Bombardeamento de Dresden

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bombardeamento de Dresden
Bombardeios durante a Segunda Guerra Mundial
Bundesarchiv Bild 146-1994-041-07, Dresden, zerstörtes Stadtzentrum.jpg
Dresden após o ataque aéreo.
Data 13-15 de fevereiro de 1945
Local Dresden, Alemanha
Desfecho Vitória aliada
Altas Baixas Civis
Beligerantes
Reino Unido RAF
Estados Unidos USAAF
Flag of the German Reich (1935–1945).svg Alemanha Nazista
Forças
  • 769 Bombardeiros pesados (RAF)
  • 527 Bombardeiros pesados (USAAF)
  • 784 P-51 Mustang
Baixas
6 aviões derrubados 22 700–153 000 mortos [1][2]
O corpo carbonizado de uma mulher alemã, morta durante os bombardeios. A esmagadora maioria dos mortos eram civis.

O bombardeamento ou bombardeio de Dresden foi um bombardeamento militar efetuado durante a Segunda Guerra Mundial pelos aliados da Força Aérea Real (RAF) e as Forças Aéreas do Exército dos Estados Unidos (USAAF) entre 13 e 15 de fevereiro de 1945. Em quatro ataques-surpresa, 1 300 bombardeiros pesados lançaram mais de 3 900 toneladas de dispositivos incendiários e bombas altamente explosivas na cidade, a capital barroca do estado alemão de Saxônia[3]. A tempestade de fogo resultante destruiu 39 quilômetros quadrados do centro da cidade.[4][5]

Um relatório da Força Aérea dos Estados Unidos escrito em 1953 por Joseph W. Angell defendeu a operação como o bombardeamento justificado de um alvo militar, industrial e centro importante de transportes e comunicação, sediando 110 fábricas e 50 000 trabalhadores em apoio aos esforços nazistas. Em contrapartida, diversos pesquisadores argumentaram que nem toda a infraestrutura comunicacional, como pontes, foram de fato alvo do bombardeio, assim como extensas áreas industriais distantes do centro da cidade. Alega-se que Dresden era um marco cultural de pouca ou nenhuma significância militar, uma "Florença do Elba", como era conhecida, e que os ataques foram um bombardeio indiscriminado e desproporcional aos correspondentes ganhos militares.[6][7]

Nas primeiras décadas após a guerra, as estimativas de mortos chegavam a 250 000, número atualmente considerado absurdo. Uma investigação independente encomendada pelo conselho municipal de Dresden em 2010 chegou a um total mínimo de 22 700 vítimas, com um número máximo de mortos em torno de 25 000 pessoas, porém, números não oficiais afirmam um número que gera em cerca de 500.000 mortos.[8]

Em comparação direta com o bombardeio sobre a cidade alemã de Hamburgo em 1943, onde se registrou uma das maiores operações aéreas de bombardeamento realizadas pela Força Aérea Real conjuntamente com a Força Aérea dos Estados Unidos, matando, aproximadamente, 50 000 civis e destruindo praticamente toda a cidade, e ao bombardeio de Pforzheim em 1945, que matou aproximadamente 18 000 civis, os ataques aéreos em Dresden não podem ser considerados os mais graves da Segunda Guerra Mundial. A justificativa usada era de minar a economia do Reich a partir do assassinato da mão-de-obra local[9] e executar a estratégia da terra arrasada em caso de ocupação soviética.[10][11] No entanto, eles continuam conhecidos como um dos piores exemplos de sacrifício civil provocado por bombardeio estratégico, ocupando lugar de destaque entre as causes célèbres morais da guerra. Discussões pós-guerra, lendas populares, revisionismo histórico e propagandismo da Guerra Fria levantaram debates entre comentaristas, oficiais e historiadores a respeito da fundamentação ou não do bombardeio, e se sua realização teria constituído um crime de guerra.[12][13][14]

Apesar de nenhum dos envolvidos no bombardeio de Dresden jamais ter sido acusado de crime de guerra, muitos defendem que o bombardeio foi de facto um crime de guerra. Segundo o Dr. Gregory H. Stanton, advogado e presidente da Genocide Watch:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Taylor 2005, p. 42.
  2. Evans 1996, "The Bombing of Dresden in 1945; The real TB 47.
  3. W. Hädecke, Dresden: Eine Geschichte von Glanz, Katastrophe und Aufbruch, Carl Hanser Verlag, München−Vien, 2006; J. Vetter (ed.), Beautiful Dresden, Ljubljana: MKT Print, 2007.
  4. «"Mission accomplished"»  - The Guardian
  5. «"Extract from the official account of Bomber Command by Arthur Harris, 1945"»  - National Archives
  6. Dresden 1945: The Devil's Tinderbox - McKee, Alexander - Granada (1983)
  7. Firestorm: The Bombing of Dresden - Addison, Paul & Crang, Jeremy A. (eds.) - Pimlico (2006) ISBN 1-84413-928-X
  8. «"Erklärung der Dresdner Historikerkommission zur Ermittlung der Opferzahlen der Luftangriffe auf die Stadt Dresden am 13./14. Februar 1945"» (PDF)  - Landeshauptstadt Dresden
  9. Andrew Chandler, “The Church of England and the Obliteration Bombing of Germany in the Second World War.” English Historical Review, 108 (1993), pp. 920-46 (p. 931).
  10. C. Grayling, Among the Dead Cities: Was the Allied Bombing of Civilians in WWII a Necessity or a Crime?, London, 2006, p. 176
  11. «Si l'Armée rouge n'avait pas pris Berlin...» 
  12. "Part I: A Failure of Intelligence" - Technology Review
  13. «Pforzheim – 23. Februar 1945 von Christian Groh (Stadtarchiv Pforzheim)» 
  14. War and State Terrorism: The United States, Japan, and the Asia-Pacific in the Long Twentieth Century - Selden, Mark - Rowmand and Littlefield (2004) ISBN 978-0-7425-2391-3
  15. «How Can We Prevent Genocide: Building An International Campaign to End Genocide»  Por Gregory Stanton.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bombardeamento de Dresden
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.