Da Respiração

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Da respiração (em grego antigo, Περὶ πνεύματος; em latim, De spiritu) é um tratado filosófico incluído no Corpus aristotelicum, mas geralmente considerado espúrio. Sua abertura levanta a questão: "Qual o modo de crescimento, e o modo de manutenção, do espírito vital (pneuma)?"[1]

Autoria[editar | editar código-fonte]

Entre os catálogos antigos das obras de Aristóteles, um trabalho sobre a respiração (mas em três livros, não apenas um) é listado apenas por Ptolomeu el-Garib; e Plínio, o Velho, (N.H. XI.220), e Cláudio Galeno, (De simpl. med. temp. et fac. V.9), são os primeiros autores que parecem fazer referência ao tratado que possuímos[2]. Nos tempos modernos, sua autenticidade foi praticamente rejeitada sem polêmica, apesar de muitos terem reconhecido se tratar de um trabalho da Escola peripatética, possivelmente ligado a Teofrasto, a Estratão de Lâmpsaco ou Erasístrato, e capaz de lançar luz sobre a Medicina da Grécia Antiga[3]. Em 2008, contudo, Bos e Fewerda publicaram um comentário em que sustentam que Da respiração é um trabalho genuíno de Aristóteles, cuja doutrina responde à de Platão no Timeu e constitui uma parte importa da filosofia da natureza de Aristóteles[4].

Referências

  1. "Τίς ἡ τοῦ ἐμφύτου πνεύματος διαμονή, καὶ τίς ἡ αὔξησις;", em grego clássico no Grecco Interattivo Arquivado em 9 de fevereiro de 2012, no Wayback Machine.
  2. Amneris Roselli, [Aristotele]: De spiritu (Texto grego com tradução para o italiano e comentário), Pisa: ETS Editrice, 1992, p. 13
  3. Idem, p. 17
  4. Abraham P. Bos and Rein Ferwerda, Aristotle, On the Life-Bearing Spirit (De Spiritu): A Discussion with Plato and his Predecessors on Pneuma as the Instrumental Body of the Soul (Com tradução para o inglês e comentário), Leiden: Brill, 2008

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia
  • Daniel Furlanus, Theophrasti Eresii, Peripateticorum post Aristotelem principis pleraque... (Texto grego com tradução para o latim), Hanover, 1605, disponível online
  • Tradução de Oxford para o inglês de J.F. Dobson de 1914 com De Mundo, pp. "32" ff. (archive.org) (em inglês)