace 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Bolsa de Falaise
Ícone de esboço Este artigo sobre batalhas (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.