Vítor Amadeu III da Sardenha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Vítor Amadeu III
Rei da Sardenha
Reinado 20 de fevereiro de 1773
a 16 de outubro de 1796
Antecessor(a) Carlos Emanuel III
Sucessor(a) Carlos Emanuel IV
 
Nascimento 26 de junho de 1726
  Palácio Real de Turim, Turim, Sardenha
Morte 16 de outubro de 1796 (70 anos)
  Castelo de Moncalieri, Turim, Sardenha
Sepultado em Basílica de Superga,[1] Turim, Itália
Nome completo Vítor Amadeu Maria
Esposa Maria Antônia da Espanha
Descendência Carlos Emanuel IV da Sardenha
Maria Josefina de Saboia
Maria Teresa de Saboia
Maria Ana de Saboia
Vítor Emanuel I da Sardenha
Maurício, Duque de Monferrato
Maria Carolina de Saboia
Carlos Félix da Sardenha
José, Conde de Asti
Casa Saboia
Pai Carlos Emanuel III da Sardenha
Mãe Polixena de Hesse-Rotemburgo
Religião Catolicismo

Vítor Amadeu III (Turim, 26 de junho de 1726 – Turim, 16 de outubro de 1796) foi o Rei da Sardenha de 1773 até sua morte. Era o filho mais velho do rei Carlos Emanuel III e sua terceira esposa Polixena de Hesse-Rotemburgo.

Organizou seu exército segundo o modelo prussiano, fundou a Academia de Ciências de Turim e lutou contra a Revolução Francesa, que lhe impôs o Tratado de Paris em 1796.

Além de ter copiado a obra militar de Frederico II, foi aliado ao rei da França, acolheu numerosos emigrados, entre eles o conde de Artois (1789) e esforçou-se por conter a agitação revolucionária. O exercito francês lhe tirou a Saboia e Nice, em setembro de 1792, e o jogou nos braços da Áustria. As vitórias de Napoleão Bonaparte, em 1796, obrigam-no a sair da coalizão pelo armistício de Cherasco, em 28 de abril, e a ceder a Saboia e Nice, e ainda aceitar uma guarnição francesa no Piemonte pelo Tratado de Paris de 15 de maio.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

DUPRÀ, Domenico. Retrato de Vítor Amadeu III da Sardenha (1726-1796) em armadura. 1751. Óleo sobre tela. No Palácio Real de Turim.

Nascido no Palácio Real de Turim, Vítor Amadeu era filho do rei Carlos Emanuel III da Sardenha e de sua segunda esposa Polixena de Hesse-Rotemburgo. Ele foi intitulado "Duque de Saboia" do nascimento até sua ascensão ao trono sardo.[2]

Como o primogênito e príncipe-herdeiro do casal real, o nascimento de Vítor Amadeu foi muito comemorado. Seu pai havia tipo um filho varão com sua primeira esposa Ana Cristina de Sulzbach, mas o mesmo faleceu aos dois anos de idade, em 1725.

A educação do herdeiro sardo, com especial ênfase no militarismo, foi confiada a Gerdil Giacinto Sigismondo; ao longo de sua vida, Vítor Amadeu manteve grande interesse acerca do militarismo. Quando um jovem príncipe, ele estava cercado por intelectuais e ministros, muitos dos quais adquiriram cargos durante o seu reinado. No privado ele era um conservador e religioso assíduo e mantinha-se longe da vista do grande público. Seu pai o considerava inadequado para o trono.

Considerado de natureza afável, Vítor Amadeu era estimado por seu povo por sua generosidade.[3]

Casamento[editar | editar código-fonte]

Vítor Amadeu se casou com a infanta espanhola Maria Antônia de Bourbon (1729-1785), filha mais nova do rei Filipe V e Isabel de Parma;[4] Maria Antônia outrora havia sido considerada como uma noiva em potencial para o príncipe-eleitor da Saxônia[5] e o delfim da França.[6]

O casamento foi arranjado pelo meio-irmão mais velho de Maria Antônia, o rei espanhol Fernando VI, numa tentativa de estreitar os laços entre os reinos da Espanha e Sardenha, inimigos durante a Guerra de Sucessão Austríaca. A cerimônia matrimonial teve lugar em 31 de maio de 1750 na cidade de Oulx. Foi um casamento feliz que gerou doze filhos e Maria Antônia tinha alguma influência sobre Vítor Amadeu.[4]

Descendência[editar | editar código-fonte]

Deixou ainda um filho bastardo:

  • Eugênio, nascido em 1753, conde de Vilafranca em 1785, que se casou em 1779 com Luísa Ana de Mahon.

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Bertolotti. Davide:Istoria della R. Casa di Savoia, Antonio Fontana, 1830, p 289
  2. Campbell. John: The present state of Europe, London, 1761, p 341
  3. Botta, Carlo: Storia d'Italia dal 1789 al 1814, 1837, Torino, p 105
  4. a b Morselli. Mario: Amedeo Avogadro, a scientific biography, Springer, 1984, p 6
  5. Armstrong. Edward: Elisabeth Farnese: The Termagant of Spain, 1892, p. 343
  6. Rozoir, Charles du:Le dauphin, fils de Louis XV et père de Louis XVI et de Louis XVIII, 1815, p. 56
  7. a b «Savoia». Consultado em 26 de agosto de 2010. Arquivado do original em 8 de dezembro de 2012 
  8. Frederic Guillaume Birnstiel, ed. (1768). Genealogie ascendante jusqu'au quatrieme degre inclusivement de tous les Rois et Princes de maisons souveraines de l'Europe actuellement vivans (em francês). Bourdeaux: [s.n.] p. 25 

Precedido por
Carlos Emanuel III
Rei da Sardenha
17731796
Armoiries Sardaigne 1720.png
Sucedido por
Carlos Emanuel IV
Ícone de esboço Este artigo sobre História da Itália é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.