Batalha do Mar de Java

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Batalha do Mar de Java
Guerra do Pacífico
Exeter sinking.jpg
HMS Exeter afunda no Mar de Java
Data 23 de fevereiro - 1 de março de 1942
Local Mar de Java e Estreito de Sonda
Desfecho Vitória japonesa
Beligerantes
Flag of the Netherlands.svg Holanda
Flag of the United States (1912-1959).svg Estados Unidos
Flag of the United Kingdom.svg Grã-Bretanha
Flag of Australia.svg Austrália
Flag of Japan (1870–1999).svg Império do Japão
Comandantes
Flag of the Netherlands.svg Karel Doorman
Flag of the Netherlands.svg Conrad Helfrich
Naval ensign of the Empire of Japan.svg Takeo Takagi
Forças
2 cruzadores pesados
3 cruzadores leves
9 contratorpedeiros
2 cruzadores pesados
2 cruzadores leves
14 contratorpedeiros
10 transportadores
Baixas
2 cruzadores leves afundados
3 contratorpedeiros afundados
1 cruzador pesado danificado
2 300 mortos
1 contratorpedeiro danificado
36 mortos

Batalha do Mar de Java foi uma grande batalha naval ocorrida no início da Guerra do Pacífico, durante a Segunda Guerra Mundial, entre as forças navais japonesas e os Aliados, que sofreram uma grande derrota ao largo das costas da Indonésia e da Nova Guiné em 27 de fevereiro de 1942 e em dias subsequentes, fragmentando-se em batalhas menores mas de grandes enfrentamentos e perdas como a Batalha do Estreito de Sonda, que transformaram o episódio na maior batalha naval de superfície ocorrida até então desde a I Guerra Mundial.

Ofensiva japonesa[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 1942, a progressão japonesa continuava no Pacífico pelas Índias Orientais (atual Indonésia), atacando e conquistando bases no sudeste das Filipinas, Bornéu e Ilhas Celebes, enquanto tropas transportadas em comboios marítimos, escoltadas por destróieres e cruzadores modernos, desembarcavam nas Ilhas Molucas. Para se opor a esta força naval, impedindo a continuidade de sua expansão, os aliados holandeses e norte-americanos dispunham apenas de alguns poucos vasos de guerra, a maioria deles da época da I Guerra Mundial.

Em 23 de janeiro, forças aliadas formadas por quatro destróieres atacaram comboios japoneses de tropas que se dirigiam a Balikpapan, em Bornéu. Em 13 de fevereiro, os Aliados tentaram sem sucesso impedir o desembarque e a captura do maior porto exportador de petróleo na Sumatra. No dia 19, a então imponente 1ª Frota Aeronaval do Almirante Chuichi Nagumo atacou e destruiu o porto de Darwin, no noroeste da Austrália, tornando-o completamente inutilizado como base naval e linha e de suprimentos para as operações nas Índias Orientais.

Java[editar | editar código-fonte]

Em 27 de fevereiro de 1942, os comboios anfíbios de tropas do Japão se reuniram para invadir Java, escoltados por quatro cruzadores e quatorze destróieres, enquanto que a força naval do comando conjunto holandês-australiano-britânico-americano, composta de cinco cruzadores e nove destróieres, fez-se ao mar para interceptá-los. A frota japonesa, mais moderna, tinha um poderio de fogo muito superior aos Aliados, cujo maior cruzador, o HMS Exeter, era o único com um poder de fogo próximo ao do inimigo e a única nave aliada equipada com radar, arma de localização ainda nova na época.

As frotas se encontraram no Mar de Java e os combates duraram sem interrupção do meio dia à meia-noite, com os navios aliados tentando alcançar e destruir os transportes de tropas inimigos, mas sendo rechaçados pelo poder de fogo da frota japonesa de escolta, com grandes perdas em barcos e homens. No combate, o Exeter foi seriamente danificado por um impacto direto, sendo obrigado a se afastar da área de luta - afundando no dia seguinte sob novo ataque - e dois destróieres foram afundados.

Navio sob ataque no Mar de Java.

Com uma recuada estratégia pela costa durante a noite, que lhe custou mais um navio afundado por uma mina, a força aliada comandada pelo Almirante Karel Doorman entrou em contato novamente com a frota japonesa as 23:00 e as duas frotas se envolveram num grande combate de canhões à longa distância na escuridão, daí resultando o afundamento de mais dois navios aliados, um deles, o De Ruyter, levando consigo o comandante da esquadra, Almirante Doorman. Apenas 111 sobreviventes foram recolhidos dos dois navios.

Dois cruzadores, o australiano HMAS Perth e o norte-americano USS Houston conseguiram sobreviver à batalha e escapar na escuridão, chegando ao porto de Tanjung Priok no dia seguinte.

Batalha do Estreito de Sonda[editar | editar código-fonte]

Local da batalha.

Em 28 de fevereiro os cruzadores receberam ordens de navegar até o porto de Tjilatjap pelo Estreito de Sonda. Com a escassez de armamentos e de combustível em Java, eles foram obrigados a partir com apenas metade do combustível e de munições e acabaram encontrando-se com a força principal de ataque inimiga no lado oriental na baía de Bantam.

Lutando contra três cruzadores e sete destroiéres, os dois navios aliados travaram um combate desigual até o princípio da madrugada, quando foram ambos destruídos e afundados, custando aos japoneses apenas a perda de um navio de transporte de tropas, por fogo amigo.

Consequências[editar | editar código-fonte]

Ao término das batalhas em torno de Java, a principal frota conjunta dos Aliados havia sido destruída, com a perda de dez navios e 2.173 marinheiros. A batalha também pôs um fim às operações navais dos Aliados no sudeste da Ásia em 1942, culminando com a invasão japonesa de Java (Indonésia) em 28 de fevereiro, causando a retirada dos poucos aviões sobreviventes da Força Aérea dos Estados Unidos e da RAF ainda no país, para a Austrália. Durante uma semana, tropas britânicas e holandesas nas ilhas ainda lutaram e resistiram ao invasor, até a rendição total das forças terrestres aos japoneses em março daquele ano.

Ver também[editar | editar código-fonte]


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Batalha do Mar de Java