Ofensiva de Budapeste

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ofensiva de Budapeste
Frente Oriental, Segunda Guerra Mundial
BUDAPEST 45 II.jpg
Militares soviéticos com um tanque IS-2.
Data 29 de outubro de 194413 de fevereiro de 1945
Local Budapeste e noroeste da Hungria
Desfecho Vitória soviética
Beligerantes
 União Soviética
Romênia Romênia
Alemanha Nazista Alemanha Nazista
Flag of Hungary (1915-1918, 1919-1946).svg Hungria
Comandantes
União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Rodion Malinovsky
União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Fyodor Tolbukhin
Alemanha Nazista Johannes Friessner
Alemanha Nazista Otto Wöhler
Forças
719 500 250 000
Baixas
Soviéticos:
80 026 mortos ou desaparecidos
240 056 feridos ou doentes
1 766 tanques destruídos
4 127 armas pesadas e morteiros perdidos
293 aeronaves abatidas
Alemães:
48 000 mortos
26 000 feridos
51 000 capturados
76 000 civis húngaros mortos

A Ofensiva de Budapeste foi um ataque generalizado do Exército Vermelho, apoiados por tropas romenas, contra as forças da Alemanha Nazista e sua aliada do Eixo, a Hungria. A ofensiva soviética, no geral, durou cento e oito dias, indo de 29 de outubro de 1944 até a queda de Budapeste em 13 de fevereiro de 1945. Acabou sendo uma das ofensivas mais difíceis e complicadas que o exército soviético lançou na Europa Central.[1][2]

Foi lançada em partes, após a conquista da Romênia, na Ofensiva Iasi–Kishinev. Foi dividida em cinco fases e tinha três grandes grupos de exércitos dos soviéticos na linha de frente, totalizando mais de 720 mil soldados (o triplo do que os alemães e húngaros podiam colocar em campo). A primeira (29 de outubro-3 de novembro de 1944) e segunda (7 de novembro–24 de novembro de 1944) fases foram excepcionalmente sangrentas, com os alemães resistindo bravamente. Os soviéticos conseguiram conquistar muito território mas não avançaram contra Budapeste, dando uma pausa de uma semana antes de retomar os ataques. O marechal Fyodor Tolbukhin havia trazido suas tropas do sul após a libertação de Belgrado, forçando o recuo dos alemães e húngaros. No começo de janeiro de 1945, os alemães lançaram uma série de contra-ataques para romper o cerco a Budapeste, mas em fevereiro os soviéticos já estavam adentrando na cidade, destruindo os bolsões de resistência nazistas. Os alemães então abandonaram a Hungria e 51 mil dos seus soldados foram capturados em Budapeste quando a cidade caiu, em 13 de fevereiro.[1]

No fim, o Grupo de Exércitos Sul da Wehrmacht foi destruído, com mais de 110 mil alemães e húngaros sendo capturados. Com a conquista de Budapeste pelo exército vermelho, o último grande aliado da Alemanha Nazista foi retirado da guerra, acelerando a sua derrota no conflito. Com a vitória soviética na Hungria, o caminho estava aberto para Viena, Tchecoslováquia e o sul da Alemanha em si. Para fechar a abertura, Hitler ordenou que várias unidades do exército alemão abandonassem a luta na Frente Ocidental e fossem para o leste, lançando, em março de 1945, a Operação Frühlingserwachen, a última grande ofensiva nazista da Segunda Guerra Mundial.[3]

Referências

  1. a b Ungváry, Kristián (2003). Budapest Ostroma [Battle for Budapest] (em húngaro). Londres: I.B. Tauris. ISBN 1 86064 727 8 
  2. David M. Glantz, The Soviet‐German War 1941–45: Myths and Realities: A Survey Essay. Pagina acessada em 3 de março de 2019.
  3. Самсонов, Александр Михайлович Крах фашистской агрессии 1939-1945. — М.: Наука, 1980. (em russo)