Boeing B-17 Flying Fortress

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
B-17 Flying Fortress
Airplane silhouette.png
B-17, a Fortaleza Voadora.
Descrição
Tipo / Missão Bombardeiro pesado, com motores a pistão, quadrimotor monoplano
País de origem  Estados Unidos
Fabricante Boeing
Período de produção 1936-1945
Quantidade produzida 12731[1] unidade(s)
Custo unitário US$238,329 (1945)
Desenvolvido em Boeing 307 Stratoliner
Primeiro voo em 28 de julho de 1935 (80 anos)
Introduzido em abril de 1938
Aposentado em 1968 (Força Aérea Brasileira)
Variantes
Tripulação 10
Notas
Dados: Ver seção "Especificações"

O B-17 Flying Fortress (Fortaleza Voadora) foi um avião bombardeiro quadrimotor construído pela Boeing, durante a Segunda Guerra Mundial, para as Forças Aéreas do Exército dos Estados Unidos.

Era uma aeronave potente, de grande raio de ação, capaz de provocar grande destruição em alvos inimigos e com grande capacidade de auto-defesa. Sua capacidade de retornar de missões mesmo com sérios danos e sua durabilidade mesmo quando obrigado a pousos de barriga, tornaram o avião mítico durante a guerra. Apesar de ter alcance e capacidade de carregamento de bombas menor que os B-24 Liberator usados pela Royal Air Force britânica, provocava grande satisfação e confiança nos aviadores das 8ª e 15ª Frotas Aéreas norte-americanas, responsáveis pelas missões de bombardeio da Alemanha.

Utilizado preliminarmente para o bombardeio de precisão estratégico diurno de alvos civis e industriais alemães, os B-17 também foram utilizados durante bombardeiros noturnos – especialidade da RAF – durante as etapas de preparação para a invasão da Normandia, nos primeiros meses de 1944, de maneira a assegurar a superioridade aérea sobre fábricas, cidades e campos de batalha do continente europeu. Ele também participou, em menor número, da Guerra do Pacífico.

Com um teto de vôo maior que o de seus contemporâneos, os B-17 se estabeleceram como soberbas armas de guerra, lançando mais bombas que qualquer outra aeronave norte-americana da II Guerra Mundial; do 1.5 milhão de bombas lançadas sobre a Alemanha, 500 mil delas foram por estes aviões.

A Força Aérea Brasileira operou 13 aeronaves entre 1951 e 1968. Na FAB, o B-17 jamais operou como bombardeiro, mas em missões de reconhecimento, busca e salvamento e transporte.

Projeção de detalhes de estrutura do B-17.
B-17 Yankee Lady (2007)

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Clark Gable ao lado de um B-17F, na Inglaterra, em 1943.

Especificações (B-17G)

Dados de: The Encyclopedia of World Aircraft.[nota 1]

Descrições gerais
  • Tripulação: 10 - piloto, co-piloto, navegador, bombardeiro/artilheiro do nariz, artilheiro da torre dorsal, operador de radiotelegrafo, artilheiros laterais (2), artilheiro da torre redonda ventral e artilheiro de cauda.
  • Capacidade: 7 800 kg (17 200 lb) - de sobrepeso; em missão de curto alcance 3 600 kg (7 940 lb); em missão de longo alcance 2 000 kg (4 410 lb)
  • Comprimento: 22,66 m (74 ft)
  • Envergadura: 31,62 m (100 ft)
  • Altura: 5,82 m (19 ft)
  • Área alar: 131,92  (1 420 ft²)
  • Peso vazio: 16 391 kg (36 100 lb)
  • Peso bruto (carregado): 24 500 kg (54 000 lb)
  • Peso de decolagem: 29 700 kg (65 500 lb)
Motorização
Performance
Armamentos


Notas das especificações

  1. Donald, David. "Boeing Model 299 (B-17 Flying Fortress)." The Encyclopedia of World Aircraft. Etobicoke, Ontario, Canada: Prospero Books, 1997. ISBN 1-85605-375-X.


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um avião, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.