Mortos na Segunda Guerra Mundial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Soldados soviéticos mortos durante a Ofensiva Toropets-Kholm, em janeiro de 1942. Oficialmente, cerca de 8.6 milhões de soldados soviéticos morreram no curso da guerra, incluindo milhões de prisioneiros de guerra.
Einsatzgruppen assassinando civis judeus perto de Ivanhorod, Ucrânia, 1942.
Corpos de fuzileiros navais dos Estados Unidos na praia de Tarawa, Kiribati. Os fuzileiros navais garantiram a ilha após 76 horas de intensos combates. Mais de 6.000 soldados americanos e japoneses morreram nos combates.

A Segunda Guerra Mundial foi o conflito militar mais mortal da história. Um total estimado de 70 a 85 milhões de pessoas pereceram, o que representou cerca de 3% da população mundial de 1940 (est. 2.3 bilhões).[1]

As tabelas abaixo fornecem uma contagem detalhada de perdas humanas por país. As estatísticas de fatalidades da Segunda Guerra Mundial variam, com estimativas de mortes totais variando de 70 a 85 milhões.[2] As mortes causadas diretamente pela guerra (incluindo militares e civis mortos) são estimadas em 50 a 56 milhões de pessoas, enquanto houve uma estimativa adicional de 19 a 28 milhões de mortes por doenças relacionadas à guerra e fome.

As mortes de civis totalizaram 50 a 55 milhões. As mortes militares de todas as causas totalizaram 21 a 25 milhões, incluindo mortes em cativeiro de cerca de 5 milhões de prisioneiros de guerra. Estatísticas sobre o número de militares feridos são incluídas sempre que disponíveis. Mais da metade do número total de vítimas é contabilizada pelos mortos da República da China e da União Soviética. O governo da Federação Russa, na década de 1990, publicou uma estimativa de perdas na União Soviética em 26.6 milhões,[3][4] incluindo 8 a 9 milhões devido à fome e doenças.[4][5][6] Essas perdas são para o território da União Soviética nas fronteiras de 1946 a 1991, incluindo os territórios anexados em 1939 a 1940. A República Popular da China, em 2005, estimou o número de vítimas chinesas na Segunda Guerra Sino-Japonesa de 1937 a 1945, 20 milhões de mortos e 15 milhões de feridos.[7]

Em 2000, o número total de mortos militares alemães foi estimado em 5.3 milhões por Rüdiger Overmans, do Gabinete de Pesquisa de História Militar da Alemanha; esse número inclui 900.000 homens recrutados fora das fronteiras da Alemanha Nazista em 1937, na Áustria e centro-leste da Europa. As mortes de civis não estão incluídas.[8][9][10] No entanto, em 2005, o governo alemão estimou que 7.395.000 pessoas morreram (incluindo 4.300.000 de militares mortos e desaparecidos) da Alemanha, Áustria e homens recrutados fora das fronteiras da Alemanha em 1937.[11]

Estima-se que o número de mortos poloneses é entre 5.6 e 5.8 milhões, de acordo com o Instituto da Memória Nacional (2009).[12] A documentação permanece fragmentada, mas hoje estudiosos independentes da Polônia acreditam que 1.8 a 1.9 milhão de civis poloneses (não judeus) e 3 milhões de judeus foram vítimas das políticas de ocupação alemã e da guerra por um total de pouco menos de 5 milhões de mortos.[13]

O governo japonês em 2005 colocou o número de mortes japonesas em 3.1 milhões.[14]

Classificação de vítimas[editar | editar código-fonte]

Oficiais militares poloneses executados pelo NKVD soviético no Massacre de Katyn, foto de exumação tirada pela delegação da Cruz Vermelha Polonesa em 1943.

Compilar ou estimar o número de mortes e feridos causados durante guerras e outros conflitos violentos é um assunto controverso. Os historiadores costumam apresentar muitas estimativas diferentes dos números de mortos e feridos durante a Segunda Guerra Mundial.[15] Os autores de Oxford Companion to World War II sustentam que "as estatísticas de vítimas são notoriamente não confiáveis".[16] A tabela abaixo fornece dados sobre o número de mortos e militares feridos em cada país, além de informações sobre a população para mostrar o impacto relativo das perdas. Quando as fontes acadêmicas diferem no número de mortes em um país, são fornecidas várias perdas de guerra, a fim de informar aos leitores que o número de mortes é disputado. Como as estatísticas de vítimas são às vezes contestadas, as notas de rodapé deste artigo apresentam as diferentes estimativas de fontes oficiais do governo e de historiadores. Os números militares incluem mortes em batalhas (KIA) e desaparecidos em ação (MIA), bem como mortes devido a acidentes, doenças e mortes de prisioneiros de guerra em cativeiro. As baixas civis incluem mortes causadas por bombardeios estratégicos, vítimas do Holocausto, crimes de guerra alemães, crimes de guerra japoneses, transferências populacionais na União Soviética, crimes de guerra dos Aliados e mortes por fome e doenças relacionadas à guerra.

As fontes para as vítimas de cada nação não usam os mesmos métodos, e as mortes de civis devido à fome e à doença constituem uma grande proporção das mortes de civis na China e na União Soviética. As perdas listadas aqui são mortes atuais; perdas hipotéticas devido a um declínio de nascimentos não são incluídas no total de mortos. A distinção entre baixas militares e civis causadas diretamente por guerras e danos colaterais nem sempre é claro. Para nações que sofreram grandes perdas, como União Soviética, China, Polônia, Alemanha Nazista e Iugoslávia, as fontes podem fornecer apenas a perda total estimada de população causada pela guerra e uma estimativa aproximada do colapso das mortes causadas por atividade militar, crime contra a humanidade e fome relacionada à guerra. As vítimas listadas aqui incluem 19 a 25 milhões de mortes por fome relacionadas à guerra na União Soviética, China, Indonésia, Vietnã, Filipinas e Índia que são frequentemente omitidas de outras compilações de vítimas da Segunda Guerra Mundial.[17][18]

As notas de rodapé fornecem uma descrição detalhada das vítimas e de suas fontes, incluindo dados sobre o número de feridos, onde fontes confiáveis estão disponíveis.

Perdas humanas por país[editar | editar código-fonte]

Total de mortes[editar | editar código-fonte]

Número de mortos na Segunda Guerra Mundial e militares feridos por país
(quando o número de mortes em um país é disputado, uma série de perdas de guerra é fornecida)
Os detalhes são fornecidos nas notas de rodapé
País/Território População
em 1939
Militares
mortos por todas
as causas
Mortes civis devido a
atividade militar e crimes contra a humanidade
Mortes civis devido a
fome e doença
relacionadas à guerra
Total
de
mortes
Mortes em %
da população de 1939
Militares
feridos
 Reino da AlbâniaA 1.073.000[19] 30.000[20] 30.000 2.80 NA
 AustráliaB 6.968.000[19] 39.700[21] 700[22] 40.400 0.58 39.803[23]
Alemanha Nazista Áustria (unificado com a Alemanha)C 6.653.000[19] Incluído na Alemanha Incluído na Alemanha (Veja a tabela abaixo)S2 Incluído na Alemanha
 BélgicaD 8.387.000[19] 12.000[24] 76.000[24] 88.000 1.05 55.513[23]
 BrasilE 40.289.000[19] 1.000[25] 1.000[26] 2.000 0.00 4.222[23]
 BulgáriaF 6.458.000[19] 18.500[25] 3,000[27] 21.500 0.33 21.878[23]
 Birmânia (colônia britânica)G 16.119.000[19] 2.600[28] 250.000[28] 252.600 1.57 NA
 CanadáH 11.267.000[19] 42.000[29] 1.600[30] 43.600 0.38 53.174[23]
 China I 517.568.000[19] 3.000.000[31]
a 3.750.000+[32]
7.357.000[33]
a 8.191.000[34]
5.000.000
a 10.000.000
15.000.000[35]
a 20.000.000[35]
2.90
a 3.86
1.761.335[23]
 CubaJ 4.235.000[19] 100[36] 100 0.00 NA
 Checoslováquia (fronteiras do pós-guerra de 1945 a 1992)K 14.612.000[37] 35.000[38]
a 46.000[39]
294.000[39]
a 320.000[38]
340.000
a 355.000
2.33
a 2.43
8.017[23]
 DinamarcaL 3.795.000[19] 6.000[40] 6.000 0.16 2.000[23]
 Índias Orientais NeerlandesasM 69.435.000[19] 11.500[41][42] 300.000[43] 2.400.000[44]
a 4.000.000[45]
3.000.000
a 4.000.000
4.3
a 5.76
NA
 EgitoMA 16.492.000[19] 1.100[46] 1.100 0.00 NA
 Estônia (fronteiras de 1939)N 1.134.000[19] 34.000
(nas forças armadas soviéticas e alemãs)[47]
49.000[48] 83.000 7.3 NA
 EtiópiaO 17.700.000[19] 15.000[49] 85.000 100.000[49] 0.56 NA
 FinlândiaP 3.700.000[19] 83.000[50]
a 95.000[51]
2.000[52] 85.000
a 95.000
2.30
a 2.57
50.000[23]
 FrançaQ (incluindo as colônias) 41.680.000[52] 210.000[52] 390.000[52] 600.000 1.44 390.000[23]
 Indochina FrancesaR 24.664.000[19] 1.000.000
a 2.000.000[53]
1.000.000
a 2.200.000
4.05
a 8.11
NA
 Alemanha NazistaS 69.300.000[54] 4.440.000[55]
a 5.318.000[56][57]
1.500.000
a 3.000.000S1
6.900.000
a 7.400.000
(Veja a tabela abaixo)S2 7.300.000[23]
 GréciaT 7.222.000[19] 35.100[58] 171.800[58] 300.000[59]
a 600.000[58]
507,000
a 807.000
7.02
a 11.17
47.290[23]
Estados Unidos Estados UnidosTA 22.800[60] 1.000[61]
a 2.000[62]
1.000
a 2.000
4.39
a 8.77
NA
 HungriaU (fronteiras de 1938 que não incluem territórios anexados em 1938-1941) 9.129.000[60] 200.000[63] 264.000[64] 464.000 5.08 89.313[23]
 IslândiaV 118.900[65] 200[66] 200 0.17 NA
 ÍndiaW 377.800.000[65] 87.000[67] 2.100.000[68]
a 3.000.000[69]
2.200.000
a 3.087.000
0.58 64.354[23]
 IrãX 14.340.000[70] 200[71] 200 0.00 NA
 IraqueY 3.698.000[65] 500[71] 200[72] 700 0.01 NA
 IrlandaZ 2.960.000[73] 5.000 mortes de voluntários irlandeses incluídos nas Forças Armadas do Reino Unido[74] 100[75] 100 0.00 NA
 Itália (fronteiras do pós-guerra de 1947)AA 44.394.000[76] 319.200[77]
a 341.000 cidadãos italianos e cerca de 20.000 africanos recrutados pela Itália[78][79]
153.200[80] 492.400 a 514.000 1.11
a 1.16
225.000[23]
a 320.000[81]
(dados incompletos)
 JapãoAB 71.380.000[82] 2.100.000[83]
a 2.300.000[84]
550.000[85]
a 800.000[86]
2.500.000[87]
a 3.100.000[88]
3.50
a 4.34
326.000[23]
Império do Japão Coreia (colônia japonesa)AC 24.326.000[60] Incluído nas Forças Armadas Japonesas 483.000[89]
a 533.000[90]
483.000
a 533.000
1.99
a 2.19
NA
 Letônia (fronteiras de 1939)AD 1,994,500[60] 30.000[91]
(nos exércitos soviético e alemão)
220.000[92] 250.000 12.5 NA
 Lituânia (fronteiras de 1939)AE 2.575.000[82] 25.000[93]
(nos exércitos soviético e alemão)
345.000[94] 370.000 14.36 NA
 LuxemburgoAF 295.000[82] Incluído nas Forças Armadas Alemãs e Belgas 5.000[52] 5.000 1.69 NA
Reino Unido Malaia & SingapuraAG 5.118.000[60] 100.000[95] 100.000 1.95 NA
Malta Malta (britânica)AH 269.000[60] Incluído no Reino Unido 1,500[96] 1.500 0.55 NA
 MéxicoAI 19.320.000[65] 100 100[97] 200 0.00 NA
 MongóliaAJ 819.000[98] 300[99] 300 0.04 NA
Reino Unido Nauru (australiana)AK 3.400[60] 500[100] 500 14.7 NA
 NepalAL 6.087.000[60] Incluído no Exército da Índia Britânica NA
 Países BaixosAM 8.729.000[60] 6.700[101] 187.300[101] 16.000[101] 210.000 2.41 2.860[23]
 Terra Nova (britânica)AN 320.000[102] 1.100[103]
(incluído no Reino Unido e no Canadá)
100[104] 1.200 0.3 (incluído no Reino Unido e Canadá)
 Nova ZelândiaAO 1.629.000[60] 11.700[105] 11.700 0.72 19.314[23]
 NoruegaAP 2.945.000[70] 2.000[52] 8.200[106] 10.200 0.35 364[23]
Austrália Papua & Nova Guiné (australiana)AQ 1.292.000[60] 15.000[107] 15.000 1.16 NA
 Filipinas (território dos Estados Unidos)AR 16.000.303[108] 57.000[109] 164.000[110] 336.000[110] 557.000 3.48 NA
 Polônia (fronteiras de 1939, incluindo territórios anexados pela União Soviética)AS 34.849.000[111] 240.000[112] 5.620.000[113]
a 5.820.000[114]
5.900.000[115]
a 6.000.000[116]
16.93
a 17.22
766.606[23]
 Timor PortuguêsAT 480.000[60] 40.000[117]
a 70.000[117]
40.000
a 70.000
8.33
a 14.58
NA
 Romênia (fronteiras do pós-guerra de 1945)AU 15.970.000[52] 300.000[39] 200.000[39] 500.000[39] 3.13 332.769[118]
Bélgica Ruanda-Urundi (belga)AV 3.800.000[119] 36.000[120]
a 50.000[121]
36.000
a 50.000
0.09
a 1.3
NA
 África do SulAW 10.160.000[65] 11.900[67] 11.900 0.12 14,363[23]
Flag of the South Pacific Mandate.svg Mandato do Pacífico Sul (colônia japonesa)AX 127.000[122] 10.000[123] 10.000 7.87 [23]
 União Soviética (fronteiras de 1946 a 1991, incluindo territórios anexos)[124]AY 188.793.000[125][126] 8.668.000[127][128][129]
a 11.400.000[130][131][132][133]
4.500.000[134]
a 10.000.000[135][136][137]
8.000.000
a 9.000.000[138][139][140]
20.000.000[141]
a 27.000.000[142][143][144][145][146]
(Veja a tabela abaixo)AY4 14.685.593[23]
 EspanhaAZ 25.637.000[65] Incluído no Exército Alemão Incluído na França, veja nota de rodapé NA
 SuéciaBA 6.341.000[65] 100[147] 2.000[148] 2.100 0.03 NA
  SuíçaBB 4.210.000[70] 100[149] 100 0.00 NA
 TailândiaBC 15.023.000[150] 5,600[151] 2.000[151] 7.600 0.05 NA
 TurquiaBD 17.370.000[70] 200[152] 200 0.00 NA
 Reino Unido (incluindo Colônias da Coroa)BE 47.760.000[153] 383.700[154] 67.200[155][156] 450.900 0.94 376.239[23]
 Estados UnidosBF 131.028.000[157] 407.300BF1 12.100BF2 419.400 0.32 671.801[23]
 IugosláviaBG 15.490.000[158] 300.000[159]
a 446.000[160]
581.000[160]
a 1.400.000[159]
1.027.000[160]
a 1.700.000[159]
6.63
a 10.97
425.000[23]
Outras naçõesBH 300.000.000 NA
Total aproximado 2.300.000.000[1] 21.000.000
a 25.500.000
29.000.000
a 30.500.000
19.000.000
a 28.000.000
70.000.000
a 85.000.000
3.0
a 3.7
NA
Dois soldados alemães, um ferido e o outro morto. Cerca de um-terço de todas as fatalidades na guerra foram militares.
  • Os números são arredondados para o centésimo mais próximo.
  • As baixas militares incluem a morte de forças militares regulares de combate e causas que não são de combate. As mortes de Partisans e combatentes da resistência estão incluídas nas perdas militares. A morte de prisioneiros de guerra em cativeiro e desaparecidos em ação também estão incluídos nas mortes militares. Sempre que possível, os detalhes são fornecidos nas notas de rodapé.
  • As forças armadas das várias nações são tratadas como entidades únicas, por exemplo, as mortes de austríacos, franceses e estrangeiros de ascendência alemã na Europa Oriental na Wehrmacht estão incluídas nas perdas militares alemãs. Por exemplo, Michael Strank está incluído nos mortos de guerra americanos e não da Checoslováquia.
  • Os mortos civis de guerra estão incluídos nas nações onde residiam. Por exemplo, refugiados judeus alemães na França que foram deportados para os campos de extermínio estão incluídos com as vítimas francesas nas fontes publicadas sobre o Holocausto.
  • As estatísticas oficiais de vítimas publicadas pelos governos dos Estados Unidos, França e Reino Unido não fornecem os detalhes da origem nacional, raça e religião das perdas.
  • As baixas civis incluem mortes causadas por bombardeios estratégicos, vítimas do Holocausto, crimes de guerra alemães, crimes de guerra japoneses, transferências populacionais na União Soviética, crimes de guerra dos Aliados e mortes por fome e doenças relacionadas à guerra. A repartição exata nem sempre é fornecida nas fontes citadas.

Alemanha Nazista[editar | editar código-fonte]

Perdas humanas do Terceiro Reich na Segunda Guerra Mundial (inclui números acima do total de mortos em guerra) uma descrição detalhada é dada nas notas de rodapé da Alemanha e da Áustria.[9][10]S2
País/Território População em
1939
Mortes
militares
Mortes de civis devido a
bombardeio estratégico Aliado
Mortes civis devido a
perseguição nazista
Mortes civis por
expulsão de alemães
Total
de
mortes
Mortes em %
da população de 1939
Áustria 6.653.000[19] 250.000[161]
a 261.000[56]
24.000[161][162] 100.000[163] 370.000[163] 5.56
Alemanha (fronteiras de 1937)[164] 69.300.000[54] 3.760.000[161]
a 4.456.000[56]
353.000 (fronteiras de 1942)[165]
a 410.000[161][166]
300.000[167]
a 500.000[168][169]
400.000[170]
a 1.225.000[161]
5.700.000[171] 8.23
Estrangeiros de ascendência alemã na Europa Oriental[172] 7.423.000[173] 430.000[55]
a 538.000[56]
200.000[174]
a 886.000[175]
738.000[56][174]
a 1.316.000[176]
9.96
a 17.76
Estrangeiros de ascendência alemã na Europa Ocidental 215.000[177] 63.000[56] 63.000[56] 29.3
Total aproximado 83.500.000 4.440.000[178]
a 5.318.000
[56]
353.000[165]
a 434.000
[178]
400.000[179][168]
a 600.000[168][169][179]
600,000[180]
a 2.111.000[176]
6.900.000
a 7.400.000
8.26
a 8.86
  • Fontes alemãs não fornecem números para cidadãos soviéticos recrutados pela Alemanha. O historiador russo Grigori F. Krivosheev coloca as perdas dos "Vlasovitas, bálticos e muçulmanos etc", em serviço alemão em 215.000.[181]

União Soviética[editar | editar código-fonte]

A repartição estimada para cada república soviética do total de mortos em guerra[11]↑AY4

República
Soviética
População em 1940
(fronteiras de 1946 a 1991)
Mortes
militares
Mortes civis por atividade militar
e crimes contra a humanidade
Mortes civis por fome e doença
relacionadas à guerra
Total Mortes em % da
população de 1940
Armênia 1.320.000 150.000 30.000 180.000 13.6%
Azerbaijão 3.270.000 210.000 90.000 300.000 9.1%
Bielorrússia 9.050.000 620.000 1.360.000 310.000 2,290,000 25.3%
Estônia 1.050.000 30.000 50.000 80.000 7.6%
Geórgia 3.610.000 190.000 110.000 300.000 8.3%
Cazaquistão 6.150.000 310.000 350.000 660.000 10.7%
Quirguistão 1.530.000 70.000 50.000 120.000 7.8%
Letônia 1.890.000 30.000 190.000 40.000 260,000 13.7%
Lituânia 2.930.000 25.000 275.000 75.000 375,000 12.7%
Moldávia 2.470.000 50.000 75.000 45.000 170,000 6.9%
Rússia 110.100.000 6.750.000 4.100.000 3,100,000 13,950,000 12.7%
Tajiquistão 1.530.000 50.000 70.000 120.000 7.8%
Turquemenistão 1.300.000 70.000 30.000 100.000 7.7%
Ucrânia 41.340.000 1.650.000 3.700.000 1,500,000 6,850,000 16.3%
Uzbequistão 6.550.000 330.000 220.000 550.000 8.4%
Não identificado 165.000 130.000 295.000
Total aproximado 194.090.000 10.600.000 10.000.000 6.000.000 26.600.000 13.7%

A fonte dos números é Vadim Erlikman. Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow, 2004. ISBN 5-93165-107-1. pp. 21–35. Erlikman, um historiador russo, observa que esses números são suas estimativas.

Mortes do Holocausto[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Holocausto e Vítimas do Holocausto

Incluídos nos números de mortos totais na guerra para cada nação estão as vítimas do Holocausto.

Mortes de judeus[editar | editar código-fonte]

Boa parte dos mortos durante a segunda guerra mundial eram civis.[192]

O Holocausto é o termo geralmente usado para descrever o genocídio de aproximadamente 6.000.000 de judeus europeus durante a Segunda Guerra Mundial. Martin Gilbert estima que 5.700.000 (78%) dos 7.300.000 de judeus na Europa ocupada alemã foram vítimas do Holocausto.[193] As estimativas de mortes no Holocausto variam entre 4.900.000 a 5.900.000 de judeus.[194]

Repartição estatística dos mortos judeus:

Os números para a população judaica pré-guerra e as mortes na tabela abaixo são de The Columbia Guide to the Holocaust.[194] Foram adicionados os percentuais baixo, alto e médio de mortes da população pré-guerra.

País População judaica pré-guerra[194] em 1933 Baixa estimativa de mortes[194] Alta estimativa de mortes[194] Baixa % Alta % Média %
Áustria 191.000
(veja a nota de rodapé)
50.000 65.000 26.2% 34.0% 30.1%
Bélgica 60,000
(veja a nota de rodapé)
25,000 29,000 41.7% 48.3% 45.0%
República Checa[198] 92.000 77.000 78.300 83.7% 85.1% 84.4%
Dinamarca 8.000 60 116 0.8 % 1.5% 1.1%
Estônia 4,600 1,500 2,000 32.6% 43.5% 38.0%
França 260,000
(veja a nota de rodapé)
75.000 77.000 28.8% 29.6% 29.2%
Alemanha Nazista 566.000
(veja a nota de rodapé)
135.000 142.000 23.9% 25.1% 24.5%
Grécia 73.000 59.000 67.000 80.8% 91.8% 86.3%
Hungria
(fronteiras de 1940)[199]
725.000 502.000 569.000 69.2% 78.5% 73.9%
Itália 48.000 6.500 9.000 13.5% 18.8% 16.1%
Letônia 95.000 70.000 72.000 73.7% 75.8% 74.7%
Lituânia 155.000 130.000 143.000 83.9% 92.3% 88.1%
Luxemburgo 3.500 1.000 2.000 28.6% 57.1% 42.9%
Países Baixos 112.000
(veja a nota de rodapé)
100.000 105.000 89.3% 93.8% 91.5%
Noruega 1.700 800 800 47.1% 47.1% 47.1%
Polônia
(fronteiras de 1939)
3.250.000 2.700.000 3.000.000 83.1% 92.3% 87.7%
Romênia
(fronteiras de 1940)
441.000 121.000 287.000 27.4% 65.1% 46.3%
Eslováquia 89.000 60.000 71.000 67.4% 79.8% 73.6%
União Soviética
(fronteiras de 1939)
2,825,000 700,000 1,100,000 24.8% 38.9% 31.9%
Iugoslávia 68.000 56.000 65.000 82.4% 95.6% 89.0%
Total 9.067.000 4.869.860 5.894.716 50.4%
(média)
59.7%
(média)
55.1%
(média)
  • O total da população em 1933 listado aqui tem como fonte a The Columbia Guide to the Holocaust. De 1933 a 1939, cerca de 400.000 judeus fugiram da Alemanha Nazista, Áustria e Checoslováquia. Alguns desses refugiados estavam na Europa Ocidental quando a Alemanha Nazista ocupou esses países em 1940. Em 1940, havia 30.000 refugiados judeus nos Países Baixos, 12.000 na Bélgica, 30.000 na França, 2.000 na Dinamarca, 5.000 na Itália e 2.000 na Noruega.[200]
  • As perdas judaicas húngaras de 569.000 aqui apresentadas incluem os territórios anexados em 1939-1941.[201] O número de mortos no Holocausto em 1938 nas fronteiras húngaras foi de 220.000.[64] Segundo Martin Gilbert, a população judaica dentro das fronteiras da Hungria em 1941 era de 764.000 (445.000 nas fronteiras de 1938 e 319.000 nos territórios anexos). As mortes do Holocausto dentro das fronteiras de 1938 foram de 200.000, não incluindo 20.000 homens recrutados como escravos para os militares.[202]
  • Os números dos Países Baixos listados na tabela são 112.000 judeus tem como fonte o The Columbia Guide to the Holocaust incluem os judeus que residiam nos Países Baixos em 1933.

Em 1940, a população judaica havia aumentado para 140.000 com a inclusão de 30.000 refugiados judeus.[200] Nos Países Baixos, 8.000 judeus em casamentos mistos não estavam sujeitos a deportação.[203] No entanto, um artigo do periódico neerlandês De Groene Amsterdammer sustenta que alguns judeus em casamentos mistos foram deportados antes que a prática fosse encerrada por Adolf Hitler.[204]

Não-judeus perseguidos e mortos por forças nazistas e afiliadas a nazistas[editar | editar código-fonte]

Alguns estudiosos sustentam que a definição do Holocausto também deve incluir as outras vítimas perseguidas e mortas pelos nazistas.[208][209]

  • Donald L. Niewyk, professor de história da Universidade Metodista Meridional, sustenta que o Holocausto pode ser definido de quatro maneiras: primeiro, que foi apenas o genocídio dos judeus; segundo, que havia vários Holocaustos paralelos, um para cada um dos vários grupos; terceiro, o Holocausto incluiria os ciganos e os deficientes, juntamente com os judeus; quarto, incluiria todos os crimes alemães de motivação racial, como o assassinato de prisioneiros de guerra soviéticos, civis poloneses e soviéticos, além de presos políticos, dissidentes religiosos e homossexuais. Usando essa definição, o número total de vítimas do Holocausto está entre 11 milhões e 17 milhões de pessoas.[210]
  • De acordo com a Universidade do Sul da Flórida, "aproximadamente 11 milhões de pessoas foram mortas por causa das políticas genocidas dos nazistas".[211]
  • Rudolph Joseph Rummel estimou o número de mortos devido ao Democídio nazista em 20.9 milhões de pessoas.[212]
  • Timothy Snyder estima o número de vítimas dos nazistas como resultado de "políticas deliberadas de assassinato em massa", como execuções, fome deliberada e campos de extermínio, em 10.4 milhões de pessoas, incluindo 5.4 milhões de judeus.[213]
  • O estudioso alemão Hellmuth Auerbach calcula o número de mortos na era Hitler em 6 milhões de judeus mortos no Holocausto e em 7 milhões de outras vítimas dos nazistas.[214]
  • Dieter Pohl (de) coloca o número total de vítimas da era nazista entre 12 e 14 milhões de pessoas, incluindo 5.6 a 5.7 milhões de judeus.[215]
  • Ciganos incluídos nos números de mortos totais de guerra estão as vítimas ciganas da perseguição nazista; alguns estudiosos incluem as mortes dos ciganos com o Holocausto. A maioria das estimativas das vítimas de ciganos varia entre 130.000 e 500.000.[210][216] Ian Hancock, diretor do Programa de Estudos Romani e do Centro de Documentação e Arquivos Romani da Universidade do Texas em Austin, argumentou a favor de um número maior entre 500.000 e 1.500.000 de ciganos mortos.[217] Hancock escreve que, proporcionalmente, o número de mortes igualava "e quase certamente excedia o de vítimas judaicas".[218] Em uma publicação de 2010, Ian Hancock afirmou que concorda com o ponto de vista de que o número de ciganos mortos foi subestimado como resultado de serem agrupados com outros registros nazistas em títulos como "restante a ser liquidado", "preguiçoso" e "partidários".[219]
  • Em 2018, o Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos tem o número de assassinatos durante o período do holocausto em 17 milhões, 6 milhões de judeus e 11 milhões de outros.[220]

Os números a seguir são do The Columbia Guide to the Holocaust, os autores sustentam que "as estatísticas sobre as perdas ciganas são especialmente não confiáveis e controversas. Esses números (citados abaixo) são baseados em estimativas necessariamente aproximadas".[221]

País População cigana antes da guerra Vítimas com baixa estimativa Vítimas com alta estimativa
Áustria 11.200 6.800 8.250
Bélgica 600 350 500
República Checa[198] 13.000 5.000 6.500
Estônia 1.000 500 1.000
França 40.000 15.150 15.150
Alemanha Nazista 20.000 15.000 15.000
Grécia ? 50 50
Hungria 100.000 1.000 28.000
Itália 25.000 1.000 1.000
Letônia 5.000 1.500 2.500
Lituânia 1.000 500 1.000
Luxemburgo 200 100 200
Países Baixos 500 215 500
Polônia 50.000 8.000 35.000
Romênia 300.000 19.000 36.000
Eslováquia 80.000 400 10.000
União Soviética
(fronteiras de 1939)
200.000 30.000 35.000
Iugoslávia 100.000 26.000 90.000
Total 947.500 130.565 285.650
  • Pessoas com deficiência: 200.000 a 250.000 de pessoas com deficiência foram mortas.[222] Um relatório de 2003 do Arquivo Nacional da Alemanha elevou o total de assassinatos durante os programas da Aktion T4 e da Aktion 14f13 a 200.000.[223][224]
  • Prisioneiros de guerra: as mortes de prisioneiros de guerra no cativeiro nazista totalizaram 3.1 milhões,[225] incluindo 2.6 a 3 milhões de prisioneiros de guerra soviéticos.[226]
  • Polacos: Segundo o Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos "Estima-se que os alemães mataram pelo menos 1.9 milhões de civis poloneses não-judeus durante a Segunda Guerra Mundial".[227] Eles sustentam que "a documentação permanece fragmentada, mas hoje estudiosos independentes da Polônia acreditam que 1.8 a 1.9 milhões de civis poloneses (não-judeus) foram vítimas das políticas de ocupação alemã e da guerra".[228] No entanto, em 2009, o Instituto de Recordação Nacional (IPN), afiliado ao governo polonês, estimou 2.770.000 mortes étnicas na Polônia devido à ocupação alemã[229] (ver Baixas da Polônia na Segunda Guerra Mundial).
  • Russos, ucranianos e bielorrussos: Segundo a ideologia nazista, os eslavos eram sub-humanos inúteis. Como tal, seus líderes, a elite soviética, seriam mortos e o restante da população escravizada, morreria de fome ou expelida para o leste. Como resultado, milhões de civis na União Soviética foram deliberadamente mortos, morreram de fome ou trabalharam até a morte.[230] Fontes russas contemporâneas usam os termos "genocídio" e "extermínio premeditado" quando se referem a perdas civis na União Soviética ocupada. Os civis mortos em represália durante a guerra partidária soviética e a fome relacionada à guerra representam uma parte importante.[231] A Cambridge History of Russia estima que as mortes de civis na União Soviética ocupada pelos nazistas totalizem 13.7 milhões de pessoas, incluindo 2 milhões de judeus. Houve 2.6 milhões de mortes adicionais nas regiões do interior da União Soviética. Os autores mantêm "a margem de erro nesse número é muito ampla". Pelo menos 1 milhão pereceu nos campos de guerra do Gulag ou nas deportações. Outras mortes ocorreram nas evacuações de guerra e devido a desnutrição e doenças relacionadas à guerra no interior. Os autores sustentam que tanto Josef Stalin quanto Adolf Hitler "foram responsáveis, mas de maneiras diferentes por essas mortes" e "Em suma, o quadro geral das perdas soviéticas durante a guerra sugere um quebra-cabeça. O esboço geral é claro: as pessoas morreram em números colossais, mas em muitas circunstâncias miseráveis e terríveis condições diferentes. Mas peças individuais do quebra-cabeça não se encaixam bem; algumas se sobrepõem e outras ainda não foram encontradas."[232] Bohdan Wytwycky sustentou que as perdas civis chegou a 3.0 milhões de ucranianos e 1.4 milhões de bielorrussos "foram racialmente motivadas".[233][234] De acordo com Paul Robert Magocsi, entre 1941 e 1945, aproximadamente 3.000.000 de vítimas ucranianas e outras não-judias foram mortas como parte das políticas de extermínio nazista no território da Ucrânia atual.[235] Dieter Pohl (de) coloca o número total de vítimas das políticas nazistas na União Soviética em 500.000 civis mortos na repressão de guerrilheiros, 1 milhão de vítimas do Plano Fome nazista, c. 3 milhões de prisioneiros de guerra soviéticos e 1 milhão de judeus (nas fronteiras pré-guerra).[236] O autor soviético Georgiy A. Kumanev classificou o número de mortos civis na União Soviética ocupada pelos nazistas em 8.2 milhões (4 milhões de ucranianos, 2.5 milhões de bielorrussos e 1.7 milhão de soviéticos).[237] Um relatório publicado pela Academia de Ciências da Rússia em 1995 apontou o número de mortos devido à ocupação alemã era de 13.7 milhões de civis (incluindo judeus): 7.4 milhões de vítimas de genocídio e represálias nazistas; 2.2 milhões de pessoas deportadas para a Alemanha Nazista por trabalho forçado; e 4.1 milhões de mortes por fome e doenças em território ocupado. Fontes publicadas na União Soviética foram citadas para apoiar esses números.[238]
  • Homossexuais: De acordo com o Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos "Entre 1933 e 1945, a polícia prendeu cerca de 100.000 homens como homossexuais. A maioria dos 50.000 homens condenados pelos tribunais passou algum tempo em prisões regulares e entre 5.000 e 15.000 foram internados em campos de concentração". Eles também observaram que não há estatísticas conhecidas sobre o número de homossexuais que morreram nos campos.[239]
  • Outras vítimas da perseguição nazista: entre 1.000 e 2.000 clérigos católicos romanos,[240] cerca de 1.000 Testemunhas de Jeová,[241] e um número desconhecido de maçons[242] pereceram em prisões e campos nazistas. "O destino dos negros de 1933 a 1945 na Alemanha Nazista e em territórios ocupados pela Alemanha variou do isolamento à perseguição, esterilização, experimentação médica, encarceramento, brutalidade e assassinato".[243] Durante a era nazista, comunistas, socialistas, social-democratas e líderes sindicais foram vítimas de perseguição nazista.[244]
  • Sérvios: O número de sérvios assassinados pelos Ustaše é objeto de debate e as estimativas variam amplamente. Yad Vashem estima mais de 500.000 assassinados, 250.000 expulsos e 200.000 convertidos à força ao catolicismo.[245] A estimativa do Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos é que os Ustaše mataram entre 320.000 e 340.000 sérvios no Estado Independente da Croácia entre 1941 a 1945, com aproximadamente 45.000 a 52.000 assassinados apenas no Campo de concentração de Jasenovac.[246] Segundo o Centro Wiesenthal, pelo menos 90.000 sérvios, judeus, ciganos e croatas antifascistas morreram nas mãos de Ustaše no campo de Jasenovac.[247] Segundo fontes iugoslavas publicadas na época da República Socialista Federativa da Iugoslávia, as estimativas do número de vítimas sérvias variam de 200.000 a pelo menos 600.000 pessoas.[248] (Ver Perseguição aos sérvios no Estado Independente da Croácia).

Crimes de guerra da Alemanha Nazista[editar | editar código-fonte]

Durante a Segunda Guerra Mundial, os militares alemães ajudaram a cumprir as ambições raciais, políticas e territoriais do nazismo. Muito tempo depois da guerra, persistiu um mito alegando que os militares alemães (ou Wehrmacht) não estavam envolvidos no Holocausto e outros crimes associados à política genocida nazista. Essa crença é falsa. Os militares alemães participaram de muitos aspectos do Holocausto: no apoio a Hitler, no uso de trabalho forçado e no assassinato em massa de judeus e outros grupos alvos dos nazistas. A cumplicidade das forças armadas se estendeu não apenas aos generais e à alta liderança, mas também à patente. Além disso, a guerra e a política genocida estavam inextricavelmente ligadas. O exército alemão (ou Heer) foi o maior cúmplice por ter participado das campanhas orientais da Alemanha, mas todos os ramos participaram.

Prisioneiros de guerra soviéticos nus detidos pelos nazistas no campo de concentração de Mauthausen. Estima-se que pelo menos 3.3 milhões de prisioneiros de guerra soviéticos morreram sob custódia alemã.[250]

A Alemanha Nazista ordenou, organizou e perdoou um número substancial de crimes de guerra na Segunda Guerra Mundial. O mais notável deles é o Holocausto, no qual milhões de judeus, poloneses e ciganos foram sistematicamente assassinados ou morreram de abusos e maus-tratos. Milhões também morreram como resultado de outras ações alemãs.

Enquanto as próprias forças da SS do Partido Nazista (em particular as SS-Totenkopfverbände, Einsatzgruppen e Waffen-SS) da Alemanha Nazista eram a organização mais responsável pelo assassinato genocida do Holocausto, as forças armadas regulares representadas pela Wehrmacht cometeram crimes de guerra por seus particularmente na Frente Oriental na guerra contra a União Soviética.

Crimes de guerra do Império do Japão[editar | editar código-fonte]

Incluídos no total de mortos em guerra estão as vítimas de crimes de guerra do Império do Japão.

Opressão na União Soviética[editar | editar código-fonte]

O total de mortos em guerra na União Soviética inclui cerca de 1 milhão[257] de vítimas do regime de Josef Stalin. O número de mortes nos campos de trabalho de Gulag aumentou como resultado da superlotação da guerra e da escassez de alimentos.[258] O regime de Stalin deportou toda a população de minorias étnicas consideradas potencialmente desleais.[259] Desde 1990, os estudiosos russos têm acesso aos arquivos da era soviética e publicaram dados sobre o número de pessoas executadas e as que morreram nos campos de trabalho e prisões de Gulag.[260] O estudioso russo Viktor Zemskov estima o número de mortos entre 1941 a 1945 em cerca de 1 milhão, com base em dados dos arquivos soviéticos. Os números dos arquivos da era soviética nos campos de trabalho de Gulag têm sido objeto de um vigoroso debate acadêmico fora da Rússia desde sua publicação em 1991. J. Arch Getty e Stephen G. Wheatcroft sustentam que os números da era soviética detalham com mais precisão as vítimas do sistema de campos de trabalho Gulag na era de Stalin.[261][262] Robert Conquest e Steven Rosefielde contestaram a precisão dos dados dos arquivos soviéticos, sustentando que os dados demográficos e depoimentos de sobreviventes dos campos de trabalho de Gulag indicam um número maior de mortes.[263][264] Rosefielde postula que a divulgação dos números dos arquivos soviéticos é uma desinformação gerada pela KGB.[265] Rosefielde sustenta que os dados dos arquivos soviéticos estão incompletos; por exemplo, ele apontou que os números não incluem as 22.000 vítimas do massacre de Katyn.[266] A análise demográfica de Rosefielde coloca o número de mortes em excesso devido à repressão soviética em 2.183.000 em 1939 a 1940 e 5.458.000 entre 1941 a 1945.[267] Michael Haynes e Rumy Husun aceitam os números dos arquivos soviéticos como uma contagem precisa das vítimas de Stalin, eles sustentam que os dados demográficos mostram uma economia soviética subdesenvolvida e as perdas na Segunda Guerra Mundial, em vez de indicar um número maior de mortes nos campos de trabalho de Gulag.[268]

Em agosto de 2009, os pesquisadores do Instituto da Memória Nacional (IPN) estimaram que 150.000 cidadãos poloneses foram mortos devido à repressão soviética. Desde o colapso da União Soviética, estudiosos poloneses foram capazes de fazer pesquisas nos arquivos soviéticos sobre as perdas polonesas durante a ocupação soviética.[190] Andrzej Paczkowski coloca o número de mortes poloneses em 90.000 a 100.000 dos 1 milhão de pessoas deportadas e 30.000 executadas pelos soviéticos.[269] Em 2005, Tadeusz Piotrowski estimou o número de mortos nas mãos dos soviéticos em 350.000.[270]

A Comissão Estatal da Estônia para o Exame de Políticas Repressivas Realizada Durante as Ocupações classificou as mortes de civis devido à ocupação soviética em 1940 a 1941 em 33.900, incluindo (7.800 mortes) de pessoas presas, (6.000) deportadas, (5.000) mortes de evacuados, (1.100) pessoas desaparecidas e (14.000) recrutadas para trabalho forçado. Após a reocupação da União Soviética, 5.000 estonianos morreram nas prisões soviéticas entre 1944 a 1945.[271]

A seguir, é apresentado um resumo dos dados dos arquivos soviéticos:

Mortes relatadas nos anos de 1939 a 1945, 1.187.783, incluindo: execuções judiciais 46.350; mortes em campos de trabalho Gulag 718.804; mortes em colônias e prisões trabalhistas 422.629.[272]

Deportados para assentamentos especiais: (os números se referem a deportações para assentamentos especiais, não incluindo os executados, enviados para os campos de trabalho de Gulag ou recrutados para o Exército Soviético. Os números também não incluem deportações adicionais pós-guerra).

Deportados de territórios anexados de 1940 a 1941, 380.000 a 390.000 pessoas, incluindo: Polônia 309.000-312.000; Lituânia 17.500; Letônia 17.000; Estônia 6.000; Moldávia 22.842.[273] Em agosto de 1941, 243.106 poloneses que viviam nos assentamentos especiais foram anistiados e libertados pelos soviéticos.[274]

Deportados durante a Guerra de 1941 a 1945, cerca de 2.3 milhões de pessoas de minorias étnicas soviéticas, incluindo: Alemães soviéticos 1.209.000; Finlandeses 9.000; Carachais 69.000; Calmucos 92.000; Chechenos e Inguches 479.000; Bálcaros 37.000; Tártaros da Crimeia 191.014; Turcos mesquécios 91.000; Gregos, búlgaros e armênios da Crimeia 42.000; Membros da OUN da Ucrânia 100.000; Poloneses 30.000.[275]

Um total de 2.230.500[276] pessoas estavam morando nos assentamentos em outubro de 1945 e 309.100 mortes foram relatadas em assentamentos especiais nos anos de 1941 a 1948.[277]

As fontes russas listam as mortes de prisioneiros de guerra do Eixo de 580.589 em cativeiro soviético com base em dados dos arquivos soviéticos (Alemanha 381.067; Hungria 54.755; Romênia 54.612; Itália 27.683; Finlândia 403 e Japão 62.069).[278] No entanto, alguns estudiosos ocidentais estimam o total entre 1.7 a 2.3 milhões.[279]

Vítimas militares por ramo de serviço[editar | editar código-fonte]

País Ramo de serviço Número servido Mortos/desaparecidos Feridos Prisioneiros de guerra capturados Porcentagem de mortos
Alemanha Nazista Exército[280] 13.600.000 4.202.000 30.9
Alemanha Nazista Força Aérea (incluindo unidades de infantaria)[280] 2.500.000 433.000 17.3
Alemanha Nazista Marinha[280] 1.200.000 138.000 11.5
Alemanha Nazista Waffen-SS[280] 900.000 314.000 34.9
Alemanha Nazista Volkssturm e outras forças paramilitares[280] 231.000
Alemanha Nazista Total (incluindo estrangeiros recrutados) 18.200.000 5.318.000 6.035.000 11.100.000 29.2
Império do Japão[281][282] Exército (1937-1945) 6.300.000 1.326.076 85.600 30.000 24.2
Império do Japão Marinha (1941-1945) 2.100.000 414.879 8.900 10.000 19.8
Império do Japão Prisioneiros de guerra mortos após a rendição[283][284][285] 381.000
Império do Japão Total das Forças Armadas do Japão 8.400.000 2.121.955 94.500 40.000 25.3
Itália Exército 3.040.000 246.432 8.1
Itália Marinha 259.082[286] 31.347 12.0
Itália Força Aérea 130.000[287] 13.210 10.2
Itália Forças partidárias 80.000[288]
a 250.000[289][290]
35.828 14
a 44
Itália Forças RSI 520,000[291] 13.021
a 35.000
2.5
a 6.7
Itália Total de Forças Armadas Italianas 3.430.000[292][293] 319.207[294]
a 341.000
320.000 1.300.000[295] 9.3
a 9.9
União Soviética (1939-1940) Todos os ramos de serviço[296] 136.945 205.924
União Soviética (1941-1945) Todos os ramos de serviço[297] 34.476.700 8.668.400 14.685.593 4.050.000 25.1
União Soviética Reservistas recrutados ainda não em serviço ativo (veja a nota abaixo)[298] 500.000
União Soviética Civis em campos de prisioneiros de guerra (veja a nota abaixo)[299] 1.000.000 1.750.000
União Soviética Unidades Partisans Soviéticos e paramilitares[300] 400,000
União Soviética Total das Forças Armadas Soviéticas 34.476.700 10.725.345 14.915.517 5.750.000 31.1
Império Britânico e a Commonwealth[67][301][302] Todos os ramos de serviço 17.843.000 580.497 475.000 318.000 3.3
Estados Unidos[303] Exército[304] 11.260.000 318.274 565.861 124.079[304][305] 2.8
Estados Unidos Força Aérea (incluído no Exército)[304] (3.400.000) (88.119) (17.360) 2.5
Estados Unidos Marinha 4.183.446 62.614 37.778 3.848[306] 1.5
Estados Unidos Serviço Marítimo 215.000 9.400 12.000 663[307] 4.5
Estados Unidos Corpo de Fuzileiros Navais 669.100 24.511 68.207 2,274[308][306] 3.7
Estados Unidos Guarda Costeira[309] 241.093 1.917 0.8
Estados Unidos Corpo de Comissionados do Serviço de Saúde Pública[310] 2.600 8[311] 0.3
Estados Unidos Corpo de Pesquisa Geodésico e Costeiro[312] 3
Estados Unidos Total de Forças Armadas dos Estrados Unidos 16.353.639 407.316 671.846 130.201[313][314] 2.5

Alemanha Nazista

  1. O número de mortos em ação foi 2.303.320; mortos por ferimentos, doenças ou acidentes 500.165; 11.000 condenados à morte por tribunal marcial; 2.007.571 desaparecidos em ação ou não contabilizados após a guerra; 25.000 suicídios; 12.000 desconhecidos;[315] 459.475 mortes confirmadas de prisioneiros de guerra, dos quais 77.000 estavam sob custódia dos Estados Unidos, Reino Unido e França; e 363.000 sob custódia da União Soviética. As mortes de prisioneiros de guerra incluem 266.000 no período pós-guerra após junho de 1945, principalmente em cativeiro soviético.[316]
  2. Rüdiger Overmans escreve: "Parece totalmente plausível, embora não seja possível, que metade dos 1.5 milhões de desaparecidos na Frente Oriental tenham sido mortos em ação; a outra metade 700.000, no entanto, morreu sob custódia soviética".[317]
  3. Fontes soviéticas listam as mortes de 474.967 dos 2.652.672 prisioneiros de guerra das forças armadas alemãs capturados na guerra.[318]

União Soviética

  1. O número total estimado de mortos soviéticas entre 1941 a 1945 na Frente Oriental, incluindo a falta de ação, prisioneiros de guerra e Partisans Soviéticos varia de 8.6 a 10.6 milhões.[300] Houve mais 127.000 mortos de guerra em 1939 a 1940 durante a Guerra de Inverno com a Finlândia.[319]
  2. Os números oficiais de mortos e desaparecidos em guerras em 1941 a 1945 são 8.668.400, incluindo 6.329.600 mortes relacionadas ao combate, 555.500 mortes não relacionadas ao combate.[320] 500.000 desaparecidos em ação e 1.103.300 prisioneiros de guerra mortos e outros 180.000 prisioneiros de guerra libertados que provavelmente emigraram para outros países.[321][322][323] Os números incluem perdas da Marinha Soviética em 154.771.[324] As mortes não relacionadas ao combate incluem 157.000 condenadas à morte por corte marcial.[325]
  3. As baixas entre 1939 a 1940 incluem os seguintes mortos e desaparecidos: Batalhas de Khalkhin Gol em 1939 (8.931), Invasão da Polônia de 1939 (1.139), Guerra de Inverno com a Finlândia (1939 a 1940) (126.875).[296]
  4. O número de feridos inclui 2.576.000 pessoas com deficiência permanente.[326]
  5. O número oficial russo para o total de prisioneiros de guerra detidos pelos alemães é de 4.059.000; o número de prisioneiros de guerra soviéticos que sobreviveram à guerra foi de 2.016.000, incluindo 180.000 que provavelmente emigraram para outros países, e outros 939.700 prisioneiros de guerra e mortos em ação que foram reformulados à medida que o território foi libertado. Isso deixa 1.103.000 prisioneiros de guerra mortos. No entanto, os historiadores ocidentais colocam o número de prisioneiros de guerra detidos pelos alemães em 5.7 milhões e cerca de 3 milhões em mortos em cativeiro (nos números oficiais russos, 1.1 milhões são prisioneiros de guerra militares e o saldo remanescente de cerca de 2 milhões está incluído em mortes de civis).[321][327]
  6. Reservistas recrutados são uma estimativa de homens convocados, principalmente em 1941, que foram mortos em batalha ou morreram como prisioneiros de guerra antes de serem listados com força ativa. Fontes soviéticas e russas classificam essas perdas como mortes de civis.[299]

Commonwealth Britânica

  1. Número servido: Reino Unido e as Colônias da Coroa (5.896.000); Índia (administração colonial britânica) (2.582.000), Austrália (993.000); Canadá (1.100.000); Nova Zelândia (295.000); África do Sul (250.000).[328]
  2. Total de mortes relacionadas à guerra relatadas pela Commonwealth War Graves Commission: Reino Unido e as Colônias da Coroa (383.786); Índia (administração colonial britânica) (87.032), Austrália (40.464); Canadá (45.383); Nova Zelândia (11.929); África do Sul (11.903).[329]
  3. Total de mortos em operações militares somente no Reino Unido (de acordo com dados preliminares de 1945): 264.443. Marinha Real Britânica (50.758); Exército Britânico (144.079); Força Aérea Real Britânica (69.606).[330][331]
  4. Feridos: Reino Unido e as Colônias da Coroa (284.049); Índia (administração colonial britânica) (64.354), Austrália (39.803); Canadá (53.174); Nova Zelândia (19.314); África do Sul (14.363).[301][332][333]
  5. Prisioneiros de guerra: Reino Unido e as Colônias da Coroa (180.488); Índia (administração colonial britânica) (79.481); Austrália (26.358); África do Sul (14.750); Canadá (9.334); Nova Zelândia (8.415).[301][332][333]
  6. O Debt of Honour Register da Commonwealth War Graves Commission lista os 1.7 milhão de homens e mulheres das forças da Commonwealth que morreram durante as duas guerras mundiais.[334]

Estados Unidos

  1. As mortes em batalhas (incluindo prisioneiros de guerra que morreram em cativeiro, não incluem aqueles que morreram de doenças e acidentes)[304] foram 292.131: Exército 234.874 (incluindo forças aéreas do exército 52.173); Marinha 36.950; Fuzileiros Navais 19.733; e Guarda Costeira 574 (185.924 mortes ocorreram no teatro de operações da Europa/Atlântico e 106.207 mortes ocorreram no teatro de operações da Ásia/Pacífico).[304][335]
  2. Durante a Segunda Guerra Mundial, 14.059 prisioneiros de guerra americanos morreram em cativeiro inimigo durante a guerra (12.935 mantidos pelo Império do Japão e 1.124 mantidos pela Alemanha Nazista).[336]
  3. Durante a Segunda Guerra Mundial, 1.2 milhões de afro-americanos serviram nas Forças Armadas dos Estados Unidos e 708 foram mortos em ação. 350.000 mulheres americanas servidas nas Forças Armadas durante a Segunda Guerra Mundial e 16 foram mortas em ação.[337] Durante a Segunda Guerra Mundial, 26.000 nipo-americanos serviram nas Forças Armadas e mais de 800 foram mortos em ação.[338]

Vítimas militares da Commonwealth[editar | editar código-fonte]

O relatório anual de 2014-2015 da Commonwealth War Graves Commission (CWGC)[67] é a fonte dos mortos militares do Império Britânico. Os totais de mortos em guerra listados no relatório se baseiam na pesquisa do CWGC para identificar e homenagear os mortos em guerra da Commonwealth. As estatísticas tabuladas pelo CWGC são representativas do número de nomes que homenageia os homens/mulheres das Forças Armadas da Commonwealth e antigas dependências do Reino Unido, cuja morte foi atribuída ao serviço de guerra. Algumas organizações civis e auxiliares também recebem status grave de guerra se a morte ocorrer sob certas condições especificadas. Para os fins do CWGC, as datas de inclusão do CWGC são de 3 de setembro de 1939 a 31 de dezembro de 1947.

Notas de rodapé[editar | editar código-fonte]

↑A  Albânia

↑B  Austrália

  • O Memorial de Guerra Australiano[21] registra 39.648 mortes militares. Este número inclui todo o pessoal que morreu de causas relacionadas à guerra entre 1939 e 1947.
  • Segundo as estatísticas oficiais, as baixas de batalha australianas incluíram 27.073 mortos, feridos ou feridos como prisioneiros de guerra; feridos em ação foram 23.477, esses números excluem baixas não relacionadas à batalha, como mortes em áreas não operacionais e mortes por causas naturais.[339][340]
  • O governo australiano não considera os marinheiros mercantes como militares e os 349 australianos mortos em ação enquanto tripulavam navios mercantes em todo o mundo,[341] estão incluídos no total de mortes de civis. Outras mortes de civis foram devidas a ataques aéreos e ataques a navios de passageiros.
  • Os dados preliminares das perdas australianas incluíram 23.365 mortos, 6.030 desaparecidos, 39.803 feridos e 26.363 prisioneiros de guerra.[333]

↑C  Áustria

  • Os mortos militares da Áustria relatados por Rüdiger Overmans são 261.000 e estão incluídos na Alemanha Nazista.[342]
  • As baixas civis austríacas foram 99.700 vítimas de perseguição nazista e 24.000 mortas em ataques aéreos dos Aliados. O governo austríaco fornece as seguintes informações sobre perdas humanas durante o governo dos nazistas. "Para a Áustria, as consequências do regime nazista e da Segunda Guerra Mundial foram desastrosas: Durante esse período, 2.700 austríacos foram executados e mais de 16.000 cidadãos assassinados nos campos de concentração. Cerca de 16.000 austríacos foram mortos na prisão, enquanto mais de 67.000 judeus austríacos foram deportados para campos de extermínio, apenas 2.000 deles viveram para ver o fim da guerra. Além disso, 247.000 austríacos perderam a vida servindo no exército do Terceiro Reich ou desapareceram e 24.000 civis foram mortos durante bombardeios.[163]

↑D  Bélgica

  • Fontes do governo belga relataram 12.000 mortos militares, incluindo (8.800 mortos, 500 desaparecidos em ação, 200 executados, 800 combatentes do movimento de resistência e 1.800 prisioneiros de guerra) e perdas civis de 73.000, incluindo (32.200 mortes devido a operações militares, 3.400 executadas, 8.500 deportados políticos, 5.000 trabalhadores forçados na Alemanha Nazista e 27.000 vítimas do Holocausto judeu).[343]
  • Perdas de cerca de 10.000 nas forças armadas alemãs não estão incluídas nesses números, elas estão incluídas nas baixas militares alemãs.[344]

↑E  Brasil

↑F  Bulgária

  • O total de mortos na guerra na Bulgária forram de 18.500, incluindo 6.671 mortes em batalhas.[346]
  • Houve 3.000 mortes de civis em ataques aéreos dos Aliados, incluindo 1.400 no bombardeio de Sófia.[347]
  • Um historiador russo em um manual de perdas humanas no século XX forneceu a seguinte avaliação das vítimas búlgaras: Mortes militares: 2.000 militares que serviram no Eixo na Iugoslávia e na Grécia; 10.124 mortos que serviram nas forças aliados e da União Soviética e 10.000 mortes de partisans antifascistas.[348] Em relação às vítimas civis e partisans, Vadim Erlikman observa "De acordo com os dados oficiais do governo real, 2.320 foram mortos e 199 executados. Os comunistas afirmam que 20 a 35.000 pessoas morreram. Na realidade, as mortes foram de 10.000, incluindo um número desconhecido de civis".[348]

↑G  Birmânia Britânica

↑H  Canadá

↑I  China
(As fontes para o total de mortos em guerra da China são divergentes e variam de 10 a 20 milhões, conforme detalhado abaixo.)

  • John W. Dower observou: "Tão grande foi a devastação e o sofrimento na China que, no final, é necessário falar em incertos 'milhões' de mortes. Certamente, é razoável pensar em termos gerais de aproximadamente 10 milhões de mortos chineses, um total superado apenas pela União Soviética." Dower citou um relatório das Nações Unidas de 1947 que colocava os mortos chineses em 9 milhões.[45]
  • Segundo Rana Mitter "o número de mortos na China ainda está sendo calculado, mas estimativas conservadoras chegam a 14 milhões de mortos"[352] Rana Mitter citou a estimativa de baixas chinesas por Odd Arne Westad de 2 milhões de mortes em combate e 12 milhões de civis mortos, Mitter também citou um estudo chinês publicado em 2006 que a estimava o número de mortos na guerra entre 8 a 10 milhões.[353]
  • Um estudo acadêmico da população chinesa concluiu que "uma estimativa conservadora colocaria o total de baixas diretamente causadas pela guerra de 1937-1945 entre 15 milhões a 20 milhões".[35] Este estudo citou uma fonte nacionalista chinesa que classificou o total de baixas civis em 2.144.048 = (1.073.496 mortos; 237.319 feridos; 71.050 capturados por japoneses; 335.934 mortos em ataques aéreos japoneses; 426.249 feridos em ataques aéreos), baixas militares em 6.750.000 em 1937-1943 (1.500.000 mortos; 3.000.000 feridos; 750.000 desaparecidos; 1.500.000 mortes causadas por doenças etc.)[354] Além disso, 960.000 Forças Colaboracionistas e 446.736 Comunistas foram mortos ou feridos.[354]
  • A estatística oficial do governo chinês (comunista) das baixas civis e militares da China na Segunda Guerra Sino-Japonesa em 1937-1945 é de 20 milhões de mortos e 15 milhões de feridos.[7]
  • A estudiosa chinesa Bianxiu Yue publicou um estudo sobre as perdas populacionais da China na Segunda Guerra Sino-Japonesa. Ela calculou o total de perdas chinesas em 20.6 milhões de mortos e 14.2 milhões de feridos.[355]
  • Os números oficiais nacionalistas de baixas chinesas foram: 1.319.958 mortos; 1.716.335 feridos e 130.126 desaparecidos,[356] um estudo acadêmico da população chinesa concluiu que esses números são "excessivamente baixos" e "altamente suspeitos".[357]
  • A estimativa de R. J. Rummel do total de mortos na guerra de 1937-1945 é de 19.605.000.[33] Militares mortos: 3.400.000 (incluindo 400.000 prisioneiros de guerra) nacionalistas/comunistas e 432.000 de Forças Colaboracionistas. Mortes civis na guerra: 3.808.000 mortos em combates e 3.549.000 vítimas de crimes de guerra japoneses (sem incluir 400.000 prisioneiros de guerra). Outras mortes: Por repressão de nacionalistas chineses 5.907.000 (3.081.000 recrutas militares que morreram devido a maus-tratos e 2.826.000 mortes de civis causadas pelo governo nacionalista, incluindo a Inundação do Rio Amarelo em 1938); repressão política pelos comunistas chineses 250.000 e pelos senhores da guerra 110.000. As mortes adicionais devido à fome foram 2.250.000.
  • Werner Gruhl estima o total de perdas de guerra da China em 15.554.000, civis: 12.392.000, incluindo (8.191.000) devido à brutalidade japonesa e 3.162.000 mortos militares.[34]

↑J  Cuba

  • Cuba perdeu 5 navios mercantes e 79 marinheiros mercantes mortos.[26]

↑K  Checoslováquia

  • De acordo com o Serviço de Estatística do Estado da Checoslováquia, a população em 1939 (dentro das fronteiras do pós-guerra de 1945 a 1992) era de 14.612.000.[37] A população em 1939 incluía cerca de 3.3 milhões de alemães étnicos que foram expulsos após a guerra ou foram baixas militares alemãs durante a guerra.
  • O demógrafo russo Boris Urlanis estimou as mortes da guerra na Checoslováquia de 340.000 pessoas, 46.000 militares e 294.000 civis.[39]
  • Um historiador russo em um manual de perdas humanas no século XX forneceu a seguinte avaliação das baixas da Checoslováquia:[38] 35.000 mortes militares: incluindo: mortos durante a ocupação de 1938 (171); Forças da Checoslováquia com os Aliados ocidentais (3.220); Unidades militares da Checoslováquia na Frente Oriental (4.570); República Eslovaca nas Forças do Eixo (7.000); Checos nas forças alemãs (5.000), perdas partidárias (10.000) e (5.000) prisioneiros de guerra. 320.000 mortes de civis: (10.000) em bombardeios; (22.000) executados; (285.000 em campos de concentração, incluindo 270.000 judeus, 8.000 ciganos); e (3.000) trabalhadores forçados na Alemanha.[38]

↑L  Dinamarca

  • O Ministério da Educação dinamarquês detalhou as perdas da Dinamarca na guerra de cerca de 8.000 pessoas, incluindo 2.685 mortos em bombardeios, combatentes da resistência e executados pelos alemães e 3.000 que morreram fora da Dinamarca, incluindo (2.000 marinheiros mercantes, 63 servindo as forças aliadas), 600 em campos de concentração, 400 trabalhadores forçados na Alemanha). Além disso, 2.000 voluntários dinamarqueses foram mortos servindo nas forças armadas da Alemanha.[40]

↑M  Índias Orientais Neerlandesas

  • As Nações Unidas relataram em 1947 que "cerca de 30.000 europeus e 300.000 internos indonésios e trabalhadores forçados morreram durante a ocupação". Eles relataram: "O número total de mortos pelos japoneses ou de fome, doença e falta de assistência médica é estimado em 3 milhões somente em Java, 1 milhão nas Ilhas Periféricas. No total, 35.000 dos 240.000 europeus morreram; a maioria deles eram homens em idade de trabalho".[358]
  • John W. Dower citou o relatório das Nações Unidas de 1947 que estimava em 4 milhões de mortos por fome e trabalho forçado durante a Ocupação japonesa da Indonésia.[45]
  • Werner Gruhl estimou o número de mortos civis devido à guerra e ocupação japonesa em 3 milhões de indonésios e 30.000 europeus internados.[359]
  • Uma discussão sobre a fome em Java entre 1944 a 1945 leva Pierre van der Eng a concluir que 2.4 milhões de indonésios morreram.[44]
  • As perdas militares neerlandesas na Ásia foram 2.500 mortos na Campanha das Índias Orientais Neerlandesas de 1942.[360]
  • Dados da Documentação do Instituto de Guerra dos Países Baixos estimam o número de prisioneiros de guerra neerlandeses capturados pelos japoneses em 37.000, dos quais 8.500 morreram.[361]
  • Os japoneses internaram 105.530 civis neerlandeses nas Índias Orientais, dos quais 13.567 morreram.[361]

↑MA  Egito

  • As baixas militares egípcias foram 1.125 mortos e 1.308 feridos. Os britânicos usaram o exército egípcio para proteger as linhas de comunicação e limpar os campos minados.[362]

↑N  Estônia

  • As perdas humanas da Estônia devido à ocupação soviética e alemã da Estônia entre 1940 a 1945 foram de aproximadamente 67.000 pessoas, com base em um estudo da Comissão Estadual da Estônia sobre o Exame de Políticas de Repressão.[48][363]
  • Ocupação Soviética de 1940 a 1941 teve o total de 43.900 mortos e desaparecidos, incluindo 7.800 pessoas presas que foram assassinadas ou pereceram na União Soviética; 6.000 pessoas deportadas que morreram na União Soviética; 24.000 pessoas mobilizadas que morreram na União Soviética e 1.100 pessoas desaparecidas).[363]
  • As perdas durante a Ocupação da Estônia entre 1941 a 1944 pela Alemanha Nazista foram 23.040, incluindo 7.800 executadas por nazistas e 1.040 mortas em campos de prisioneiros. 200 pessoas morreram em trabalho forçado na Alemanha. 800 mortes em bombardeios soviéticos contra cidades da Estônia, 1.000 mortos em ataques aéreos dos Aliados na Alemanha e 1.000 pereceram no mar enquanto tentavam fugir do país entre 1944 a 1945. 10.000 estonianos morreram na guerra nas forças armadas da Alemanha e 1.000 prisioneiros de guerra rendidos foram executados pelos soviéticos.[364] Incluído nos números acima está o genocídio de 243 ciganos e 929 judeus.[365][363]
  • Após a reocupação pela União Soviética, 16.000 estonianos morreram nas repressões soviéticas entre 1944 a 1953.[366][363]
  • O total de mortes de 1940 a 1953 devido à guerra e a ocupação soviética foi de aproximadamente 83.000 pessoas (7.3% da população).[48][363]

↑O  Etiópia

  • O total de mortos militares e civis na Campanha da África Oriental foi de 100.000, incluindo 15.000 militares nativos com forças italianas.[49]
  • Melvin Small e Joel David Singer estimam as perdas militares em 5.000.[367]
  • As mortes de soldados africanos recrutados pela Itália não estão incluídas nos mortos de guerra italianos. O Ministério da Defesa italiano estimou em 10.000 mortes de soldados africanos na Campanha da África Oriental.[368]
  • Esses totais não incluem perdas na Segunda Guerra Ítalo-Etíope e a ocupação italiana de 1935 a 1941. O relatório oficial do governo etíope lista 760.000 mortes devido à guerra e ocupação italiana entre 1935 e 1941.[369] No entanto, R.J. Rummel estima que 200.000 etíopes e líbios foram mortos pelos italianos entre os anos 1920 a 1941 "com base no programa "Timewatch" do Discovery Channel, que foi ao ar em 17 de janeiro de 1992.[370]

↑P  Finlândia

  • Os mortos militares incluem mortos e desaparecidos da Guerra de Inverno e da Guerra de Continuação com a União Soviética, bem como ações contra as forças alemãs em 1944 a 1945. As perdas da Guerra do Inverno (1939-1940) foram 22.830, as mortes militares de 1941-1944 foram 58.715 e 1.036 em 1944-1945 na Guerra da Lapônia.[50]
  • O site do Arquivo Nacional da Finlândia lista os nomes dos 95.000 mortos de guerra da Finlândia. O banco de dados de mortos na guerra de 1939 a 1945 inclui todos os militares e mulheres que morreram servindo o Exército, Marinha ou Força Aérea da Finlândia. Também inclui voluntários estrangeiros que morreram durante o serviço na Finlândia e homens finlandeses da SS que morreram enquanto serviam no exército alemão. O banco de dados contém civis, caso tenham sido enterrados em um cemitério militar. Às vezes, isso era feito se o falecido era, por exemplo, um trabalhador de munição, vítima de ataque aéreo ou um trabalhador civil que, por algum outro motivo, morreu por causa da guerra. Algumas paróquias continuaram enterrando nos cemitérios militares da Segunda Guerra Mundial até a década de 1980.[51]
  • Fontes soviéticas listam as mortes de 403 dos 2.377 prisioneiros de guerra finlandeses capturados na guerra.[371]
  • Durante a Guerra de Inverno de 1939 a 1940, o Corpo de Voluntários da Suécia serviu ao lado dos finlandeses em combate.
  • 1.407 voluntários finlandeses serviram no Batalhão de Voluntários Finlandeses da Waffen-SS e 256 foram mortos em ação.
  • Os mortos de guerra civis foram de 2.000,[52] devido em parte ao Bombardeio de Helsinque na Segunda Guerra Mundial.

↑Q  França

  • A guerra francesa de incluiu 210.000 mortos, 150.000 das forças regulares (Batalha da França em 1939 a 1940, 92.000; 1940 a 1945 na Frente Ocidental, 58.000); 20.000 combatentes Resistência Francesa e 40.000 prisioneiros de guerra na Alemanha Nazista.[372] As perdas civis de 390.000 incluem: (60.000 mortos em bombardeios, 60.000 em combates terrestres, 30.000 executados, 60.000 deportados políticos, 40.000 trabalhadores forçados na Alemanha, 100.000 vítimas do genocídio nazista (judeus e ciganos) e 40.000 cidadãos franceses nas forças armadas alemãs que foram recrutados na Alsácia-Lorena).[372]
  • O Ministério da Defesa francês colocou as baixas francesas em 200.000.[373] Eles observam que essas perdas incluem combatentes das colônias francesas e da França metropolitana; soldados regulares e membros da resistência.[374]
  • Vadim Erlikman, historiador russo, estima as perdas de africanos nas forças coloniais francesas em cerca de 22.000.[375]
  • 752 civis foram mortos durante os ataques aéreos dos Estados Unidos à Tunísia Francesa em 1942 a 1943.[376]
  • R. J. Rummel estima as mortes de 20.000 refugiados espanhóis anti-fascistas residentes na França que foram deportados para os campos de concentração nazistas. Essas mortes estão incluídas nas baixas de civis franceses.[212]

↑R  Indochina Francesa

  • John W. Dower estimou 1 milhão de mortos devido à fome vietnamita de 1945 durante a ocupação japonesa.[281]
  • Werner Gruhl estima o número de mortos civis devido à guerra e ocupação japonesa em 1.500.000.[359]
  • Fontes vietnamitas colocam o número de mortes durante a fome de 1944 a 1945 no Vietnã do Norte entre 1 e 2 milhões.[53]

↑S  Alemanha Nazista
(As notas a seguir resumem as baixas alemãs, os detalhes são apresentados nas baixas alemãs na Segunda Guerra Mundial.)

População alemã

  • A população de 1939 na Alemanha Nazista dentro das fronteiras de 1937 File:DR1937.1.png era de 69.3 milhões de pessoas.[54]
  • Os estrangeiros de ascendência alemã nos países da Europa Centro-Oriental estavam sujeitos a recrutamento pela Alemanha Nazista durante na guerra. De acordo com um relatório de 1958 do Statistisches Bundesamt da Alemanha Ocidental (Serviço Federal de Estatística), a população étnica alemã antes da guerra na Europa Oriental era de 7.423.300 pessoas (249.500 estados bálticos & Memel; 380.000 Danzig; 1.371.000 Polônia (fronteiras de 1939)[12]; 3.477.000 Checoslováquia; 623.000 Hungria; 536.800 Iugoslávia e 786.000 Romênia).[377][378] Essas estimativas alemãs são contestadas. Uma análise recente de um estudioso polonês descobriu que "de um modo geral, as estimativas alemãs ... não são apenas altamente arbitrárias, mas também claramente tendenciosas na apresentação das perdas alemãs". Ele sustenta que os números do governo alemão de 1958 exageraram o número total de alemães étnicos que viviam na Polônia antes da guerra, bem como o total de mortes de civis devido às expulsões do pós-guerra.[379]

Total de mortos em guerra na Alemanha

  • (1949) O Statistisches Bundesamt da Alemanha Ocidental (Serviço Federal de Estatística) estimou o total de mortos em guerra de 5.483.000; (3.250.000) militares; (500.000) civis mortos em bombardeios e na campanha terrestre; (1.533.000) mortes nas expulsões da Polônia e (200.000) vítimas de perseguição racial, religiosa ou política nazista. Esses números se referem à Alemanha nas fronteiras de 1937 File:DR1937.1.png e não incluem a Áustria ou estrangeiros de ascendência alemã na Europa Oriental.[380]
  • (1953) O economista alemão Bruno Gleitze (de), do Instituto Alemão de Pesquisa Econômica, estimou o total de mortos em guerra em 6.000.000; (3.100.000) militares; (600.000) civis mortos em bombardeios e na campanha terrestre; (800.000) mortes por expulsão da Polônia (300.000) vítimas de perseguição racial, religiosa ou política nazista (1.200.000) aumentam em mortes naturais devido à guerra. Esses números se referem à Alemanha nas fronteiras de 1937 File:DR1937.1.png e não incluem a Áustria ou estrangeiros de ascendência alemã na Europa Oriental.[381]
  • (1956) O Statistisches Bundesamt da Alemanha Ocidental (Serviço Federal de Estatística) estimou o total de mortos em guerra em 5.650.000; (3.760.000) militares; (430.000) civis mortos em bombardeios e na campanha terrestre; (1.260.000) mortes por expulsão da Polônia e (200.000) vítimas de perseguição racial, religiosa ou política nazista. Esses números se referem à Alemanha nas fronteiras de 1937 File:DR1937.1.png e não incluem a Áustria ou estrangeiros de ascendência alemã na Europa Oriental.[171]
  • (1961) O governo da Alemanha Ocidental emitiu uma declaração listando um total de 7.032.800 mortos de guerra: (militares 3.760.000 nas fronteiras pré-guerra de 1937 File:DR1937.1.png e 432.000 estrangeiros de ascendência alemã na Europa Oriental); (430.000 civis mortos em bombardeios e a campanha terrestre nas fronteiras de 1937 antes da guerra); (300.000 vítimas de perseguição racial, religiosa ou política nazista, incluindo 170.000 judeus); (mortos por expulsão pré-guerra 1.224.900 nas fronteiras anteriores à guerra de 1937 e 885.900 estrangeiros de ascendência alemã na Europa Oriental) Esses números não incluem a Áustria.[382] O Statistisches Jahrbuch für die Bundesrepublik Deutschland 1961 (Anuário Estatístico da República Federal da Alemanha de 1961) listou as vítimas austríacas como 250.000 mortos militares e 24.000 civis mortos em bombardeios.[161]
  • (1984) Um estudo demográfico alemão estimou em 6.900.000 mortes causadas pela guerra nas fronteiras pré-guerra de 1937 File:DR1937.1.png (3.800.000) militares e (3.100.000) civis.[54]
  • (1991) Um estudo demográfico alemão estimou em 5.450.000 a 5.600.000 os mortos em guerra (4.300.000 militares; 430.000 civis mortos em bombardeios e campanha terrestre e 882.000 mortes devido a expulsões da Polônia). Esses números se referem à Alemanha nas fronteiras de 1937 File:DR1937.1.png e não incluem a Áustria ou estrangeiros de ascendência alemã na Europa Oriental.[383]
  • (1998) Um estudo demográfico alemão estimou em 5.500.000 a 6.900.000 os mortos em guerra. Esses números variam devido à mudança de fronteiras entre 1937 e 1940.[384]
  • (2005) O governo alemão emitiu um relatório listando um total de mortos na guerra em 7.375.800 (3.100.000 soldados mortos; 1.200.000 soldados desaparecidos; 500.000 civis mortos em bombardeios; 2.251.500 vítimas civis das expulsões e deportações; 24.300 civis austríacos mortos e 300.000 vítimas de raciais nazistas, perseguição religiosa ou política. Esses números incluem a Áustria e estrangeiros de ascendência alemã na Europa Oriental.)[385]

Baixas militares alemãs

  • (1945) Os números de vítimas compilados pelo Alto Comando Alemão em 31 de janeiro de 1945 colocam as perdas militares totais em 2.001.399 mortos, 1.902.704 desaparecidos e prisioneiros de guerra detidos por Aliados e 4.429.875 feridos.[386]
  • (1946) O Metropolitan Life Insurance Co. estimou os mortos militares alemães em 3.250.000.[387]
  • (1947) A equipe combinada com o Reino Unido, Canadá e os Estados Unidos preparou "Um estudo sobre o emprego e mão de obra alemã de 1933 a 1945". Eles estimaram as baixas alemãs até 30 de abril de 1945 em 2.230.324 mortos, 2.870.404 desaparecidos e prisioneiros de guerra detidos pelos Aliados.[388][389]
  • (1960) O governo da Alemanha Ocidental divulgou números das perdas de guerra. O total de mortos militares foi de 4.440.000 (3.760.000 nas fronteiras anteriores à guerra de 1937 File:DR1937.1.png, 430.000 estrangeiros de ascendência alemã na Europa Oriental e 250.000 na Áustria).[161]
  • (1974) A Comissão Maschke constatou que cerca de 1.2 milhões de militares alemães relatados como desaparecidos provavelmente morreram como prisioneiros de guerra, incluindo 1.1 milhões na União Soviética.[390]
  • (1985) A Deutsche Dienststelle (WASt) foi responsável por fornecer informações às famílias dos militares que foram mortos ou desapareceram na guerra; eles não compilam números do total de mortos em guerra. Em 1985, eles haviam identificado 3.1 milhões de mortos confirmados e 1.2 milhões de desaparecidos e supostamente mortos.[389] A Deutsche Dienststelle (WASt) divulgou os mesmos números em 2005.[385]
  • (1993) O historiador russo Grigori F. Krivosheev põe as perdas dos "vlasovitas, bálticos e muçulmanos etc." no serviço alemão em 215.000[181] Segundo Krivosheev, 450.600 prisioneiros de guerra alemães morreram no cativeiro soviético (356.700 em campos e 93.900 em trânsito).[391]
  • (2000) Rüdiger Overmans, associado do Gabinete de Pesquisa de História Militar das Forças Armadas da Alemanha,[392] forneceu uma reavaliação das mortes alemãs na guerra com base em uma pesquisa estatística dos registros de militares alemães na Deutsche Dienststelle (WASt). O projeto de pesquisa de Overmans foi financiado por uma fundação privada e publicado com o aval do Gabinete de Pesquisa de História Militar das Forças Armadas da Alemanha do Ministério da Defesa da Alemanha. O estudo descobriu que as estatísticas compiladas pelos militares alemães durante a guerra estavam incompletas e não forneciam uma contabilidade precisa das vítimas. A pesquisa de Overmans concluiu que os militares alemães mortos e desaparecidos eram 5.318.000 (4.456.000 nas fronteiras anteriores à guerra de 1937 File:DR1937.1.png e 539.000 estrangeiros de ascendência alemã na Europa Oriental, 261.000 na Áustria e 63.000 estrangeiros da Europa Ocidental). O estudo de Overmans não incluiu cidadãos soviéticos no serviço alemão.[56] Os detalhes do estudo de Overmans são apresentados em Baixas da Alemanha Nazista na Segunda Guerra Mundial. Em um estudo separado, Overmans concluiu que o número real de mortos de prisioneiros de guerra alemães era de cerca de 1.1 milhões de homens (incluindo 1 milhão na União Soviética).[393]

Vítimas civis

  1. ↑S2 As baixas civis alemãs são combinadas de mortos em ataques aéreos (a), perseguição racial (b), religiosa e política (c) e baixas por expulsão dos alemães da Europa Central e Oriental:
    (a) Fontes oficiais alemãs e austríacas na década de 1950 citam 434.000 ataques aéreos (410.000 na Alemanha, 24.000 na Áustria).[394] O número citado por Richard Overy (2013) é 353.000 mortos em ataques aéreos.[395]
    (b) O número de vítimas de perseguição nazista na Alemanha e na Áustria (vítimas do programa de eutanásia nazista) é estimado em cerca de 400.000 (300.000 na Alemanha, 100.000 na Áustria).[396][397] Segundo o governo alemão, a eutanásia representou mais 200.000 vítimas.[398]
    (c) O número de vítimas da fuga e expulsão dos alemães (1944 a 1950) é controverso. As estimativas na década de 1960 citaram um total de 2.111.000 mortes[399][400] e o governo alemão em 2005 ainda mantinha o número em "cerca de 2 milhões".[401] As mortes diretas de civis devido à expulsão de alemães são estimadas em 600.000 pelo Arquivo Federal Alemão (1974)[402] e de 100.000 a 200.000 por Ingo Haar (2009).[403] A diferença substancial de quase 1.5 milhões inclui pessoas cujo destino é incerto nas estatísticas alemãs divulgadas. O governo alemão sustenta que essas mortes são causadas por fome e doenças durante a fuga e a expulsão de alemães (1944 a 1950).[404] Isso foi contestado pelo historiador Ingo Haar, que sustenta que a diferença classificada como desaparecida se deve a um declínio de nascimentos, à assimilação de alemães étnicos na Europa Oriental após a guerra, ao eufemismo de baixas militares e de judeus assassinados.[403]

Vítimas civis em ataques aéreos

    1- O relatório resumido de 30 de setembro de 1945 indicava 305.000 mortos e 780.000 feridos em todo o período da guerra.[405]
    2- A seção Effects of Strategic Bombing on the German War Economy, de 31 de outubro de 1945, colocou as perdas em 375.000 mortos e 625.000 feridos.[405]
    3- A seção The Effect of Bombing on Health and Medical Care in Germany, de janeiro de 1947, fez uma estimativa preliminar calculada de mortos em ataques aéreos em 422.000. Em relação às perdas gerais, eles concluíram que "Foi estimado ainda que um número adicional, aproximadamente 25% das mortes conhecidas em 1944 a 1945, ainda não havia sido recuperado nem registrado. Com a adição dessa estimativa de mortes não registradas de 1944 a 1945, a estimativa final deu em números redondos meio milhão de civis alemães mortos por ataques aéreos dos Aliados".[405]

  • (1956) Um estudo do governo alemão das mortes na guerra aérea alemã em 635.000; 500.000 mortos por bombardeios estratégicos dos Aliados e 135.000 refugiados mortos durante as evacuações do leste da Europa em 1945. Esses números incluem 593.000 alemães nas fronteiras de 1937 File:DR1937.1.png (410.000 civis, 32.000 estrangeiros e prisioneiros de guerra e 23.000 militares e policiais mortos em bombardeios estratégicos e 127.000 civis e 1.000 refugiados militares e da polícia fugindo na Frente Oriental). Havia mais 42.000 mortos na Áustria e nos territórios anexados (26.000 civis, 7.000 estrangeiros e prisioneiros de guerra e 1.000 militares e policiais foram mortos em bombardeios estratégicos e 7.000 refugiados fugindo na Frente Oriental).[406][407][408]
  • O historiador Richard Overy, em 2014, publicou um estudo da guerra aérea The Bombers and the Bombed: Allied Air War Over Europe 1940–1945 no qual ele contestou os números oficiais alemães de mortos da guerra aérea. Ele estimou o total de mortes de ataques aéreos em 353.000. Overy sustenta que as estimativas alemãs se baseiam em especulações incorretas de perdas durante os últimos três meses da guerra, quando houve uma lacuna no sistema de manutenção de registros. Ele ressalta que os números de ataques aéreos mortos nos últimos três meses da guerra foram estimados nos números da Alemanha Ocidental de 1956 em 300.000 pessoas, que ele acredita não serem plausíveis. Os números oficiais incluem um total inflado de 60.000 no bombardeio de Dresden e a inclusão de refugiados que fugiram para o oeste.[165]

Civis mortos em campanha militar de 1945

  • O governo da Alemanha Ocidental fez uma estimativa aproximada em 1956 de 20.000 civis mortos durante a campanha militar de 1945 nas atuais fronteiras pós-guerra da Alemanha, sem incluir os antigos territórios alemães na Polônia.[161] No entanto, há uma estimativa mais recente de 22.000 civis mortos apenas durante os combates em Berlim.[409]

Mortes devido a perseguição política, racial e religiosa nazista

  • O governo da Alemanha Ocidental colocou o número de alemães mortos pela perseguição política, racial e religiosa nazista em 300.000 (incluindo 170.000 judeus alemães).[385][410]
  • Um relatório de 2003 do Arquivo Federal Alemão elevou o total de assassinatos durante o programa eutanásia da Aktion T4 a mais de 200.000 pessoas.[411]

Expulsão e fuga de alemães étnicos

As notas a seguir resumem as baixas de expulsões alemãs, os detalhes são apresentados na fuga e expulsão de alemães (1944-1950), o trabalho forçado de alemães na União Soviética e as estimativas demográficas de fuga e expulsão de alemães. Os números para essas perdas estão atualmente em disputa, as estimativas do total de mortes variam de 500.000 a 2.000.000. O número de mortos atribuível a fuga e expulsões foi estimado em 2.2 milhões pelo governo da Alemanha Ocidental em 1958.[412] Relatórios do governo alemão que foram divulgados ao público em 1987 e 1989 fizeram com que alguns historiadores na Alemanha colocassem o total real entre 500.000 e 600.000.[413] Fontes do idioma inglês estimam o número de mortes entre 2 e 3 milhões, com base na análise estatística do governo da Alemanha Ocidental na década de 1950.[414][415][416][417][418][419][420][421][422][423]

  • (1950) O governo da Alemanha Ocidental fez uma estimativa preliminar de 3 milhões de mortes de civis nas expulsões, (1.5 milhões na Alemanha nas fronteiras anteriores da guerra File:Oder-neisse.gif e 1.5 milhão de estrangeiros de ascendência alemã na Europa Oriental)[424]
  • (1954-1961) A Comissão Schieder fez estimativas preliminares do número de mortos civis nas expulsões de cerca de 2.3 milhões de pessoas, divididas da seguinte forma: 2.000.000 Polônia (nas fronteiras do pós-guerra) e o Oblast de Kaliningrado da Rússia; 225.600 Checoslováquia; 69.000 Iugoslávia; 40.000 Romênia; 6.000 na Hungria. Esses números preliminares foram substituídos com a publicação do estudo demográfico da Alemanha Ocidental de 1958.[425]
  • (1958) Um estudo demográfico do governo da Alemanha Ocidental estimou que 2.225.000 civis morreram durante a fuga durante a guerra, expulsões pós-guerra e trabalho forçado de alemães na União Soviética, divididos da seguinte forma: Fronteiras da Alemanha em 1937 File:Oder-neisse.gif 1.339.000; A Polônia nas fronteiras de 1939 [13] 185.000; Danzig 83.000; Checoslováquia 273.000; Iugoslávia 136.000; 101.000 na Romênia; Hungria 57.000; Estados Bálticos 51.000.[161][426]
  • (1965), o serviço de pesquisas das igrejas alemãs e da Cruz Vermelha conseguiu confirmar 473.013 mortes de civis no leste da Europa devido às expulsões, divididas da seguinte forma: 367.392 Polônia (nas fronteiras do pós-guerra); 18.889 Região dos Sudetas; 64.779 Eslováquia, Hungria, Romênia e Iugoslávia; 9.064 Estados Bálticos; e 12.889 alemães reassentados na Polônia. Houve um adicional de 1.905.991 casos não resolvidos de pessoas relatadas como desaparecidas. Os resultados desta pesquisa foram mantidos em segredo até 1987.[427][428][429][430][431]
  • (1966) O Ministério Federal da Alemanha Ocidental para Expulsos, Refugiados e Vítimas de Guerra emitiu uma declaração que colocava o número de expulsões em 2.111.000 (1.225.000 Alemanha nas fronteiras de 1937) File:Oder-neisse.gif e 886.000 estrangeiros de ascendência alemã na Europa Oriental).[400][432]
  • (1974) Um estudo do Arquivo Federal Alemão estimou um número de mortos de 600.000 civis nas expulsões e deportações para a União Soviética. (400.000 Polônia (nas fronteiras do pós-guerra) e no Oblast de Kaliningrado da Rússia; 130.000 na Checoslováquia e 80.000 na Iugoslávia). Os autores do relatório sustentam que esses números cobrem apenas as mortes causadas por atos violentos e mortes em campos de trabalhos forçados e campos de internação. Eles também declararam que seus números não incluem mortes por desnutrição e doenças. Este relatório foi mantido em segredo e não foi publicado até 1989.[433]
  • (1985) Uma análise demográfica que conta com o apoio do governo alemão estimou que 2.020.000 civis morreram durante as expulsões do pós-guerra e o trabalho forçado dos alemães na União Soviética, como se segue: (870.000 Alemanha nas fronteira de 1937 com o leste da Linha Oder-Neisse; 108.000 alemães reassentam na Polônia durante a guerra; 174.000 Polônia nas fronteiras de 1939 [14]; 40.000 Danzig; 220.000 Checoslováquia; 106.000 Iugoslávia; 75.000 Romênia; 84.000 Hungria; 33.000 Estados Bálticos ; 310.000 União Soviética).[434]
  • Atualmente, o governo alemão sustenta que 2 milhões de civis morreram em fuga e expulsão da Europa Oriental. Em 2006, Christoph Bergner, Secretário de Estado do Gabinete de Assuntos Internos da Alemanha, afirmou que o número de 2 milhões de mortes é correto porque inclui as mortes por desnutrição e doenças dos civis sujeitos às expulsões.[435]
  • Em um relatório de 2005 do serviço de pesquisa do governo alemão, o número de mortos era de 2.251.500, eles não forneceram detalhes da cifra.[436] A posição atual em 2015 da Agência Federal de Educação Cívica do governo alemão é que 2 milhões de civis morreram nas expulsões, eles citaram como fonte desse número, Gerhard Reichling, Die deutschen Vertriebenen em Zahlen.[437]

Os números do governo alemão de 2 a 2.5 milhões de mortes de civis devido a expulsões foram contestados por estudiosos desde a publicação dos resultados da pesquisa alemã sobre serviços de busca de igrejas e do relatório do Arquivo Nacional da Alemanha.[438][439][440][441][442][443][444][445]

  • O historiador alemão Rüdiger Overmans (2000) publicou um estudo sobre baixas militares alemãs, este projeto não investigou mortes por expulsão de civis.[446] Overmans, no entanto, forneceu uma análise crítica dos estudos anteriores do governo alemão sobre as perdas humanas nas expulsões. Overmans sustenta que esses estudos carecem de apoio adequado, afirma que um número de 500.000 mortos pelas expulsão é credível e que existem mais argumentos para os números mais baixos do que para os mais altos, ele acredita que são necessárias novas pesquisas para determinar o equilíbrio correto dos perdas humanas nas expulsões. Segundo Overmans, o número de 1.9 milhões de pessoas desaparecidas relatadas pelo serviço de busca não é confiável, pois inclui mortos militares e pessoas de ascendência alemã duvidosa que não foram expulsas após a guerra, mas permaneceram no leste da Europa, também os números de expulsos dos que vivem na Alemanha Oriental, foi discreto.[440][441][447]
  • O historiador Ingo Haar Em 2006, disputou controversamente os números oficiais em um artigo publicado em 14 de novembro de 2006 no jornal alemão Süddeutsche Zeitung. Haar defendeu um total de 500.000 a 600.000 vítimas.[438][440][441][442][443][444][445] Christoph Bergner, secretário de Estado do Ministério Federal do Interior da Alemanha, argumentou em uma entrevista em 29 de novembro contra a revisão da contagem oficial de 2 a 2.5 milhões de vítimas, e que a controvérsia foi baseada no que ele mantém é um mal-entendido, como afirmou que os números de Haar representam o número de mortes violentas, enquanto os números oficiais incluem as mortes muito mais numerosas devido à exaustão, doenças e fome que ocorreram após as expulsões e deportações.[404] Haar publicou três artigos em revistas acadêmicas entre 2006 e 2009, que cobriram o histórico da pesquisa do governo da Alemanha Ocidental sobre as expulsões. Segundo Haar, os números eram altos demais por razões políticas do pós-guerra. Haar argumenta que a cifra do governo de 2 milhões é exagerada. Ele mantém o número total de mortes alemãs conhecidas a leste da Linha Oder-Neisse e os alemães étnicos na Europa Central Oriental se situam entre 500.000 a 600.000, incluindo os deportados para a União Soviética. Haar argumenta que o número relatado como desaparecido inclui um declínio de nascimentos, pessoas de nacionalidade alemã duvidosa, mortes militares e judeus assassinados.[403][443][444][445]
  • Os historiadores alemães Hans Henning Hahn e Eva Hahn (2010) publicaram um estudo detalhado da fuga e das expulsões. Eles sustentam que os números relacionados a fuga e expulsão foram manipulados pelo governo alemão devido à pressão política. Os Hahn acreditam que o número oficial de 2 milhões de mortes é um mito histórico, sem fundamento. Eles atribuem a culpa máxima pela fuga em massa e expulsão à política de guerra dos nazistas na Europa Oriental. Os Hahn sustentam que as 473.013 mortes confirmadas são uma contabilização correta das perdas. A maioria dessas perdas ocorreu durante a fuga e evacuação organizada de alemães durante a guerra e o trabalho forçado dos alemães na União Soviética; eles ressaltam que existem 80.522 mortes confirmadas nos campos de internamento do pós-guerra.[439]
  • O Museu Histórico Alemão calcula o número de mortes devido às expulsões em 600.000, eles sustentam que o número de 2 milhões de mortes nos estudos governamentais anteriores não pode ser apoiado.[448]
  • Uma Comissão Histórica Checo-Alemã conjunta determinou que entre 15.000 e 30.000 alemães pereceram nas expulsões. A comissão concluiu que as estimativas demográficas do governo alemão de 220.000 a 270.000 mortes de civis devido as expulsões na Checoslováquia foram baseadas em dados defeituosos. A Comissão determinou que as estimativas demográficas do governo alemão contavam como 90.000 alemães étnicos desaparecidos, assimilados à população checa; as mortes militares foram subestimadas e que os dados do censo de 1950 usados para calcular as perdas demográficas não eram confiáveis.[449]
  • A historiadora polonesa Bernadetta Nitschke (pl) forneceu um resumo da pesquisa na Polônia sobre as perdas alemãs devido a fuga e reassentamento dos alemães da Polônia, não incluindo outros países da Europa Oriental. Nitschke contrastou a estimativa de 16 milhões de mortes na Polônia relatada pelo governo da Alemanha Ocidental na década de 1950 com a cifra de 400.000 (apenas na Polônia) divulgada em 1989. Segundo Nitschke, a maioria das mortes de civis ocorreu durante a fuga e a evacuação durante a guerra, a deportação para a União Soviética por trabalho forçado e após o reassentamento na zona de ocupação soviética no pós-guerra na Alemanha.[450]
  • Os historiadores poloneses Witold Sienkiewicz (pl) e Grzegorz Hryciuk (pl) acreditam que entre 600.000 e 1.2 milhões de civis alemães pereceram durante as evacuações da guerra. As principais causas de morte foram frio, estresse e bombardeios.[451] Segundo Sienkiewicz e Hryciuk, entre 200.000 e 250.000 pessoas foram mantidas em campos de concentração na Polônia no pós-guerra e entre 15.000 e 60.000 morreram.[452]

Aumento de mortes naturais no pós-guerra

  • Os números do governo alemão de perdas de guerra não incluem o aumento de mortes naturais como vítimas de guerra. O economista alemão Bruno Gleitze, do Instituto Alemão de Pesquisa Econômica, estimou que havia 1.200.000 mortes em excesso causadas pelas duras condições na Alemanha durante e após a guerra. Gleitze estimou 400.000 mortes em excesso durante a guerra e 800.000 na pós-guerra na Alemanha[381] O Statistisches Bundesamt da Alemanha Ocidental classificou as mortes reais em 1939 a 1946 devido a causas naturais em 7.130.000 pessoas, o estudo demográfico de Peter Marschalck estimou as mortes esperadas em tempos de paz devido a causas naturais de 5.900.000 pessoas, uma diferença de 1.230.000 mortes em excesso.[54] Na Alemanha ocupada pelos Aliados, a escassez de alimentos foi um problema agudo entre 1946 e 1947. A ingestão média de quilocalorias por dia foi de apenas 1.600 a 1.800, quantidade insuficiente para a saúde a longo prazo.[453]

↑T  Grécia

  • O governo grego planeja reivindicar reparações da Alemanha por danos de guerra.[454][455]
  • O Conselho Nacional Grego de Reparações da Alemanha relata as seguintes vítimas durante a ocupação da Grécia pelas potências do Eixo na Segunda Guerra Mundial. Militares mortos 35.077, incluindo; 13.327 mortos na Guerra Greco-Italiana de 1940 a 1941; 1.100 com as Forças Armadas da Grécia no Oriente Médio e 20.650 mortes de partisans. Mortes civis 171.845, incluindo; 56.225 executados pelas forças do Eixo; 105.000 mortos em campos de concentração alemães (incluindo judeus); 7.120 mortes por bombardeio; 3.500 mortos marinhos mercantes; 600.000 mortes de fome durante a guerra.[58]
  • Um estudo publicado pela Cambridge University Press em 2010 estimou que a Grécia sofreu aproximadamente 300.000 mortes durante a ocupação do Eixo como resultado de fome e desnutrição.[59]
  • Gregory Frumkin, que durante toda a sua existência era editor do Statistical Year-Book of the League of Nations (Anuário Estatístico da Liga das Nações), fez a seguinte avaliação das perdas gregas na guerra. Ele ressalta que "os dados sobre as perdas da guerra na Grécia são frequentemente divergentes e até inconsistentes". Suas estimativas para as perdas gregas são as seguintes: os mortos de guerra incluíram 20.000 mortes militares na Guerra Greco-Italiana de 1940 a 1941, 60.000 civis não judeus, 20.000 deportados não judeus, 60.000 judeus e 140.000 mortes durante a ocupação da Grécia pelas potências do Eixo na Segunda Guerra Mundial.[456]
  • Nas campanhas contra a Resistência Grega, os ocupantes alemães se envolveram em uma política de represálias contra civis, os mais notórios foram o massacre de Distomo e o massacre de Calávrita. Segundo o historiador alemão Dieter Pohl (de), pelo menos 25.000, mas talvez ainda mais civis foram mortos em execuções em massa. Pohl sustenta que cerca de 1 milhão de pessoas (14% da população) foram deslocadas nas campanhas contra a Resistência Grega porque suas casas foram destruídas ou foram expulsas e se tornaram refugiadas.[457]

↑TA  Guam

↑U  Hungria

  • Tamás Stark, da Academia Húngara de Ciências, forneceu a seguinte avaliação das perdas húngaras. As perdas militares foram de 300.000 a 310.000, incluindo 110.000 a 120.000 mortos em ação e 200.000 nos campos de prisioneiros de guerra e campos de trabalho forçado da União Soviética e 20.000 a 25.000 judeus no serviço de trabalho militar húngaro.[63] Cerca de 200.000 eram da Hungria nas fronteiras de 1938 e 100.000 homens recrutados nos territórios anexos da Grande Hungria na Eslováquia, Romênia e Iugoslávia.[64] Os mortos civis dentro das fronteiras da atual Hungria incluíram 220.000 judeus húngaros mortos no Holocausto e 44.000 mortes de operações militares.[64] A população judaica da Hungria nas fronteiras de 1941 era de 764.000 (445.000 nas fronteiras de 1938 e 319.000 nos territórios anexos). As mortes do Holocausto nas fronteiras de 1938 foram de 200.000, não incluindo 20.000 homens recrutados para trabalho forçado para os militares.[202]

↑V  Islândia

  • Perdas confirmadas de marinheiros civis devido a ataques e minas navais alemãs.[66]

↑W  Índia

  • A Índia, que era uma colônia britânica durante a Segunda Guerra Mundial, incluía os dias atuais os territórios da Índia, Paquistão e Bangladesh. A Índia sob administração britânica às vezes é chamada de Raj Britânico.
  • Os mortos de guerra 87.029 listados aqui são os relatados pela Commonwealth War Graves Commission.[67]
  • Os Gurkhas recrutados no Nepal lutaram com o Exército da Índia Britânica durante a Segunda Guerra Mundial. As baixas de Gurkha com o Exército da Índia Britânica podem ser divididas em: 8.985 mortos ou desaparecidos e 23.655 feridos.[460]
  • Os dados preliminares de 1945 para as perdas indianas foram mortos 24.338, desaparecidos 11.754, feridos 64.354 e prisioneiros de guerra 79.489.[333] Dos 60.000 prisioneiros de guerra do exército indiano capturados na Batalha de Singapura, 11.000 morreram em cativeiro.[254]
  • O Exército Nacional Indiano pró-japonês perdeu 2.615 mortos e desaparecidos.[28]

Fome de 1943 em Bengala

  • Cormac Ó Gráda (2007): "estimativas de mortalidade na Fome de 1943 em Bengala variam de 800.000 a 3.8 milhões; hoje o consenso acadêmico é de cerca de 2.1 milhões (Hall-Matthews 2005; Sen 1981; Maharatna 1996)."[68]
  • John W. Dower estimou em 1.5 milhões de mortes de civis na Fome de 1943 em Bengala.[461]
  • Atualmente, Amartya Sen, professor da Universidade de Lamont na Universidade de Harvard, estimou recentemente que um número em 2 milhões a 2.5 milhões de mortes pode ser mais preciso.[462]

↑X  Irã

↑Y  Iraque

↑Z  Irlanda

↑AA  Itália

  • O governo italiano emitiu uma contabilidade dos mortos da guerra em 1957, eles estouraram as perdas antes e depois do armistício com a Itália: mortos e desaparecidos militares 291.376 (204.376 pré-armistício e 87.030 pós-armistício). Mortos e desaparecidos civis em 153.147 (123.119 pós-armistício), incluindo em ataques aéreos 61.432 (42.613 pós-armistício).[464] Um breve resumo dos dados deste relatório pode ser encontrados online.[465]

           Militares mortos na guerra
           Mortos confirmados eram 159.957 (92.767 pré-armistício, 67.090 pós-armistício)[466]
           Mortos, desaparecidos e presumidos (incluindo prisioneiros de guerra) eram 131.419 (111.579 pré-armistício, 19.840 pós-armistício)[467]
           Perdas por ramo de serviço: Exército 201.405; Marinha 22.034; Força Aérea 9.096; Forças coloniais 354; Capelões 91; Milícia fascista
           10.066; Paramilitares 3.252; não indicado 45.078.[468]
           Perdas militares por teatro de guerra: Itália 74.725 (37.573 pós-armistício); França 2.060 (1.039 pós-armistício);
           Alemanha Nazista 25.430 (24.020 pós-armistício); Grécia, Albânia e Iugoslávia 49.459 (10.090 pós-armistício);
           União Soviética 82.079 (3.522 pós-armistício); África 22.341 (1.565 pós-armistício), no mar 28.438 (5.526 pós-armistício);
           Outros e desconhecidos 6.844 (3.695 pós-armistício).[469]

  • As perdas militares na Itália após o armistício de setembro de 1943 com a Itália incluíram 5.927 com os Aliados, 17.488 combatentes italianos do movimento de resistência na Itália e 13.000 das forças fascistas da República Social Italiana.[470]
  • Incluídas nas perdas estão 64.000 vítimas de represálias e genocídios nazistas, incluindo 30.000 prisioneiros de guerra e 8.500 judeus.[212]
  • Segundo Martin Gilbert, as vítimas judias do Holocausto totalizaram 8.000 na Itália e 562 na colônia italiana da Líbia.[207]
  • Updated studies (2010) by the Ufficio dell'Albo d'Oro of the Italian Ministry of Defence, p. 4 revisaram as mortes militares para 319.207, das quais 246.432 pertenciam ao Exército, 31.347 à Marinha, 13.210 à Força Aérea, 15.197 às formações partisans e 13.021 às forças armadas da República Social Italiana. As baixas registradas na Itália não incluem italianos que nasceram em colônias e posses italianas (italianos étnicos na Líbia, Eritreia, Etiópia, Somália e Dodecaneso) e em territórios nacionais que a Itália perdeu com o tratado de paz de Paris de 1947 (principalmente o Veneza Júlia, Ístria e Zara/Zadar; portanto, grande parte das vítimas dos Massacres de Foibe não estão incluídas). Também os africanos recrutados pela Itália não estão incluídos em seus números.
  • Com relação às baixas de partisans, um estudo ministerial publicado em 1955 listou os partisans mortos ou executados como 35.828; no entanto, o Ufficio dell'Albo d'Oro apenas considerou como partisans os membros da Resistência que eram civis antes de ingressar nos partidários, enquanto os partidários que eram anteriormente membros das forças armadas italianas (mais da metade dos mortos) foram considerados como membros de sua força armada de origem.
  • No que diz respeito às baixas da República Social Italiana, o Ufficio dell'Albo d'Oro exclui de suas listas de mortos os indivíduos que cometeram crimes de guerra. No contexto da República Social Italiana, onde numerosos crimes de guerra foram cometidos na guerra antipartidária e, portanto, muitos indivíduos estavam envolvidos em tais crimes (especialmente o pessoal da GNR e das Brigadas Negras), isso influencia negativamente a contagem de vítimas, sob um ponto de vista estatístico. A "Fundação Histórica da RSI" (Fondazione RSI Istituto Storico) elaborou uma lista que lista de nomes de cerca de 35.000 militares da RSI mortos em ação ou executados durante e imediatamente após a Segunda Guerra Mundial (incluindo os "assassinatos por vingança" que ocorreram no final das hostilidades e em suas consequências imediatas), incluindo cerca de 13.500 membros da Guardia Nazionale Repubblicana e Milizia Difesa Territoriale, 6.200 membros das Brigadas Negras, 2.800 da Aeronautica Nazionale Repubblicana, 1.000 da Marina Nazionale Repubblicana, 1.900 da Decima Flottiglia MAS, 800 soldados da Divisão "Monterosa", 470 soldados da Divisão "Italia", 1.500 soldados da Divisão "San Marco", 300 soldados da Divisão "Littorio", 350 soldados do regimento "Tagliamento" Alpini, 730 soldados do 3.º e 8.º regimentos de Bersaglieri, 4.000 soldados de unidades diversas do Esercito Nazionale Repubblicano (excluindo as divisões e os regimentos Alpini e Bersaglieri acima mencionados), 300 membros do Legione Autonoma Mobile "Ettore Muti", 200 membros do Raggruppamento Anti Partigiani, 550 membros da SS italiana e 170 membros do Cacciatori degli Appennini Regiment.
  • Isso elevaria o número total de militares italianos mortos para cerca de 341.000 (excluindo tropas coloniais).
  • Segundo a história oficial do exército italiano (Rovighi, Alberto (1988), Le Operazioni in Africa Orientale: (giugno 1940 – novembre 1941) [Operações na África Oriental: (junho de 1940 a novembro de 1941)], Roma, Estado Maggiore Esercito, Ufficio storico) de junho de 1940 a 16 de abril de 1941, 11.755 askaris foram mortos na África Oriental Italiana, excluindo as perdas na região de Giuba e nas frentes orientais. Após essa data, nas últimas batalhas no leste da África, 490 askaris foram mortos na batalha de Culqualber e 3.700 foram mortos na batalha de Gondar, além de um número desconhecido na batalha de Amba Alagi e outros confrontos menores. Isso significaria que o número de askaris mortos na África Oriental era provavelmente entre 16.000 a 20.000. De acordo com a história oficial do Exército Italiano (USSME, La prima offensiva Britannica in Africa Settentrionale, tomo I, allegato 32 (página 375)), as duas divisões coloniais da Líbia perderam 1.399 soldados mortos (sem contar os oficiais italianos) nas batalha de Sidi Barrani, onde ambos foram destruídos. Não havia muito uso de tropas coloniais no norte da África.

↑AB  Japão

  • As estimativas para o total de mortos em guerras japonesas em 1937 a 1945 variam de pelo menos 2.5 milhões[461] a 3.223 milhões[471]
  • De acordo com o Ministério da Saúde e Bem-Estar do Japão, os mortos em guerra japoneses (1937 a 1945) totalizaram 3.1 milhões de pessoas, incluindo 2.3 milhões de soldados e civis do Exército/Marinha, 500.000 civis no Japão e 300.000 civis que vivem fora do Japão. Esses números incluem mortos militares de 30.000 chineses de Taiwan e 22.182 coreanos.[14]

Militares mortos

  • De acordo com um relatório compilado pelo Gabinete de Socorro do Ministério da Saúde e Bem-Estar do Japão em março de 1964, as mortes combinadas do Exército e da Marinha japonesas durante a guerra (1937 a 1945) totalizaram aproximadamente 2.121.000; discriminados da seguinte forma:[472]

             Localização, Mortos do Exército, Mortos da Marinha, (Total de mortos)
             Próprio Japão: 58.100, 45.800, (103.900)
             Ilhas Bonin: 2.700, 12.500, (15.200)
             Okinawa: 67.900, 21.500, (89.400)
             Formosa (Taiwan): 28.500, 10.600, (39.100)
             Corea: 19.600, 6.900, (26.500)
             Ilhas Sakhalin, Aleutian e Kuril: 8.200, 3.200, (11.400)
             Manchúria: 45.900, 800, (46.700)
             China (incluindo Hong Kong): 435.600, 20.100, (455.700)
             Sibéria: 52.300, 400, (52.700)
             Pacífico Central: 95.800, 151.400, (247.200)
             Filipinas: 377.500, 121.100, (498.600)
             Indochina Francesa: 7.900, 4.500, (12.400)
             Tailândia: 6.900, 100, (7.000)
             Birmânia (incluindo a Índia): 163.000, 1.500, (164.500)
             Malaia & Singapora: 8.500, 2.900, (11.400)
             Ilhas Andamão e Nicobar: 900, 1.500, (2.400)
             Sumatra: 2.700, 500, (3.200)
             Java: 2.700, 3.800, (6.500)
             Pequenas Ilhas da Sonda: 51.800, 1.200, (53.000)
             Bornéu: 11.300, 6.700, (18.000)
             Celebes: 1.500, 4.000, (5.500)
             Ilhas Molucas: 2.600, 1.800, (4.400)
             Nova Guiné: 112.400, 15.200, (127.600)
             Arquipélago de Bismarck: 19.700, 10.800, (30.500)
             Ilhas Salomão: 63.200, 25.000, (88.200)

             Total: 1.647.200, 473.800, (2.121.000)
 

No geral, talvez dois terços de todos os militares japoneses mortos não vieram de combate, mas de fome e doenças.[473] Em alguns casos, esse número era potencialmente ainda mais alto, chegando a 80% nas Filipinas[474] e impressionantes 97% em Nova Guiné.[475]

  • De acordo com John W. Dower, a fonte japonesa Showa Shi – 1959 por Shigeki Toyama a guerra japonesa em 1937 a 1941 na Segunda Guerra Sino-Japonesa em matou no total 185.467 pessoas.[461]
  • Em 1949, o relatório do Conselho de Estabilização Econômica do governo japonês na guerra entre dezembro de 1941 e 21 de dezembro de 1946, com 1.555.308 mortos e 309.402 feridos.[476][477] Esses números não incluem 240.000 soldados desaparecidos. Os números dos feridos mostram apenas os que recebem pensões.[476] Os detalhes dessas figuras são os seguintes:[478][477]

             Exército
             China depois de Pearl Harbor 202,958 killed and 88,920 wounded.
             contra os Estados Unidos 485,717 killed and 34,679 wounded.
             contra o Reino Unido e os Países Baixos 208,026 killed and 139,225 wounded.
             contra a Austrália 199.511 mortos e 15.000 feridos
             Indochina Francesa 2.803 mortos e 6.000 feridos
             Manchúria e União Soviética 7.483 mortos e 4.641 feridos
             outro no exterior 23.388 mortos e 0 feridos
             Próprio Japão 10.543 mortos e 6.782 feridos
             Total do Exército 1.140.429 mortos e 295.247 feridos
              Marinha
              Marinheiros 300.386 mortos e 12.275 feridos e desaparecidos
              Civis no serviço da Marinha 114.493 mortos e 1.880 feridos e desaparecidos
              Total da Marinha 414.879 mortos e 14.155 feridos e desaparecidos
 

  • O Escritório Central de Ligação do Japão informou em julho de 1947 às autoridades aliadas da ocupação que os militares japoneses mortos em 1935 a 1945 eram 1.687.738 (1.340.700 Exército e 347.038 da Marinha).[479]
  • O Santuário Yasukuni no Japão lista um total de 191.250 mortos de guerra de 1937 a 1941 na Segunda Guerra Sino-Japonesa e 2.133.915 na Guerra do Pacífico. Seus números incluem civis que participaram de combates e chineses (Taiwan) e coreanos nas Forças Armadas japonesas.
  • De acordo com os cálculos de Werner Gruhl, as mortos japonesas na guerra foram de 2.565.878 (250.000 entre 1931 a 1941 e 2.315.878 entre 1942 a 1945).[480]
  • John W. Dower, sustenta que "apenas um terço das mortes militares ocorreram em combate real, sendo a maioria causada por doenças e fome".[461] Segundo Dower, mais de 300.000 prisioneiros de guerra japoneses estavam desaparecidos após serem capturados pelos soviéticos. Os números japoneses de 31 de dezembro de 1948 listavam 469.074 pessoas desaparecidas nas mãos dos soviéticos, enquanto, ao mesmo tempo, os soviéticos admitiam manter 95.000 prisioneiros japoneses, deixando 374.041 rendidos japoneses que não eram contabilizados e eram considerados mortos.[481] De acordo com Dower, "as mortes conhecidas de tropas japonesas que aguardavam repatriamento em mãos dos Aliados (não soviéticos) foram listadas como 81.090 pelas autoridades dos Estados Unidos.[481][482]
  • O Ministério do Bem-Estar e Relações Exteriores do Japão informou de 1951 a 1960 que 254.000 militares e civis foram confirmados mortos e 95.000 desapareceram nas mãos dos soviéticos após a guerra. Os detalhes dessas perdas são os seguintes: 199.000 nos campos de trânsito da Manchúria, 36.000 na Coreia do Norte, 9.000 em Sacalina e 103.000 na União Soviética.[483]
  • Segundo o Ministério da Saúde e Bem-Estar do Japão, 65.000 soldados e civis foram mortos na campanha militar de 1945 contra a União Soviética. Após o término da guerra, as mortes nas mãos do Exército Vermelho e a população local da China eram 185.000 Manchuria, 28.000 na Coreia do Norte e 10.000 nas ilhas Sacalina e Curilas. Outros 700.000 foram presos pelos soviéticos, 50.000 morreram em trabalhos forçados na União Soviética e na Mongólia Exterior.[484]
  • Os números do governo japonês para mortes de prisioneiros de guerra não estão de acordo com os soviéticos. Fontes russas relatam que os soviéticos relataram a morte de 62.105 prisioneiros de guerra (61.855 japoneses e 214 forças colaboradoras) das 640.105 capturadas (609.448 japonesas e 30.657 forças colaboradoras).[485]

Civis mortos

  • O relatório de 1949 do Conselho de Estabilização Econômica do governo japonês detalhou as vítimas causadas por ataques aéreos e bombardeios marítimos. O número total de vítimas foi de 668.315, incluindo 299.485 mortos, 24.010 desaparecidos e 344.820 feridos. Esses números incluem as vítimas em Tóquio 97.031 mortos, 6.034 desaparecidos e 113.923 feridos; em Hiroshima 86.141 mortos, 14.394 desaparecidos e 46.672 feridos, em Nagasaki 26.238 mortos, 1.947 desaparecidos e 41.113 feridos.[486][487][488] Segundo John W. Dower, um erro que aparece em fontes do idioma inglês coloca o total de mortos em ataques aéreos em 668.000, número que inclui mortos, desaparecidos e feridos.[481]
  • Um estudo acadêmico japonês publicado em 1979 pelo Comitê para a Compilação de Materiais sobre Danos Causados pelas Bombas Atômicas em Hiroshima e Nagasaki coloca o total de mortos nos ataques atômicos em 140.000 (± 10.000) em Hiroshima e 70.000 (± 10.000) em Nagasaki.[489] Segundo os autores do relatório, um estudo de vítimas relacionadas a bombas atômicas em Hiroshima, em dezembro de 1945, foi "perdido e descoberto vinte anos depois", eles citaram uma pesquisa semelhante em Nagasaki, realizada em dezembro de 1945.[490] Os autores sustentam que os números mais baixos de baixas publicados no pós-guerra imediato não incluíram militares e desaparecidos.[491] Os números de mortos nos ataques atômicos deste estudo foram citadas por John W. Dower em War Without Mercy.[492]
  • Segundo a Associação Nuclear Mundial, "em Hiroshima, de uma população civil residente de 250.000, foi estimado que 45.000 morreram no primeiro dia e mais 19.000 durante os quatro meses subsequentes. Em Nagasaki, de uma população de 174.000, 22.000 morreram no primeiro dia e outras 17.000 em quatro meses subsequentes. Mortes não registradas de militares e trabalhadores estrangeiros podem ter aumentado consideravelmente esses números. Cerca de 15 quilômetros quadrados (mais de 50%) das duas cidades foram destruídos. É impossível estimar a proporção dessas 103.000 mortes ou de outras mortes de militares, que foram devidas à exposição à radiação e não às temperaturas muito altas e pressões causadas pelas explosões". Eles observaram que "às 103.000 mortes causadas pela explosão ou exposição aguda à radiação em Hiroshima e Nagasaki foram adicionadas as causadas por cânceres induzidos por radiação, que totalizaram cerca de 400 em 30 anos e que podem chegar a cerca de 550". (Cerca de 93.000 sobreviventes expostos ainda estavam sendo monitorados 50 anos depois.)"[493]
  • A Fundação de Pesquisa de Efeitos de Radiação estima o número de mortes (dentro de 2 a 4 meses), em Hiroshima entre 90.000 a 166.000 pessoas e em Nagasaki entre 60.000 a 80.000 pessoas. Eles observaram que as mortes causadas pelos bombardeios atômicos incluem aquelas que ocorreram nos dias dos ataques devido à força esmagadora e ao calor das explosões, além de mortes posteriores atribuíveis à exposição à radiação. O número total de mortes não é conhecido exatamente porque os registros de militares em cada cidade foram destruídos; famílias inteiras pereceram, não deixando ninguém para relatar mortes; e números desconhecidos de trabalhadores forçados estavam presentes nas duas cidades.[494]
  • O United States Strategic Bombing Survey publicou as seguintes estimativas de baixas japonesas devido a bombardeios dos Estados Unidos.

1 - Relatório Resumido (julho de 1946) O total de baixas civis no Japão, como resultado de 9 meses de ataques aéreos, incluindo os das bombas atômicas, foi de aproximadamente 806.000. Destes, aproximadamente 330.000 foram fatalidades.[495]

2 - United States Strategic Bombing Survey, Divisão Médica (1947) O bombardeio do Japão matou 333.000 civis e feriu 473.000. Desse total, 120.000 morreram e 160.000 foram feridos nos bombardeios atômicos, deixando 213.000 mortos e 313.000 feridos pelos bombardeios convencionais.[496]

3 - Os efeitos do ataque aéreo na economia urbana japonesa. Relatório sumário (1947) Estima-se que 252.769 japoneses foram mortos e 298.650 feridos na guerra aérea.[497]

4 - Os efeitos do bombardeio estratégico no moral japonês Com base em uma pesquisa com famílias japonesas, o número de mortos foi de 900.000 mortos e 1.3 milhões de feridos, o SBS observou que esse número estava sujeito a um erro amostral máximo de 30%.[498]

5 - United States Strategic Bombing Survey pesquisa os efeitos das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki O resultado mais impressionante das bombas atômicas foi o grande número de vítimas. O número exato de mortos e feridos nunca será conhecido por causa da confusão após as explosões. As pessoas desaparecidas podem ter sido queimadas além do reconhecimento nos prédios caídos, destruídas em uma das cremações em massa da primeira semana de recuperação ou expulsas da cidade para morrer ou se recuperar sem nenhum registro remanescente. Não existia contagem segura nem mesmo da população pré-ataques. Devido ao declínio da atividade nas duas cidades portuárias, à constante ameaça de incursões incendiárias e aos programas formais de evacuação do governo, um número desconhecido de habitantes se afastou das cidades ou foi removido conforme o planejado. Nesta situação incerta, as estimativas de baixas geralmente variam entre 100.000 e 180.000 para Hiroshima e entre 50.000 e 100.000 para Nagasaki. A Pesquisa acredita que os mortos em Hiroshima estejam entre 70.000 e 80.000, com um número igual de feridos; em Nagasaki, mais de 35.000 mortos e um pouco mais do que os feridos parecem ser a estimativa mais plausível.[499]

  • John W. Dower coloca os civis japoneses mortos na Batalha de Saipan em 10.000 e 150.000 na Batalha de Okinawa, com base em um estudo recente da campanha.[481] No entanto, fontes militares americanas mostram civis mortos em Okinawa em 42.000, eles observaram que fontes japonesas indicam que 50.000 não-combatentes de Okinawa foram mortos durante a campanha.[500][501]
  • As mortes relacionadas com a guerra matou 27.000 pessoas da marinha mercante japonesa.[502]

↑AC  Coreia

  • O pesquisador americano Rudolph Joseph Rummel estimou 378.000 mortos coreanos devido ao trabalho forçado no Japão e na Manchúria. Segundo Rummel, "é difícil descobrir informações sobre as mortes da Coreia sob ocupação japonesa. Sabemos que 5.400.000 coreanos foram recrutados para o trabalho a partir de 1939, mas quantos morreram só podem ser estimados aproximadamente."[503]
  • Werner Gruhl estimou o número de mortos civis devido à guerra e ocupação japonesa em 533.000.[504]
  • John W. Dower observou: "Entre 1939 e 1945, cerca de 670.000 coreanos foram trazidos para o Japão para termos fixos de trabalho, principalmente em minas e indústria pesada, e estima-se que 60.000 ou mais deles morreram em condições adversas de seus locais de trabalho. Mais de 10.000 provavelmente foram mortos nos bombardeios atômicos de Hiroshima e Nagasaki".[505]

↑AD  Letônia

  • O historiador russo independente Vadim Erlikman estimou as mortes de civis na Letônia em 1941 a 1945 em 220.000 (35.000 em operações militares; 110.000 executados, 35.000 na Alemanha e 40.000 devido à fome e doenças. Os mortos militares foram estimados com as forças soviéticas em 10.000 e 15.000 com os alemães. Mortes de prisioneiros de guerra 3.000.)[92]

↑AE  Lituânia

  • O historiador russo independente Vadim Erlikman estimou as mortes de civis na Lituânia em 1941 a 1945 em 345.000 (25.000 em operações militares; 230.000 executadas, 15.000 na Alemanha e 75.000 devido à fome e doenças. Os mortos militares foram estimados com as forças soviéticas em 15.000 e 5.000 com os alemães. Mortes de prisioneiros de guerra 4.000.)[94]

↑AF  Luxemburgo

  • O total de mortos em guerra foi de 5.000,[506] incluindo perdas militares de cerca de 3.000 com as Forças Armadas Alemãs e 200 em uma unidade separada anexada ao exército belga.

↑AG  Malaia e Singapura

↑AH  Malta

↑AI  México

↑AJ  Mongólia

↑AK  Nauru

↑AL  Nepal

↑AM  Países Baixos

  • Em 1948, o Escritório Central de Estatísticas dos Países Baixos (CBS) publicou um relatório de perdas de guerra. Eles listaram 210.000 baixas diretas de guerra nos Países Baixos, sem incluir as Índias Orientais Neerlandesas.

      Mortes militares 6.750, que incluíam 3.900 exércitos regulares, 2.600 forças da Marinha e 250 prisioneiros de guerra na Alemanha Nazista.
      Mortes civis 203.250, que incluíam 1.350 marinheiros mercantes, 2.800 executados, 2.500 mortos em campos de concentração neerlandeses, 20.400 mortos por atos de guerra, 104.000 mortos no Holocausto judeu, 18.000 presos políticos na Alemanha, 27.000 trabalhadores na Alemanha, 3.700 cidadãos neerlandeses nas Forças Armadas Alemãs e 7.500 desaparecidos e supostamente mortos na Alemanha e 16.000 mortes na Fome neerlandesa de 1944-1945. Não estão incluídos nos números de 210.000 mortos em guerra, 70.000 "vítimas indiretas de guerra", atribuídas a um aumento nas mortes naturais entre 1940 e 1945 e 1.650 estrangeiros mortos enquanto serviam na Marinha Mercante Neerlandesa.[101]

  • A Netherlands War Graves Foundation mantém um registro dos nomes dos mortos em guerra nos Países Baixos.[510]

↑AN  Terra Nova

  • A Terra Nova perdeu 1.089 pessoas com as forças britânicas e canadenses durante a guerra.[103]
  • As perdas da Marinha Mercante da Terra Nova são homenageadas no Memorial da Marinha Mercante Aliada em Terra Nova.[511]
  • As perdas civis foram devidas ao naufrágio do SS Caribou em outubro de 1942.[104]

↑AO  Nova Zelândia

  • O Museu Memorial da Guerra de Auckland coloca o número de mortos na Segunda Guerra Mundial em 11.671.[105]
  • Os dados preliminares das perdas na Nova Zelândia foram mortos 10.033, faltando 2.129, feridos 19.314 e prisioneiros de guerra 8.453.[333]

↑AP  Noruega

  • Segundo fontes do governo norueguês, os mortos de guerra foram 10.200.[106]

          Militares (forças norueguesas e aliadas) 2.000 (800 Exército, 900 Marinha e 100 Força Aérea).[106]
          Civis 7.500 (3.600 marinheiros mercantes, 1.500 combatentes da resistência, 1.800 civis mortos e 600 judeus mortos).[106]
          Nas Forças Armadas Alemãs 700[106]

↑AQ  Papua & Nova Guiné

  • As mortes de civis foram causadas por bombardeios e ataques Aliados e atrocidades japonesas. Tanto os Aliados como os japoneses também recrutaram civis para trabalhar como operários e portuários.[107]

↑AR  Filipinas

  • As perdas militares nas Filipinas foram de 57.000, incluindo 7.000 mortos em ação na campanha de 1941 a 1942, 8.000 guerrilheiros mortos em ação em 1942 a 1945 e 42.000 prisioneiros de guerra (de 98.000).[109]
  • De acordo com Werner Gruhl, o número de mortos devido à guerra e ocupação japonesa em 527.000 (27.000 mortos militares, 141.000 executados, 22.500 mortes de trabalhos forçados e 336.500 mortes devido à fome relacionada à guerra). As perdas civis incluíram vítimas de crimes de guerra japoneses, como o Massacre de Manila, que matou 100.000 filipinos.[110]
  • Entre 5.000 e 10.000 filipinos que trabalhavam com tropas filipinas, escoteiros, polícia e unidades filipinas do Exército perderam a vida na Marcha da Morte de Bataan.[512]

↑AS  Polônia

Total de mortos

  • Em 2009, Wojciech Materski e Tomasz Szarota, do Instituto Polonês de Memória Nacional (IPN), classificaram o número de mortos da Polônia entre 5.620.000 e 5.820.000; incluindo cerca de 150.000 cidadãos poloneses que morreram devido à repressão soviética. Os números do IPN incluem 2.7 milhões a 2.9 milhões de judeus poloneses que morreram no Holocausto e 2.770.000 poloneses étnicos[513] (incluindo "Perdas diretas de guerra" 543.000; "Mortes nos acampamentos e na pacificação" 506.000; "Mortes em prisões e acampamentos" 1.146.000; "Mortes fora das prisões e acampamentos" 473.000; "Mortes nas regiões orientais" 100.000; "Mortes em outros países" 2.000).[514] Pesquisadores poloneses determinaram que os nazistas assassinaram 2.830.000 judeus (incluindo 1.860.000 judeus poloneses) nos campos de extermínio na Polônia, além de mais de 1 milhão de judeus poloneses foram assassinados pelos Einsatzgruppen nas regiões orientais ou morreram de fome e doenças durante os guetos.[513]
  • Em seu livro de 2009, Andrzej Leon Sowa, da Universidade Jaguelônica, enfatiza a falta de dados confiáveis sobre as perdas da Segunda Guerra Mundial. Segundo ele, entre 2.350.000 a 2.900.000 de cidadãos poloneses de etnia judaica foram mortos, além de cerca de 2 milhões de poloneses étnicos. Ele escreve que nem mesmo números estimados estão disponíveis em relação aos cidadãos poloneses de etnia alemã, ucraniana ou bielorrussa.[515]
  • O Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos sustenta que, além de 3 milhões de judeus poloneses mortos no Holocausto. "A documentação permanece fragmentada, mas hoje estudiosos independentes da Polônia acreditam que pelo menos 1.9 milhões de civis poloneses (não judeus) foram vítimas das políticas de ocupação alemãs e da guerra.[516]
  • Czesław Łuczak, em 1993, estimou os mortos de guerra na Polônia entre 5.9 a 6 milhões, incluindo 2.9 a 3 milhões de judeus mortos no Holocausto e 2 milhões de vítimas étnicas polonesas das ocupações alemã e soviética (1.5 milhão sob ocupação alemã e o saldo de 500.000 em antigas regiões polonesas orientais sob ocupação soviética).[517] Łuczak também incluiu em seus números cerca de 1.000.000 mortos de cidadãos poloneses de etnia ucraniana e bielorrussa que representavam 20% da população da Polônia antes da guerra.[518][519]
  • Tadeusz Piotrowski estimou as perdas da Polônia na Segunda Guerra Mundial em 5.6 milhões; incluindo 5.150.000 vítimas de crimes nazistas contra os poloneses étnicos e o Holocausto, 350.000 mortes durante a ocupação soviética em 1940 a 1941 e cerca de 100.000 poloneses mortos em 1943 a 1944 durante os massacres de poloneses na Volínia e na Galiza Oriental. As perdas por grupo étnico foram de 3.100.000 judeus; 2.000.000 de poloneses étnicos; 500.000 ucranianos e bielorrussos.[270]
  • As perdas totais por área geográfica foram de cerca de 4.4 milhões na atual Polônia e cerca de 1.6 milhões nas áreas polonesas anexadas pela União Soviética.[520][521] A historiadora polonesa Krystyna Kersten estimou as perdas em cerca de 2 milhões nas áreas polonesas anexadas pela União Soviética.[190] Fontes russas contemporâneas também incluem as perdas da Polônia nos territórios anexados com mortes de guerra soviéticas.[522]
  • O relatório oficial do governo polonês sobre os danos de guerra, preparado em 1947, listou 6.028.000 vítimas de guerra durante a ocupação alemã (incluindo 123.178 mortes militares, 2.8 milhões de poloneses e 3.2 milhões de judeus), de uma população de 27.007.000 poloneses e judeus étnicos; este relatório excluiu as perdas étnicas da Ucrânia e da Bielorrússia. As perdas foram calculadas para o território da Polônia em 1939, incluindo os territórios anexados pela União Soviética.[523] O número de 6 milhões de mortos em guerra tem sido contestado por estudiosos poloneses desde a queda do comunismo, que agora estimam o total de perdas reais em cerca de 3 milhões de judeus e 2 milhões de poloneses étnicos, sem incluir outros grupos étnicos (ucranianos e bielorrussos). Eles sustentam que as estatísticas oficiais incluem aquelas pessoas que estavam desaparecidas e presumidamente mortas, mas que na verdade permaneceram no exterior no Ocidente e na União Soviética após a guerra.[519][524]

Perdas na Polônia durante a ocupação soviética (1939–1941)

  • Em agosto de 2009, Wojciech Materski e Tomasz Szarota, do Instituto Polonês de Recordação Nacional (IPN), estimaram que 150.000 cidadãos poloneses foram mortos devido à repressão soviética. Desde o colapso da União Soviética, estudiosos poloneses foram capazes de fazer pesquisas nos arquivos soviéticos sobre as perdas polonesas durante a ocupação soviética.[513]
  • Em seu livro de 2009, Andrzej Leon Sowa, da Universidade Jaguelônica, afirma que cerca de 325.000 cidadãos poloneses foram deportados pelos soviéticos em 1940 a 1941. O número de mortes pelas quais os soviéticos são responsáveis "provavelmente não excedeu 100.000", e o mesmo se aplica aos assassinatos perpetrados por nacionalistas ucranianos.[515]
  • Andrzej Paczkowski coloca o número de mortes na Polônia em 90.000 a 100.000 dos 1 milhão de pessoas deportadas e 30.000 executadas pelos soviéticos.[269]
  • Em 2005, Tadeusz Piotrowski estimou o número de mortos nas mãos dos soviéticos em 350.000.[525]
  • Uma estimativa anterior feita em 1987 por Franciszek Proch da Associação Polonesa de Ex-Presos Políticos dos Campos de Concentração nazistas e soviéticos estimou o total de mortos devido à ocupação soviética em 1.050.000.[526]

Mortes militares polonesas

  • A Polônia perdeu um total de 139.800 soldados regulares e 100.000 combatentes da Resistência Polonesa durante a guerra.[519] Militares mortos e desaparecidos foram 66.000 e 130.000 feridos na Invasão da Polônia em 1939, além de 17.000 a 19.000 foram mortos pelos soviéticos no Massacre de Katyn e 12.000 morreram nos campos de prisioneiros de guerra alemães.[527] A contribuição polonesa para a Segunda Guerra Mundial incluiu as Forças Armadas da Polônia no Ocidente e o Primeiro Exército Polonês lutando sob o comando soviético. O total de baixas dessas forças no exílio foram 33.256 mortos em ação, 8.548 desaparecidos em ação, 42.666 feridos e 29.385 prisioneiros de guerra.[527]
  • A Cruz Vermelha Polonesa informou que a Revolta de Varsóvia em 1944 custou a vida de 120.000 a 130.000 civis poloneses e de 16.000 a 17.000 combatentes da Resistência Polonesa.[519][528] Os nomes dos mortos na guerra poloneses são apresentados em um banco de dados online.[529]
  • Durante a guerra, 2.762.000[530] cidadãos poloneses de descendência alemã declararam sua lealdade à Alemanha Nazista ao assinar o Deutsche Volksliste. Um relatório do governo da Alemanha Ocidental estimou a morte de 108.000 cidadãos poloneses que serviam nas Forças Armadas Alemãs,[531] esses homens foram recrutados em violação ao direito internacional.[532] O Instituto Polonês de Recordação Nacional (IPN) estima que 200.000 a 210.000 cidadãos poloneses, incluindo 76.000 poloneses étnicos, foram recrutados para as Forças Armadas Soviéticas em 1940 a 1941, durante a ocupação das regiões orientais. O (IPN) também informou que os alemães recrutaram 250.000 cidadãos poloneses para a Wehrmacht, 89.300 depois desertaram e se juntaram às Forças Armadas da Polônia no Ocidente.[514]

↑AT  Timor Português

  • Oficialmente neutro, Timor Português foi ocupado pelo Japão entre 1942 a 1945. Os comandos Aliados iniciaram uma campanha de resistência e a maioria das mortes foi causada por represálias japonesas contra a população civil. O Departamento de Defesa da Austrália estimou o número de mortos entre 40.000 e 70.000.[117] No entanto, outra fonte estima o número de mortos em 40.000 a 50.000.[533]

↑AU  Romania

  • O demógrafo Boris Urlanis estimou as mortes na Romênia em 300.000 militares e 200.000 civis.[534]
  • O total de mortos militares da Romania foi de aproximadamente 300.000. O total de mortos foi de 93.326 (72.291 no Eixo e 21.035 nos Aliados). O total de desaparecidos e prisioneiros de guerra foi 341.765 (283.322 com o Eixo e 58.443 com Aliados), apenas cerca de 80.000 sobreviveram ao cativeiro soviético.[535]
  • As perdas civis incluíram 160.000 mortos no Holocausto judeu,[205] o genocídio dos ciganos, 36.000 e 7.693 civis mortos em ataques aéreos Aliados à Romênia.[536]

↑AV  Ruanda-Urundi

  • A fome de Ruzagayura, de outubro de 1943 a dezembro de 1944, ocorreu devido a uma seca local e às duras políticas de guerra da administração colonial belga para aumentar a produção de alimentos para o esforço de guerra no Congo. Quando a fome terminou entre 36.000[120] e 50.000[121] pessoas morreram de fome no território. Várias centenas de milhares de pessoas também emigraram de Ruanda-Urundi, a maioria para o Congo Belga, mas também para o Uganda Britânica.[537][538]
  • Como Ruanda não estava ocupada nem seu suprimento de alimentos foi cortado, essas mortes geralmente não são incluídas nas vítimas da Segunda Guerra Mundial. No entanto, pelo menos um historiador comparou a fome de 1943 com a Fome de 1943 em Bengala, que é atribuída à guerra.[539]

↑AW  África do Sul

  • Os mortos de guerra de 11.907 listados aqui são os relatados pela Commonwealth War Graves Commission.[540]
  • Os dados preliminares de 1945 sobre as perdas na África do Sul foram mortos 6.840, faltando 1.841, feridos 14.363 e prisioneiros de guerra 14.589.[333]

↑AX  Mandato do Pacífico Sul

  • ↑AY  União Soviética
    (As notas a seguir resumem as baixas soviéticas, os detalhes são apresentados em Baixas da União Soviética na Segunda Guerra Mundial).
  • Um relatório de 1993 publicado pela Academia de Ciências da Rússia estimou o total de perdas soviéticas na Segunda Guerra Mundial em 26.6 milhões.[4][542][543] Esses números geralmente foram aceitos pelos historiadores ocidentais.[544][545][546] A perda total da população de 26.6 milhões é uma estimativa baseada em um estudo demográfico, não é uma contabilidade exata dos mortos na guerra.[547] O número de 26.6 milhões de mortos na guerra, total e 8.668.000 de mortos militares são citados pelo governo russo pelas perdas na guerra.[548]
  • Mortos militares Os números de mortos e desaparecidos soviéticos na guerra são discutidos. O relatório oficial sobre as baixas militares foi preparado por Grigori F. Krivosheev.[549][550] Segundo Krivosheev, as perdas das forças de combate do Exército Vermelho e da Marinha Soviética foram 8.668.400, incluindo 5.226.800 mortos em ação,[551] 555.500 mortes fora de combate,[551] 1.102.800 morreram por ferimentos[551] 500.000 desaparecidos em ação.[551]
    O saldo restante inclui 1.103.000 prisioneiros de guerra mortos e 180.000 prisioneiros de guerra que permaneceram nos países ocidentais no final da guerra. Krivosheev sustenta que o número mais alto de 3.3 milhões de prisioneiros de guerra citado em fontes ocidentais se baseia em dados e análises alemãs.[552][553] Krivosheev sustenta que essas estatísticas não estão corretas porque incluem reservistas que não possuem força ativa, civis e militares informados desaparecidos que foram recuperados durante o curso da guerra. Ele sustenta que o número real de capturados de 4.559.000, deduziu 3.276.000 para chegar ao total de 1.283.000 de perdas irrecuperáveis de prisioneiros de guerra, suas deduções foram de 500.000 reservistas sem força real, 939.700 militares informados desaparecidos que foram recuperados durante a guerra e 1.836.000 prisioneiros de guerra que retornou à União Soviética no final da guerra.[554]
    Os números de Krivosheev são contestados por historiadores que estimam as perdas reais entre 10.9 a 11.5 milhões. Os críticos de Krivosheev sustentam que ele subestimou as perdas de prisioneiros de guerra e os desaparecidos em ação e não incluiu as baixas dos condenados. Os dados publicados na Rússia por Viktor Zemskov elevam as perdas de prisioneiros de guerra soviéticos em 2.543.000 (5.734.000 foram capturados, 821.000 liberados para o serviço alemão e 2.371.000 libertados).[555] Zemskov estimou que o total de mortos na guerra foi de 11.5 milhões, incluindo prisioneiros de guerra de 2.3 milhões a 1.5 milhões desaparecidos em ação.[556] S. N. Mikhalev estimou o total de perdas militares irrecuperáveis em 10.922.000.[557] Um estudo recente de Christian Hartmann colocou mortos militares soviéticos em 11.4 milhões.[558] Perdas adicionais não incluídas por Krivosheev foram 267.300 que morreram por doença,[559] 135.000 prisioneiros executados,[560] e 422.700 prisioneiros enviados para unidades penais.[560]
    S. N. Mikhalev estimou o total de perdas demográficas militares em 13.7 milhões.[557] S.A. Il'enkov, funcionário do Arquivo Central do Ministério da Defesa da Rússia, afirmou: "Estabelecemos o número de perdas insubstituíveis de nossas Forças Armadas na época da Grande Guerra Patriótica de cerca de 13.850.000".[561] Il'enkov e Mikhalev sustentaram que os relatórios da unidade de campo não incluíam mortes em hospitais da região de feridos e capturados nos primeiros meses da guerra. Perdas demográficas adicionais para as forças armadas soviéticas foram as que foram presas por deserção após a guerra e desertores no serviço militar alemão. Segundo Krivosheev, as perdas de desertores no serviço alemão foram de 215.000.[562] Ele listou 436.600 condenados que foram presos.[563]
  • Civis mortos O governo russo calcula o número de mortos civis devido à guerra em 13.684.000 (7.420.000 mortos, 2.164.000 de trabalhos forçados na Alemanha Nazista e 4.100.000 de mortes por fome e doenças).[564][565] Um estudo acadêmico russo estimou em 2.5 a 3.2 milhões de mortos civis devido à fome e doenças no território soviético não ocupado pelos alemães.[566] As estatísticas publicadas na Rússia listam as perdas civis de guerra de 6.074.857 civis mortos relatados pela Comissão Extraordinária do Estado em 1946,[567] 641.803 mortes de fome durante o Cerco a Leninegrado, segundo dados oficiais,[568] 58.000 mortos em bombardeios (40.000 Stalingrado, 17.000 Leningrado e 1.000 Moscou),[569] e mais 645.000 reservistas civis que foram mortos ou capturados também estão incluídos nas vítimas civis. A estatística de mortes por trabalho forçado na Alemanha, são de 2.164.000, inclui o saldo de prisioneiros de guerra e os condenados não incluídos nos números de Krivosheev. Além dessas perdas, um estudo demográfico russo da população em tempo de guerra indicou um aumento de 1.3 milhões na mortalidade infantil causada pela guerra e que 9 a 10 milhões dos 26.6 milhões de mortos de guerra soviéticos no total foram devido ao agravamento das condições de vida na União Soviética, incluindo as regiões que não estavam ocupadas.[570] O número de mortes no Cerco a Leningrado foi contestado. Segundo David Glantz, a estimativa soviética de 1945 apresentada nos Julgamentos de Nuremberg era de 642.000 mortes de civis. Ele observou que a fonte da era soviética de 1965 colocou o número de mortos no cerco de Leningrado em "superior a 800.000" e que uma fonte russa de 2000 colocou o número de mortos em 1.000.000.[571] Essas baixas são para 1941-1945 dentro das fronteiras de 1946–1991 da União Soviética.[572] Incluídas nas perdas civis estão as mortes nos territórios anexados pela União Soviética em 1939-1940, incluindo 600.000 nos estados bálticos[573] e 1.500.000 na Polônia Oriental.[574] Fontes russas incluem mortes no Holocausto judeu entre o total de mortos civis. Gilbert estimava as perdas de judeus em 1 milhão dentro das fronteiras de 1939; As mortes do Holocausto nos territórios anexados totalizaram 1.5 milhões, elevando o total de perdas judaicas para 2.5 milhões.[575]
  • Pontos de vista alternativos De acordo com o demógrafo russo Dr. L.L. Rybakovsky, há uma ampla gama de estimativas para o total de mortos em guerra por estudiosos russos. Ele cita números de mortos na guerra que variam de 21.8 a 28 milhões. Rybakovsky ressalta que as variáveis usadas para calcular perdas não são de forma alguma certas e atualmente são disputadas por historiadores na Rússia.[576] Viktor Zemskov colocou o total de mortos na guerra em 20 milhões, sustentou que o número oficial de 26.6 milhões inclui cerca de 7 milhões de mortes devido a causas naturais, com base na taxa de mortalidade que prevalecia antes da guerra. a guerra matou 11.5 milhões de militares, 4.5 milhões de civis mortos e 4 milhões devido à fome e doenças.[134] Alguns historiadores russos estimam 46 milhões, contando o déficit populacional devido a crianças não nascidas. Com base na taxa de natalidade anterior à guerra, há um déficit populacional de cerca de 20 milhões de nascimentos durante na guerra. Os números para o número de crianças nascidas durante a guerra e as mortes naturais são estimativas aproximadas devido à falta de estatísticas vitais.[576]
  • Houve baixas adicionais em 1939-1940, que totalizaram 136.945: Batalhas de Khalkhin Gol em 1939 (8.931), Invasão da Polônia de 1939 (1.139) e Guerra de Inverno com a Finlândia em 1939-1940 (126.875).[577] Os nomes de muitos mortos soviéticos na guerra são apresentados no banco de dados do OBD Memorial online.[578]

↑AZ  Espanha

  • Houve 4.500 mortes militares, com toda a Divisão Azul Espanhola servindo com o Exército Alemão na União Soviética. A unidade foi retirada pela Espanha em 1943.[579]
  • Rudolph Joseph Rummel estima a morte de 20.000 refugiados espanhóis anti-fascistas residentes na França que foram deportados para campos nazistas. Essas mortes estão incluídas nas baixas de civis francesas.[212]

↑BA  Suécia

↑BB  Suíça

  • Os americanos bombardearam acidentalmente a Suíça neutra durante a guerra, causando baixas civis.[581][582]

↑BC  Tailândia

↑BD  Turquia

  • A tragédia de Refah se refere a um desastre marítimo durante a Segunda Guerra Mundial, quando o navio de carga Refah da Turquia neutra, transportando militares turcos de Mersin na Turquia para Porto Saíde no Egito, foi afundado nas águas do Mediterrâneo Oriental por um torpedo disparado de um submarino não identificado. Dos 200 passageiros e tripulantes a bordo, apenas 32 sobreviveram.[152]

. ↑BE  Reino Unido e Colônias

  • A Commonwealth War Graves Commission registrou um total de 383.758 mortos militares de todas as causas, tanto para as colônias britânicas como para as não britânicas, exceto a Índia, que foi relatada separadamente; os números incluem enterros identificados e homenageados pelo nome nos memoriais. Esses números incluem mortes que ocorreram após a guerra até 31 de dezembro de 1947.[587]
  • A Commonwealth War Graves Commission também mantém a Roll de Honra daqueles civis sob Proteção da Coroa (incluindo estrangeiros) que morreram como resultado de ações inimigas na Segunda Guerra Mundial. Os nomes de 67.170 são homenageados no Roll de Honra dos mortos civis na guerra.[588]
  • As atualizações recentes das vítimas do Reino Unido, incluindo os feridos, estão contidas em French, David (2000). Raising Churchill's Army: The British Army and the War against Germany 1919–1945. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-924630-4  online
  • O relatório oficial do Reino Unido sobre baixas de guerra de junho de 1946 forneceu um resumo das perdas de guerra do Reino Unido, excluindo colônias. Este relatório (HMSO 6832) listou:[301][589]

         Total de mortos 357.116; Marinha (50.758); Exército (144.079); Força Aérea (69.606); Serviço Territorial Auxiliar (624);
         Marinha Mercante (30.248); British Home Guard (1.206) e civis (60.595).
         Total ainda está faltando em 28 de fevereiro de 1946 foram 6.244; Marinha (340); Exército (2.267); Força Aérea (3.089); Serviço Territorial Auxiliar (18);
         Marinha Mercante (530); British Home Guard (0) e civis (0).
         Esses números incluem as perdas da Terra Nova e da Rodésia do Sul.
         As forças coloniais não estão incluídas nesses números.
         Houve 31.271 mortes adicionais de militares devido a "causas naturais" que não estão incluídas nesses números.
         As mortes por ataques aéreos e com foguetes-V foram 60.595 civis e 1.206 British Home Guard.

  • Os dados preliminares de 1945 das forças coloniais britânicas foram 6.877 mortos, 14.208 desaparecidos, 6.972 feridos e 8.115 prisioneiros de guerra.[333]
  • As baixas do Reino Unido incluem perdas das forças coloniais.[590] As forças coloniais britânicas incluíram unidades da África Oriental, África Ocidental, Gana, Caribe, Malaia, Birmânia, Hong Kong, Jordânia, Sudão, Malta e a Brigada Judaica. O Regimento de Chipre era formado por voluntários que lutaram com o Exército do Reino Unido e sofreram cerca de 358 mortos e 250 desaparecidos.[591] Gurkhas recrutados no Nepal lutaram com o exército britânico durante a Segunda Guerra Mundial. As vítimas do Reino Unido estão incluídas nos cidadãos de vários países europeus ocupados pela Alemanha Nazista. Havia esquadrões da Força Aérea Real Britânica (RAF) separados com cidadãos da Polônia (17); Checoslováquia (5); Países Baixos (1); França Livre (7); Iugoslávia (2); Bélgica (3); Grécia (3); Noruega (2). Voluntários dos Estados Unidos serviram em 3 esquadrões da RAF conhecidos como Esquadrões Águia. Muitos estrangeiros e pessoas das colônias britânicas serviram na Marinha Mercante do Reino Unido.[592]

↑BF  Estados Unidos

Mortos militares#↑BF1

  • O total de mortes militares dos Estados Unidos em batalhas e por outras causas foi de 407.316. O total por ramo é o seguinte: Exército 318.274 (234.874 batalhas, 83.400 sem combate),[303] Marinha 62.614,[303] Corpo de Fuzileiros Navais 24.511,[303] e a Guarda Costeira 1.917.[593][335]
  • As mortes em batalha foram 292.131. O total por ramo é o seguinte: Exército 234.874,[303] Marinha 36.950,[303] Corpo de Fuzileiros Navais 19.733,[303] e Guarda Costeira 574. Essas perdas foram incorridas no período de 8 de dezembro de 1941 a 31 de dezembro de 1946.[96][593]
  • Durante o período de neutralidade da América na Segunda Guerra Mundial (1 de setembro de 1939 - 8 de dezembro de 1941), as perdas militares dos Estados Unidos, incluindo 126 mortos em outubro de 1941, quando o USS Kearny e o USS Reuben James foram atacados por submarinos, bem como 2.335 mortos durante o ataque surpresa a Pearl Harbor pelas forças aéreas japonesas em 7 de dezembro de 1941.[594]
  • As perdas das Forças Aéreas do Exército dos Estados Unidos, incluídas no total do Exército, foram 52.173 mortes por combate e 35.946 por causas não relacionadas a combate.[304]
  • Morto de combate por Teatro de Guerra: Europa-Atlântico 183.588 (forças terrestres do Exército 141.088, Forças Aéreas do Exército 36.461 e Marinha/Guarda Costeira 6.039); Ásia-Pacífico 108.504 (forças terrestres do Exército 41.592, Forças Aéreas do Exército 15.694, Marinha/Guarda Costeira 31.485, Corpo de Fuzileiros Navais 19.733); teatros não identificados 39 (Exército).[304][335] Incluídos nas mortes em combate estão 14.059 prisioneiros de guerra (1.124 na Europa e 12.935 na Ásia).[335] Os detalhes das baixas militares estão listados online: o Exército,[304] Marinha e o Corpo de Fuzileiros Navais.[595]
  • Os números do Exército dos Estados Unidos incluem as mortes de 5.337 das Filipinas e 165 de Porto Rico (ver p. 118).[304]
  • Os nomes de militares individuais mortos na Segunda Guerra Mundial podem ser encontrados nos Arquivos Nacionais e Administração de Documentos.[596]
  • O site da Comissão de Monumentos da Batalha Americana (ABMC) lista os nomes de mortos civis e militares da Segunda Guerra Mundial enterrados em cemitérios da ABMC ou listados em Muros dos Desaparecidos.[597]

Mortos civis #↑BF2

↑BG  Iugoslávia

  • O número oficial da Iugoslávia para o total de mortos em guerra é de 1.7 milhões (300.000 militares e 1.400.000 civis). Estes números são citados em trabalhos de referência que tratam da Segunda Guerra Mundial.[159][611][612] Os estudos na Iugoslávia de Franjo Tuđman e Ivo Lah estimam perdas em 2.1 milhões.[613] No entanto, os números oficiais da Iugoslávia foram disputados por estudos de Vladimir Žerjavić e Bogoljub Kočović, que estimaram perdas reais em cerca de 1 milhão de pessoas.[614][615][616][617] O cálculo das perdas na Iugoslávia não é uma lista contábil exata de mortos, mas é baseado em cálculos demográficos do balanço da população que estimam nascimentos durante a guerra e mortes naturais. O número de pessoas que emigraram após a guerra (alemães étnicos, húngaros, italianos e refugiados iugoslavos para o oeste) são estimativas aproximadas.[614][615][617]
  • O Departamento do Censo dos Estados Unidos publicou um relatório em 1954 que concluiu que as mortes relacionadas à guerra na Iugoslávia eram de 1.067.000.
  • O Departamento do Censo dos Estados Unidos observou que a cifra oficial do governo iugoslavo de 1.7 milhões de mortos em guerra foi exagerada porque "foi libertada logo após a guerra e foi estimada sem o benefício de um censo do pós-guerra".[615]
  • Um estudo recente de Vladimir Žerjavić estima o total de mortes relacionadas à guerra em 1.027.000, que inclui perdas de 237.000 partisans iugoslavos e 209.000 "Quislings e colaboradores" (veja a discussão abaixo sobre perdas de colaboradores iugoslavos).[618] O número de mortos civis 581.000 incluiu 57.000 judeus. As perdas de cada república jugoslava foram: Bósnia 316.000; Sérvia 273.000; Croácia 271.000; Eslovênia 33.000; Montenegro 27.000; Macedônia 17.000; e 80.000 iugoslavos morreram no exterior.[614]
  • Bogoljub Kočović, um estatístico iugoslavo, calculou as perdas reais de guerra em 1.014.000.[617]
  • Jozo Tomasevich, professor emérito de economia da Universidade Estadual de São Francisco, afirmou que os cálculos de Kočović e Žerjavić "parecem estar isentos de preconceitos, podemos aceitá-los como confiáveis".[619]

Perdas de colaboradores iugoslavos

  • Os emigrantes croatas no ocidente fizeram alegações exageradas de que 500.000 a 600.000 croatas e chetniks foram massacrados pelos partisans após a guerra; essas alegações são citadas por Rudolph Joseph Rummel em seu estudo Estatísticas de Democídio.[620] Jozo Tomasevich observou que os números de colaboradores mortos pelos partisans são disputados. Segundo Tomasevich, alguns exilados croatas "foram mais moderados em suas estimativas", estimando o número de mortos em "cerca de 200.000".[621] Em relação ao número de mortos nas represálias pelos partisans iugoslavos, Tomasevich acreditava que "é impossível estabelecer o número exato de vítimas nessas operações, embora números razoavelmente precisos possam ser alcançados após muita pesquisa imparcial".[622]

Razões para o alto número de mortos na Iugoslávia foram as seguintes:

  • As Operações militares entre as forças militares alemãs ocupantes e seus "Quislings e colaboradores" contra a Resistência Iugoslava.[160]
  • As forças alemãs, sob ordens expressas de Adolf Hitler, lutaram com uma vingança especial contra os sérvios, que eram considerados Untermensch.[160] Um dos piores massacres de um dia durante a ocupação militar alemã da Sérvia foi o massacre de Kragujevac.
  • Atos deliberados de represália contra populações-alvo foram perpetrados por todos os combatentes. Todos os lados praticaram fuzilamento de reféns em grande escala. No final da guerra, muitos colaboradores de Ustaše e eslovenos foram mortos em ou como resultado das Repatriações de Bleiburg.[160]
  • O extermínio sistemático de um grande número de pessoas por razões políticas, religiosas ou raciais. As vítimas mais numerosas foram sérvios.[160] Segundo Yad Vashem, "durante os quatro anos no poder, os Ustaše realizaram um genocídio sérvio, exterminando mais de 500.000, expulsando 250.000 e forçando outros 200.000 a se converterem ao catolicismo. Os Ustaše também mataram a maioria dos judeus da Croácia, 20.000 ciganos e muitos milhares de seus inimigos políticos".[623] Segundo o Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos (USHMM), "as autoridades croatas assassinaram entre 320.000 e 340.000 sérvios da Croácia e da Bósnia durante o período do governo Ustaše; mais de 30.000 judeus croatas foram mortos na Croácia ou em Auschwitz-Birkenau".[624] Os relatórios do USHMM diz que entre 77.000 e 99.000 pessoas foram mortas nos campos de concentração de Jasenovac e Stara Gradiška.[625] O local do Memorial Jasenovac cita um número semelhante entre 80.000 a 100.000 vítimas. Stara Gradiška era um subcampo de Jasenovac estabelecido para mulheres e crianças.[626] Os nomes e dados de 12.790 vítimas em Stara Gradiška estão citados aqui fontes sérvias afirmam atualmente que 700.000 pessoas foram assassinadas em Jasenovac.[626] Cerca de 40.000 ciganos foram assassinados.[627] As vítimas judias na Iugoslávia totalizaram 67.122.[628]
  • A oferta reduzida de alimentos causou fome e doenças.[160]
  • O bombardeio Aliado das linhas de suprimento alemãs causou vítimas civis. As localidades mais atingidas foram Podgorica, Leskovac, Zadar e Belgrado.[160]
  • As perdas demográficas causadas pela redução de 335.000 nascimentos e a emigração de cerca de 660.000 não estão incluídas nas vítimas de guerra.[160]

↑BH  Outras nações

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b «U.S. Census BureauWorld Population Historical Estimates of World Population». Consultado em 4 de março de 2016 
  2. «Second Twentieth Century Atlas - Death Tolls]Second Source List and Detailed Death Tolls for the Twentieth Century Hemoclysm». erols.com. Consultado em 4 de março de 2016 
  3. a b Michael Ellman and S. Maksudov, Soviet Deaths in the Great Patriotic War: a note – World War II – Europe Asia Studies, July 1994.
  4. a b c Andreev EM; Darsky LE; Kharkova TL, Population dynamics: consequences of regular and irregular changes. in Demographic Trends and Patterns in the Soviet Union Before 1991. Routledge. 1993; ISBN 0415101948
  5. Rossiiskaia Akademiia nauk. Liudskie poteri SSSR v period vtoroi mirovoi voiny: sbornik statei. Sankt-Peterburg 1995; ISBN 5-86789-023-6, pp. 124–31 (these losses are for the territory of the USSR in the borders of 1946–1991, including territories annexed in 1939–40).
  6. Geoffrey A. Hosking (2006). Rulers and victims: the Russians in the Soviet Union, Harvard University Press. p. 242; ISBN 0-674-02178-9
  7. a b China's Anti-Japanese War Combat Operations. Guo Rugui, editor-in-chief Huang Yuzhang Jiangsu People's Publishing House, 2005; ISBN 7-214-03034-9, pp. 4–9.
  8. Rüdiger Overmans, Deutsche militärische Verluste im Zweiten Weltkrieg, Oldenbourg 2000; ISBN 3-486-56531-1, page Bd. 46
  9. Rüdiger Overmans, Deutsche militärische Verluste im Zweiten Weltkrieg. Oldenbourg 2000; ISBN 3-486-56531-1, page 228.
  10. Rüdiger Overmans. Deutsche militärische Verluste im Zweiten Weltkrieg. Oldenbourg 2000; ISBN 3-486-56531-1
  11. [1]|Willi Kammerer & Anja Kammerer, Narben bleiben die Arbeit der Suchdienste - 60 Jahre nach dem Zweiten Weltkrieg, Berlin Dienststelle 2005. (Publicado pelo Serviço de Pesquisa da Cruz Vermelha Alemã. O prefácio do livro foi escrito pelo Presidente alemão Horst Köhler e pelo Ministro do Interior alemão Otto Schily
  12. Wojciech Materski and Tomasz Szarota. Polska 1939–1945. Straty osobowe i ofiary represji pod dwiema okupacjami Institute of National Remembrance (IPN), Warsaw, 2009; ISBN 978-83-7629-067-6
  13. «Polish Resistance and Conclusions». United States Holocaust Memorial Museum, Washington, DC 
  14. a b Ishikida, Miki (13 de julho de 2005). Toward Peace: War Responsibility, Postwar Compensation, and Peace Movements and Education in Japan. [S.l.]: iUniverse, Inc. p. 30. ISBN 978-0595350636. Consultado em 4 de março de 2016 
  15. «Source List and Detailed Death Tolls for the Twentieth Century Hemoclysm». Users.erols.com. Consultado em 4 de março de 2016 
  16. I. C. B. Dear and M. R. D. Foot Oxford Companion to World War II Oxford, 2005; ISBN 0-19-280670-X, p. 290
  17. John W. Dower War Without Mercy (1986); ISBN 0-394-75172-8
  18. a b R.J. Rummel. China's Bloody Century. Transaction 1991; ISBN 0-88738-417-X
  19. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s «Population Statistics». Library.uu.nl. Consultado em 7 de junho de 2015 
  20. a b Albania: a country study Federal Research Division, Library of Congress; edited by Raymond E. Zickel and Walter R. Iwaskiw. 2nd ed. 1994. ISBN 0-8444-0792-5. Available online at Federal Research Division of the U.S. Library of Congress. See section "On The Communist Takeover". Library of Congress Country Study
  21. a b «Deaths as a result of service with Australian units (AWM) web page». AWM. Consultado em 15 de junho de 2011 
  22. «Australian Military Statistics World War II – A Global Perspective». AWM. Consultado em 15 de junho de 2011. Arquivado do original em 27 de maio de 2010 
  23. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z Clodfelder, Michael (2002). Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000. [S.l.]: McFarland & Co. p. 582 
  24. a b Gregory Frumkin. Population Changes in Europe Since 1939, Geneva 1951.p.44-45
  25. a b Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000. 2nd ed. 2002 ISBN 0-7864-1204-6. p. 582
  26. a b c Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Michael Clodfelter 2000. p. 540
  27. Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000. 2nd ed. 2002 ISBN 0-7864-1204-6. p. 512
  28. a b c d e Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts: A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000. 2nd ed. 2002 ISBN 0-7864-1204-6. p. 556
  29. a b «Canadian War Museum». Warmuseum.ca. Consultado em 29 de junho de 2015 
  30. «Canadian War Museum». Warmuseum.ca. Consultado em 29 de junho de 2015 
  31. Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts: A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000. 2nd ed. 2002 ISBN 0-7864-1204-6. p. 412
  32. Ho Ping-ti. Studies on the Population of China, 1368–1953. Cambridge: Harvard University Press, 1959.
  33. a b R. J. Rummel. China's Bloody Century. Transaction 1991 ISBN 0-88738-417-X. Table 5A
  34. a b Werner Gruhl, Imperial Japan's World War Two, 1931–1945 Transaction 2007 ISBN 978-0-7658-0352-8 p. 85
  35. a b c Ho Ping-ti. Studies on the Population of China, 1368–1953. Cambridge: Harvard University Press, 1959. p. 252
  36. Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000 (2nd ed.; 2002); ISBN 0-7864-1204-6, p. 540
  37. a b Waller Wynne, Population of Czechoslovakia. (International Population Statistics Reports series P-90, No. 3). U.S. Dept. of Commerce) Washington 1953. p. 43 – The U.S. Commerce Dept. Census Bureau cited the following source for the population at 1/1/1939 for Czechoslovakia, State Statistical Office, Statistical Bulletin of Czechoslovakia, v. II (1947) no. 4, Prague p. 57
  38. a b c d Vadim Erlikman. Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow 2004; ISBN 5-93165-107-1, p. 54
  39. a b c d e f Urlanis, Boris (1971). Wars and Population. Moscow Page 294
  40. a b «Hvor mange dræbte danskere?». Danish Ministry of Education. 11 de março de 2005. Consultado em 4 de março de 2016 
  41. Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts: A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000 (2nd ed.; 2002); ISBN 0-7864-1204-6, p. 557 (2.500 mortos em campanha de 1942)
  42. Van Waterford. Prisoners of the Japanese in World War II, McFarland & Company, 1994; ISBN 0899508936, p. 144 (8.500 mortes de prisioneiros de guerra neerlandeses)
  43. John W. Dower. War Without Mercy 1986; ISBN 0-394-75172-8, p. 296 (300.000 trabalhadores forçados)
  44. a b Pierre van der Eng. (2008) "Food Supply in Java during War and Decolonisation, 1940–1950", MPRA Paper No. 8852, pp. 35–38. http://mpra.ub.uni-muenchen.de/8852/
  45. a b c John W. Dower. War Without Mercy, 1986; ISBN 0-394-75172-8, pp. 295–96
  46. Heike Liebau et al., World in World Wars: Experiences, Perceptions, and Perspectives from Africa and Asia. Studies in Global Social History, 2010), p. 227.
  47. Estonian State Commission on Examination of Policies of Repression;The White Book: Losses inflicted on the Estonian nation by occupation regimes. 1940–1991 Tallinn 2005. ISBN 9985-70-195-X, p. 38, Table 2 (24.000 mobilizados pela União Soviética e 10.000 com os alemães)
  48. a b c Estonian State Commission on Examination of Policies of Repression;The White Book: Losses inflicted on the Estonian nation by occupation regimes. 1940–1991 Tallinn 2005. ISBN 9985-70-195-X, p. 38, Table 2
  49. a b c Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000 (2nd ed.; 2002); ISBN 0-7864-1204-6, p. 491
  50. a b National Defence College (1994), Jatkosodan historia 6, Porvoo; ISBN 951-0-15332-X
  51. a b «Finnish National Archives». Kronos.narc.fi. Consultado em 4 de março de 2016 
  52. a b c d e f g h Gregory Frumkin. Population Changes in Europe Since 1939, Geneva 1951. pp. 58–59
  53. a b Gunn, Geoffrey (2011) "The Great Vietnamese Famine of 1944–45 Revisited", The Asia-Pacific Journal, 9(5), no 4, January 31, 2011. http://www.japanfocus.org/-Geoffrey-Gunn/3483
  54. a b c d e Marschalck, Peter. Bevölkerungsgeschichte Deutschlands im 19. und 20. Jahrhundert, Suhrkamp 1984 p.149
  55. a b The Statistisches Jahrbuch für die Bundesrepublik Deutschland 1960, p. 78
  56. a b c d e f g h i Rüdiger Overmans. Deutsche militärische Verluste im Zweiten Weltkrieg. Oldenbourg 2000; ISBN 3-486-56531-1, pp. 228–32.
  57. Overmans. Deutsche militärische Verluste im Zweiten Weltkrieg p. 228 – Overmans puts total German military dead at 5,318,000
  58. a b c d «Council for Reparations from Germany, Black Book of the Occupation (in Greek and German), Athens 2006, p. 126» (PDF). Consultado em 4 de março de 2016. Arquivado do original (PDF) em 31 de março de 2014 
  59. a b Baranowski, Shelley (2010). Nazi Empire: German colonialism and imperialism from Bismarck to Hitler. Cambridge: Cambridge University Press. p. 273; ISBN 978-0-521-67408-9.
  60. a b c d e f g h i j k l «Population Statistics». Library.uu.nl. Consultado em 4 de março de 2016 
  61. a b «ASSESSING THE GUAM WAR CLAIMS PROCESS, COMMITTEE ON ARMED SERVICES U.S. HOUSE OF REPRESENTATIVES Dec. 12, 2009». Consultado em 4 de março de 2016 
  62. a b c Werner Gruhl, Imperial Japan's World War Two, 1931–1945, Transaction 2007; ISBN 978-0-7658-0352-8, p. 102
  63. a b Támas Stark. Hungary's Human Losses in World War II. Uppsala Univ. 1995 ISBN 91-86624-21-0 p.33
  64. a b c d Támas Stark. Hungary’s Human Losses in World War II. Uppsala Univ. 1995 ISBN 91-86624-21-0 p.59
  65. a b c d e f g «Population Statistics». Library.uu.nl. Consultado em 24 de junho de 2015 
  66. a b «Hve margir Íslendingar dóu í seinni heimsstyrjöldinni?». Visindavefur.hi.is. 14 de junho de 2005. Consultado em 23 de junho de 2015 
  67. a b c d e «Commonwealth War Graves Commission Annual Report 2014-2015 p. 38». Commonwealth War Graves Commission. Commonwealth War Graves Commission. Consultado em 24 de maio de 2016  Os números incluem enterros identificados e homenageados pelo nome em memoriais.
  68. a b Ó Gráda, Cormac (2007). «Making Famine History». Journal of Economic Literature (Submitted manuscript). 45 (1): 5–38. JSTOR 27646746. doi:10.1257/jel.45.1.5. hdl:10197/492  – p. 19
  69. Devereux, Stephen (2000). «Famine in the twentieth century» (PDF). Brighton: Institute of Development Studies. IDS Working Paper 105: 6 
  70. a b c d «Population Statistics». Library.uu.nl. Consultado em 24 de junho de 2015 
  71. a b c d Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000. 2nd ed. 2002 ISBN 0-7864-1204-6. p. 498
  72. a b «Farhud». U.S. Holocaust Museum. Consultado em 30 de julho de 2011 
  73. «Population Statistics». Library.uu.nl. Consultado em 24 de junho de 2015 
  74. «In service to their country: Moving tales of Irishmen who fought in WWII». irishexaminer.com. 28 de agosto de 2015. Consultado em 14 de junho de 2019 
  75. a b «Bombing Incidents in Ireland during the Emergency 1939–1945». Csn.ul.ie. Consultado em 4 de março de 2016 
  76. «Population Statistics». Library.uu.nl. Consultado em 4 de março de 2016 
  77. the Ufficio dell'Albo d'Oro of the Italian Ministry of Defence.
  78. (Rovighi, Alberto (1988), Le Operazioni in Africa Orientale: (giugno 1940 – novembre 1941)
  79. (USSME, La prima offensiva Britannica in Africa Settentrionale, tomo I, allegato 32 (page 375))
  80. Roma:Instituto Centrale Statistica. Morti E Dispersi Per Cause Belliche Negli Anni 1940–45, Rome, 1957
  81. Ufficio Storico dello Stato Maggiore dell'Esercito
  82. a b c «Population Statistics». Library.uu.nl. Consultado em 4 de março de 2016 
  83. John W. Dower. War Without Mercy, 1986; ISBN 0-394-75172-8, pp. 297–99 (includes 1,740,995 dead 1937–45 and 380,000 surrendered Japanese who were unaccounted for after the war)
  84. Ishikida, Miki (2005). Toward Peace: War Responsibility, Postwar Compensation, and Peace Movements and Education in Japan. Universe, Inc. (July 13, 2005). p. 30. (figures of Japanese Ministry of Health and Welfare)
  85. John W. Dower. War Without Mercy, 1986 ISBN 0-394-75172-8, pp. 297–99 (including air raid dead and Japanese civilians killed on Siapan and Okinawa,)
  86. Ishikida, Miki (2005). Toward Peace: War Responsibility, Postwar Compensation, and Peace Movements and Education in Japan. iUniverse, Inc. (July 13, 2005). p. 30(500,000 civilians in Japan and 300,000 overseas, figures of Japanese Ministry of Health and Welfare)
  87. John W. Dower. War Without Mercy, 1986; ISBN 0-394-75172-8, p. 299 (According to Dower, Japanese war dead are "at least 2.5 million")
  88. Ishikida, Miki (2005). Toward Peace: War Responsibility, Postwar Compensation, and Peace Movements and Education in Japan. Universe, Inc. (July 13, 2005). p. 30 (figures of Japanese Ministry of Health and Welfare)
  89. R. J. Rumell, Statistics of democide Table 3.1
  90. Werner Gruhl, Imperial Japan's World War Two, 1931–1945 Transaction 2007; ISBN 978-0-7658-0352-8, p. 19
  91. Vadim Erlikman. Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow 2004; ISBN 5-93165-107-1, p. 28 footnotes 6&7 (Killed: 10,000 with Soviets and 15,000 with Germans; 3,000 POW deaths,2,000 partisans)
  92. a b Vadim Erlikman. Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow 2004; ISBN 5-93165-107-1, p. 28
  93. Vadim Erlikman. Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow 2004; ISBN 5-93165-107-1, p. 29, footnote 5&6 (Killed: 15,000 with Soviets and 5,000 with Germans. POW deaths 4,000, 1,000 partisans)
  94. a b Vadim Erlikman. Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow 2004; ISBN 5-93165-107-1, p. 29
  95. John W. Dower. War Without Mercy, (1986); ISBN 0-394-75172-8, p. 296
  96. a b c Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000 (2nd ed; 2002); ISBN 0-7864-1204-6.p.492
  97. a b Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000. 2nd ed. 2002; ISBN 0-7864-1204-6. p. 540
  98. «Population Statistics». Library.uu.nl. Consultado em 24 de junho de 2015 
  99. a b Vadim Erlikman. Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow 2004; ISBN 5-93165-107-1, p. 74
  100. a b «United States State Department Background notes Nauru». State.gov. Consultado em 4 de março de 2016 
  101. a b c d «Central Bureau of Statistics (CBS) Netherlands» (PDF). Consultado em 4 de março de 2016 
  102. «Population Statistics». Library.uu.nl. Consultado em 4 de março de 2016  1945 population
  103. a b Higgins, Jenny (2007). «Newfoundlanders and Labradorians in WWII». Heritage Newfoundland & Labrador. Consultado em 23 de fevereiro de 2017 
  104. a b «Sinking of the Caribou». www.heritage.nf.ca 
  105. a b «Auckland War Museum, World War Two Hall of Memories». Consultado em 4 de março de 2016 
  106. a b c d e Gregory Frumkin. Population Changes in Europe Since 1939, Geneva 1951. pp. 112–14
  107. a b Bjij, V. Lal and Kate Fortune. The Pacific Islands – An Encyclopedia, p. 244
  108. «Census of Population and Housing». Consultado em 6 de outubro de 2016. Arquivado do original em 11 de outubro de 2016 
  109. a b Clodfelter, Micheal (2002). Warfare and Armed Conflicts: A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000. [S.l.]: McFarland & Company. p. 566. ISBN 9780786412044 
  110. a b c Werner Gruhl, Imperial Japan's World War Two, 1931–1945 Transaction 2007 ISBN 978-0-7658-0352-8, pp. 143-44
  111. U.S. Bureau of the Census The Population of Poland Ed. W. Parker Mauldin, Washington, D.C., 1954 p. 103 (population on 1/1/1939)
  112. Gniazdowski, Mateusz. Losses Inflicted on Poland by Germany during World War II. Assessments and Estimates—an Outline The Polish Quarterly of International Affairs, 2007, (140,000 Regular forces and 100,000 resistance fighters)
  113. Wojciech Materski and Tomasz Szarota. Polska 1939–1945. Straty osobowe i ofiary represji pod dwiema okupacjami. Institute of National Remembrance (IPN) Warszawa 2009 ISBN 978-83-7629-067-6, p. 9
  114. Wojciech Materski and Tomasz Szarota. Polska 1939–1945. Straty osobowe i ofiary represji pod dwiema okupacjami. Institute of National Remembrance (IPN) Warszawa 2009 ISBN 978-83-7629-067-6, p. 9
  115. Czesław Łuczak Polska i Polacy w drugiej wojnie światowej (Poland and Poles in the Second World War).Styczeń 1993; ISBN 83-232-0511-6, p. 683
  116. Czesław Łuczak Polska i Polacy w drugiej wojnie światowej (Poland and Poles in the Second World War), Styczeń 1993; ISBN 83-232-0511-6, p. 683
  117. a b c «Department of Defence (Australia), 2002, "A Short History of East Timor"». Consultado em 3 de janeiro de 2007. Arquivado do original em 3 de janeiro de 2006 
  118. Mark Axworthy. Third Axis Fourth Ally. Arms and Armour 1995; ISBN 1-85409-267-7, p. 216
  119. League of Nations Yearbook 1942 p.14
  120. a b Belgian 1946 estimate, cited in Singiza, Dantès (2011). La Famine Ruzagayura (Rwanda, 1943–1944): causes, Conséquences et réactions des autorités (PDF). Teveuren: Royal Museum of Central Africa. pp. 92–3 
  121. a b United Nations 1948 estimate, cited in Singiza, Dantès (2011). La Famine Ruzagayura (Rwanda, 1943–1944): causes, Conséquences et réactions des autorités (PDF). Teveuren: Royal Museum of Central Africa. p. 94 
  122. League of Nations Yearbook 1942 p.22
  123. John W. Dower. War Without Mercy, 1986 ISBN 0-394-75172-8 p. 29 (10.000 civis mortos em Saipan)
  124. Andreev, EM, et al., Naselenie Sovetskogo Soiuza, 1922–1991. Moscow, Nauka, 1993; ISBN 978-5-02-013479-9, pp. 52-53 (a população de 1939 foi ajustada por Andreev para refletir as transferências populacionais em 1939-1945.)
  125. R. W. Davies (1994). Economic Transformation of the Soviet Union, 1913–1945. [S.l.]: Cambridge University Press 2005. p. 77. ISBN 978-0521457705  1939 population 188.8 million (168.5 in pre-war territory and 20.3 in annexed territories)
  126. Andreev EM; Darsky LE; Kharkova TL, Population dynamics: consequences of regular and irregular changes. in Demographic Trends and Patterns in the Soviet Union Before 1991. Routledge. 1993; ISBN 0415101948 p.429. (População de 1939, incluindo territórios anexos, 188.794.000)
  127. G. F. Krivosheyev (1993) "Soviet Armed Forces Losses in Wars, Combat Operations and Military Conflicts: A Statistical Study". Military Publishing House Moscow. (Translated by U.S. government) p.121 Retrieved March 18, 2018.
  128. Krivosheev, G. F., ed. (1997). Soviet Casualties and Combat Losses in the Twentieth Century. London: Greenhill Books. ISBN 1-85367-280-7. page 85 (8.8668.000, incluindo 1.283.000 prisioneiros de guerra e 500.000 desaparecidos)
  129. «Michael Ellman and S. Maksudov, Soviet Deaths in the Great Patriotic War:a note-World War II- Europe Asia Studies, July 1994» (PDF). Consultado em 28 de junho de 2015  (8.8668.000, incluindo 1.783.000 de prisioneiros de guerra e desaparecidos)
  130. Hartmann, Christian (2013). Operation Barbarossa: Nazi Germany's War in the East, 1941–1945. Oxford: Oxford University Press. p. 157. ISBN 978-0-19-966078-0  11.4 million
  131. Ian Dear (1995). Oxford Companion to World War II. [S.l.]: Oxford University Press 1995. p. 290. ISBN 978-0198662259  Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda) (10 milhões de mortos militares)
  132. Vadim Erlikman. Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow 2004; ISBN 5-93165-107-1, pp. 20-21 (10.600.000, incluindo 2.600.000 de prisioneiros de guerra)
  133. S. N. Mikhalev, Liudskie poteri v Velikoi Otechestvennoi voine 1941–1945 gg: Statisticheskoe issledovanie, Krasnoiarskii gos. pedagog. universitet, 2000; ISBN 978-5-85981-082-6, pp. 18–21. S. N. Mikhalev, Human Losses in the Great Patriotic War 1941–1945: A Statistical Investigation; Krasnoyarsk State Pedagogical University (in Russian) (10.922.000 no total de mortos e desaparecidos)
  134. a b Zemskov, Viktor. «The extent of human losses USSR in the Great Patriotic War (in Russian)». demoscope.ru # 559-60, July 2013. Consultado em 11 de julho de 2017 
  135. Ian Dear (1995). Oxford Companion to World War II. [S.l.]: Oxford University Press 1995. pp. 290. ISBN 978-0198662259  Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda) (10.000.000 de civis mortos)
  136. Vadim Erlikman. Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow 2004; ISBN 5-93165-107-1, pp. 20-21 (10.000.000)
  137. Российская академия наук (Russian Academy of Sciences). Людские потери СССР в период второй мировой войны: сборник статей -Human Losses of the USSR in the Period of WWII: Collection of Articles. Saint-Petersburg, 1995; ISBN 978-5-86789-023-0 pp. 124–27 (10.242.000, incluindo 7.420.000 mortos por atos intencionais de violência, 2.164.000 como trabalho forçado na Alemanha e 658.000 no cerco a Leningrado)
  138. Andreev EM; Darsky LE; Kharkova TL, Population dynamics: consequences of regular and irregular changes. in Demographic Trends and Patterns in the Soviet Union Before 1991. Routledge. 1993; ISBN 0415101948 p.429.
  139. Российская академия наук (Russian Academy of Sciences). Людские потери СССР в период второй мировой войны: сборник статей -Human Losses of the USSR in the Period of WWII: Collection of Articles. Saint-Petersburg, 1995. ISBN 978-5-86789-023-0 Pages 127 and 158 (6.600.000 a 7.100.000 de mortes por fome e doença, incluindo 4.100.000 na União Soviética ocupada na Alemanha e 2.500.000 a 3.200.000 de mortes em área não ocupada pela Alemanha)
  140. Vadim Erlikman. Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow 2004; ISBN 5-93165-107-1, p. 20-21 (5.500.000 de mortes por doenças e fome e repressão 1.400.000 de mortes (200.000 executadas, 1.200.000 de mortes em Gulag e assentamentos especiais)
  141. Zemskov, Viktor. «The extent of human losses USSR in the Great Patriotic War(in Russian)». demoscope.ru # 559-60, July 2013. Consultado em 11 de julho de 2017  Viktor Zemskov maintains that the figure of 27 million total war dead includes about 7 million deaths due to natural causes based on the mortality rate that prevailed before the war
  142. Andreev EM; Darsky LE; Kharkova TL, Population dynamics: consequences of regular and irregular changes. in Demographic Trends and Patterns in the Soviet Union Before 1991. Routledge. 1993. ISBN 0415101948 pp. 434–436 (26.6 million war dead includes a decline in natural deaths of 3.0 million and a 1.3 million increase in infant mortality)
  143. Vadim Erlikman. Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow 2004; ISBN 5-93165-107-1, p. 20-21 (26.500.000)
  144. R. W. Davies (1994). Economic Transformation of the Soviet Union, 1913–1945. [S.l.]: Cambridge University Press 2005. pp. 77–79. ISBN 978-0521457705  Total losses of 26.6 million out of a 1939 population of 188.8 million, which included 20.3 million annexed territories
  145. Michael Haynes, Counting Soviet Deaths in the Great Patriotic War: a Note Europe Asia Studies Vol.55, No. 2, 2003, 300–309 (26.600.000)
  146. «Michael Ellman and S. Maksudov, Soviet Deaths in the Great Patriotic War:a note-World War II- Europe Asia Studies, July 1994» (PDF). Consultado em 28 de junho de 2015  (26 a 27 milhões)
  147. a b «Swedish Volunteer Corps». Svenskafrivilliga.com. Consultado em 16 de junho de 2011 
  148. Lennart Lundberg Handelsflottan under andra världskriget p.9
  149. Aerospace Power Journal. Summer 2000. The Diplomacy of Apology: U.S. Bombings of Switzerland during World War II by Jonathan E. Helmreich
  150. «Population Statistics». Library.uu.nl. Consultado em 24 de junho de 2015 
  151. a b Eiji Murashima, "The Commemorative Character of Thai Historiography: The 1942–43 Thai Military Campaign in the Shan States Depicted as a Story of National Salvation and the Restoration of Thai Independence" Modern Asian Studies, v40, n4 (2006) pp. 1053–1096, p1057n:
  152. a b «SS_Refah, Graces Guide». Consultado em 23 de junho de 2015 
  153. Jan Lahmeyer. «The UNITED KINGDOM : country population». www.populstat.info. Consultado em 5 de março de 2019 
  154. Commonwealth War Graves Commission (12 de abril de 2015). «Annual Report 2014-2015». issuu. p. 39. Consultado em 5 de março de 2019  Table: 'Breakdown of War Dead by Forces'. Figures include identified burials as and those commemorated by name on memorials attributed to the United Kingdom.
  155. «Civilian War Dead Roll of Honour 1939 - 1945». Westminster Abbey (em inglês). Consultado em 5 de março de 2019  In 2017, "several hundred" new names were added which are not part of this statistic.
  156. Commonwealth War Graves Commission (11 de maio de 2014). «Annual Report 2013-2014». issuu. p. 43. Consultado em 5 de março de 2019  References the War Dead Roll of Honour. Figures include civilians killed in the Battle of Britain, Siege of Malta (World War II), and civilians interned by enemy nations.
  157. «Population Statistics». Library.uu.nl. Consultado em 24 de junho de 2015 
  158. Gregory Frumkin. Population Changes in Europe Since 1939, Geneva 1951. 156
  159. a b c d I. C. B. Dear and M. R. D. Foot Oxford Companion to World War II Oxford, 2005; ISBN 0-19-280670-X, p. 290
  160. a b c d e f g h i j Tomasevich, Jozo. War and Revolution in Yugoslavia, 1941–1945: Occupation and Collaboration. Stanford: Stanford University Press, 2001. ISBN 0-8047-3615-4 In Cap.17 Alleged and True Population Losses there is a detailed account of the controversies related to Yugoslav war losses (pp. 744–50)
  161. a b c d e f g h i Statistisches Jahrbuch für die Bundesrepublik Deutschland 1960 Bonn 1961 p.78 (available online at https://www.digizeitschriften.de/de/openaccess)
  162. "Austria facts and Figures Page 44">Austria facts and Figures p. 44
  163. a b c «Bundeskanzleramt der Republik Österreich - Startseite - Bundeskanzleramt Österreich». www.bundeskanzleramt.gv.at 
  164. Imagem:DR1937.1.png
  165. a b c Richard Overy, The Bombers and the Bombed: Allied Air War Over Europe 1940–1945 (2013) pp. 304–7 (Overy observou que "Sem dúvida, isso não inclui todos aqueles que foram mortos ou morreram por ferimentos, mas inclui pessoal uniformizado, prisioneiros de guerra e trabalhadores estrangeiros, e se aplica à região da Grande Alemanha". Usando os dados do United States Strategic Bombing Survey, Overy calculou um número médio mensal de mortes de 18.777, de setembro de 1944 a janeiro de 1945, considerando essa média mensal que ele estimou as perdas de 57.000 de fevereiro a abril de 1945, às quais acrescenta 25.000 mortos em Dresden, totalizando 82.000 mortes de fevereiro a abril de 1945. As cifras até o final de janeiro de 1945 de 271.000 e as 82.000 de fevereiro a abril de 1945 dão um número total de 353.000 mortes por guerra aérea. Overy resume: "A reconstrução detalhada das mortes causadas pelo bombardeio da Força Aérea Real Britânica de fevereiro a maio de 1945, embora incompleta, sugere um total de pelo menos 57.000. Se presume que as baixas infligidas pelas forças aéreas americanas são menores, uma vez que o bombardeio foi menos claramente direcionado às cidades, um número total de mortos de 82.000 é novamente estatisticamente realista. Na ausência de evidência estatística inequívoca, o número de 353.000 fornece uma escala aproximada consistente com a evidência".)
  166. Wirtschaft und Statistik October 1956
  167. Germany reports. With an introd. by Konrad Adenauer. Germany (West). Presse- und Informationsamt. Wiesbaden, Distribution: F. Steiner, 1961] pp. 31–33 (o número inclui 170.000 de judeus alemães). O governo da Alemanha Ocidental não listou vítimas de eutanásia junto com os mortos da guerra.
  168. a b c Relatórios da Alemanha. Com uma introdução de Konrad Adenauer. Alemanha (Ocidental). Presse- und Informationsamt. Wiesbaden, Distribution: F. Steiner, 1961] pp. 31–33 (eles dão o número de 300.000 mortes alemãs devido a perseguição racial, religiosa e política, incluindo 170.000 judeus. Os números não incluem o programa de eutanásia nazista).
  169. a b Bundesarchiv Euthanasie" im Nationalsozialismus Arquivado em 2013-10-21 no Wayback Machine. 2003 report by German Federal Archive puts the dead toll in the Nazi euthanasia program at over 200,000
  170. German Federal Archive, Siegel, Silke Vertreibung und Vertreibungsverbrechen 1945–1948. Bericht des Bundesarchivs vom 28. Mai 1974. Archivalien und ausgewählte Erlebnisberichte. Bonn 1989 P.41 (100.000 durante guerra aérea; 200.000 na União Soviética como trabalho forçado e 100.000 em campos de internamento)
  171. a b Wirtschaft und Statistik October 1956, Journal published by Statistisches Bundesamt Deutschland. (Serviço de Estatística do governo alemão)
  172. Rüdiger Overmans. Deutsche militärische Verluste im Zweiten Weltkrieg. Oldenbourg 2000. ISBN 3-486-56531-1 p.228(Overmans uses the German description "Deutsche nach Abstammung" German according to ancestry
  173. Statistisches Jahrbuch für die Bundesrepublik Deutschland 1960 Bonn 1961 p. 79 (available online at https://www.digizeitschriften.de/de/openaccess)
  174. a b German Federal Archive, Siegel, Silke Vertreibung und Vertreibungsverbrechen 1945–1948. Bericht des Bundesarchivs vom 28. Mai 1974. Archivalien und ausgewählte Erlebnisberichte. Bonn 1989 P.53 (38.000 durante guerra aérea; 5.000 na União Soviética como trabalho forçado e 160.000 em campos de internamento)
  175. Statistisches Jahrbuch für die Bundesrepublik Deutschland 1960 Bonn 1961 p.79 (available online at https://www.digizeitschriften.de/de/openaccess)
  176. a b The Statistisches Jahrbuch für die Bundesrepublik Deutschland 1960, pp. 78–79
  177. Rüdiger Overmans. Deutsche militärische Verluste im Zweiten Weltkrieg. Oldenbourg 2000. ISBN 3-486-56531-1 Page 333
  178. a b The Statistisches Jahrbuch für die Bundesrepublik Deutschland 1960, Page 78
  179. a b "Austria facts and Figures Page 44">Austria facts and Figures p. 44 O governo austríaco estima em 100.000 vítimas de perseguição nazista, incluindo 65.000 judeus.
  180. German Federal Archive, Siegel, Silke Vertreibung und Vertreibungsverbrechen 1945–1948. Bericht des Bundesarchivs vom 28. Mai 1974. Archivalien und ausgewählte Erlebnisberichte. Bonn 1989 pp. 53–54
  181. a b Krivosheev, G. F., ed. (1997). Soviet Casualties and Combat Losses in the Twentieth Century. London: Greenhill Books. ISBN 1-85367-280-7. page 278
  182. a b c Andreev, EM, et al., Naselenie Sovetskogo Soiuza, 1922–1991. Moscow, Nauka, 1993; ISBN 978-5-02-013479-9, p.118
  183. «НАСЕЛЕНИЕ Советского Союза 1922–1991» (PDF). Consultado em 10 de maio de 2016 
  184. a b Liudskie poteri SSSR v period vtoroi mirovoi voiny:sbornik statei. Sankt-Peterburg 1995 ISBN 978-5-86789-023-0  pp.82–84
  185. a b Naselenie Rossii v XX Veke: V 3-kh Tomakh: Tom 2. 1940–1959 [The Population of Russia in the 20th century: volume 2]
  186. Zmeskov, Viktor. «Репатриация перемещённых советских граждан (Repatriation of displaced Soviet citizens)». Социологические исследования. 1995. Consultado em 10 de maio de 2017. более чем на 3/4 состояла из «западников» и менее чем на 1/4 — из «восточников» 
  187. S. Maksudov Losses Suffered by the Population of the USSR 1918–1958 The Samizdat register II / edited by Roy Medvedev New York : Norton, 1981. pp.238–240)
  188. Mały Rocznik Statystyczny Polski 1939–1941
  189. Eberhardt, Piotr. «Political Migrations on Polish Territories 1939–1950» (PDF). Consultado em 10 de maio de 2017 
  190. a b c Krystyna Kersten, Szacunek strat osobowych w Polsce Wschodniej. Dzieje Najnowsze Rocznik XXI, 1994 p. 46
  191. Vadim Erlikman. Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow, 2004. ISBN 5-93165-107-1. pp. 21–35.
  192. Sommerville, Donald (2008). The Complete Illustrated History of World War Two: An Authoritative Account of the Deadliest Conflict in Human History with Analysis of Decisive Encounters and Landmark Engagements. Leicester: Lorenz Books. ISBN 978-0-7548-1898-4 
  193. Martin Gilbert. Atlas of the Holocaust 1988 ISBN 0-688-12364-3 pp. 242–244
  194. a b c d e Niewyk, Donald L. The Columbia Guide to the Holocaust, Columbia University Press, 2000; ISBN 0-231-11200-9, p. 421.
  195. Wojciech Materski and Tomasz Szarota. Polska 1939–1945. Straty osobowe i ofiary represji pod dwiema okupacjami Institute of National Remembrance (IPN) Warszawa 2009; ISBN 978-83-7629-067-6 p. 32
  196. a b c Raul Hilberg, The Destruction of the European Jews New Viewpoints 1973 p. 767.
  197. Yad Vashem The Shoah Victims' Names Recovery Project
  198. a b Como a República Checa como entidade política existe apenas desde 1969/1993, esse nome político representa parte checa (terras checas, durante a guerra dividida no chamado Protetorado da Boêmia e Morávia e Região dos Sudetas) da Checoslováquia então ocupada.
  199. «File:Hungary in 1941 with territories annexed in 1938-1941.png». Wikimedia Commons. Setembro de 2010. Consultado em 15 de junho de 2011 
  200. a b Martin Gilbert. Atlas of the Holocaust 1988 ISBN 0-688-12364-3 pp. 23
  201. «File:TeritorialGainsHungary1920-41.svg». Wikimedia Commons. 22 de abril de 2012. Consultado em 12 de abril de 2019 
  202. a b Martin Gilbert. Atlas of the Holocaust, 1988 ISBN 0-688-12364-3 pp. 184, 244
  203. Raul Hilberg, The Destruction of the European Jews, Franklin Watts 1961, p. 379.
  204. «De vervolging van gemengd-gehuwde joden in Nederland Teruggefloten door Hitler». Consultado em 13 de setembro de 2016 
  205. a b c d Martin Gilbert. Atlas of the Holocaust 1988; ISBN 0-688-12364-3 p. 244
  206. Mapa pós-guerra da Romênia
  207. a b Martin Gilbert. Atlas of the Holocaust, 1988; ISBN 0-688-12364-3, p. 244
  208. A Mosaic of Victims: Non-Jews Persecuted and Murdered by the Nazis. Ed. by Michael Berenbaum New York University Press 1990; ISBN 1-85043-251-1
  209. «United States Holocaust Memorial Museum. Holocaust Encyclopedia "Mosaic of Victims: Overview"». Ushmm.org. 6 de janeiro de 2011. Consultado em 4 de março de 2016 
  210. a b Niewyk, Donald L. The Columbia Guide to the Holocaust, Columbia University Press, 2000; ISBN 0-231-11200-9 Google Books
  211. «Florida Center for Instructional Technology, College of Education, University of South Florida, A Teachers Guide to the Holocaust». Fcit.usf.edu. Consultado em 4 de março de 2016 
  212. a b c d R. J. Rummel. Democide Nazi Genocide and Mass Murder. Transaction 1992; ISBN 1-56000-004-X, p. 13
  213. Timothy Snyder, Bloodlands, Basic Books 2010, pp. 411–12
  214. Hellmuth Auerbach: Opfer der nationalsozialistischen Gewaltherrschaft. In: Wolfgang Benz (Hg.): Legenden, Lügen, Vorurteile. Ein Wörterbuch zur Zeitgeschichte. Dtv, Neuauflage 1992, ISBN 3-423-04666-X, Page. 161.
  215. Dieter Pohl, Verfolgung und Massenmord in der NS-Zeit 1933–1945, WBG (Wissenschaftliche Buchgesellschaft), 2003; ISBN 3534151585, p. 153
  216. «United States Holocaust Memorial Museum's Holocaust Encyclopedia: "Genocide of European Roma, 1939–1945"». Ushmm.org. Consultado em 4 de março de 2016 
  217. Hanock, Ian. "Romanies and the Holocaust: A Reevaluation and an Overview" Arquivado em 2013-06-06 no Wayback Machine. Stone, D. (ed.) (2004) The Historiography of the Holocaust. Palgrave, Basingstoke and New York.
  218. Hancock, Ian. Jewish Responses to the Porajmos – The Romani Holocaust, Center for Holocaust and Genocide Studies, University of Minnesota.
  219. Danger! Educated Gypsy, p. 243, University of Hertfordshire Press, 2010
  220. «Documenting Numbers of Victims of the Holocaust and Nazi Persecution» 
  221. Niewyk, Donald L. and Francis Nicosia. The Columbia Guide to the Holocaust, Columbia University Press, 2000; ISBN 0-231-11200-9, p. 422.
  222. United States Holocaust Memorial Museum. Mentally and Physically Handicapped: Victims of the Nazi Era Arquivado em 2012-07-18 no Wayback Machine.
  223. Bundesarchiv: Euthanasie-Verbrechen 1939–1945 (Quellen zur Geschichte der "Euthanasie"-Verbrechen 1939–1945 in deutschen und österreichischen Archiven. Ein Inventar. Einführung von Harald Jenner)
  224. Quellen zur Geschichte der "Euthanasie"-Verbrechen 1939–1945 in deutschen und österreichischen Archiven. Ein Inventar [2]
  225. R. J. Rummel. Democide Nazi Genocide and Mass Murder. Transaction 1992 ISBN 1-56000-004-X. Table A
  226. «United States Holocaust Memorial Museum. Holocaust Encyclopedia "Nazi Persecution of Soviet Prisoners of War"». Ushmm.org. Consultado em 4 de março de 2016 
  227. «POLISH VICTIMS». United States Holocaust Memorial Museum, Washington, DC 
  228. «Polish Resistance and Conclusions». United States Holocaust Memorial Museum, Washington, DC 
  229. "Tomasz Szarota 1945">Wojciech Materski and Tomasz Szarota. Polska 1939–1945. Straty osobowe i ofiary represji pod dwiema okupacjami. Institute of National Remembrance (IPN) Warszawa 2009 ISBN 978-83-7629-067-6 page 32. Foreword by Janusz Kurtyka. (Digital copy: Internet Archive Wayback Machine)
  230. «United States Holocaust Memorial Museum's Holocaust Encyclopedia: "The German Army and the Racial Nature of the War Against the Soviet Union"». Ushmm.org. Consultado em 4 de março de 2016 
  231. Rossiiskaia Akademiia nauk. Liudskie poteri SSSR v period vtoroi mirovoi voiny: sbornik statei. Sankt-Peterburg 1995; ISBN 5-86789-023-6. M.V. Philimoshin of the War Ministry of the Russian Federation About the results of calculation of losses among the civilian population of the USSR and Russian Federation 1941–1945, pp. 124–31 (em russo; essas perdas são para todo o território da União Soviética em 1941, incluindo os territórios poloneses anexados em 1939 a 1940).
  232. Perrie, Maureen (2006), The Cambridge History of Russia: The twentieth century, Cambridge University Press (2006), pp. 225–27; ISBN 0-521-81144-9
  233. Bohdan Wytwycky,The Other Holocaust: Many Circles of Hell The Novak Report, 1980
  234. Niewyk, Donald L. (2000) The Columbia Guide to the Holocaust, Columbia University Press, 2000; ISBN 0-231-11200-9, p. 49
  235. Magocsi, Paul Robert (1996). A History of Ukraine. [S.l.]: University of Toronto Press. p. 633. ISBN 9780802078209 
  236. Dieter Pohl, Verfolgung und Massenmord in der NS-Zeit 1933–1945, WBG (Wissenschaftliche Buchgesellschaft), 2003; ISBN 3534151585, pp. 109, 128, 153
  237. Michael Berenbaum (ed.), A Mosaic of Victims: Non-Jews Persecuted and Murdered by the Nazis, New York University Press, 1990; ISBN 1-85043-251-1
  238. Human Losses of the USSR in the Period of WWII: Collection of Articles (In Russian). Saint-Petersburg, 1995; ISBN 5-86789-023-6. M. V. Philimoshin of the War Ministry of the Russian Federation About the results of calculation of losses among civilian population of the USSR and Russian Federation 1941–1945, pp. 124–31.
    O artigo da Academia Russa de Ciências de M. V. Philimoshin baseou esse número em fontes publicadas na era soviética.
  239. «United States Holocaust Memorial Museum's Holocaust Encyclopedia: "Persecution of Homosexuals in the Third Reich"». Ushmm.org. Consultado em 4 de março de 2016 
  240. «United States Holocaust Memorial Museum. Holocaust Encyclopedia "How many Catholics were killed during the Holocaust?"». Ushmm.org. Consultado em 4 de março de 2016. Arquivado do original em 23 de maio de 2014 
  241. «United States Holocaust Memorial Museum. Holocaust Encyclopedia "Jehovah's Witnesses"». Ushmm.org. Consultado em 4 de março de 2016 
  242. United States Holocaust Memorial Museum's Holocaust Encyclopedia: "Freemasonry Under the Nazi Regime", ushmm.org; accessed March 4, 2016.
  243. «United States Holocaust Memorial Museum. Holocaust Encyclopedia "Blacks During the Holocaust"». Ushmm.org. 6 de janeiro de 2011. Consultado em 4 de março de 2016 
  244. «"Non-Jewish Resistance" Holocaust Encyclopedia, United States Holocaust Memorial Museum, Washington, D.C». Ushmm.org. 6 de janeiro de 2011. Consultado em 4 de março de 2016 
  245. "Croatia" profile, Yad Vashem, Shoah Resource Center.
  246. «Jasenovac». United States Holocaust Memorial Museum. Consultado em 7 de abril de 2012 
  247. «Wiesenthal Center: Croatia Must Act To Counter Veneration Of Fascist Ustashe Past | Simon Wiesenthal Center». Consultado em 21 de junho de 2018 
  248. Vladimir Dedijer, History of Yugoslavia, McGraw-Hill Inc. (USA), 1975; ISBN 0-07-016235-2, p. 582
  249. «The German Military and the Holocaust». United States Holocaust Memorial Museum 
  250. Adam Jones (2010), Genocide: A Comprehensive Introduction (2nd ed.), p. 271. – Next to the Jews in Europe, escreveu Alexander Werth, "o maior crime alemão foi, sem dúvida, o extermínio da fome, da exposição e de outras formas [...] dos prisioneiros de guerra russos". No entanto, o assassinato de pelo menos 3.3 milhões de prisioneiros de guerra soviéticos é um dos genocídios modernos menos conhecidos; ainda não há um livro completo sobre o assunto em inglês. Também se destaca como um dos genocídios mais intensivos de todos os tempos: "um Holocausto que devorou milhões", como reconhece Catherine Merridale. A grande maioria dos prisioneiros de guerra, cerca de 2.8 milhões, foi morta em apenas oito meses de 1941 a 1942, uma taxa de abate correspondida (ao meu conhecimento) apenas ao genocídio de 1994 em Ruanda".
  251. R. J. Rummel. Statistics of democide: Genocide and Mass Murder since 1900 Transaction 1998 ISBN 3-8258-4010-7 [3]
  252. a b Werner Gruhl, Imperial Japan's World War Two, 1931–1945 Transaction 2007 ISBN 978-0-7658-0352-8 (Werner Gruhl is former chief of NASA's Cost and Economic Analysis Branch with a lifetime interest in the study of the First and Second World Wars.)
  253. «Imperial Japan's World War Two 1931-1945 - Directory». www.japanww2.com. Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  254. a b Ian Dear & MRD Foot, The Oxford Companion to World War II (2001) p. 443
  255. Van Waterford, Prisoners of the Japanese in World War II, McFarland & Co., 1994; ISBN 0-89950-893-6, pp. 141–46 (figures taken from De Japanse Burgenkampen by D. Van Velden
  256. Bernice Archer, The internment of Western civilians under the Japanese, 1941–1945: a patchwork of internment. London, New York: Routledge Curzon, 2004. ISBN 962-209-910-6, p. 5
  257. Rossiiskaia Akademiia nauk. Liudskie poteri SSSR v period vtoroi mirovoi voiny: sbornik statei. Sankt-Peterburg 1995 ISBN 5-86789-023-6 p. 175
  258. Edwin Bacon, Glasnost and the Gulag: New information on Soviet forced labour around World War II. Soviet Studies Vol 44. 1992-6
  259. Pavel Polian, Against Their Will
  260. J. Arch Getty, "Victims of the Soviet Penal System in the Prewar Years: A First Approach on the Basis of Archival Evidence," (with Gabor T. Rittersporn, and V. N. Zemskov), American Historical Review, 98:4, Oct. 1993
  261. J. Arch Getty, Victims of the Soviet Penal System in the Prewar Years: A First Approach on the Basis of Archival Evidence, (with Gabor T. Rittersporn, and V. N. Zemskov), American Historical Review, 98:4, Oct. 1993
  262. Stephen G. Wheatcroft, Victims of Stalinism and the Soviet Secret Police: The Comparability and Reliability of the Archival Data-Not the Last Word Europe-Asia Studies Volume 51, Issue 2, 1999
  263. Robert Conquest, "Excess deaths and camp numbers: Some comments", Soviet Studies Volume 43, Issue 5, 1991
  264. Steven Rosefielde, Red Holocaust, Routledge, 2009; ISBN 0-415-77757-7
  265. Steven Rosefielde. Red Holocaust Routledge, 2009; ISBN 0-415-77757-7, pp. 76–77
  266. Steven Rosefielde Red Holocaust Routledge, 2009; ISBN 0-415-77757-7, p. 59
  267. Steven Rosefielde Red Holocaust Routledge, 2009; ISBN 0-415-77757-7, p 179 (Os números de Rosefielde foram obtidos estimando a população de 1939 a 1945, usando taxas hipotéticas de nascimento e morte; ele então compara essa população estimada em 1945 com a população final real em 1945. A diferença é de 31 milhões de mortes em excesso, das quais 23.4 milhões são atribuídas à guerra e 7.6 milhões à repressão soviética)
  268. Michael Haynes. A Century Of State Murder?: Death and Policy in Twentieth Century Russia, Pluto Press, 2003; ISBN 0745319300, pp. 62–89.
  269. a b Stephane Courtois, The Black Book of Communism: Crimes, Terror, Repression, Harvard Univ Pr, 1999 ISBN 0-674-07608-7 p. 372
  270. a b «Project InPosterum: Poland WWII Casualties». projectinposterum.org 
  271. «Estonian State Commission for the Examination of Repressive Policies Carried out During the Occupations» (PDF). White Book. Consultado em 1 de junho de 2016 
  272. Michael Haynes. A Century Of State Murder?: Death and Policy in Twentieth Century Russia, Pluto Press, 2003; ISBN 0745319300, pp. 214–15.
  273. Pavel Polian, Against Their Will, p. 123
  274. Pavel Polian, Against Their Will, p. 119
  275. Pavel Polian, Against Their Will, pp. 123–57
  276. J. Otto Pohl, The Stalinist Penal System: A History of Soviet Repression and Terror, 1930–1953, McFarland & Company, 1997; ISBN 0-7864-0336-5, p. 133
  277. J. Otto Pohl, The Stalinist Penal System: A History of Soviet Repression and Terror, 1930–1953, McFarland & Company, 1997; ISBN 0-7864-0336-5, p. 148. Os arquivos soviéticos não forneceram os detalhes por ano do número de 309.100 mortes nos assentamentos.
  278. G. F. Krivosheev (2001). Rossiia i SSSR v voinakh XX veka: Poteri vooruzhennykh sil; statisticheskoe issledovanie. [S.l.]: OLMA-Press. pp. Tables 200–203. ISBN 978-5-224-01515-3. Consultado em 4 de março de 2016 
  279. Elliott, Mark, Pawns of Yalta: Soviet Refugees and America's Role in Their Repatriation, University of Illinois Press, 1982; ISBN 0-252-00897-9
  280. a b c d e Rüdiger Overmans. Deutsche militärische Verluste im Zweiten Weltkrieg. Oldenbourg 2000. ISBN 3-486-56531-1 pp. 333–335
  281. a b John W. Dower. War Without Mercy, 1986; ISBN 0-394-75172-8, p. 297
  282. Ellis, John. World War II – A statistical survey Facts on File 1993. ISBN 0-8160-2971-7. p. 254
  283. John W. Dower War Without Mercy 1986; ISBN 0-394-75172-8, p. 363 (De acordo com John W. Dower, "As mortes conhecidas de tropas japonesas que aguardavam repatriamento em mãos aliadas (não soviéticas) foram listadas como 81.090 pelas autoridades dos Estados Unidos; Outros 300.000 prisioneiros japoneses morreram em mãos soviéticas após a rendição")
  284. «Reports of General MacArthurMACARTHUR IN JAPAN:THE OCCUPATION: MILITARY PHASE VOLUME I SUPPLEMENT' U.S. Government printing Office 1966 p. 130 endnote 36». History.army.mil. Consultado em 15 de junho de 2011 
  285. Nimmo, William Behind a curtain of silence: Japanese in Soviet custody, 1945–1956, Greenwood 1989; ISBN 978-0-313-25762-9, pp. 116–18; "O Ministério do Bem-Estar e Relações Exteriores do Japão informou que 347.000 militares e civis estavam mortos ou desaparecidos nas mãos dos soviéticos após a guerra. Os japoneses listam as perdas de 199.000 nos campos de trânsito da Manchúria, 36.000 na Coreia do Norte, 9.000 de Sacalina e 103.000 na União Soviética."
  286. Giuseppe Fioravanzo, La Marina italiana nella seconda guerra mondiale, Volume XXI – L'organizzazione della Marina durante il conflitto, Tomo II: Evoluzione organica dal 10.6.1940 al 8.9.1943, Historical Branch of the Italian Navy, 1975, pp. 346–364
  287. Giorgi, Alessandro (26 de agosto de 2015). Cronaca della Seconda Guerra Mondiale 1939-1945. [S.l.: s.n.] ISBN 9786050408539 
  288. La nostra guerra 1940–1945
  289. Resistenzialismo versus resistenza.
  290. O número de partisans aumentou durante a insurreição no final de abril de 1945.
  291. Bruno Vespa (7 de outubro de 2010). Vincitori e vinti (em italiano). [S.l.]: Edizioni Mondadori. pp. 187–. ISBN 978-88-520-1191-7 
  292. «Italians in WWII». Storiaxxisecolo.it. Consultado em 15 de junho de 2011 
  293. Um grande número de guerrilheiros e membros das forças do RSI eram ex-membros das Forças Armadas do Reino da Itália, aos quais se refere o número de 3.430.000.
  294. «Italian Ministry of Defence, Ufficio dell'Albo d'Oro, 2010» (PDF) 
  295. 600.000 prisioneiros de guerra de Aliados; 50.000 prisioneiros de guerra de russos; 650.000 prisioneiros de guerra alemães [4]
  296. a b G. F. Krivosheev. Soviet Casualties and Combat Losses. Greenhill 1997; ISBN 1-85367-280-7, pp. 51–80
  297. G. F. Krivosheev. Soviet Casualties and Combat Losses. Greenhill 1997; ISBN 1-85367-280-7, pp. 85–87
  298. G. F. Krivosheev. Soviet Casualties and Combat Losses. Greenhill 1997; ISBN 1-85367-280-7, pp. 230–238
  299. a b Vadim Erlikman. Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow 2004; ISBN 5-93165-107-1, pp. 13–14
  300. a b Vadim Erlikman. Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow 2004; ISBN 5-93165-107-1, pp. 20–21
  301. a b c d Strength and Casualties of the Armed Forces and Auxiliary Services of the United Kingdom 1939–1945 HMSO 1946 Cmd.6832
  302. The UK Central Statistical Office Statistical Digest of the War HMSO 1951
  303. a b c d e f g «Congressional Research Report – American War and Military Operations Casualties. Updated February 26, 2010» (PDF). Consultado em 4 de março de 2016 
  304. a b c d e f g h i STATISTICAL AND ACCOUNTING BRANCH OFFICE OF THE ADJUTANT GENERAL (1 de junho de 1953). «Tables "Battle casualties by type of casualty and disposition, type of personnel, and theater: 7 December 1941 – 31 December 1946" through "Battle casualties by type of casualty and disposition, and duty branch: 7 December 1941 – 31 December 1946"». U.S. Army Battle Casualties and Non-battle Deaths in World War II. [S.l.]: U.S Department of the Army. pp. 5–8. Consultado em 11 de janeiro de 2015 – via Combined Arms Research Library Digital Library 
  305. U. S. DEPARTMENT OF VETERANS AFFAIRS, AMERICAN PRISONERS OF WAR (POWs) AND MISSING IN ACTION (MIAs)
  306. a b U.S. DEPARTMENT OF VETERANS AFFAIRS, AMERICAN PRISONERS OF WAR (POWs) AND MISSING IN ACTION (MIAs)
  307. «American Merchant Marine in World War 2». www.usmm.org. Consultado em 21 de junho de 2018 
  308. «US Marine Corps History» (PDF) 
  309. Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000 (2nd Ed.), 2002; ISBN 0-7864-1204-6, p. 584
  310. «History of the USPHS». www.usphs.gov. Consultado em 21 de junho de 2018 
  311. «The Public Health Service Commissioned Corps | Defense Media Network». Defense Media Network. Consultado em 21 de junho de 2018 
  312. «NOAA History /NOAA Legacy/NOAA Corps and the Coast and Geodetic Survey». www.history.noaa.gov. Consultado em 21 de junho de 2018 
  313. U. S. DEPARTMENT OF VETERANS AFFAIRS, AMERICAN PRISONERS OF WAR (POWs) AND MISSING IN ACTION (MIAs) (incl. 14,072 dead while POWs)
  314. a b https://fas.org/man/crs/RL30606.pdf CRS Report for Congress, U.S. Prisoners of War and Civilian American Citizens Captured and Interned by Japan in World War II: The Issue of Compensation by Japan (o número não inclui um adicional de cerca de 19.000 civis internados).
  315. Rüdiger Overmans. Deutsche militärische Verluste im Zweiten Weltkrieg. Oldenbourg, 2000; ISBN 3-486-56531-1, p. 335
  316. Rüdiger Overmans. Deutsche militärische Verluste im Zweiten Weltkrieg, Oldenbourg 2000; ISBN 3-486-56531-1, pp. 236, 239
  317. Rüdiger Overmans. Deutsche militärische Verluste im Zweiten Weltkrieg. Oldenbourg 2000; ISBN 3-486-56531-1, p. 289
  318. Rossiiskaia Akademiia nauk. Liudskie poteri SSSR v period vtoroi mirovoi voiny: sbornik statei. Sankt-Peterburg 1995; ISBN 5-86789-023-6, p. 109
  319. Vadim Erlikman. Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow 2004; ISBN 5-93165-107-1, p. 20
  320. G. F. Krivosheev. Soviet Casualties and Combat Losses. Greenhill, 1997; ISBN 1-85367-280-7, p. 85
  321. a b «G.F. Krivosheev. Rossiia i SSSR v voinakh XX veka: Poteri vooruzhennykh sil; statisticheskoe issledovanie OLMA-Press, 2001; ISBN 5-224-01515-4 Table 176». Lib.ru. Consultado em 4 de março de 2016 
  322. G. F. Krivosheev. Soviet Casualties and Combat Losses. Greenhill 1997; ISBN 1-85367-280-7, pp. 85–86
  323. G. F. Krivosheev. Soviet Casualties and Combat Losses. Greenhill 1997; ISBN 1-85367-280-7, p. 236
  324. G. F. Krivosheev. Soviet Casualties and Combat Losses. Greenhill 1997; ISBN 1-85367-280-7, p. 86
  325. Vadim Erlikman. Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow 2004; ISBN 5-93165-107-1, p. 21
  326. G. F. Krivosheev. Soviet Casualties and Combat Losses. Greenhill 1997; ISBN 1-85367-280-7, p. 91
  327. G.F. Krivosheev. Soviet Casualties and Combat Losses. Greenhill 1997; ISBN 1-85367-280-7 p. 236
  328. Ellis, John. World War II – A statistical survey Facts on File 1993. ISBN 0-8160-2971-7. pp. 253–54
  329. «Commonwealth War Graves Commission Annual Report 2014-2015 p. 38». Commonwealth War Graves Commission. Commonwealth War Graves Commission. Consultado em 24 de maio de 2016  Os números incluem enterros identificados e homenageados pelo nome em memoriais.
  330. Strength and Casualties of the Armed Forces and Auxiliary Services of the United Kingdom 1939–1945 HMSO 1946 Cmd.6832
  331. Grant, Reg. "World War II: Europe", p. 60.
  332. a b UK Central Statistical Office Statistical Digest of the War HMSO 1951.
  333. a b c d e f g The Times on November 30, 1945. The official losses of the Commonwealth and the Colonies were published here
  334. «The 'Debt of Honour Register' from the Commonwealth War Graves Commission». Direct.gov.uk. Consultado em 4 de março de 2016. Arquivado do original em 11 de junho de 2011 
  335. a b c d Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000 (2nd ed.), 2002; ISBN 0-7864-1204-6, pp. 584–91
  336. Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000. 2nd Ed. 2002 ISBN 0-7864-1204-6. p 585
  337. Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000. 2nd Ed. 2002 ISBN 0-7864-1204-6. pp. 584–85
  338. Kara Allison Schubert Carroll, Coming to grips with America: The Japanese American experience in the Southwest. 2011; ISBN 1-2440-3111-9, p. 184
  339. Beaumont, Joan (2001). Australian Defence: Sources and Statistics. Col: The Australian Centenary History of Defence. Volume VI. Melbourne: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-554118-2 
  340. Long, Gavin (1963). The Final Campaigns. Col: Australia in the War of 1939–1945. Series 1 – Army. Canberra: Australian War Memorial 
  341. McKernan, Michael. Strength of a Nation: Six years of Australians fighting for the nation and defending the homefront in World War II, Crows Nest NSW, Allen & Unwin; ISBN 1-74114-714-X, p. 393.
  342. Rűdiger Overmans. Deutsche militärische Verluste im Zweiten Weltkrieg. Oldenbourg 2000; ISBN 3-486-56531-1, p. 335
  343. Gregory Frumkin. Population Changes in Europe Since 1939, Geneva 1951, pp. 44–45
  344. Rűdiger Overmans. Deutsche militärische Verluste im Zweiten Weltkrieg. Oldenbourg 2000; ISBN 3-486-56531-1, p. 230
  345. Ellis, John. World War II – A statistical survey Facts on File 1993; ISBN 0-8160-2971-7, p. 255
  346. Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts: A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000. 2nd ed. 2002; ISBN 0-7864-1204-6, p. 582
  347. Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts: A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000. 2nd ed. 2002; ISBN 0-7864-1204-6, p. 512
  348. a b Vadim Erlikman. Poteri narodonaseleniia v XX veke: spravochnik. Moscow 2004; ISBN 5-93165-107-1, pp. 38–39
  349. Werner Gruhl, Imperial Japan's World War Two, 1931–1945 Transaction 2007; ISBN 978-0-7658-0352-8, p. 112
  350. «Service Files of the Second World War – War Dead, 1939–1947». Library and Archived Canada. 26 de março de 2013. Consultado em 4 de julho de 2016 
  351. The Times on November 30, 1945. The official losses of the Commonwealth and the Colonies were published here.
  352. Rana Mitter, Forgotten Ally: China's World War II, 1937–1945 Houghton Mifflin Harcourt, 2013; ISBN 061889425X, p. 5
  353. Rana Mitter, Forgotten Ally: China's World War II, 1937–1945, Houghton Mifflin Harcourt, 2013; ISBN 061889425X, p. 381
  354. a b Ho Ping-ti. Studies on the Population of China, 1368–1953. Cambridge: Harvard University Press, 1959. p.251-52
  355. 卞修跃., 抗日战争时期中国人口损失问题研究(1937–1945). Bianxiu Yue, Research on Anti-Japanese War of China's population loss problems (1937–1945) Beijing 2012 ISBN 9787516902059 (in Chinese)
  356. I. C. B. Dear and M. R. D. Foot Oxford Companion to World War II Oxford, 2005; ISBN 0-19-280670-X, p. 221
  357. Ho Ping-ti. Studies on the Population of China, 1368–1953. Cambridge: Harvard University Press, 1959. p.250
  358. United Nations, Economic and Social Council, Report of the Working Group for Asia and the Far East, Supp. 10. 1947 pp. 13–14
  359. a b Werner Gruhl, Imperial Japan's World War Two, 1931–1945 Transaction 2007 ISBN 978-0-7658-0352-8, pp. 19, 143
  360. Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts: A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000 (2nd ed.; 2002); ISBN 0-7864-1204-6. p. 557
  361. a b Van Waterford. Prisoners of the Japanese in World War II, McFarland & Company 1994; ISBN 0899508936, pp. 141–46
  362. Heike Liebau et al., World in World Wars: Experiences, Perceptions, and Perspectives from Africa and Asia. Studies in Global Social History, 2010), p. 227.
  363. a b c d e «Estonian State Commission for the Examination of Repressive Policies Carried out During the Occupations» (PDF). White Book. Consultado em 1 de junho de 2016 
  364. Estonian State Commission on Examination of Policies of Repression; The White Book: Losses inflicted on the Estonian nation by occupation regimes. 1940–1991 Tallinn 2005; ISBN 9985-70-195-X, p. 38 Table 2
  365. Estonian State Commission on Examination of Policies of Repression;The White Book: Losses inflicted on the Estonian nation by occupation regimes. 1940–1991 Tallinn 2005; ISBN 9985-70-195-X, p. 18
  366. Estonian State Commission on Examination of Policies of Repression;The White Book: Losses inflicted on the Estonian nation by occupation regimes. 1940–1991 Tallinn 2005; ISBN 9985-70-195-X, Table 2
  367. Melvin Small & Singer, Joel David. Resort to Arms: International and Civil Wars 1816–1965 (1982)
  368. Del Boca, Angelo, The Ethiopian war. Univ. of Chicago Press. 1969; ISBN 0-226-14217-5, p. 261
  369. Italy's War Crimes in Ethiopia, 1946 (reprinted 2000); ISBN 0-9679479-0-1.
  370. Percy Schramm Kriegstagebuch des Oberkommandos der Wehrmacht: 1940–1945: 8 Bde. Bernard & Grafe 1982 (ISBN 9783881990738), pp. 1508–11
  371. Metropolitan Life Insurance Company, Statistical bulletin January 1946 p.7
  372. Burkhart Müller-Hillebrand Das Heer 1933–1945. Entwicklung des organisatorischen Aufbaues. Band III. Der Zweifrontenkrieg. Das Heer vom Beginn des Feldzuges gegen die Sowjetunion bis zum Kriegsende. Mittler, Frankfurt am Main 1969, p 262
  373. a b Overmans, Rüdiger: Die Toten des Zweiten Weltkrieges in Deutschland. Bilanz der Forschung unter besonderer Berücksichtigung der Wehrmacht und Vertreibungsverluste, in: Der Zweite Weltkrieg. Analysen, Grundzüge, Forschungsbilanz, Michalka, Wolfgang (Hrsg.), München: Piper 1989, pp. 862–63
  374. Erich Maschke, Zur Geschichte der deutschen Kriegsgefangenen des Zweiten Weltkrieges. E. Bielefeld & W. Gieseking, 1962–1974 vol 15, pp. 185–230.
  375. Krivosheev, G. F., ed. (1997). Soviet Casualties and Combat Losses in the Twentieth Century. London: Greenhill Books; ISBN 1-85367-280-7, p. 276
  376. «Rüdiger Overmans». www.ruediger-overmans.de 
  377. Rüdiger Overmans, Soldaten hinter Stacheldraht. Deutsche Kriegsgefangene des Zweiten Weltkriege. Ullstein, 2000, p. 246; ISBN 3-549-07121-3
  378. Statistisches Jahrbuch für die Bundesrepublik Deutschland 1960 Bonn 1961 p. 78, available online at [5]
  379. Richard Overy, The Bombers and the Bombed: Allied Air War Over Europe 1940–1945 (2013) pp. 304–7;
  380. Germany reports. With an introd. by Konrad Adenauer. Germany (West). Presse- und Informationsamt. Wiesbaden, Distribution: F. Steiner, 1961] pp. 31–33.
  381. >Austria facts and Figures p. 44
  382. Euthanasie im Nationalsozialismus Bundesarchiv Euthanasie im Nationalsozialismus Arquivado em 2013-10-21 no Wayback Machine.;
  383. Facts concerning the problem of the German expellees and refugees, Bonn 1967
  384. a b Alfred M. de Zayas: A terrible Revenge. Palgrave/Macmillan, New York, 1994; ISBN 1-4039-7308-3, p. 152-
  385. "Bundeszentrale für politische Bildung, Die Vertreibung der Deutschen aus den Gebieten jenseits von Oder und Neiße", bpb.de (2005); accessed December 6, 2014.
  386. German Federal Archive, Siegel, Silke Vertreibung und Vertreibungsverbrechen 1945–1948. Bericht des Bundesarchivs vom 28. Mai 1974. Archivalien und ausgewählte Erlebnisberichte. Bonn 1989, pp. 53–54.
  387. a b c Ursprünge, Arten und Folgen des Konstrukts "Bevölkerung" vor, im und nach dem "Dritten Reich" Zur Geschichte der deutschen Bevölkerungswissenschaft: Ingo Haar Die deutschen ›Vertreibungsverluste‹ – Forschungsstand, Kontexte und Probleme, Ursprünge, Arten und Folgen des Konstrukts "Bevölkerung" vor, im und nach dem "Dritten Reich", Berlin: Springer, 2009; ISBN 978-3-531-16152-5 doi:10.1007/978-3-531-91514-2_17 "Tatsächlich gibt es in der rechnerischen Bilanz zwar einen Bevölkerungsverlust von zwei Millionen Personen für die Gebiete jenseits der Oder-Neiße-Linie und aller ›Auslandsdeutschen‹, aber damit sind alle deutschen Verluste von 1939 bis 1944/45 in diesen Regionen gemeint, einschließlich der Vermissten und Unidentifizierten. Außerdem sind in dieser Zahl auch vermeintlichen deutschen Geburtenausfälle, die Staatsangehörigkeitswechsler, ungezählte Wehrmachtstote, die ermordeten deutschen Juden und Vermisste einbezogen. Die Zahl der konkret bezeugten Opfer beläuft sich jedoch nicht mehr als auf 0,5 bis 0,6 Mio. Personen insgesamt. Wolfgang Benz reflektiert die Problematik des ungenügenden historischen Kontextes und der mangelnden Transparenz der bisheriger Zahlen sehr deutlich, indem er von rund zwei Millionen Deutschen spricht, die auf der Flucht vor der Roten Armee und mit der Vertreibung ihr Leben ließen. Davon waren im polnischen Fall im engeren Sinne aber nur 0,1 bis 0,2 Mio. Personen direkte Opfer von Rache- und Mordaktionen."
  388. a b Stefan Koldehoff, Keine deutsche Opferarithmetik (interview with Christoph Bergner), Deutschlandfunk, 29 November 2006.
  389. a b c «Search Results | The Online Books Page». onlinebooks.library.upenn.edu 
  390. Hans Sperling, Die Luftkriegsverluste während des zweiten Weltkriegs in Deutschland, Wirtschaft und Statistik October 1956, journal published by Statistisches Bundesamt Deutschland. (German government Statistical Office)
  391. Statistisches Jahrbuch für die Bundesrepublik Deutschland 1960, p. 78.
  392. «Bundesamt für Bevölkerungsschutz und Katastrophenhilfe - Hampe: Der zivile Luftschutz im Zweiten Weltkrieg». www.bbk.bund.de 
  393. Antill, Peter (10 de outubro de 2005). Peter Antill & Dennis, Peter. Berlin 1945: end of the Thousand Year Reich. [S.l.: s.n.] p. 85. ISBN 978-1-84176-915-8. Consultado em 15 de junho de 2011 
  394. Germany reports. With an introduction by Konrad Adenauer. Germany (West). Presse- und Informationsamt. Wiesbaden, Distribution: F. Steiner, 1961], p. 32
  395. Bundesarchiv Euthanasie" im Nationalsozialismus Arquivado em 2013-10-21 no Wayback Machine., bundesarchiv.de; accessed March 5, 2016.
  396. Die deutschen Vertreibungsverluste. Bevölkerungsbilanzen für die deutschen Vertreibungsgebiete 1939/50.Herausgeber: Statistisches Bundesamt – Wiesbaden – Stuttgart: Verlag W. Kohlhammer, 1958.
  397. Ingo Haar, "Hochgerechnetes Unglück, Die Zahl der deutschen Opfer nach dem Zweiten Weltkrieg wird übertrieben", Süddeutsche Zeitung, November 14, 2006
  398. R. J. Rummel. Statistics of democide : Genocide and Mass Murder since 1900 (1,863,000 in post war expulsions and an additional 1.0 million in wartime flight)
  399. Alfred M. de Zayas: A terrible Revenge. Palgrave/Macmillan, New York, 1994; ISBN 1-4039-7308-3, pp. 152- (2,111,000)
  400. Charles S Maier, The Unmasterable Past: History, Holocaust, and German National Identity Harvard Univ, MA, 1988; ISBN 0-674-92975-6, p. 75 (2,000,000)
  401. Douglas Botting, The Aftermath: Europe (World War II), Time-Life Books, 1983; ISBN 0-8094-3411-3, pp. 21, 81 (2,000,000)
  402. H.W. Schoenberg, Germans from the East: A Study of their migration, resettlement and subsequent group history, since 1945, Springer London, Limited, 1970; ISBN 90-247-5044-X, p. 33 (2,225,000)
  403. Hermann Kinder, Werner Hilgemann, Ernest A. Menze, Anchor Atlas of World History, Vol. 2: 1978 (3,000,000)
  404. Encyclopædia Britannica – 1992 (2,384,000)
  405. Kurt Glaser & Stephan Possony, Victims of Politics – 1979 (2,111,000)
  406. Sir John Keegan, The Second World War, 1989 (3.1 million including 1.0 million during wartime flight)
  407. The Expulsion of 'German' Communities from Eastern Europe at the end of the Second World War, Steffen Prauser and Arfon Rees, European University Institute, Florence. HEC No. 2004/1, p. 4 (2,000,000)
  408. Wirtschaft und Statistik 1950 #2 pp.8–9
  409. Bundesministerium für Vertriebene, Dokumentation der Vertreibung der Deutschen aus Ost-Mitteleuropa Vol. 1–5, Bonn, 1954–1961
  410. Die deutschen Vertreibungsverluste. Bevölkerungsbilanzen für die deutschen Vertreibungsgebiete 1939/50.Herausgeber: Statistisches Bundesamt – Wiesbaden – Stuttgart: Verlag W. Kohlhammer, 1958
  411. Gesamterhebung zur Klärung des Schicksals der deutschen Bevölkerung in den Vertreibungsgebieten, München : Zentralstelle des Kirchl. Suchdienstes, 1965
  412. Ursprünge, Arten und Folgen des Konstrukts "Bevölkerung" vor, im und nach dem "Dritten Reich" Zur Geschichte der deutschen Bevölkerungswissensch: Ingo Haar Die deutschen ›Vertreibungsverluste‹ – Forschungsstand, Kontexte und Probleme, in Ursprünge, Arten und Folgen des Konstrukts "Bevölkerung" vor, im und nach dem "Dritten Reich" Springer 2009; ISBN 978-3-531-16152-5, p. 369
  413. Rűdiger Overmans. Personelle Verluste der deutschen Bevölkerung durch Flucht und Vertreibung. (This paper was a presentation at an academic conference in Warsaw Poland in 1994), Dzieje Najnowsze Rocznik XXI-1994
  414. Pistohlkors, Gert. Informationen zur Klärung der Schicksale von Flüchtlingen aus den. Vertreibungsgebieten östlich von Oder und Neiße. Published in Schulze, Rainer, Flüchtlinge und Vertriebene in der westdeutschen Nachkriegsgeschichte : Bilanzierung der Forschung und Perspektiven für die künftige Forschungsarbeit Hildesheim : A. Lax, 1987
  415. Hans Henning Hahn and Eva Hahn: Die Vertreibung im deutschen Erinnern. Legenden, Mythos, Geschichte. Paderborn 2010; ISBN 978-3-506-77044-8, p. 702
  416. Facts concerning the problem of the German expellees and refugees, Bonn 1967.
  417. German Federal Archive Spieler, Silke. ed. Vertreibung und Vertreibungsverbrechen 1945–1948. Bericht des Bundesarchivs vom 28. Mai 1974. Archivalien und ausgewählte Erlebnisberichte.. Bonn: Kulturstiftung der deutschen Vertriebenen. (1989); ISBN 3-88557-067-X.
  418. Gerhard Reichling, Die deutschen Vertriebenen in Zahlen, Teil 1, Bonn 1995 (revised ed)
  419. Christoph Bergner, Secretary of State of Germany's Bureau for Inner Affairs, outlines the stance of the respective governmental institutions in Deutschlandfunk on 29 November 2006, [6]
  420. [7]|Willi Kammerer & Anja Kammerer – Narben bleiben die Arbeit der Suchdienste – 60 Jahre nach dem Zweiten Weltkrieg Berlin Dienststelle 2005, p. 12: published by the Search Service of the German Red Cross; the forward to the book was written by German President Horst Köhler and the German interior minister Otto Schily
  421. "Bundeszentrale für politische Bildung, Die Vertreibung der Deutschen aus den Gebieten jenseits von Oder und Neiße", bpb.de; accessed 1 December 2015.
  422. a b Ingo Haar, "Hochgerechnetes Unglück, Die Zahl der deutschen Opfer nach dem Zweiten Weltkrieg wird übertrieben", Süddeutsche Zeitung, 14 November 2006.
  423. a b Hans Henning Hahn & Eva Hahn, Die Vertreibung im deutschen Erinnern. Legenden, Mythos, Geschichte, Paderborn: Schöningh, 2010, pp. 659–726, 839: ill., maps; 24cm. D820.P72 G475 2010; ISBN 978-3-506-77044-8
  424. a b c Rűdiger Overmans- "Personelle Verluste der deutschen Bevölkerung durch Flucht und Vertreibung". (this paper was a presentation at an academic conference in Warsaw Poland in 1994), Dzieje Najnowsze Rocznik XXI-1994
  425. a b c Zahl der Vertreibungsopfer ist neu zu erforschen Rüdiger Overmans Deutschlandfunk; accessed June 21, 2015.
  426. a b Ursprünge, Arten und Folgen des Konstrukts "Bevölkerung" vor, im und nach dem "Dritten Reich" Zur Geschichte der deutschen Bevölkerungswissenschaft: Ingo Haar Die deutschen ›Vertreibungsverluste‹ – Forschungsstand, Kontexte und Probleme, Ursprünge, Arten und Folgen des Konstrukts "Bevölkerung" vor, im und nach dem "Dritten Reich", Berlin: Springer, 2009; ISBN 978-3-531-16152-5
  427. a b c Herausforderung Bevölkerung: zu Entwicklungen des modernen Denkens über die Bevölkerung vor, im und nach dem Dritten Reich Ingo Haar, Bevölkerungsbilanzen" und "Vertreibungsverluste. Zur Wissenschaftsgeschichte der deutschen Opferangaben aus Flucht und Vertreibung, Verlag für Sozialwissenschaften, 2007; ISBN 978-3-531-15556-2
  428. a b c Ingo Haar, Die Deutschen "Vertreibungsverluste –Zur Entstehung der "Dokumentation der Vertreibung – Tel Aviver Jahrbuch, 2007, Tel Aviv : Universität Tel Aviv, Fakultät für Geisteswissenschaften, Forschungszentrum für Geschichte ; Gerlingen [Germany]: Bleicher Verlag
  429. a b c Ingo Haar, "Straty zwiazane z wypedzeniami: stan badañ, problemy, perspektywy", Polish Diplomatic Review, 2007, nr 5 (39); accessed 6 December 2014.
  430. Rüdiger Overmans, Deutsche militärische Verluste im Zweiten Weltkrieg, Munich: Oldenbourg, 2000; ISBN 3-486-56531-1.
  431. Die Toten des Zweiten Weltkriegs in Deutschland. Bilanz der Forschung unter besonderer Berücksichtigung der Wehrmacht- und Vertreibungsverluste, in: Der Zweite Weltkrieg. Analysen, Grundzüge, Forschungsbilanz, Michalka, Wolfgang (Hrsg.), München: Piper 1989, S. 858–873
  432. Die Flucht der deutschen Bevölkerung 1944/45, dhm.de; accessed 21 June 2015.
  433. Hoensch, Jörg K. und Hans Lemberg, Begegnung und Konflikt. Schlaglichter auf das Verhältnis von Tschechen, Slowaken und Deutschen 1815–1989 Bundeszentrale für politische Bildung 2001; ISBN 3-89861-002-0
  434. Bernadetta Nitschke. Vertreibung und Aussiedlung der deutschen Bevölkerung aus Polen 1945 bis 1949. München, Oldenbourg Verlag, 2003; ISBN 3-486-56832-9, pp. 269–82.
  435. Witold Sienkiewicz & Grzegorz Hryciuk, Wysiedlenia, wypędzenia i ucieczki 1939–1959: atlas ziem Polski: Polacy, Żydzi, Niemcy, Ukraińcy, Warsaw: Demart, 2008, p. 170, Określa je wielkosciami między 600tys. a 1.2 mln zmarłych i zabitych. Głowną przyczyną zgonów było zimno, stres i bombardowania; accessed 26 May 2015.
  436. Witold Sienkiewicz & Grzegorz Hryciuk, Wysiedlenia, wypędzenia i ucieczki 1939–1959: atlas ziem Polski: Polacy, Żydzi, Niemcy, Ukraińcy, Warsaw: Demart, 2008, p. 187
  437. Alan S. Milward, The Reconstruction of Western Europe
  438. «Does Germany owe Greece wartime reparations money?». BBC News. 14 de junho de 2005. Consultado em 4 de março de 2016 
  439. "Vast Greek war claims against Germany explode like a 'time-bomb'", The Telegraph, 22 March 2014.
  440. Gregory Frumkin. Population Changes in Europe Since 1939, Geneva 1951. pp. 89–91
  441. Dieter Pohl, Verfolgung und Massenmord in der NS-Zeit 1933–1945, WBG (Wissenschaftliche Buchgesellschaft), 2003; ISBN 3534151585, pp. 123–24.
  442. a b «McMillan Report- POWs from Guam in Japan, Battle for Guam». www.mansell.com 
  443. «The Japanese Seizure of Guam | Marine Corps Association». www.mca-marines.org 
  444. a b Parker, John. (2005). The Gurkhas: The Inside Story of the World's Most Feared Soldiers. Headline Book Publishing. ISBN 978-0-7553-1415-7 p. 250
  445. a b c d John W. Dower. War Without Mercy, 1986; ISBN 0-394-75172-8 p. 296
  446. Sen, Amartya. «Reflections of an economist». India Together. Consultado em 2 de março de 2018. Arquivado do original em 18 de junho de 2014 
  447. Geoffrey Roberts (11 de janeiro de 2004). «The Challenge Of The Irish Volunteers of World War II». Consultado em 4 de março de 2016 
  448. Roma:Instituto Centrale Statistica. Morti E Dispersi Per Cause Belliche Negli Anni 1940–45 Rome, 1957.
  449. «The effects of war losses on mortality estimates for Italy: A first attempt. Demographic Research, Vol. 13, No. 15». Demographic-research.org. Consultado em 15 de junho de 2011 
  450. Roma:Instituto Centrale Statistica Morti E Dispersi Per Cause Belliche Negli Anni 1940–45 Rome 1957, pp. 4–5
  451. Roma:Instituto Centrale Statistica Morti E Dispersi Per Cause Belliche Negli Anni 1940–45, Rome 1957, pp. 6–7
  452. Roma:Instituto Centrale Statistica Morti E Dispersi Per Cause Belliche Negli Anni 1940–45, Rome 1957, p. 20
  453. Roma:Instituto Centrale Statistica Morti E Dispersi Per Cause Belliche Negli Anni 1940–45, Rome 1957, pp. 10–11
  454. Ufficio Storico dello Stato Maggiore dell'Esercito. Commissariato generale C.G.V. Ministero della Difesa – Edizioni 1986
  455. Werner Gruhl, Imperial Japan's World War Two, 1931–1945, Transaction 2007; ISBN 978-0-7658-0352-8, p. 144
  456. «Figures were compiled by the Relief Bureau of the Ministry of Health and Welfare in March 1964». Australia-Japan Research Project. Consultado em 10 de março de 2016 
  457. Dower, pp. 298
  458. American Historical Association: Lessons from Iwo Jima footnote 1 Retrieved 10 March 2016
  459. Stevens, The Naval Campaigns for New Guinea paragraph 30 Retrieved 10 March 2016.
  460. a b Japan Statistical Year-Book, 1949 [etc.]. Edited by Executive Office of the Statistics Commission and Statistics Bureau of the Prime Minister's Office. Eng. & Jap. [Tokyo] 1949, pp. 1056–58, Tables 608-09
  461. a b John W. Dower, War Without Mercy 1986; ISBN 0-394-75172-8, p. 296 (Dower cites the figures of killed but not the wounded)
  462. Japan Statistical Year-Book, 1949 [etc.]. Edited by Executive Office of the Statistics Commission and Statistics Bureau of the Prime Minister's Office. Eng. & Jap. [Tokyo], 1949, p. 1058, Tables 608–09
  463. Annual Changes in Population of Japan Proper 1 October 1920–1 October 1947, General Headquarters for the Allied Powers Economic and Scientific Section Research and Programs Division. Tokyo, July 1948. p.20
  464. Werner Gruhl, Imperial Japan's World War Two, 1931–1945 Transaction 2007; ISBN 978-0-7658-0352-8, p. 144
  465. a b c d e John W. Dower. War Without Mercy, 1986; ISBN 0-394-75172-8, pp. 299, 363
  466. «Reports of General MacArthur. MacArthur in Japan: The Occupation: Military Phase, Volume I Supplement – U.S. Government printing Office 1966, p. 130, endnote 36». History.army.mil. Consultado em 4 de março de 2016 
  467. Nimmo, William. Behind a curtain of silence: Japanese in Soviet custody, 1945–1956, Greenwood 1989; ISBN 978-0-313-25762-9, pp. 116–18
  468. Ishikida, Miki (2005). Toward Peace: War Responsibility, Postwar Compensation, and Peace Movements and Education in Japan. [S.l.]: iUniverse, Inc. (July 13, 2005). p. 3. ISBN 978-0595350636. Consultado em 4 de março de 2016 
  469. «G. F. Krivosheev. Rossiia i SSSR v voinakh XX veka: Poteri vooruzhennykh sil; statisticheskoe issledovanie, OLMA-Press, 2001; ISBN 5-224-01515-4». Lib.ru. Consultado em 5 de março de 2016 
  470. «Overall Report of Damage Sustained by the Nation During the Pacific War Economic Stabilization Agency, Planning Department, Office of the Secretary General, 1949». JapanAirRaids. Consultado em 6 de março de 2014 
  471. «Overall Report of Damage Sustained by the Nation During the Pacific War Economic Stabilization Agency, Planning Department, Office of the Secretary General, 1949» (PDF). Consultado em 5 de março de 2016 
  472. Japan Statistical Year-Book, 1949 [etc.]. Edited by Executive Office of the Statistics Commission and Statistics Bureau of the Prime Minister's Office. Eng. & Jap. [Tokyo], 1949, pp. 1056–57, Table 607
  473. Eisei Ishikawa, David L. Swain, Committee for the Compilation of Materials on Damage Caused by the Atomic Bombs in Hiroshima and Nagasaki, Hiroshima and Nagasaki The Physical Medical and Social Effects of the Atomic Bombings, Basic Books, 1981, ISBN 046502985X p. 115(English translation of Japanese study published in 1979
  474. Eisei Ishikawa, David L. Swain, Committee for the Compilation of Materials on Damage Caused by the Atomic Bombs in Hiroshima and Nagasaki, Hiroshima and Nagasaki The Physical Medical and Social Effects of the Atomic Bombings, Basic Books, 1981, ISBN 046502985X p.115(English translation of Japanese study published in 1979
  475. Eisei Ishikawa, David L. Swain, Committee for the Compilation of Materials on Damage Caused by the Atomic Bombs in Hiroshima and Nagasaki, Hiroshima and Nagasaki The Physical Medical and Social Effects of the Atomic Bombings, Basic Books, 1981, ISBN 046502985X (English translation of Japanese study published in 1979
  476. John W. Dower. War Without Mercy, 1986; ISBN 0-394-75172-8, pp. 297–99
  477. «Hiroshima, Nagasaki, and Subsequent Weapons Testing». Consultado em 11 de julho de 2014. Arquivado do original em 25 de janeiro de 2016 
  478. Radiation Effects Research Foundation How many people died as a result of the atomic bombings?, rerf.jp; accessed March 5, 2016.
  479. «United States Strategic Bombing Survey Summary Report United States Government Printing Office Washington: 1946 p. 20». Consultado em 25 de junho de 2015 
  480. United States Strategic Bombing Survey, Medical Division (1947), pp. 143–44
  481. United States Strategic Bombing Survey Report # 55 The effects of air attack on Japanese urban economy.United States Government Printing Office, Washington: 1947, p. 7. [S.l.]: [Washington]. 11 de outubro de 2018. Consultado em 4 de março de 2016 
  482. United States Strategic Bombing Survey The Effects of strategic bombing on Japanese morale.United States Government Printing Office, Washington: 1947, p. 194. [S.l.]: [Washington]. 1947. Consultado em 4 de março de 2016 
  483. «United States Strategic Bombing Survey The Effects of Atomic Bombs on Hiroshima and Nagasaki United States Government Printing Office Washington: 1946, p. 15». Consultado em 4 de março de 2016 
  484. Major Chas. S. Nichols Jr., USMC Henry I. Shaw Jr. «Okinawa: Victory in the Pacific». Historical Branch, G-3 Division, Headquarters, U.S. Marine Corps. Consultado em 25 de fevereiro de 2017 
  485. Major Chas. S. Nichols Jr., USMC Henry I. Shaw Jr. (1955). Okinawa: Victory in the Pacific. [S.l.]: Historical Branch, G-3 Division, Headquarters, U.S. Marine Corps. 260 páginas 
  486. Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000 (2nd ed.), 2002; ISBN 0-7864-1204-6, p. 578
  487. «R.J. Rummel "Statistics of democide: Genocide and Mass Murder since 1900" Transaction 1998; ISBN 3-8258-4010-7 (Chapter 3)». Hawaii.edu. Consultado em 4 de março de 2016 
  488. Werner Gruhl, Imperial Japan's World War Two, 1931–1945 Transaction 2007 ISBN 978-0-7658-0352-8 p. 143
  489. John W. Dower, War Without Mercy 1986; ISBN 0-394-75172-8, p. 47
  490. Gregory Frumkin. Population Changes in Europe Since 1939, Geneva 1951. p. 107
  491. John W. Dower. War Without Mercy 1986; ISBN 0-394-75172-8, p. 296
  492. Werner Gruhl, Imperial Japan's World War Two, 1931–1945, Transaction 2007; ISBN 978-0-7658-0352-8, p. 91
  493. «History Of The Nepalese Army». Nepalarmy.mil.np. Consultado em 25 de junho de 2015. Arquivado do original em 29 de junho de 2015 
  494. «The Netherlands War Graves Foundation». Ogs.nl. Consultado em 16 de junho de 2011 
  495. «Allied Merchant Navy Memorial in Newfoundland». Cdli.ca. Consultado em 5 de março de 2016 
  496. «Gordon, Maj. Richard M., (U.S. Army, retired) (28 October 2002). "Bataan, Corregidor, and the Death March: In Retrospect"» (PDF) 
  497. a b c Wojciech Materski and Tomasz Szarota. Polska 1939–1945. Straty osobowe i ofiary represji pod dwiema okupacjami. Institute of National Remembrance (IPN), Warsaw 2009; ISBN 978-83-7629-067-6, p. 32
  498. a b Wojciech Materski and Tomasz Szarota. Polska 1939–1945. Straty osobowe i ofiary represji pod dwiema okupacjami. Institute of National Remembrance (IPN), Warsaw 2009; ISBN 978-83-7629-067-6, pp. 29–30
  499. a b Czesław Brzoza, Andrzej Leon Sowa, Historia Polski 1918–1945 [History of Poland: 1918–1945], pp. 694–697. Kraków 2009, Wydawnictwo Literackie, ISBN 978-83-08-04125-3.
  500. «United States Holocaust Memorial Museum: Polish Victims». Ushmm.org. Consultado em 5 de julho de 2015 
  501. [8] Meeting line between the German and the Soviet Army after their joint invasion of Poland in September 1939
  502. Czesław Łuczak Polska i Polacy w drugiej wojnie światowej (Poland and Poles in the Second World War).Styczeń 1993 ISBN 83-232-0511-6 p.683
  503. a b c d Gniazdowski, Mateusz. Losses Inflicted on Poland by Germany during World War II. Assessments and Estimates—an Outline The Polish Quarterly of International Affairs, 2007, no. 1.This article is available from the Central and Eastern European Online Library at http://www.ceeol.com
  504. Gregory Frumkin. Population Changes in Europe Since 1939, Geneva 1951. p. 119
  505. U.S. Bureau of the Census The Population of Poland Ed. W. Parker Mauldin, Washington, D.C., 1954, p. 187
  506. Andreev, E. M., et al., Naselenie Sovetskogo Soiuza, 1922–1991. Moscow, Nauka, 1993; ISBN 5-02-013479-1, p. 78.
    Total Soviet losses of 26.6 million are computed for the population in mid-1941 in the territory of the Soviet Union of 1946–1991
  507. Poland. Bureau odszkodowan wojennych, Statement on war losses and damages of Poland in 1939–1945. Warsaw 1947.(the figures of 2.8 million Jews and 3.2 million Poles are based on language spoken, not religion)
  508. Czesław Łuczak, Szanse i trudnosci bilansu demograficznego Polski w latach 1939–1945. Dzieje Najnowsze Rocznik XXI, 1994
  509. «go to note on Polish Casualties by Tadeusz Piotrowski at the bottom of the page». Project In Posterum. Consultado em 4 de março de 2016 
  510. Franciszek Proch, Poland's Way of the Cross, New York, 1987.
  511. a b T. Panecki, Wsiłek zbrojny Polski w II wojnie światowej pl:Wojskowy Przegląd Historyczny, 1995, no. 1–2, pp. 13–18
  512. Wojciech Materski and Tomasz Szarota. Polska 1939–1945. Straty osobowe i ofiary represji pod dwiema okupacjami. Institute of National Remembrance (IPN), Warsaw 2009; ISBN 978-83-7629-067-6, p. 20
  513. «Victims of the Nazi Regime-Database of Polish citizens repressed under the German Occupation». Straty.pl. Consultado em 16 de junho de 2011 
  514. Nürnberg Document No. 3568. Data from this document is listed in Martin Brozat, Nationalsozialistische Polenpolitik Fischer Bücheri 1961. p. 125
  515. Die deutschen Vertreibungsverluste. Bevölkerungsbilanzen für die deutschen Vertreibungsgebiete 1939/50. Herausgeber: Statistisches Bundesamt – Wiesbaden. – Stuttgart: Verlag W. Kohlhammer, 1958
  516. Schimitzek, Stanislaw, Truth or Conjecture? Warsaw 1966
  517. Ruas, Óscar Vasconcelos, "Relatório 1946–47", AHU
  518. Urlanis, Boris (1971). Wars and Population. Moscow 1971, p. 294
  519. Mark Axworthy. Third Axis Fourth Ally. Arms and Armour 1995; ISBN 1-85409-267-7, pp. 216–17
  520. Mark Axworthy. Third Axis Fourth Ally. Arms and Armour 1995 ISBN 1-85409-267-7, p. 314
  521. Catharine Newbury The Cohesion of Oppression: Clientship and Ethnicity in Rwanda: 1860–1960 Columbia University Press, 1993 ISBN 0-231-06257-5 pp. 157–158
  522. Linden, Jan Church and revolution in Rwanda, Manchester University Press 1977; ISBN 0-8419-0305-0, p. 207
  523. Alexander De Waal, Famine crimes: politics & the disaster relief industry in Africa Indiana Univ. Press, 1999; ISBN 0-253-21158-1, p. 30
  524. Commonwealth War Graves Commission Annual Report 2013-2014 Arquivado em 2015-11-04 no Wayback Machine., page 44. Figures include identified burials and those commemorated by name on memorials.
  525. Poyer, Lin; Falgout, Suzanne; Carucci, Laurence Marshall. The Typhoon of War: Micronesian Experiences of the Pacific War Univ of Hawaii Press, Honolulu, Hawaii, USA, 2001; ISBN 0-8248-2168-8
  526. Andreev, E.M., et al., Naselenie Sovetskogo Soiuza, 1922–1991. Moscow, Nauka, 1993; ISBN 5-02-013479-1
  527. Michael Ellman and S. Maksudov, Soviet Deaths in the Great Patriotic War:a note – World War II – Europe Asia Studies, July 1994
  528. Michael Haynes, Counting Soviet Deaths in the Great Patriotic War: a Note, Europe Asia Studies vol 55, No. 2, 2003, 300–309
  529. «Michael Ellman and S. Maksudov, Soviet Deaths in the Great Patriotic War:a note-World War II- Europe Asia Studies, July 1994» (PDF). Consultado em 28 de junho de 2015 
  530. Perrie, Maureen (2006), The Cambridge History of Russia: The Twentieth Century, Cambridge University Press, pp. 225–27
  531. Andreev, EM; Darski, LE; Kharkova, TL (11 de setembro de 2002). «Population dynamics: consequences of regular and irregular changes». In: Lutz, Wolfgang; Scherbov, Sergei; Volkov, Andrei. Demographic Trends and Patterns in the Soviet Union Before 1991. [S.l.]: Routledge. ISBN 978-1-134-85320-5 
  532. Министерство обороны Российской Федерации, MOD Russian Federation. «On Question of war Losses (in Russian)». MOD Russian Federation. Consultado em 12 de novembro de 2017 
  533. "Soviet Armed Forces Losses in Wars, Combat Operations and Military Conflicts: A Statistical Study". Military Publishing House Moscow. (Translated by U.S. government) Retrieved March 11, 2018.
  534. Krivosheev, G.F. (1997). Soviet Casualties and Combat Losses in the Twentieth Century. [S.l.]: Greenhill Books. pp. 85–92. ISBN 978-1-85367-280-4 
  535. a b c d Krivosheev, G.F. (1997). Soviet Casualties and Combat Losses in the Twentieth Century. [S.l.]: Greenhill Books. p. 85. ISBN 978-1-85367-280-4 
  536. "Christian Streit: Keine Kameraden: Die Wehrmacht und die Sowjetischen Kriegsgefangenen, 1941–1945, Bonn: Dietz (3. Aufl., 1. Aufl. 1978), ISBN 3-8012-5016-4"Between 22 June 1941 and the end of the war, roughly 5.7 million members of the Red Army fell into German hands. In January 1945, 930,000 were still in German camps. A million at most had been released, most of whom were so-called ‘volunteers’ (Hilfswillige) for (often compulsory) auxiliary service in the Wehrmacht. Another 500,000, as estimated by the Army High Command, had either fled or been liberated. The remaining 3,300,000 (57.5 percent of the total) had perished
  537. Nazi persecution of Soviet Prisoners of War United States Holocaust Memorial Museum — "Existing sources suggest that some 5.7 million Soviet army personnel fell into German hands during World War II. As of January 1945, the German army reported that only about 930,000 Soviet POWs remained in German custody. The German army released about one million Soviet POWs as auxiliaries of the German army and the SS. About half a million Soviet POWs had escaped German custody or had been liberated by the Soviet army as it advanced westward through eastern Europe into Germany. The remaining 3.3 million, or about 57 percent of those taken prisoner, were dead by the end of the war."
  538. Krivosheev, G.F. (1997). Soviet Casualties and Combat Losses in the Twentieth Century. [S.l.]: Greenhill Books. pp. 228–238. ISBN 978-1-85367-280-4 
  539. «Soviet POWs». 10 de novembro de 2016. Arquivado do original em 10 de novembro de 2016 
  540. Zemskov, Viktor. «The extent of human losses USSR in the Great Patriotic War and Statistical Lynbrinth (in Russian)». demoscope.ru # 559-60, July 2013. Consultado em 11 de julho de 2017 
  541. a b Mikhalev, S. N (2000). Liudskie poteri v Velikoi Otechestvennoi voine 1941–1945 gg: Statisticheskoe issledovanie (Human Losses in the Great Patriotic War 1941–1945 A Statistical Investigation). Krasnoiarskii gos. pedagog. universitet (Krasnoyarsk State Pedagogical University). pp. 18–23 ISBN 978-5-85981-082-6
  542. Hartmann, Christian (2013). Operation Barbarossa: Nazi Germany's War in the East, 1941–1945. Oxford: Oxford University Press. p. 157. ISBN 978-0-19-966078-0 
  543. Krivosheev, G.F. (1997). Soviet Casualties and Combat Losses in the Twentieth Century. [S.l.]: Greenhill Books. p. 89. ISBN 978-1-85367-280-4 
  544. a b Mikhalev, S. N (2000). Liudskie poteri v Velikoi Otechestvennoi voine 1941–1945 gg: Statisticheskoe issledovanie (Human Losses in the Great Patriotic War 1941–1945 A Statistical Investigation). Krasnoiarskii gos. pedagog. universitet (Krasnoyarsk State Pedagogical University). pp. 22–23 ISBN 978-5-85981-082-6
  545. S. A. Il’enkov Pamyat O Millionach Pavshik Zaschitnikov Otechestva Nelzya Predavat Zabveniu Voennno-Istoricheskii Arkhiv No. 7 (22), Central Military Archives of the Russian Federation 2001, pp. 73–80; ISBN 978-5-89710-005-7 (The Memory of those who Fell Defending the Fatherland Cannot be Condemned to Oblivion); in Russian; available at the New York Public Library)
  546. Krivosheev, G.F. (1997). Soviet Casualties and Combat Losses in the Twentieth Century. [S.l.]: Greenhill Books. p. 278. ISBN 978-1-85367-280-4 
  547. Krivosheev, G.F. (1997). Soviet Casualties and Combat Losses in the Twentieth Century. [S.l.]: Greenhill Books. p. 91. ISBN 978-1-85367-280-4 
  548. Clodfelder, Michael (2015). Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000. [S.l.]: McFarland & Co. p. 465 
  549. Perrie, Maureen (2006), The Cambridge History of Russia: The Twentieth Century, Cambridge University Press, p. 226 ISBN 9780521811446
  550. Rossiiskaia Akademiia nauk. Liudskie poteri SSSR v period vtoroi mirovoi voiny: sbornik statei. Sankt-Peterburg 1995; ISBN 5-86789-023-6, p. 158
  551. Жертвы двух диктатур. Остарбайтеры и военнопленные в Третьем Рейхе и их репатриация. – М.: Ваш выбор ЦИРЗ, 1996. – pp. 735-38. (Victims of Two Dictatorships. Ostarbeiters and POW in Third Reich and Their Repatriation)
  552. Жертвы двух диктатур. Остарбайтеры и военнопленные в Третьем Рейхе и их репатриация. – М.: Ваш выбор ЦИРЗ, 1996. – p735-738. (Victims of Two Dictatorships. Ostarbeiters and POW in Third Reich and Their Repatriation)
  553. Евдокимов, Ростислав, ed. (1 January 1995). Людские потери СССР в период второй мировой войны: сборник статей (Human Losses of the USSR during the Second World War: a collection of articles). Ин-т российской истории РАН (Russian Academy of Sciences). ISBN 978-5-86789-023-0.
  554. Andreev, EM; Darski, LE; Kharkova, TL (11 de setembro de 2002). «Population dynamics: consequences of regular and irregular changes». In: Lutz, Wolfgang; Scherbov, Sergei; Volkov, Andrei. Demographic Trends and Patterns in the Soviet Union Before 1991. [S.l.]: Routledge. ISBN 978-1-134-85320-5 
  555. David M. Glantz, Siege of Leningrad 1941 1944 Cassell 2001 ISBN 978-1-4072-2132-8 p.320
  556. Andreev, E.M.; Darski, L.E.; Kharkova, T.L. (1993). Naselenie Sovetskogo Soiuza, 1922–1991. Moscow: Nauka. ISBN 978-5-02-013479-9. p. 85
  557. Erlikhman 2004.
  558. Łuczak, Czesław. Szanse i trudnosci bilansu demograficznego Polski w latach 1939–1945. Dzieje Najnowsze Rocznik XXI. 1994. The losses in the former Polish eastern regions are also included in Poland's total war dead of 5.6 to 5.8 million
  559. Gilbert, Martin. Atlas of the Holocaust. 1988. ISBN 978-0-688-12364-2
  560. a b «L.L. Rybakovsky. Casualties of the USSR in the Great Patriotic War, Sotsiologicheskie issiedovaniya, 2000, № 6.» (PDF) 
  561. G. F. Krivosheyev (1993) "Soviet Armed Forces Losses in Wars, Combat Operations and Military Conflicts: A Statistical Study". Military Publishing House Moscow. (Translated by U.S. government) p. 110 Retrieved March 18, 2018.
  562. «OBD Memorial». Obd-memorial.ru. Consultado em 16 de junho de 2011. Arquivado do original em 9 de julho de 2018 
  563. Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000 (2nd ed.), 2002; ISBN 0-7864-1204-6, p. 515
  564. Lennart Lundberg Handelsflottan under andra världskriget, p. 9
  565. «Aerospace Power Journal (Summer 2000): The Diplomacy of Apology: U.S. Bombings of Switzerland during World War II by Jonathan E. Helmreich». Airpower.maxwell.af.mil. Consultado em 4 de março de 2016. Arquivado do original em 5 de maio de 2007 
  566. «Aerospace Power Journal (Summer 2000): The Bombing of Zurich by Jonathan E. Helmreich». Airpower.maxwell.af.mil. Consultado em 4 de março de 2016 
  567. Sorasanya Phaengspha (2002) The Indochina War: Thailand Fights France. Sarakadee Press.
  568. Eiji Murashima, "The Commemorative Character of Thai Historiography: The 1942–43 Thai Military Campaign in the Shan States Depicted as a Story of National Salvation and the Restoration of Thai Independence" Modern Asian Studies, v40, n4 (2006) pp. 1053–96, p. 1057n: "Deaths in the Thai military forces from 8 December 1941 through the end of the war included 143 officers, 474 non-commissioned officers, and 4,942 soldiers. (Defense Ministry of Thailand, In Memory of Victims who Fell in Battle [in Thai], Bangkok: Krom phaenthi Thahanbok, 1947). With the exception of about 180 who died in the 8 December [1941] battles and another 150 who died in battles in the Shan states [Burma], almost all of the war dead died of malaria and other diseases."
  569. E. Bruce Reynolds, "Aftermath of Alliance: The Wartime Legacy in Thai-Japanese Relations", Journal of Southeast Asian Studies, v21, n1, March 1990, pp. 66–87. "An OSS document (XL 30948, RG 226, USNA) quotes Thai Ministry of Interior figures of 8,711 air raids deaths in 1944–45 and damage to more than 10,000 buildings, most of them totally destroyed. However, an account by M. R. Seni Pramoj (a typescript entitled 'The Negotiations Leading to the Cessation of a State of War with Great Britain' and filed under Papers on World War II, at the Thailand Information Center, Chulalongkorn University, p. 12) indicates that only about 2,000 Thai died in air raids."
  570. E. Bruce Reynolds, "Aftermath of Alliance: The Wartime Legacy in Thai-Japanese Relations", Journal of Southeast Asian Studies, v21, n1, March 1990, pp. 66–87. Thailand exported rice to neighboring Japanese-occupied countries during 1942–45 (p 72n) and did not experience the notorious famines that occurred in India and French Indochina (see above) between 1943–44.
  571. «Commonwealth War Graves Commission Annual Report 2014-2015, p. 38». Commonwealth War Graves Commission. Commonwealth War Graves Commission. Consultado em 24 de maio de 2016 Figures include identified burials and those commemorated by name on memorials
  572. Commonwealth War Graves Commission Annual Report 2013-2014 Arquivado em 2015-11-04 no Wayback Machine., page 44.
  573. UK Central Statistical Office Statistical Digest of the War HMSO 1951
  574. Marika Sherwood. «Colonies, Colonials and World War Two». BBC. Consultado em 4 de março de 2016 
  575. «Cyprus Veterans Association World War II». Cyprusveterans.com.cy. Consultado em 4 de março de 2016 
  576. Marika Sherwood, World War II Colonies and Colonials. Savannah Press 2013; ISBN 978-0951972076, p. 15
  577. a b «U.S. Coast Guard History». Uscg.mil. Consultado em 4 de março de 2016 
  578. Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000 (2nd ed.), 2002; ISBN 0-7864-1204-6, p. 546
  579. «US Navy and Marine Corps Personnel Casualties in World War II». History.navy.mil. Consultado em 29 de junho de 2015 
  580. U.S. National Archives Casualties from World War II
  581. «American Battle Monuments Commission». Abmc.gov. Consultado em 4 de março de 2016 
  582. a b «Mariners in "ocean-going service" during World War II have Veteran Status. They may be entitled to a gravestone, flag for their coffin, and burial in a National Cemetery». Usmm.org. Consultado em 4 de março de 2016 
  583. «American Merchant Marine at War». Usmm.org. Consultado em 4 de março de 2016 
  584. Summary of Merchant Marine Personnel Casualties in World War II, US Coast Guard, Washington: Government Printing Office, July 1, 1950, p. VII
  585. «U.S. Merchant Marine Casualties during World War II». Usmm.org. Consultado em 4 de março de 2016 
  586. «Civil Air Patrol». GlobalSecurity.org. Consultado em 4 de abril de 2008. With the attacks of September 11, 2001 and the creation of the Department of Homeland Security, the decision was made in 2002 for the United States Air Force to move CAP "operational" mission activities from the Air Force's operations directorate (HAF/A3) to the Air Force's newly created homeland security directorate... 
  587. «CAP History and Organization» (PDF). Civil Air Patrol. Consultado em 27 de fevereiro de 2011 
  588. Center for Internee Rights, Civilian prisoners of the Japanese in the Philippine Islands Turner Press 2002; ISBN 1-56311-838-6
  589. The annual death rate in 1942–1945 of Americans interned by Japan was about 3.5%. There were 1,536 deaths among the 13,996 interned civilians in 1942–45.
    The United States interned about 100,000 Japanese Americans between 1942–45. The 1946 report by the U.S. Dept. of The Interior "The Evacuated People a Quantitative Description" gave the annual death rate in 1942–1945 of Japanese detained in the U.S. at about 0.7%. There were 1,862 deaths among the 100,000 to 110,000 American civilians of Japanese ancestry interned in the U.S. in 1942–45. The annual death rate among the U.S. population as a whole in 1942–45 was about 1.1% per annum.
  590. Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000 (2nd ed.), 2002; ISBN 0-7864-1204-6, p. 552
  591. Roger Mansell Captured: The Forgotten Men of Guam
  592. Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000 (2nd ed.), 2002; ISBN 0-7864-1204-6, p. 552
  593. Garfield, Brian (1982). The Thousand-Mile War: World War II in Alaska and the Aleutians. New York City: Bantam Books. pp. 56, 65, & 100. ISBN 0-5532-0308-8 
  594. Michael Clodfelter. Warfare and Armed Conflicts – A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500–2000 (2nd ed.), 2002; ISBN 0-7864-1204-6, p. 580
  595. Robert Goralski, World War II Almanac, 1939–1945: a political and military record, New York, p. 428
  596. Sir John Keegan Atlas of the Second World War, HarperCollins 1997, pp. 204–05
  597. Tomasevich, Jozo. War and Revolution in Yugoslavia, 1941–1945: Occupation and Collaboration. Stanford University Press, 2001; ISBN 0-8047-3615-4, p. 733
  598. a b c Danijela Nadj (1993). Yugoslavia manipulations with the number Second World War victims. Zagreb: Croatian Information Center. ISBN 978-0-919817-32-6. Consultado em 4 de março de 2016 
  599. a b c U.S. Bureau of the Census. The Population of Yugoslavia (eds. Paul F. Meyers and Arthur A. Campbell), Washington, p. 23
  600. Tomasevich, Jozo. War and Revolution in Yugoslavia, 1941–1945: Occupation and Collaboration. Stanford University Press, 2001; ISBN 0-8047-3615-4, Cap. 17 Alleged and True Population Losses
  601. a b c Kočović, Bogoljub Žrtve Drugog svetskog rata u Jugoslaviji, 1990; ISBN 86-01-01928-5, pp. 172–89
  602. Danijela Nadj (1993). Yugoslavia manipulations with the number Second World War victims-The authors survey of the demographic and human war losses in Yugoslavia. Zagreb: Croatian Information Center. ISBN 978-0-919817-32-6. Consultado em 4 de março de 2016 
  603. Tomasevich, Jozo. War and Revolution in Yugoslavia, 1941–1945: Occupation and Collaboration. Stanford University Press, 2001; ISBN 0-8047-3615-4, In Cap. 17 Alleged and True Population Losses there is a detailed account of the controversies related to Yugoslav war losses. p. 737
  604. Statistics of Democide (1997)
  605. Tomasevich, Jozo. War and Revolution in Yugoslavia, 1941–1945: Occupation and Collaboration. Stanford University Press, 2001; ISBN 0-8047-3615-4, p. 729
  606. Tomasevich, Jozo. War and Revolution in Yugoslavia, 1941–1945: Occupation and Collaboration, Stanford University Press, 2001; ISBN 0-8047-3615-4, p. 746
  607. «Croatian President Mesic Apologizes for Croatian Crimes Against the Jews during the Holocaust». Yad Vashem. Consultado em 6 de março de 2016 
  608. «JASENOVAC». USHMM. United States Holocaust Memorial Museum 
  609. «United States Holocaust Memorial Museum's Holocaust Encyclopedia: "Jasenovac"». Ushmm.org. Consultado em 4 de março de 2016. Arquivado do original em 16 de setembro de 2009 
  610. a b Silberman, F. (2013). Memory and Postwar Memorials: Confronting the Violence of the Past. [S.l.]: Springer. 79 páginas 
  611. Donald Kendrick, The Destiny of Europe's Gypsies. Basic Books, 1972; ISBN 0-465-01611-1, p. 184
  612. Martin Gilbert Atlas of the Holocaust 1988; ISBN 0-688-12364-3, p. 244
  613. Thomas M. Leonard, John F. Bratzel, George Lauderbaugh. Latin America in World War II, Rowman & Littlefield Publishers (September 11, 2006), p. 83

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mortos na Segunda Guerra Mundial