Boraceia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Boracéia)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Boraceia (desambiguação).
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Município de Boraceia
Bandeira de Boraceia
Brasão de Boraceia
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 8 de fevereiro de 1959 (60 anos)
Gentílico boraceense
Lema Vis ad progressum
"Visando o progresso"
Prefeito(a) Marcos Bilancieri (PSDB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Boraceia
Localização de Boraceia em São Paulo
Boraceia está localizado em: Brasil
Boraceia
Localização de Boraceia no Brasil
22° 11' 34" S 48° 46' 44" O22° 11' 34" S 48° 46' 44" O
Unidade federativa São Paulo
Mesorregião Bauru IBGE/2008[1]
Microrregião Jaú IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Pederneiras, Arealva, Bariri e Itapuí
Distância até a capital 330 km
Características geográficas
Área 120,796 km² [2]
População 4 268 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 35,33 hab./km²
Altitude 480 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,783 alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 74 842,421 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 17 099,02 IBGE/2008[5]

Boraceia é um município brasileiro do interior do estado de São Paulo. A cidade é pequena, com uma população estimada em 4.500 habitantes.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Boraceia" é um termo de origem tupi que significa "dança".[6]

História[editar | editar código-fonte]

O fundador

O município de Boraceia surgiu por iniciativa de Eugênio Burjato, cuja grafia correta do seu sobrenome é Brogiato, nascido no ano de 1877 na antiga comuni de "Santa Margherita D'Adige", atualmente denominada de Borgo Veneto que é resultante da fusão dos municípios (comuni) de Santa Margherita d'Adige, Megliadino San Fidenzio, e Saletto, localizada na Provincia de Padova, Itália, atualmente com aproximadamente 7.014 habitantes.

Como todo europeu quando imigrava para o Brasil, tinha em sua mente, vir para as terras brasileiras, pois lhe informavam que eram dadivosas e sumamente produtivas, trabalhar por determinado tempo fazer fortunas e regressar para sua Pátria. Entretanto, dos que vieram, porcentagem mínima voltou. Preferiram ficar, dado o acolhimento que aqui tiveram, construíram nova pátria, tornaram-se brasileiros por adoção.

Foi com este espírito empreendedor que Eugenio Burjato migrou para o Brasil no ano de 1895, com apenas 18 anos de idade, inicialmente estabeleceu residência no distrito de Bica de Pedra, atual município de Itapuí, que até 1913 pertenceu a comarca de Jahu. Casou-se por volta de 1897, com a também italiana Paolina Franchin, com a qual constituiu família e tiveram 11 filhos, 10 mulheres e um homem.

Eugenio Burjato desenvolveu diversos empreendimentos, como por exemplo inaugurou em 1910 uma sala de cinema denominado de Bijou Salon, a qual funcionou até aproximadamente 1919, quando teve problemas em relação ao alvará de funcionamento, resultado de disputas políticas entre dois grupos existentes na época no município de Bica de Pedra. Ele também foi proprietário de um comércio de beneficiamento de café, principal produto agrícola da época, assim com uma madeireira neste mesmo município.

A criação da Vila Floresta - Futuro município de Boraceia

São três fatores principais que contribuíram para a criação de Boraceia, o primeiro deles resulta do desenvolvimento da atividade cafeeira na região nas três primeiras décadas de 1900, com a criação de diversas fazendas de café com o aumento populacional da região, principalmente pelo processo de imigração, e com a chegada da ferrovia no município de Bica de Pedra em 1912 (C.E.F Dourado) que melhorou a circulação de pessoas e mercadorias, facilitando o escoamento da produção de café, tornando a região atrativa economicamente.

O segundo fator é decorrente do desenvolvimento das atividades agrícolas, comerciais e do desenvolvimento populacional desta região que criou a necessidade da construção de uma Ponte sobre o Rio Tiête no local onde existia um movimentado Porto Fluvial José Antônio, onde se realizava o transporte por balsas, as quais não estavam mais suportando o aumento do fluxo de pessoas e mercadorias, e por volta de 1915, após o insucesso dos inúmeros pedidos para a construção de uma ponte no local por parte do poder público, diversos fazendeiros da região resolvem através de uma iniciativa particular construí-la, através da criação de empresa denominada de Companhia Melhoramentos do Porto José Antônio, através deste empreendimento, levantam os recursos necessários e com a autorização do governo do estado de São Paulo, iniciaram as obras em 1917.

O terceiro fator esta ligado a pessoa de Eugenio Burjato que estava envolvido em diversas disputas políticas no município de Bica de Pedra que estavam prejudicando os seus negócios, e por ser um homem atento as oportunidades que surgiam, aliado a um espírito arrojado e empreendedor, percebeu que com a construção da ponte sobre o rio tietê ligando o município de Bica de Pedra ao de Pederneiras, valorizaria toda aquela região, atualmente pertencente ao município de Boraceia, o qual poderia se desenvolver rapidamente, e por outro lado se afastar das disputas políticas municipais.

Percebendo isso, no ano de 1916, um ano antes do inicio da construção da ponte, Eugênio Burjato adquiriu uma área de um alqueire e meio de terras de Joaquim Francisco de Oliveira, gleba essa pertencendo a Fazenda Floresta, que pertencia na época ao município de Pederneiras, percebendo que aquela área estava localizada em uma região estratégica, resolveu criar uma vila, fazendo um loteamento com abertura de ruas, praça, e a construção de uma capela.

Inicialmente, dedicou a lavoura, posteriormente instalou máquina de arroz, olaria de tijolos, casa comercial e outras atividades que iam aparecendo, criaram ambiente para que fosse constituído um distrito. Nesse trabalho e pelo fato de o povoado já estar em ritmo respeitável de progresso, Eugênio Burjato, coadjuvado por Amaro José Veríssimo e outros conseguiram a criação do distrito e depois, com luta das famílias Sgavioli, Freitas Pereira e demais elevaram o município.

Formação Administrativa[editar | editar código-fonte]

Pelo Decreto-lei 9 073, de 31 de março de 1938, foi criado o Distrito de Floresta (então Fazenda Floresta), ficando pertencendo ao município e comarca de Pederneiras.

Pelo Decreto Estadual 9 775, de 30 de Novembro de 1938, que fixou o quadro territorial vigente no quinquênio de 1939-1943, o distrito de Floresta passou a pertencer ao município de Itapuí, Comarca de Jaú, com a mudança de denominação para Boracéia.

Na divisão territorial a vigorar no período de 1959 a 1963, que foi feito pela Lei 5 285, de 18 de fevereiro de 1959, foi elevado à categoria de município, desmembrando assim, parte do território de Itapuí, continuando pertencendo a Comarca de Jaú.

Em 16 de junho de 1982, Boraceia foi transferido para o território da Comarca de Pederneiras.

Data de Emancipação Política[editar | editar código-fonte]

A emancipação política de Boraceia deu-se no dia 7 de Maio do ano de 1959.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Área do município: 121,10 km

População: 4 500 habitantes

Densidade demográfica: 36,2 habitantes por quilômetro quadrado

Número de eleitores: 3.509

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 11,50

Expectativa de vida (anos): 73,74

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,37

Taxa de Alfabetização: 88,39%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,783

  • IDH-M Renda: 0,696
  • IDH-M Longevidade: 0,812
  • IDH-M Educação: 0,841

(Fonte: IPEADATA)

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

  • SP-261 - Rodovia Cesar Augusto Sgaviolli

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A cidade foi atendida pela Companhia de Telecomunicações do Estado de São Paulo (COTESP) até 1973, quando passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP)[7], que construiu em 1982 a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica, sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo para suas operações de telefonia fixa[8][9][10].

Administração[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. NAVARRO, E. A. Método Moderno de Tupi Antigo. Terceira edição. São Paulo: Global, 2005. p.422
  7. «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada) 
  8. «Convênio de incorporação da COTESP pela TELESP em 25 de outubro de 1973». Portal da Câmara dos Deputados 
  9. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  10. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Boraceia