Caroline Otero

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Agustina Otero Iglesias
Fotografada por Jean Reutlinger.
Nome completo Agustina del Carmen Otero Iglesias
Pseudônimo(s) La Bella Otero
Caroline Otero
Nascimento 4 de novembro de 1868
Valga, Espanha
Morte 10 de abril de 1965 (96 anos)
Nice, França
Nacionalidade Espan
Progenitores Mãe: Carmen Otero Iglesias
Pai: Carasson
Ocupação Dançarina, atriz e cortesã
Anúncio no Folies Bergère 1894

Caroline Otero, nome artístico de Agustina del Carmen Otero Iglesias (Valga, 4 de novembro de 1868Nice, 10 de abril de 1965), foi uma cantora e dançarina de cabaré, além de cortesã da Belle Époque. Também era conhecida como "La Belle Otero".

Nascida em Valga, na Galiza (Espanha) numa família pobre em que a mãe se prostituía para alimentar os filhos, foi violada aos 11 anos por um sapateiro que lhe havia arranjado os calçados, é expulsa de casa pela mãe e começa uma carreira nos cabarés de Barcelona [nota 1]

Vai par Paris onde se produz no Grand Véfour e no Cirque d'été antes de fazer uma tournée triunfal nos Estados Unidos, e volta para Paris em 1892 onde se especializa em papéis de bela estrangeira no Folies Bergère. Nesta casa de espetáculos, se apresenta sempre vestida suntuosamente com lindos colares de pérola que destacam seus seios generosamente expostos.

Em 1898 torna-se a primeira estrela do cinema, quando Félix Mesguich a filma em São Petersburgo a dançar com um oficial Russo, o que vale ao operador de cinema dos irmãos Lumière a sua expulsão da Rússia.[1] Torna-se amiga de Colette mas a sua grande rival é uma espanhola como ela, a Carmencita. Grande sedutora era conhecida pela "sereia dos suicídios" e estar na origem vários duelos e seis suicídios. Nas suas Memorias (ver Nota") afirma ter seduzido vários reis e aristocratas como Eduardo VII do Reino Unido, Leopoldo II da Bélgica, Duque de Westminster ou Grão-duque Nicolau Nikolaevich da Rússia.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Liesel Schiffer, Femmes remarquables du xixe siècle, préface de Jean Tulard, Vuibert, 2008 (ISBN 2711744426, ISBN 9782711744428)
  • Félix Bonafé, Une rencontre avec la Belle Otero in Rythmes et couleur, novembro de 1962

Notas

  1. Segundo o seu livro Memorias

Referências

  1. Jacques Rittaud-Hutinet, Le Cinéma des origines: Les frères Lumière et leurs opérateurs, 1990, p. 176-177 (ISBN 2-903528-43-8)
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Caroline Otero