Crysis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Crysis
Capa europeia
Desenvolvedora(s) Crytek
Publicadora(s) Electronic Arts
Produtor(es) Bernd Diemer
Designer(s) Jack Mamais
Escritor(es) Martin Lancaster
Tim Partlett
Greg Sarjeant
Compositor(es) Inon Zur
Motor CryEngine 2:
Microsoft Windows (2007)
CryEngine 3:
PS3 e Xbox 360 (2011)
Plataforma(s) Windows, Xbox 360 (Xbox Live), PlayStation 3 (PSN)
Data(s) de lançamento Microsoft Windows
  • JP 29 de novembro de 2007
  • AN 13 de novembro de 2007
  • EU 16 de novembro de 2007
Xbox 360
4 de outubro de 2011[1]
PlayStation 3
  • JP 18 de outubro de 2011
  • AN 4 de outubro de 2011
  • EU 5 de outubro de 2011
Gênero(s) Tiro em primeira pessoa
Modos de jogo Single player, multiplayer
Classificação Inadequado para menores de 17 anos i CERO (Japão)
Inadequado para menores de 18 anos i DEJUS (Brasil)
Inadequado para menores de 17 anos i ESRB (América do Norte)
Inadequado para menores de 15 anos i OFLCA (Austrália)
Inadequado para menores de 18 anos i PEGI (Europa)
Inadequado para menores de 18 anos i USK (Alemanha)
Crysis Warhead
(2008)

Crysis é um jogo eletrônico de tiro em primeira pessoa[2] desenvolvido pela Crytek e lançado pela Electronic Arts em 2007.[3][4] Foi um grande sucesso para a crítica e rendeu inúmeros prêmios e várias feiras e eventos de tecnologia. Na época de seu lançamento e nos anos seguintes, o jogo foi aclamado por ser um marco em design gráfico (proporcionado por altos requisitos de hardware). Utiliza o motor de jogo CryEngine 2, desenvolvido também pela Crytek. Posteriormente foi publicada a expansão Crysis Warhead (2008) que se caracteriza por ocorrer no mesmo lugar e momento que Crysis, mas pelo ponto de vista de outro personagem.[5][6] Em 5 de maio de 2009 foi divulgada a edição de colecionador Crysis Maximum Edition, que inclui Crysis, Crysis Warhead e uma outra expansão multiplayer chamada Crysis Wars. Em 25 de março de 2011 foi publicada a sequela Crysis 2 para PC, PlayStation 3 e Xbox 360.

História[editar | editar código-fonte]

Tanto em gráficos realistas, quanto em jogabilidade e efeitos físicos impressionantes, a inovação pode ser vista nas diversas demonstrações exibidas pelos desenvolvedores durante os últimos meses.

A história, apesar de não ser o ponto forte do jogo, não fica devendo em nada quando comparada com a de outros títulos similares, pois ela é simples: em 2020, arqueólogos americanos em uma ilha da Coreia do Norte acham algo interessante em suas escavações. Porém, o governo norte-coreano envia soldados imediatamente para o local e você, um soldado exemplar da Força Delta do exército dos Estados Unidos da América, é enviado para investigar o local.

Vale ressaltar alguns pontos interessantes, tais como: as armas são preparadas para serem modificadas de acordo com a necessidade do jogador, outras são capazes de destruir construções com apenas um disparo; a vestimenta utilizada pelo personagem, uma armadura com tecnologia de nano robôs, capaz de aumentar a força, velocidade, resistência de forma sobre-humana, e até tornar o personagem invisível; o ambiente de jogo é altamente destrutível, sendo possível danificar até mesmo a vegetação; e principalmente os inimigos, alienígenas terríveis e poderosos, e soldados treinados para suportar qualquer situação. Pode-se também conduzir veículos e disparar seus armamentos ao mesmo tempo, mesmo estando sozinho nos mesmos.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Motor de jogo

Crysis utiliza um novo motor, CryEngine 2, que é o sucessor do CryEngine do Far Cry. CryEngine é um dos primeiros motores que usa Direct3D 10 (DirectX 10), mas também pode funcionar utilizando DirectX 9, tanto no Windows XP, Vista e Windows 7.

A diferença principal é que no modo DirectX 10 oferece melhores gráficos que no modo DirectX 9.0c, às custas de uma maior exigência do nível de hardware.

Existe um patch não-oficial para fazer funcionar os melhores gráficos disponíveis no modo DirectX10 sobre DirectX 9.0c.

Roy Taylor, vice-presidente de Relações de Conteúdo da NVIDIA, já havia falado sobre a complexidade do motor, que Crysis tem mais de um milhão de linhas de código, 4 gigabytes de dados de textura, sombreamento e 85000 shaders.

Ademais, utiliza várias tecnologias gráficas como:

  • Shader Model 2.0, 3.0 e 4.0+ (Para ver todos seus efeitos Shader Model 4.0).
  • Iluminação HDR lineal e progressiva ver 2.0
  • Profundidade de campo múltiplo.
  • Sistema avançado de partículas.
  • Efeitos climáticos e do tempo.
  • Objetos totalmente interativos e com capacidade de destruí-los (Nvidia Physx).2

Durante vários anos tem sido referência de gráficos para a etapa da sétima geração de consoles, e poucos videojogos que tenham superado a qualidade de imagem alcançada por Crysis.

Requisitos do sistema
Mínimo Recomendado
Microsoft Windows[7]
Sistema Operacional Windows XP com Service Pack 2 Windows Vista
CPU AMD Athlon 2800+ (3200+ para Vista); Intel Pentium 4 2.8GHz (3.2GHz para Vista) Intel Core 2 Duo @ 2.2GHz, AMD Athlon 64 X2 4200+
Memória 1 GB (XP), 1,5 GB (Vista) 2 GB
Espaço em Disco 12 GB de espaço livre em disco
Placa de Vídeo NVIDIA GeForce 6800 GT com 256 MB; ATI Radeon 9800 Pro (XP) ou X800 Pro (Para Vista) com 256 MB NVIDIA 8800/GTX 200/300 /Radeon 4800/5800 Series
Placa de Som Compatível com DirectX 9.0c Compatível com DirectX 10

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Plunkett, Luke. «Four Years Later, Crysis Comes to Console». Kotaku 
  2. UOL
  3. GameSpot
  4. Todas as versões do jogo no site GameFaqs, com vários reviews
  5. «Crysis Warhead sequel». Kotaku. Consultado em 5 de junho de 2008 
  6. Cry-Alex (5 de junho de 2008). «Crysis Warhead Announced». CryMod. Consultado em 5 de junho de 2008 
  7. Requisitos mínimos y reconmendados