França Livre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2018)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.



République française
Gouvernement de la France Libre

República Francesa
Governo da França Livre

Governo no exílio radicado em Londres

Flag of France (1794–1815, 1830–1958).svg
1940 – 1944 Flag of France (1794–1815, 1830–1958).svg

Bandeira de França

Bandeira

Localização de França
Territórios reclamados pela França Livre¹
Continente Europa
Capital Não especificada
Língua oficial Francês
Governo República
Líder
 • 1940-1944 Charles de Gaulle
História
 • 18 de Junho de 1940 Apelo de 18 de junho
 • 22 de Junho de 1940 de Rendição francesa
 • 25 de Agosto de 1944 Libertação da França
Moeda Franco francês
Membro de: Aliados
¹ Inicialmente só controlava as colónias no centro de África e Pacífico Sul. Outras colónias juntaram-se-lhe depois.

A França Livre e as suas Forças Francesas Livres (em francês: France libre e Forces françaises libres) foram o governo no exílio, liderado por Charles de Gaulle durante a Segunda Guerra Mundial e as suas forças militares que continuaram a lutar contra os forças do Eixo como um dos Aliados após a queda da França. Criada em Londres, em Junho de 1940, este governo organizou e apoiou a Resistência na França ocupada.

Charles de Gaulle, um ministro do governo francês que rejeitou o armistício celebrado pelo marechal Philippe Pétain, e que se refugiou na Grã-Bretanha, exortou os franceses para resistir na sua transmissão via BBC, "Apelo de 18 de Junho" (Appel du 18 juin), que teve um profundo efeito sobre o moral em toda a França e as suas colónias, embora, inicialmente, relativamente poucas forças francesas tenham respondido ao apelo à resistência de De Gaulle.

Em 27 de Outubro de 1940, o Conselho de Defesa do Império (Conselho de défense de l'Empire) foi constituído para organizar o governo dos territórios na África, Ásia e Oceania, que tinham respondido positivamente ao apelo de 18 de Junho. Este conselho foi substituído em 24 de Setembro de 1941 pelo Comité Nacional Francês (Comité nacional francês ou CNF). Em 13 de Julho de 1942, a "França Livre" foi oficialmente renomeada para France combattante ("França combatente", FC), para sublinhar que a luta contra o Eixo era realizada, tanto externamente pela FFF, como internamente pelas Forças Francesas do Interior (FFI). Após a reconquista do Norte de África, a FC foi formalmente fundida com o comando da Argélia do general rival de De Gaulle, Henri Giraud, para formar o Comitê Francês de Libertação Nacional (Comité français de Libération nationale ou CFNL). O exílio terminou oficialmente com a libertação de Paris pela 2ª Divisão de Blindados da França Livre e pelas forças de Resistência em 25 de Agosto de 1944, inaugurando o Governo Provisório da República Francesa (gouvernement provisoire de la République française ou GPRF). Este governo administrou a França até ao fim da guerra, e depois até 1946, quando a Quarta República foi estabelecida, terminando, desta forma, a série de regimes provisórios que se seguiram à Terceira República, depois de sua queda em 1940.

Os Franceses Livres lutaram contra as forças do Eixo e do regime de Vichy, e combateram em várias frentes de batalha, desde o Médio Oriente até à Indochina e o Norte de África.A Marinha Francesa Livre operou como força auxiliar da Marinha Real e, no Atlântico Norte, e da a Royal Canadian Navy.[1] As unidades da França Livre também serviram na Royal Air Force, Força Aérea Soviética, e SAS Britânica, antes de prestarem serviços de maior dimensão estabelecidos directamente sob o controlo do governo no exílio.

A partir das colónias em África,Índia e Pacífico, a França Livre foi, progressivamente, controlando cada vez mais possessões de Vichy; até aos desembarques Aliados no Norte de África (Operação Tocha) em Novembro de 1942 Vichy só governou a zona libre , no sul da França e poucas posses nas Índias Ocidentais (e, nominalmente, a Indochina francesa ocupada pelo Japão ). O Exército Francês da África mudou de lado, passando a apoiar a França Livre, e isso fez com que o Eixo reagisse e ocupasse Vichy.

A 1 de Agosto de 1943, o L'Armée d'Afrique foi formalmente unido com as Forças Francesas Livres para formar o L'Armée française de la Liberation. Em meados de 1944, as forças deste exército somavam mais de 400 000, participaram nos desembarques na Normandia e na invasão do sul da França, abrindo caminho para Paris. Combateram na Alsácia, nos Alpes e na Bretanha e, no final da guerra na Europa, ascendiam a 1 300 000 elementos – a quarta maior do exército Aliado na Europa – e fizeram parte do avanço aliado através da França e da invasão da Alemanha. O governo da França Livre reestabeleceu uma república provisória após a libertação, preparando o terreno para a Quarta República em 1946.

Referências

  1. Stacey 2007, p. 373.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre França Livre
Ícone de esboço Este artigo sobre Estado extinto, integrado ao Projeto Estados Extintos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.