D. H. Lawrence

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
D. H. Lawrence
D. H. Lawrence
Nome completo David Herbert Lawrence
Nascimento 11 de setembro de 1885
Nottingham, Reino Unido
Morte 2 de março de 1930 (44 anos)
Vence, França
Nacionalidade Inglaterra Inglês
Cônjuge Frieda Freiin von Richthofen (1914-1930)
Ocupação Escritor
Prémios James Tait Black Memorial Prize (1920)
Magnum opus Mulheres apaixonadas

David Herbert Lawrence ou D. H. Lawrence (Nottingham, 11 de Setembro de 1885Vence, 2 de Março de 1930) foi um controverso e prolífico escritor inglês, conhecido pelos seus romances, poemas e livros de viagens.


Com uma longa lista de obras publicadas se estendendo por muitos gêneros literários, D. H. Lawrence, inicialmente celebrado por sua proeza na criação literária, embora de modo controverso; passou a ser visto como um representante da ideologia fascista e nazista na literatura. Tendo vivido e produzido quando esta ideologia, norteada pelo anti-semitismo, começava a se desenvolver de maneira mais acentuada e ganhar peso político. Foi chamado pelo filósofo Bertrand Russell, com quem trocou correspondências amistosas durante algum tempo, por "proto-fascista alemão", quando os contornos da ideologia nazi-fascista passaram a se desenhar de maneira mais clara. E quando Bertrand Russell observou, para seu espanto, o posicionamento do escritor em relação ao estado de coisas da época. Lawrence era um anti-democrata e anti-republicano. Em suas cartas se referia ao mote da revolução francesa "Liberdade, Igualdade e Fraternidade", que viria a culminar em uma das primeiras constituições democráticas e na formação da república, como "A serpente de três presas" [1]. Em 1953, Bertrand Russell, escreveu recordando-se de sua relação com Lawrence durante a Primeira Guerra Mundial: "Eu acreditava firmemente na democracia, enquanto ele desenvolveu toda a filosofia do fascismo antes dos políticos pensarem sobre isso."[2]Em uma carta endereçada à Blanche Jennings, Lawrence teria pré-figurado os campos de extermínio nazistas: 

"Se eu pudesse, eu construiria uma câmara letal tão grande quanto o 'Crystal Palace', com uma banda militar tocando suavemente, e um cinematógrafo trabalhando brilhantemente; depois eu sairia pelas ruelas e avenidas e os levaria para dentro, todos os doentes, os mancos, os mutilados; eu os levaria gentilmente, e eles me sorririam agradecendo cansados; e a banda tocaria suavemente o 'Coro Hallelujah'"[3].

 A crítica mais próxima de nosso tempo passou a apontar outros pontos que denotam o anseio anti-democrático do escritor, e sua simpatia por formas de sociabilidade exclusórias e discriminatórias. A crítica Kate Millet classificou a obra de D.H. Lawrence como uma pornografia sádica; e sobre Woman Who Rode Away afirmou que o conto faz o retrato de um "sacrifício humano imposto sobre a mulher para a maior glória e potência do macho"[4]. Embora as personagens femininas de Lawrence geralmente sejam retratadas por ele como personagens fortes e independentes, e fora de sua ficção Lawrence tenha feito declarações positivas sobre a mulher, essas personagens assumem na linha narrativa a forma de um contra-ponto necessário à exaltação de uma "heroicidade" trágica dos personagens masculinos, injustiçados pela "maldade" colocada em ato pela força das anteriores. Entre outros críticos que se debruçaram sobre a obra de Lawrence, pode-se mencionar Brenda Maddox, escritora, jornalista e biógrafa, que disse serem St. Mawr e The Princess "obras-primas do ódio às mulheres"[5], e John R. Harrison, que chama a atenção para o evidente sadismo e racismo que percorrem toda a sua obra[6].
 Logo após a sua morte, entre os obituários que a noticiaram houve um consenso quase unânime em tratar o escritor com hostilidade ou pouca simpatia. Não obstante a péssima reputação póstuma de Lawrence, alguns críticos e escritores, como F. R. Leavis e Aldous Huxley, respectivamente, ressaltaram a importância que sua obra teria como uma contribuição à tradição da escrita literária ficcional em língua inglesa. Também os filósofos Gilles Deleuze e Félix Guattari encontraram na crítica que Lawrence faz de Sigmund Freud — apesar da inconsistência dos escritos filosóficos do escritor — um importante precursor de relatos anti-edipianos do inconsciente.[7]


Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Apesar do seu anseio por um ditador que legislaria inconteste sobre a classe operária de sua época (como expresso em sua correspondência com Bertrand Russell[8]); como alternativa à república, que repudiava, Lawrence concebia como sociedade utópica "alguma forma" de socialismo.

"O Amante de Lady Chatterley" foi proibido na época de sua publicação.

"Mulheres Apaixonadas" foi recusado pelos editores de Londres, sendo publicado cinco anos depois em Nova Iorque.

Além de escritor, Lawrence também era pintor.

Obras[editar | editar código-fonte]

Romances[editar | editar código-fonte]

Contos[editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • Love Poems and others (1913)
  • Amores (1916)
  • Look! We have come through! (1917)
  • New Poems (1918)
  • Bay: a book of poems (1919)
  • Tortoises (1921)
  • Birds, Beasts and Flowers (1923)
  • The Collected Poems of D H Lawrence (1928)
  • Pansies (1929)
  • Nettles (1930)
  • Last Poems (1932)
  • Fire and other poems (1940)
  • The Complete Poems of D H Lawrence (1964), ed. Vivian de Sola Pinto e F. Warren Roberts

Peças[editar | editar código-fonte]

  • The Widowing of Mrs Holroyd (1914)
  • Touch and Go (1920)
  • David (1926)
  • The Fight for Barbara (1933)
  • A Collier's Friday Night (1934)
  • The Married Man (1940)
  • The Merry-go-round (1941)
  • The Complete Plays of D H Lawrence (1965)
  • The Plays, edited by Hans-Wilhelm Schwarze and John Worthen, Cambridge University Press, 1999, ISBN 0-521-24277-0

Não-ficção[editar | editar código-fonte]

  • Study of Thomas Hardy and other essays (1914)
  • Movements in European History (1921)
  • Psychoanalysis and the Unconscious and Fantasia of the Unconscious (1921/1922)
  • Studies in Classic American Literature (1923)
  • Reflections on the Death of a Porcupine and other essays (1925)
  • A Propos of Lady Chatterley's Lover(1929)
  • Apocalipse - no original Apocalypse and the writings on Revelation (1931)
  • Phoenix: the posthumous papers of D H Lawrence (1936)
  • Phoenix II: uncollected, unpublished and other prose works by D H Lawrence (1968)
  • Introductions and Reviews, editado por N. H. Reeve and John Worthen, Cambridge University Press, 2004, ISBN 0-521-83584-4
  • Late Essays and Articles, editado por James T. Boulton, Cambridge University Press, 2004, ISBN 0-521-58431-0

Livros sobre viagens[editar | editar código-fonte]

Trabalhos traduzidos por Lawrence[editar | editar código-fonte]

Manuscritos e rascunhos de romances publicados[editar | editar código-fonte]

  • Paul Morel (1911-12), editado por Helen Baron, Cambridge University Press, 2003, ISBN 0-521-56009-8, an early manuscript version of Sons and Lovers
  • The First Women in Love (1916-17) editado por John Worthen and Lindeth Vasey, Cambridge University Press, 1998, ISBN 0-521-37326-3
  • Mr Noon (1920?) - Partes I e II, editado por Lindeth Vasey, Cambridge University Press, 1984, ISBN 0-521-25251-2
  • The Symbolic Meaning: The Uncollected Versions of Studies in Classic American Literature, editado por Armin Arnold, Centaur Press, 1962
  • Quetzalcoatl (1925), editado por Louis L Martz, W W Norton Edition, 1998, ISBN 0-8112-1385-4, Early draft of The Plumed Serpent
  • The First and Second Lady Chatterley novels, editado por Dieter Mehl e Christa Jansohn, Cambridge University Press, 1999, ISBN 0-521-47116-8. These two books,The First Lady Chatterley e John Thomas and Lady Jane.

Cartas[editar | editar código-fonte]

  • The Letters of D. H. Lawrence, Volume I, September 1901 - May 1913, ed. James T. Boulton, Cambridge University Press, 1979, ISBN 0-521-22147-1
  • The Letters of D. H. Lawrence, Volume II, June 1913 - October 1916, ed. George J. Zytaruk and James T. Boulton, Cambridge University Press, 1981, ISBN 0-521-23111-6
  • The Letters of D. H. Lawrence, Volume III, October 1916 - June 1921, ed. James T. Boulton and Andrew Robertson, Cambridge University Press, 1984, ISBN 0-521-23112-4
  • The Letters of D. H. Lawrence, Volume IV, June 1921 - March 1924 , ed. Warren Roberts, James T. Boulton and Elizabeth Mansfield, Cambridge University Press, 1987, ISBN 0-521-00695-3
  • The Letters of D. H. Lawrence, Volume V, March 1924 - March 1927, ed. James T. Boulton and Lindeth Vasey, Cambridge University Press, 1989, ISBN 0-521-00696-1
  • The Letters of D. H. Lawrence, Volume VI, March 1927 - November 1928 , ed. James T. Boulton and Margaret Boulton with Gerald M. Lacy, Cambridge University Press, 1991, ISBN 0-521-00698-8
  • The Letters of D. H. Lawrence, Volume VII, November 1928 - February 1930, ed. Keith Sagar and James T. Boulton, Cambridge University Press, 1993, ISBN 0-521-00699-6
  • The Letters of D. H. Lawrence, with index, Volume VIII, ed. James T. Boulton, Cambridge University Press, 2001, ISBN 0-521-23117-5
  • The Selected Letters of D H Lawrence, Compiled and edited by James T. Boulton, Cambridge University Press, 1997, ISBN 0-521-40115-1


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: D. H. Lawrence
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. The Letters of D. H. Lawrence. Cambridge University Press. 2002. pp. 365–366.
  2. Krockel, Carl (2007). D H Lawrence and Germany: The politics of Influence. Amsterdam: Rodopi. p. 2. ISBN 978-90-420-2126-6.
  3. The Letters of D. H. Lawrence. Cambridge University Press. 2002. pp. 365–366.
  4. Millett, Kate, 1969 (2000). "III: The Literary Reflection". Sexual Politics. University of Chicago Press. ISBN 0-252-06889-0.
  5. Maddox, Brenda (1994) The Married Man: A Life of D. H. Lawrence. Sinclair-Stevenson. pp. 361-365 ISBN 978-1856192439
  6. John R. Harrison (1966) The Reactionaries: Yeats, Lewis, Pound, Eliot, Lawrence: A Study of the Anti-Democratic Intelligentsia (Victor Gollancz, London)
  7. Deleuze, Guattari, Gilles, Félix (2004). Anti-Oedipus: Capitalism and Schizophrenia. Continuum.
  8. The Letters of D. H. Lawrence. Cambridge University Press. 2002. pp. 365–366.