Carlos Vogt

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Carlos Vogt
Nome completo Carlos Alberto Vogt
Nascimento 6 de fevereiro de 1943 (78 anos)
Sales Oliveira

Carlos Alberto Vogt (Sales Oliveira,[1] 6 de fevereiro de 1943) é um linguista e poeta brasileiro.

Graduou-se em Letras pela Universidade de São Paulo. É mestre em Letras Modernas, pela Universidade de Franche-Comté (Besançon, França), e doutor em Ciências Sociais, pelo Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp.[2]

Desde 1986 é professor titular da área de semântica argumentativa da Unicamp.

No período de 1986 a 1990 foi vice-reitor e coordenador geral da Unicamp, assumindo o cargo de reitor[3] em 1990, permanecendo no cargo até 1994. Na sua gestão como reitor da Universidade de Campinas, destaca-se o Projeto Qualidade, que aumentou em 50% o número de defesas de teses na pós-graduação; a criação de um programa de qualificação dos cursos de graduação e a implantação de 10 cursos noturnos, 12 cursos de mestrado e 23 de doutorado. Foi criado o Escritório de Transferência de Tecnologia, para incentivar as relações entre a universidade e a empresa. O número de alunos matriculados na graduação cresceu 33% e o número de vagas no vestibular, 25%. Houve também um aumento de 80 mil m² de obras físicas no campus. Foram criados o Serviço de Medicina Nuclear do Hospital das Clínicas (HC), o Centro Oftalmológico de Referência, o Programa de Transplante de Medula Óssea e o Núcleo Softex 2000. A Editora da Unicamp consolidou seu projeto editorial e recebeu o Prêmio Jabuti por três publicações, durante a VI Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Desde 1995, Vogt é coordenador do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo[4] – um centro de referência, no país e na América Latina, para a formação e para os estudos em divulgação científica e cultural, oferecendo cursos de pós-graduação em jornalismo científico e cultural e desenvolvendo pesquisas acerca da percepção pública da ciência, em particular com o desenvolvimento da teoria da espiral da cultura científica, sobre a dinâmica das relações entre ciência e cultura.

Em 2005, Carlos Vogt recebeu a comenda da Ordem Nacional do Mérito Científico,[5] da Presidência da República e o título de doutor honoris causa[6] da Escola Normal Superior de Lyon, na França.

Foi vice-presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) de 2001 a 2005. É diretor de redação da revista de divulgação científica ComCiência[7] e foi editor-chefe da Ciência e Cultura, entre 2002 e 2007 (ambas publicações da SBPC), e da revista Inovação Uniemp, de 2006 a 2007.[8]

Foi presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp, de 2002 a 2007, e Secretário de Ensino Superior do Estado de São Paulo, entre 2009 e 2010, quando iniciou a implantação da Univesp – Universidade Virtual do Estado de São Paulo [9] – e seguiu como diretor até 29 de outubro de 2016, quando foi substituído por Maria Alice Carraturi Pereira devido ao fim de seu mandato.

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

Ensaios[editar | editar código-fonte]

  • O intervalo semântico (Ática, 1977 – Ateliê, 2010)
  • Cultura científica: desafios (org., Edusp, 2006)
  • Percepção pública da ciência (em co-autoria, Fapesp e Unicamp, 2003)
  • A imprensa em questão" (em co-autoria; Unicamp, 1997)
  • Cafundó – A África no Brasil (em co-autoria com Peter Fry; Cia. das Letras e Unicamp, 1996)
  • A solidez do sonho (Papirus e Unicamp, 1993)
  • Linguagem, pragmática e ideologia (Hucitec, 1989)
  • Nelson Rodrigues. Flor de obsessão (em co-autoria, Brasiliense, 1985)
  • Crítica ligeira (Pontes, 1982)

É também autor de inúmeros artigos e ensaios publicados em jornais, revistas e órgãos especializados nacionais e internacionais.

Traduções[editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • Cantografia (1982). Prêmio de Revelação em Poesia, da Associação Paulista de Críticos de Arte.
  • Paisagem doméstica (Massao Ohno, 1984)
  • Geração (Brasiliense, 1985)
  • Metalurgia (Companhia das Letras, 1991)
  • Mascarada (Unicamp, 1997)
  • Pisca Alerta[10] (Landy Editora, 2008).

A obra poética de Vogt pode ser visualizada no site Cantografia.[11]

Referências

  1. Biblioteca Mário de Andrade. «Carlos Vogt». Consultado em 22 de janeiro de 2007 
  2. Currículo Lattes
  3. Unicamp. «Carlos Vogt». Consultado em 16 de abril de 2008 
  4. «Labjor» 
  5. Agência FAPESP. «FAPESP tem comendadores». Consultado em 26 de abril de 2005 
  6. Agência FAPESP. «Distinção acadêmica». Consultado em 21 de novembro de 2005 
  7. «ComCiência» 
  8. O IBI consolidado. Por Carlos Vogt. Inovação Uniemp v.3 n°3 Campinas maio-junho de 2007 ISSN 1808-2394
  9. «Univesp» 
  10. Unicamp. «Vogt lança poesia reunida com inédito Pisca Alerta». Consultado em 16 de abril de 2008 
  11. «Cantografia» 



Precedido por
Paulo Renato Costa Souza
Reitor da Unicamp
1990 - 1994
Sucedido por
José Martins Filho