Bruno Schmidt

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Bruno Oscar Schmidt)
Ir para: navegação, pesquisa
Bruno Schmidt
campeão olímpico
Bruno no pódio dos Jogos do Rio, em 2016.
Voleibol
Nome completo Bruno Oscar Schmidt
Apelido Mágico[1][2]
Modalidade Voleibol de praia
Nascimento 6 de outubro de 1986 (30 anos)[3]
Brasília, DF
Nacionalidade brasileiro
Compleição Peso: 85 kg Altura: 1,85 m[4]
Medalhas
Competidor do  Brasil
Jogos Olímpicos
Ouro Rio de Janeiro 2016 Equipe
Campeonatos Mundiais
Ouro Países Baixos 2015 Equipe
Circuito Mundial
Ouro Temporada 2015 Equipe
World Tour Finals
Ouro Fort Lauderdale 2015 Equipe
Ouro Toronto 2016 Equipe
Jogos Sul-Americanos
Ouro Santiago 2014 Equipe

Bruno Oscar Schmidt (Brasília, 6 de outubro de 1986) é um jogador de vôlei de praia brasileiro. Atualmente, joga com Alison Cerutti.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Membro de conhecida família do Rio Grande do Norte, Bruno Schmidt é sobrinho do ex-jogador de basquete Oscar Schmidt e do jornalista Tadeu Schmidt.[5] Nasceu em Brasília, no Distrito Federal, e começou a jogar vôlei durante a infância em Cabo Frio, no Rio de Janeiro.[6] Sua primeira grande competição foi o Campeonato Mundial Sub-21, em 2005, realizado no Rio de Janeiro, no Brasil. Na ocasião, ao lado do parceiro Vinícius de Almeida, ficou na nona colocação. Um ano depois, ao lado de Pedro Solberg, se tornaria Campeão Mundial na mesma categoria (Sub-21).

Entre 2007 e 2009, Bruno Schmidt formou dupla com João Maciel. Com pouco tempo de formação, os dois ganharam o primeiro título juntos, um torneio da FIVB Challenger & Satellite, em Lausanne. Nessa mesma temporada, veio seu primeiro evento do Circuito Mundial, em Fortaleza, no qual terminou em 25º lugar. Em 2008, a primeira final no Circuito Mundial, e medalha uma prata. A dupla brasileira perdeu apenas na grande final, diante dos espanhóis Pablo Herrera e Raul Mesa Allepuz, em Kristiansand. Posteriormente, os dois brasileiros ainda conseguiram bons resultados (4º no aberto do Guarujá; 7º no aberto de Mallorca), embora não viessem a ganhar outra medalha. A dupla se separou no fim de 2009, mas ambos voltariam a jogar juntos em meados de 2011 até o início de 2012. Nesse período, o 4º lugar em Klagenfurt, Áustria, foi a campanha mais expressiva.

Depois da parceria com João Maciel, era a vez Benjamin fazer dupla com Bruno. Foram duas oportunidades: entre 2010 e meados de 2011, e metade final de 2012. Embora não tenham conquistado títulos juntos, mostraram-se regulares e geralmente figuravam entre os oito primeiros. Além disso, chegaram a três semifinais, ganhando duas medalhas: Aberto de Brasília, medalha de bronze, e Aberto de Haia, medalha de prata. No Aberto de Xangai finalizaram no 4º lugar.

Parceria com Pedro Solberg[editar | editar código-fonte]

No ano de 2013, Bruno fez dupla com Pedro Solberg. A parceria rendeu ótimos resultados. Em apenas um ano, foram 7 semifinais, sendo conquistadas seis medalhas. Ouro no Grand Slam de Haia e de São Paulo. Prata em Xangai, Gstaad e Fuzhou. Por fim, bronze em Roma e Durban. Também foram campeões do Circuito Brasileiro de 2012/2013.

Bruno realizando uma defesa durante a final olímpica.

Parceria com Alison Cerutti[editar | editar código-fonte]

Mesmo com os bons resultados ao lado de Pedro Solberg, em 2014, Bruno formou uma nova parceria com Alison Cerutti, o Mamute.[1] Alison vinha de uma parceria muito bem sucedida com Emanuel, o jogador de vôlei de praia mais vencedor de todos os tempos.[7][8] A nova dupla não decepcionou.[9] Mesmo com pouco tempo de entrosamento, foram campeões dos Jogos Sul-Americanos[10] e do Grand Slam de Klagenfurt, na Áustria. Em 2015, foram campeões do Campeonato Mundial, do Circuito Mundial e do World Tour Finals, conquistando os três principais títulos da temporada.[11] Nas Olimpíadas do Rio, tornou-se campeão olímpico ao lado de Alison ao vencer por dois sets a zero a parceria italiana formada por Paolo Nicolai e Daniele Lupo.[12] Essa foi a segunda vez que uma dupla brasileira venceu o torneio olímpico masculino de vôlei de praia.[12] Com 1,85 m, Bruno é o menor campeão olímpico do voleibol de praia.[13] Em seguida, Bruno e Alison conquistaram o título do World Tour Finals, disputado em Toronto.[14]

Referências

  1. a b c Geraldo Azevedo, José (10 de dezembro de 2014). «Bruno Schmidt aguarda por Alison e aposta em Mamute mais "encorpado"». globoesporte.com. Grupo Globo. Consultado em 17 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2015 
  2. Rubinroit, Seth (30 de setembro de 2015). «'Mammoth,' 'Magician' lead Brazil's climb back to top of beach volleyball». NBC Sports (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2015 
  3. «Athlete's biography». FIVB (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2015 
  4. «Details of Bruno Oscar Schmidt». FIVB (em inglês). Swatchmajorseries.com. Consultado em 17 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2015 
  5. Mendes, Thiago (28 de setembro de 2014). «Sobrinho de Oscar e Tadeu, Bruno Schmidt é orgulho da família e esperança de ouro em 2016». Extra. Grupo Globo. Consultado em 22 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2016 
  6. «Campeões olímpicos Alison e Bruno festejam vitória em terras capixabas neste sábado». Folha Vitória. 22 de agosto de 2016. Consultado em 22 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2016 
  7. «EMANUEL 149: O desabafo emocionado do maior vencedor da história do vôlei de praia». CBV. 21 de novembro de 2013. Consultado em 17 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2015 
  8. «Com título ao lado de Alison, Emanuel se torna o maior vencedor das areias». globoesporte.com. Grupo Globo. 17 de novembro de 2013. Consultado em 17 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2015 
  9. «Alison/Bruno massacra dupla dos EUA e briga pelo título mundial na Holanda». globoesporte.com. Grupo Globo. 4 de julho de 2015. Consultado em 17 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2015 
  10. Fricke, Gabriel; Marcello Pires (15 de março de 2014). «Alison e Bruno vencem dupla treinada por ex-jogador brasileiro e levam ouro». globoesporte.com. Grupo Globo. Consultado em 19 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2015 
  11. «Bruno & Alison overcome "sluggish" start to become top team». FIVB (em inglês). 8 de outubro de 2015. Consultado em 17 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2015 
  12. a b «Alison & Bruno validate World Championship with Olympic gold». FIVB (em inglês). 19 de agosto de 2016. Consultado em 26 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2016 
  13. Fontes, Carol (27 de agosto de 2016). «Campeão olímpico mais baixo, Bruno recorda: "Tive que me fingir de surdo"». globoesporte.com. Grupo Globo. Consultado em 27 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2016 
  14. «Bruno Schmidt e Alison são campeões do Finals e coroam temporada perfeita». SporTV.com. Grupo Globo. 18 de setembro de 2016. Consultado em 22 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]