Carouge

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Picto infobox map.png
Carouge
Comuna da Suíça
Carouge-coat of arms.svg
Brasão de armas
Carouge.jpg
Praça do Mercado
Administração
Cantão Flag of Canton of Geneva.svg Genebra
Comunas
limítrofes
Genebra, Lancy, Plan-les-Ouates, Troinex e Veyrier.
Prefixo telefónico +41 (0)22
Língua oficial francês
Demografia
População 20 071 hab.
Densidade 7 573 hab./km²
Geografia
Coordenadas 46° 11' 2N 6° 8' 25'E
Altitude 424 m
Área 2.500 km²
Website oficial Carouge.ch
Localização
Karte Gemeinde Carouge.png

Carouge é uma cidade do cantão de Genebra na Suíça e separada dela pelo rio Arve que faz parte da República e Cantão de Genebra desde 1816. Muito apreciada bela pelo seu aspecto característico de localidade sarda. Tem como comunas limitrofes: Genebra, Lancy, Plan-les-Ouates, Troinex e Veyrier.

Atualmente Carouge continua a manter um aspecto Mediterrâneo tanto na arquitectura em geral como na convivialidade dos seus habitantes [1].

Origens[editar | editar código-fonte]

O Tratado de Turim, de 3 de junho de 1754, entre o Reino de Sardenha e a República de Genebra, marca o fim das lutas, entre a Casa de Saboia e Genebra, e o seu nascimento da cidade. Com o apoio da Saboia, Carouge desenvolve-se rapidamente, sobretudo graças à visão de Pierre-Claude de la Fléchère, Conde de Veyrier e representante local do Ducado de Saboia, que logo se apercebera do interesse geoestratégico da cidade e solicitara a Victor Amadeu III, rei da Sardenha e duque de Saboia, privilégios que permitissem o desenvolvimento da localidade, notadamente atraindo estrangeiros. Em 1777, Carouge obtém a permissão de realizar duas feiras anuais e um mercado semanal. Sua população passa de mil habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

Carouge foi fundada por Vítor Amadeu III da Sardenha, descendente dos duques de Saboia e predecessor dos futuros reis da Itália. Depois de ter desejado longamente Genebra e esperado fazer dela a sua capital, a Casa de Saboia, em razão da derrota de L'Escalade (1602) e do Tratado de Saint-Julien,[2] teve de reconhecer a independência de Genebra. Vítor Amadeu optou então por uma outra estratégia - a de fundar uma cidade às portas daquela que não conseguira conquistar, do outro lado do Arve, com a finalidade de lhe fazer concorrência [3].

De burgo a cidade[editar | editar código-fonte]

Vítor Amadeu chama os arquitetos de Turim, então capital do Reino do Piemonte-Sardenha, para edificar a nova cidade. A pequenina aldeia, que contava então 17 casas, transforma-se numa pequena cidade de extraordinária harmonia arquitetural. Declarada "Cidade Real" em 1786, Carouge povoa-se rapidamente, o que não é obra do acaso mas sim do desejo de Vítor Amadeu de torná-la rival de Genebra - razão pela qual, entre outras coisas, abole as portagens nas terras da Saboia, de modo a incitar as pessoas a se fixarem na nova cidade e não atravessar o Arve para pagá-las em Genebra [3]. Em 1777, Carouge obtém autorização para realizar duas feiras anuais e um mercado semanal.[4]

Pelo édito de 2 de Maio de 1780, Carouge torna-se a capital da província do mesmo nome, com um número de habitantes próximo dos 3 000, e o burgo recebe a 31 de Janeiro de 1786 o brasão Carouge-coat of arms.svg ao aceder ao estatuto de cidade por carta real.

Carouge, a liberal[editar | editar código-fonte]

A particularidade de Carouge é a de ser um ilha de liberalismo largamente apoiada pelo poder de Turim, que não só lhe acordando privilégios particulares e únicos dentro do reino, como aceitar a vinda de inúmeros estrangeiros de todas origens e religiões a fim de favorecer o desenvolvimento económico da província e fazer concorrência a Genebra. Assim, os francomaçãos aparecem por volta de 1777, dois anos depois dos protestantes que obtêm a tolerância cívica e religiosa em 1783, e é autorizando a um Pastor protestante exercer em Carouge, quando a cidade é católica. Em 1779 os Judeus principalmente da Alsácia são largamente aceites e é-lhes autorizada a edificação de uma sinagoga. Todas estas acções - basicamente novas para a época - são apoiadas por Pierre-Claude de la Fléchère.

Em 1787, Victor-Amédée III proclama o Édito da Tolerância que permite, principalmente aos judeus, beneficiarem da aplicação dos direitos comuns e term inteira liberdade de culto, caso rarissimo na história da Europa, os francomaçãos com lojas maçónicas, os protestantes com templos protestante e os judeus com sinagogas [5].

Uma cidade sob ocupação francesa[editar | editar código-fonte]

Em 1789, os efeitos da Revolução Francesa se fazem sentir. Para prevenir qualquer perturbação, a guarnição da cidade passa de 144 para 650 homens. Tal medida de segurança surte efeito por algum tempo, mas os dias de Carouge, a sarda, estavam contados. Em 2 de outubro de 1792, tropas francesas, em marcha para a "campanha da Itália", penetram sem resistência na província de Carouge, anexando-a ao novo departamento do Monte Branco, do qual Chambéry é designada a capital. Em seguida, as tropas seguem para o novíssimo departamento do Leman, criado em 1798, do qual Genebra - primeiramente ocupada e depois anexada- se torna a sede administrativa. Carouge continuará sob ocupação francesa até a sua libertação, pelos austríacos, em setembro de 1814.

Uma cidade suíça[editar | editar código-fonte]

Após um período movimentado, durante o qual Carouge tornar-se-á novamente sarda, sob o tratado de paz de 30 de maio de 1814; depois, reocupada brevemente pelos franceses, durante os cem dias de retorno de Napoleão; de novo, sarda, após a derrota de Napoleão em Waterloo, e finalmente cedida ao cantão de Genebra, pelo duque de Saboia à república e novo cantão de Genebra, conforme o Tratado de Turim de 16 de março de 1816, [6] juntamente com 19 outras do ducado de Saboia, como contrapartida da neutralidade helvética nas zonas francas da Saboia. 12 comunas francesas [7] serão também cedidas pela França ao novo cantão suíço de Genebra, a título de indenizações de guerra. O cantão se havia juntado à Confederação suíça por ocasião dos tratados de Paris, em 1814, e de Viena, em 1815. A cessão é acompanhada de uma pequena zona franca excluída dos direitos aduaneiros sardos. Atualmente, uma praça de Carouge chama-se Praça da Sardenha [6]

Imagens[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «GE Tourisme; Carouge» (em francês) 
  2. Alfred Dufour, Histoire de Genève, p. 94. Que sais-je nº 3210, PUF.
  3. a b «Carouge Mania» (em francês) . Maio de 2012.
  4. Eusèbe-Henri Gaullieur, Annales de Carouge, éditions Slatkine, Genève, 1982, p. 33 (reimpressão da edição de Joel Cherbuliez, Genève, 1857).
  5. "Archives départementales de Haute-Savoie (ADHS), période Sarde, série C, ICI-16, correspondance n° 122, lettre du 15 août 1787 du Ministre Giuseppe Corté au Gouverneur général à Chambéry. (Referência da versão wiki, Fr)
  6. a b «Dates et faits - Carouge» (em francês) 
  7. Raymond Zanone, Cap sur l'histoire de Carouge, Carouge, Mairie de Carouge, 1983, 136 p.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Sítio oficial

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Carouge