Defesa siciliana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Defesa siciliana
abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
b8 preto cavalo
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
g8 preto cavalo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
d7 preto peão
e7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
c5 preto peão
e4 branco peão
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
d2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
b1 branco cavalo
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
g1 branco cavalo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Movimentos 1.e4 c5
ECO B20B99
Origem Giulio Cesare Polerio, 1594
Origem do nome Sicília
Parental Jogo do peão do rei
Id chessgames.com

A defesa siciliana é uma abertura de xadrez que começa com os seguintes movimentos:

1. e4 c5

A siciliana é a resposta mais popular e de maior pontuação ao primeiro lance das brancas 1.e4. A abertura 1.d4 é uma abertura estatisticamente mais bem-sucedida para as brancas por causa da alta taxa de sucesso da defesa siciliana contra 1.e4.[1] A New in chess afirmou em seu anuário de 2000 que, das partidas em seu banco de dados, as brancas pontuaram 56,1% em 296.200 partidas começando em 1.d4, mas 54,1% em 349.855 partidas começando em 1.e4, principalmente porque a siciliana manteve as brancas em uma pontuação de 52,3% em 145.996 jogos.[2]

17% de todas as partidas entre grandes mestres e 25% das partidas no banco de dados Chess Informant começam com a siciliana.[3]

O grande mestre John Nunn atribui a popularidade da defesa siciliana à sua "natureza combativa": "em muitas linhas as pretas estão jogando não apenas pela igualdade, mas pela vantagem. A desvantagem é que as brancas geralmente obtêm uma iniciativa antecipada, então as pretas precisam tomar cuidado para não serem vítimas de um ataque rápido."[4] O grande mestre Jonathan Rowson considerou por que a siciliana é a resposta mais bem-sucedida a 1.e4, embora 1...c5 não desenvolva peças e o peão em c5 controle apenas d4 e b4. Rowson escreve:

A meu ver, há uma explicação bastante direta. Para lucrar com a iniciativa concedida pelo primeiro lance, as brancas precisam aproveitar sua oportunidade de fazer algo antes que as pretas tenham um número igual de oportunidades próprias. No entanto, para isso, elas precisam fazer "contato" com a(s) posição(ões) das pretas. O primeiro ponto de contato geralmente vem na forma de uma troca de peões, que leva à abertura da posição. ... Então o pensamento por trás de 1...c5 é este: "Ok, eu vou deixar você abrir a posição e desenvolver suas peças agressivamente, mas a um preço - você tem que me dar um de seus peões centrais."
— Jonathan Rowson

 Chess for zebras: Thinking differently about black and white[1] (em inglês)

As primeiras notas registradas sobre a defesa siciliana datam do final do século XVI pelos jogadores de xadrez italianos Giulio Polerio e Gioachino Greco.[5][6]

Conceitos gerais[editar | editar código-fonte]

Ao avançar o peão na "c" duas casas, as pretas assumem o controle sobre a casa "d4" e começam a luta pelo centro do tabuleiro. O movimento se assemelha a 1…e5, a próxima resposta mais comum a 1.e4, a esse respeito. Diferentemente de 1...e5, no entanto, 1...c5 quebra a simetria da posição, o que influencia fortemente as ações futuras de ambos os jogadores. As brancas, tendo empurrado um peão na ala do rei, tendem a manter a iniciativa desse lado do tabuleiro. No entanto, 1...c5 faz pouco para o desenvolvimento das pretas, diferentemente de lances como 1...e5, 1...g6 ou 1...Cc6, que desenvolvem uma peça menor ou se preparam para fazê-lo. Em muitas variações da siciliana, as pretas fazem vários outros movimentos de peões na abertura (por exemplo, ...d6, ...e6, ...a6 e ...b5). Consequentemente, as brancas geralmente obtêm uma vantagem substancial no desenvolvimento e chances de ataque perigosas.

Enquanto isso, avançar um peão na ala da dama dá às pretas uma vantagem espacial e fornece uma base para futuras operações nesse flanco. Frequentemente, o peão das pretas na casa "c5" é trocado pelo peão das brancas na casa "d4" nos estágios iniciais da partida, concedendo às pretas a maioria (quantitativa) em peões centrais. A troca de peões também abre a coluna "c" para as pretas, que podem colocar uma torre ou dama nessa coluna para apoiar o contra-jogo na ala da dama.

História[editar | editar código-fonte]

A defesa siciliana foi analisada por Giulio Polerio em seu manuscrito de 1594 sobre xadrez,[7] embora ele não tenha usado o termo "defesa siciliana".[8] Mais tarde, ela foi objeto de análises pelos principais jogadores da época: Alessandro Salvio (1604), Don Pietro Carrera (c. 1617) e Gioachino Greco (1623), e mais tarde Conte Carlo Francesco Cozio (c. 1740). O grande jogador e teórico francês André Danican Philidor opinou sobre a siciliana em 1777: "Esta maneira de abrir o jogo ... é absolutamente defensiva, e muito longe de ser a melhor ... mas é muito boa para testar a força de um adversário cuja habilidade você não conhece."[9]

Em 1813, o mestre inglês Jacob Henry Sarratt efetivamente padronizou sua tradução inglesa do nome desta abertura como "a defesa da Sicília", referindo-se a um antigo manuscrito italiano que usava a frase "il gioco siciliano" ("o jogo da Sicília").[10] A siciliana foi bastante popular durante grande parte do século XIX; Louis-Charles Mahé de La Bourdonnais, Adolf Anderssen, Howard Staunton, Louis Paulsen e Carl Jaenisch todos a jogaram com alguma consistência. Na nona edição do Modern chess openings, Walter Korn observou que a siciliana "recebeu três de seus primeiros testes práticos e um grande impulso na popularidade, nas partidas de xadrez "La Bourdonnais – McDonnell" (1834), na partida "Staunton – St. Amant" (1843), e no torneio de xadrez de Londres (em 1851)."[11] Staunton escreveu sobre a siciliana: "Na opinião de Jaenisch e do alemão Handbuch, com a qual eu concordo, esta é a melhor resposta possível para 1.P-K4 (1.e4 em notação algébrica), pois torna a formação de um centro impraticável para brancas e previne "todos" os ataques."[12]

A abertura caiu em desuso no final do século XIX, quando alguns dos principais jogadores do mundo a rejeitaram.[A] Paul Morphy, o melhor jogador do mundo no final da década de 1850, denunciou "essa predileção perniciosa pela defesa siciliana ... estendendo-se de cerca de 1843 a algum tempo depois de 1851".[13] Wilhelm Steinitz, o primeiro campeão mundial, também não gostou da siciliana e a rejeitou em favor de 1...e5.[B][14] A morte dos dois maiores defensores da abertura, Staunton e Anderssen, em 1874 e 1879 respectivamente, também contribuiu para o seu declínio. Foi dito que "essas derrotas quase desferiram um golpe nocauteador para a siciliana porque levou muito tempo para encontrar figuras tão importantes para carregar o padrão da siciliana".[15] George H. D. Gossip, no The chess player's manual, publicado pela primeira vez em 1874, escreveu: "Nos últimos anos ... foram feitas descobertas que têm o efeito de fortalecer consideravelmente o ataque das brancas, e a "siciliana" é agora considerada pela maioria das autoridades modernas como um modo de jogo comparativamente fraco."[16] Freeborough e Ranken, em seu tratado Chess openings: Ancient e modern (1889, 1896), escreveu que a siciliana "teve ao mesmo tempo a reputação de ser a melhor resposta a 1.P-K4 (1. e4), mas isso não foi confirmado pela prática popular. Vários jogadores eminentes, no entanto, mantiveram a opinião de que é bastante confiável."[17][18]

A siciliana continuou a ser evitada pela maioria dos principais jogadores no início do século XX, já que 1...e5 ocupava o centro do palco. Capablanca, campeão mundial de 1921 a 1927, denunciou-a notoriamente como uma abertura onde "o jogo das pretas está cheio de buracos".[19] Da mesma forma, James Mason escreveu: "Bastante testada e achada em falta, a siciliana agora quase não tem posição como uma defesa de primeira classe. ... [Ela] é muito defensiva. Há muitos buracos criados na linha dos peões. O comando do campo, especialmente no centro, é muito facilmente entregue à força invasora."[20] Siegbert Tarrasch escreveu que 1...c5 "certamente não é estritamente correto, pois não faz nada para o desenvolvimento e apenas tenta dificultar a construção de um centro pelo primeiro jogador. ... [A] defesa siciliana é excelente para um jogador forte que está preparado para correr riscos para forçar uma vitória contra um adversário inferior. Contra o melhor jogo, no entanto, está fadada ao fracasso."[21] A siciliana não foi vista nem uma vez nos 75 jogos disputados no grande torneio de São Petersburgo (em 1914).[22]

No entanto, alguns jogadores importantes, como Emanuel Lasker (campeão mundial de 1894 a 1921), Frank Marshall, Savielly Tartakower e Aron Nimzowitsch, e mais tarde Max Euwe (campeão mundial de 1935 a 1937) jogaram a siciliana.[23] Mesmo Capablanca[24][25] e Tarrasch,[26] apesar de seus comentários críticos, ocasionalmente jogavam a abertura. Foi jogada seis vezes (de 110 jogos) em Nova Iorque (1924).[27] No ano seguinte, os autores de Modern chess openings (4ª edição) escreveram: "A siciliana afirma ser considerada a melhor das defesas irregulares para 1.P-K4 à disposição das pretas, e tem sido praticada com resultados satisfatórios pelo principais jogadores da atualidade."[C] Nesse período, a abordagem das pretas era geralmente lenta e posicional, e os ataques totais das brancas que se tornaram comuns após a Segunda guerra mundial ainda não haviam sido desenvolvidos.[28]

A sorte da siciliana foi revivida nas décadas de 1940 e 1950 por jogadores como Isaac Boleslavsky, Alexander Kotov e Miguel Najdorf. Reuben Fine, um dos principais jogadores do mundo durante este período de tempo, escreveu sobre a siciliana em 1948: "As pretas abrem mão do controle do centro, negligenciam seu desenvolvimento e muitas vezes se submetem à posições horrivelmente limitadas. Como pode ser bom? No entanto, as brilhantes vitórias das brancas são acompanhadas por vitórias igualmente brilhantes das pretas; repetidas vezes a estrutura das pretas foi capaz de pegar tudo e voltar para mais."[D] Mais tarde, Bent Larsen, Ljubomir Ljubojević, Lev Polugaevsky, Leonid Stein, Mark Taimanov e Mikhail Tal fizeram amplas contribuições para a teoria e a prática da defesa. Através dos esforços dos campeões mundiais Bobby Fischer e Garry Kasparov, a defesa siciliana tornou-se reconhecida como a defesa que ofereceu mais chances de vitória às pretas contra 1.e4. Ambos os jogadores favoreceram o jogo afiado e agressivo e empregaram a siciliana quase que exclusivamente ao longo de suas carreiras, polindo a reputação atual da defesa. Hoje, a maioria dos grandes mestres incluem a siciliana em seu repertório de abertura. Em 1990, os autores de Modern chess openings (13ª edição) observaram que "no século XX, a siciliana se tornou a abertura mais jogada e mais analisada tanto no nível clube quanto no nível mestre."[29] Em 1965, na décima edição desse livro, o grande mestre Larry Evans observou que, "A siciliana é a resposta mais dinâmica e assimétrica das pretas a 1.P-K4. Ela produz os fatores psicológicos e de tensão que denotam o melhor no jogo moderno e dá a notícia de uma luta feroz no primeiro movimento."[30]

Siciliana aberta: 2.Cf3 e 3.d4[editar | editar código-fonte]

Cerca de 80% das partidas no nível mestre começando com 1.e4 c5 continuam com 2.Cf3, após o que há três opções principais para as pretas: 2...d6, 2...Cc6 e 2...e6. As linhas em que as brancas jogam 3.d4 são conhecidas coletivamente como siciliana aberta e resultam em posições extremamente complexas. As brancas têm uma liderança no desenvolvimento e espaço extra na ala do rei, que as brancas podem usar para iniciar um ataque na ala do rei. Isso é contrabalançado pela maioria dos peões centrais das pretas, criada pela troca do peão das brancas na "d" pelo peão das pretas na "c", e a coluna "c" aberta, que as pretas usam para gerar contra-jogo na ala da dama.

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
b8 preto cavalo
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
g8 preto cavalo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
e7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
d6 preto peão
c5 preto peão
e4 branco peão
f3 branco cavalo
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
d2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
b1 branco cavalo
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
2.Cf3 d6
abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
g8 preto cavalo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
d7 preto peão
e7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
c6 preto cavalo
c5 preto peão
e4 branco peão
f3 branco cavalo
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
d2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
b1 branco cavalo
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
2.Cf3 Cc6
abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
b8 preto cavalo
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
g8 preto cavalo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
d7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
e6 preto peão
c5 preto peão
e4 branco peão
f3 branco cavalo
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
d2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
b1 branco cavalo
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
2.Cf3 e6

2...d6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.Cc3[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
b8 preto cavalo
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
e7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
d6 preto peão
f6 preto cavalo
d4 branco cavalo
e4 branco peão
c3 branco cavalo
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Posição após 1.e4 c5 2.Cf3 d6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.Cc3

O movimento mais comum das pretas depois de 2.Cf3 é 2...d6. Isso prepara ...Cf6 para atacar o peão da "e" sem deixar as brancas empurrá-lo para "e5". A partida geralmente continua 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.Cc3. As pretas podem então escolher entre quatro variações principais: Najdorf (5...a6), Dragão (5...g6), clássica (5...Cc6) e Scheveningen (5...e6). A rara variação Kupreichik (5...Bd7) pode transpor para uma das variações mais comuns, como a clássica ou a Dragão, mas também pode levar à várias linhas independentes.

Existem algumas maneiras de ambos os lados se desviarem da sequência no "início". Depois de 3...cxd4, as brancas ocasionalmente jogam 4.Dxd4, a variação Chekhover, com a intenção de encontrar 4...Cc6 com 5.Bb5 Bd7 6.Bxc6, quando as brancas esperam que a liderança no desenvolvimento compense o par de bispos das pretas. Outra linha lateral incomum é 3...cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.f3!?, a variação Prins, que ao atrasar Cc3 mantém a opção de configurar uma formação Maróczy bind com um c2-c4 posterior. As pretas podem evitar a variação Prins jogando 3...Cf6, quando 4.Cc3 cxd4 5.Cxd4 transpõe para as linhas principais. No entanto, 3...Cf6 dá às brancas uma opção extra em 4.dxc5!?, quando as pretas podem jogar 4...Cxe4 ou 4...Da5+. As brancas também podem proteger o peão na "e4" com 5.Bd3, o que também permite a opção de montar uma formação Maróczy bind com um c2-c4 posterior, ou interpor um xeque com 5.Bb5+ Cbd7 6.Bd3 ou 5.Bb5+ Bd7 6. Bxd7+ Cbxd7.

Variação Najdorf: 5...a6[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
b8 preto cavalo
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
h8 preto torre
b7 preto peão
e7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
a6 preto peão
d6 preto peão
f6 preto cavalo
d4 branco cavalo
e4 branco peão
c3 branco cavalo
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Variação Najdorf: 1.e4 c5 2.Cf3 d6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.Cc3 a6

A variação Najdorf é o sistema mais popular das pretas na defesa siciliana. A intenção de Najdorf com 5...a6 era preparar ...e5 no próximo lance para ganhar espaço no centro. O imediato 5...e5?! encontra 6.Bb5+!, quando as pretas devem jogar 6...Bd7 ou 6...Cbd7. O primeiro permite que as brancas troquem o bispo na casa clara das pretas, após o que a casa "d5" se torna muito fraca; mas o último permite 7.Cf5, quando as pretas só podem salvar o peão na "d" jogando o desajeitado 7...a6 8.Bxd7+ Dxd7. Em ambos os casos, o jogo das brancas é preferível.

Assim, jogando 5...a6, as pretas privam as brancas do xeque em "b5", de modo que ...e5 pode ser possível no próximo movimento. Em geral, 5...a6 também impede que os cavalos das brancas usem a casa "b5", e ajuda as pretas a criar um jogo na ala da dama preparando o empurrão do peão ...b5. Este plano de 5...a6 seguido por ...e5 representa a abordagem tradicional das pretas na variação Najdorf. Mais tarde, Garry Kasparov também adotou a ordem de lances 5...a6, mas com a ideia de jogar ...e6 em vez de ...e5. O ponto de Kasparov é que o 5...e6 imediato (a variação Scheveningen, discutida abaixo) permite 6.g4, que é a linha mais perigosa das brancas contra a Scheveningen. Ao jogar 5...a6 primeiro, as pretas impedem temporariamente a investida de "g4" das brancas e esperam para ver o que as brancas jogam. Muitas vezes, o jogo acabará por transpor para a variação Scheveningen.

Atualmente, a arma mais popular das brancas contra a Najdorf é 6.Be3. Isso é chamado de o ataque inglês, porque foi popularizado pelos grandes mestres ingleses Murray Chandler, John Nunn e Nigel Short na década de 1980. A ideia das brancas é jogar f3, Dd2, g4 e 0-0-0 em alguma ordem. As pretas podem responder com 6...e6, 6...e5 ou 6...Cg4. Uma ideia de ataque relacionada para as brancas é 6.Be3 e6 7.g4, conhecida como o ataque húngaro ou o ataque Perenyi.

A resposta mais popular das pretas depois de 6.Be3 é 6...e5, aproveitando a iniciativa rápida ameaçando o cavalo na "d4". A partir daqui, o cavalo branco tem dois recuos sensatos:

  • a) 7.Cb3, a abordagem mais popular, encontra 7...Be6, e as pretas desenvolvem normalmente (...Be7, ...Cbd7, ...Tc8 , ...Dc7, ...b5).
  • b) 7.Cf3 é menos comum, pois atrasa a possibilidade de uma tempestade de peões na ala do rei, via "f4" e "f3" (apoiando o avanço de "g4"). As pretas encontram 7.Cf3 com 7...Be7 8.Bc4 0-0 9.0-0 Be6 10.Bb3 Dc7, onde elas alcançam uma posição confortável.

Depois de 7.Cde2, as pretas têm tempo para alcançar uma configuração Najdorf ideal com 7...Be6 8.f4 Cbd7 9.f5 Bc4 10.Cc1 Bxf1 11.Txf1 Be7.

Anteriormente, 6.Bg5 e6 7.f4 era a linha principal da Najdorf, quando as brancas ameaçavam atacar o cavalo imobilizado com 8.e5. As pretas podem simplesmente quebrar o pino (pregadura) com 7...Be7, quando as brancas geralmente jogam 8.Df3 e 9.0-0-0. Algumas das alternativas das pretas são 7...Db6, a variação do peão envenenado popularizada por Fischer, 7...Cbd7 de Gelfand e 7...b5, a variação Polugaevsky, que tem o ponto tático 8.e5 dxe5 9.fxe5 Dc7! 10.exf6 De5+ ganhando o bispo em troca do cavalo. Uma alternativa moderna para 6...e6 é 6...Cbd7.

As brancas têm outras opções no sexto lance. 6.Be2 se prepara para fazer roque na ala do rei e é uma alternativa mais tranquila em comparação com 6.Be3 e 6.Bg5. Efim Geller foi um dos primeiros proponentes deste lance, após o qual as pretas podem permanecer no território "puro" da Najdorf com 6...e5 ou transpor para a Scheveningen com 6...e6. Outras possibilidades para as brancas incluem 6.Bc4 (o ataque Fischer – Sozin), 6.f4, 6.f3, 6.g3 e 6.h3 (o ataque Adams, em homenagem a Weaver Adams), que foi usado várias vezes por Bobby Fischer.

Variação Dragão: 5...g6[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
b8 preto cavalo
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
e7 preto peão
f7 preto peão
h7 preto peão
d6 preto peão
f6 preto cavalo
g6 preto peão
d4 branco cavalo
e4 branco peão
c3 branco cavalo
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Variação Dragão: 1.e4 c5 2.Cf3 d6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.Cc3 g6

Na variação Dragão, as pretas fazem um fianqueto com um bispo na diagonal "h8–a1". Foi nomeado por Fyodor Dus-Chotimirsky em 1901, que notou uma semelhança entre a estrutura dos peões da ala do rei das pretas (peões nas casas "d6", "e7", "f7", "g6" e "h7") e as estrelas da constelação Draco.[31] A tentativa mais perigosa das brancas contra a Dragão é o ataque iugoslavo, caracterizado por 6.Be3 Bg7 7.f3 0-0 8.Dd2 Cc6, quando 9.0-0-0, 9.Bc4 e 9.g4 são os movimentos mais comuns das brancas. Esta variação leva a um jogo extremamente afiado e é ferozmente complicado, uma vez que os jogadores "rocam" em alas opostas e o jogo se torna uma corrida entre o ataque da ala do rei das brancas e o contra-ataque da ala da dama das pretas. A alternativa mais importante das brancas ao ataque iugoslavo é 6.Be2, a variação clássica.

Variação clássica: 5...Cc6[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
e7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
c6 preto cavalo
d6 preto peão
f6 preto cavalo
d4 branco cavalo
e4 branco peão
c3 branco cavalo
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Variação clássica: 1.e4 c5 2.Cf3 d6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.Cc3 Cc6

Essa variação pode surgir a partir de duas ordens de lances diferentes:

  • 1.e4 c5 2.Cf3 d6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.Cc3 Cc6

ou

  • 1.e4 c5 2.Cf3 Cc6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cf6 5. Cc3 d6.

Ao contrário das outras grandes variações consideradas nesta seção, as pretas adiam o desenvolvimento do bispo do rei em favor de trazer o cavalo da rainha.

A resposta mais comum das brancas é 6.Bg5, o ataque Richter – Rauzer (códigos B60B69 na ECO). O lance 6.Bg5 foi invenção de Kurt Richter, ameaçando "dobrar" os peões das pretas após Bxf6 e prevenindo a Dragão ao tornar 6...g6 injogável. Depois de 6...e6, Vsevolod Rauzer introduziu o plano moderno Dd2 e 0-0-0 na década de 1930. A pressão das brancas sobre o peão na "d6" muitas vezes obriga as pretas a responderem a Bxf6 com ...gxf6, em vez de recapturar com uma peça (por exemplo, a dama em "d8") que também tem que defender o peão na "d". Isso enfraquece a estrutura de peões da ala do rei das pretas, mas em troca as pretas ganham os dois bispos e uma maioria de peões centrais.

Outra variação é 6.Bc4, a variação Sozin (código B57 na ECO). Ela leva o bispo a uma casa agressiva. As pretas geralmente jogam 6...e6 para limitar o alcance do bispo das brancas, mas as brancas podem eventualmente pressionar o peão na "e6" empurrando o peão na "f" para "f5" (ataque baseado no peão começando com "f4"). As brancas podem fazer roque na ala do rei com 7.Bb3 a6 8.0-0 (o ataque Fischer – Sozin, em homenagem a Bobby Fischer e o mestre russo Veniamin Sozin, que o originou na década de 1930), ou na ala da dama com 7.Be3 Be7 (ou 7...a6) 8.De2 e 9.0-0-0 (o ataque Velimirović). Em vez de 6...e6, as pretas também podem tentar o lance 6...Db6 de Benko, o que força as brancas a tomar uma decisão sobre o cavalo na "d4". Isso normalmente leva à linhas mais posicionais do que as variações altamente teóricas de Sozin e Velimirović.

O terceiro lance mais comum das brancas é 6.Be2, (códigos B58B59 na ECO), após o qual as pretas podem permanecer em variações independentes com a variação Boleslavsky 6...e5, nomeada em homenagem a Isaac Boleslavsky. A antiga linha principal 7.Cb3 agora é menos popular que a moderna 7.Cf3, após a qual a partida geralmente continua 7...h6 8.0-0 Be7 9.Te1 0-0 10.h3. As pretas também podem transpor para a variação Scheveningen com 6...e6; ou para a variação Dragão clássica com 6...g6. Outras respostas das brancas à clássica incluem 6.Be3, 6.f3 e 6.g3.

Variação Scheveningen: 5...e6[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
b8 preto cavalo
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
d6 preto peão
e6 preto peão
f6 preto cavalo
d4 branco cavalo
e4 branco peão
c3 branco cavalo
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Variação Scheveningen: 1.e4 c5 2.Cf3 d6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.Cc3 e6

Na variação Scheveningen, as pretas se contentam em colocar o peão na "e" em "e6", onde guarda a casa "d5", em vez de jogar o ganho de espaço ...e5. Mover o peão na "e" também prepara ...Be7 seguido do roque na ala do rei. Em vista disso, Paul Keres introduziu 6.g4, o ataque Keres, em 1943. As brancas pretendem afastar o cavalo preto com g5. Se as pretas impedirem isso com 6...h6, que é a resposta mais comum, as brancas ganham espaço na ala do rei e desencorajaram as pretas a fazer roque nesse lado, e podem mais tarde jogar Bg2. Se as complicações após 6.g4 não forem do gosto das brancas, uma alternativa importante é 6.Be2, uma linha típica sendo 6...a6 (esta posição pode ser alcançada a partir da Najdorf via 5...a6 6.Be2 e6) 7.0-0 Be7 8.f4 0-0. 6.Be3 e 6.f4 também são comuns.

Embora a teoria indique que as pretas podem manter o equilíbrio no ataque Keres, os jogadores de hoje preferem evitá-lo jogando 5...a6 primeiro, uma ideia popularizada por Kasparov. No entanto, se determinadas a jogarem o impulso g4, as brancas podem prepará-lo respondendo a 5...a6 com 6.h3 ou 6.Tg1.

2...Cc6 3.d4 cxd4 4.Cxd4[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
g8 preto cavalo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
d7 preto peão
e7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
c6 preto cavalo
d4 branco cavalo
e4 branco peão
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
b1 branco cavalo
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Posição após 1.e4 c5 2.Cf3 Cc6 3.d4 cxd4 4.Cxd4

2...Cc6 é um lance de desenvolvimento natural, e também prepara ...Cf6 (como 2...d6, as pretas impedem as brancas de responder e5). Depois de 3.d4 cxd4 4.Cxd4, o movimento mais comum das pretas é 4...Cf6. Outros movimentos importantes são 4...e6 (transpondo para a variação Taimanov), 4...g6 (a Dragão acelerado) e 4...e5 (a variação Kalashnikov). Escolhas menos comuns incluem 4...Dc7, que mais tarde pode ser transposta para a variação Taimanov, 4...Db6, a variação Grivas e 4...d6.

Depois de 4...Cf6, as brancas geralmente respondem 5.Cc3. As pretas podem jogar 5...d6, transpondo para a variação clássica; 5...e5, a variação Sveshnikov; ou 5...e6, transpondo para a variação Quatro cavalos.

Variação Sveshnikov: 4...Cf6 5.Cc3 e5[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
d7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
c6 preto cavalo
f6 preto cavalo
e5 preto peão
d4 branco cavalo
e4 branco peão
c3 branco cavalo
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Variação Sveshnikov: 1.e4 c5 2.Cf3 Cc6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.Cc3 e5

A variação Sveshnikov foi iniciada por Evgeny Sveshnikov e Gennadij Timoscenko (ru) na década de 1970. Antes de seus esforços, a variação foi chamada de variação Lasker – Pelikan. Emanuel Lasker a jogou uma vez em sua partida pelo campeonato mundial contra Carl Schlechter, e Jorge Pelikan jogou algumas vezes na década de 1950, mas o tratamento de Sveshnikov na variação foi a chave para sua revitalização. O lance 5...e5 parece anti-posicional, pois deixa as pretas com um peão na "d" para trás e uma fraqueza em "d5". Além disso, as pretas teriam que aceitar os peões na "f" dobrados na linha principal da abertura. A abertura foi popularizada quando Sveshnikov viu seu potencial dinâmico para as pretas nas décadas de 1970 e 80. Hoje, é extremamente popular entre grandes mestres e amadores. Embora algumas linhas ainda causem problemas às pretas, ela se estabeleceu como uma defesa de primeira linha. A linha principal após 5...e5 funciona da seguinte forma:

6. Cdb5

O movimento teoricamente crítico, ameaçando Cd6+. Todos os outros movimentos são considerados para permitir igualdade fácil às pretas. 6.Cxc6 geralmente encontra 6...bxc6, quando o peão extra das pretas no centro dá uma boa jogada; alternativamente, mesmo 6...dxc6 7.Dxd8+ Rxd8 é suficiente para a igualdade.[32] 6.Cb3 e 6.Cf3 podem ser bem atendidos por 6...Bb4, ameaçando ganhar o peão das brancas na "e4".[33] 6.Cf5 permite 6...d5! 7.exd5 Bxf5 8.dxc6 bxc6 9.Df3 Dd7.[34] 6.Cde2 pode ser encontrado por 6...Bc5 ou 6...Bb4.[35]

6...d6

As pretas não permitem 7.Cd6+ Bxd6 8.Dxd6, quando o par de bispos das brancas lhes dá a vantagem.

7. Bg5

As brancas se preparam para eliminar o cavalo em "f6", enfraquecendo ainda mais o controle das pretas sobre a casa "d5". Uma alternativa menos comum é 7.Cd5 Cxd5 8.exd5 Cb8 (ou 8...Ce7), quando as brancas tentarão explorar a maioria dos peões na ala da dama, enquanto as pretas buscarão contra-jogo na ala do rei.

7...a6

As pretas forçam o cavalo das brancas de volta a "a3".

8. Ca3

O imediato 8.Bxf6 força 8...gxf6, quando depois de 9.Ca3, as pretas podem transpor para a linha principal com 9...b5 ou desviar com 9...f5!?

8...b5!

8...b5 foi a inovação de Sveshnikov, controlando a "c4" e ameaçando ...b4 bifurcando os cavalos das brancas. Anteriormente, as pretas jogavam 8...Be6 (a variação Bird), o que permitia que o cavalo na "a3" voltasse à vida com 9.Cc4. Toda a variação até 8...b5 é chamada de variação Chelyabinsk. Ela também pode ser alcançada a partir da ordem de lances alternativos 1.e4 c5 2.Cf3 e6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.Cc3 Cc6 6.Cdb5 d6 7.Bf4 e5 8.Bg5 a6 9.Ca3 b5, que é um mover mais. (Essa ordem alternativa de movimentos dá às brancas outras alternativas, incluindo 6.Cxc6 bxc6 7.e5 Cd5 8.Ce4, pretendendo "c4", e a jogada 6.Be2 Bb4 7.0-0!?, permitindo ...Bxc3 8.bxc3 Cxe4.) O número de movimentos na discussão a seguir são baseados na ordem dos movimentos dada em negrito.
abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
h8 preto torre
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
a6 preto peão
c6 preto cavalo
d6 preto peão
f6 preto cavalo
b5 preto peão
e5 preto peão
g5 branco bispo
e4 branco peão
a3 branco cavalo
c3 branco cavalo
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Variação Chelyabinsk: 6.Cdb5 d6 7.Bg5 a6 8.Ca3 b5

A variação Sveshnikov tornou-se muito popular no xadrez em nível mestre. O empurrão ...e5 das pretas parece anti-posicional: torna o peão na "d6" atrasado e a casa "d5" fraca. No entanto, em troca, as pretas ficam no centro e ganham tempo no cavalo das brancas, que foi levado para a borda do tabuleiro em "a3". Os principais jogadores que usaram essa variação incluem Magnus Carlsen, Vladimir Kramnik, Veselin Topalov, Teimour Radjabov, Boris Gelfand, Michael Adams e Alexander Khalifman, entre muitos outros.

Na posição diagramada depois de 8...b5, as brancas normalmente aparam a ameaça de ...b4 jogando 9.Bxf6 ou 9.Cd5. Depois de 9.Bxf6, 9...Dxf6?! 10.Cd5 Dd8 falha em 11.c4 b4 (11...bxc4 12.Cxc4 é bom para as brancas, que ameaçam 13.Da4) 12.Da4 Bd7 13.Cb5! axb5 14.Dxa8 Dxa8 15.Cc7+ Rd8 16.Cxa8 e o cavalo escapa via "b6". Assim 9...gxf6 é forçado, e as brancas continuam 10.Cd5. O poderoso cavalo branco na "d5" e a estrutura de peões quebrada na ala do rei das pretas são compensadas pelo par de bispos preto e pelo cavalo das brancas impedido na "a3". Além disso, as pretas têm o plano de jogar 10...f5, seguido por ...fxe4 e ...f5 com o segundo peão na "f", o que lhes daria um bom controle do centro. Um plano alternativo é jogar 10...Bg7 seguido por ...Ce7 para trocar imediatamente o poderoso cavalo das brancas; esta linha é conhecida como a variação Novosibirsk.

Em vez de 9.Bxf6, as brancas também podem jogar 9.Cd5, o que geralmente leva a um jogo mais tranquilo. As brancas decidem não dobrar os peões das pretas na "f" e o jogo geralmente continua 9...Be7 10.Bxf6 Bxf6 11.c3. Isso permite que as brancas mantenham o cavalo na "d5" trocando o cavalo das pretas na "f6", e se preparam para trazer o cavalo na "a3" de volta ao jogo com a manobra Ca3–c2–e3. Outra linha é 10.Cxe7 Cxe7! (lutando pelo controle na "d5" e não temendo os peões dobrados) 11.Bxf6 gxf6. No entanto, um desenvolvimento recente na Sveshnikov foi 11.c4 (em vez de c3), o que muitas vezes leva à posições em que as brancas pressionam pela vitória sem risco. Um empate rápido é possível depois de 9.Cd5 Da5+!? 10.Bd2 (para evitar 10...Cxe4) 10...Dd8 11.Bg5 Da5+ etc. Para evitar isso, as brancas podem jogar 11.Cxf6+ ou 11.c4.

Dragão acelerado: 4...g6[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
g8 preto cavalo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
d7 preto peão
e7 preto peão
f7 preto peão
h7 preto peão
c6 preto cavalo
g6 preto peão
d4 branco cavalo
e4 branco peão
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
b1 branco cavalo
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Dragão acelerado: 1.e4 c5 2.Cf3 Cc6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 g6

Como a variação Dragão padrão, as pretas desenvolvem o bispo para "g7" na Dragão acelerado. A diferença é que as pretas evitam jogar ...d7-d6 e podem mais tarde jogar ...d7-d5 em um lance, se possível. Por exemplo, se as brancas tentarem jogar no estilo do ataque iugoslavo com 5.Cc3 Bg7 6.Be3 Cf6 7.f3 0-0 8.Dd2, 8...d5! equaliza imediatamente. Quando as brancas jogam 5.Cc3, geralmente é com a ideia de continuar 5...Bg7 6.Be3 Cf6 7.Bc4 0-0 8.Bb3 (prevenindo quaisquer truques envolvendo ...Cxe4 e ...d5), seguido do roque na ala do rei.

O teste crítico da ordem dos movimentos das pretas é 5.c4, o Maróczy bind. As brancas esperam limitar a posição das pretas impedindo as investidas dos peões ...d7-d5 e ...b7-b5. Geralmente, esta linha é menos tática do que muitas das outras variações sicilianas, e o jogo envolve muitas manobras estratégicas de ambos os lados. Depois de 5.c4, a linha principal executa 5...Bg7 6.Be3 Cf6 7.Cc3 e agora 7...0-0 ou 7...Cg4 é jogado com mais frequência.

Variação Kalashnikov: 4...e5 5.Cb5 d6[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
g8 preto cavalo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
c6 preto cavalo
d6 preto peão
b5 branco cavalo
e5 preto peão
e4 branco peão
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
b1 branco cavalo
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Variação Kalashnikov: 1.e4 c5 2.Cf3 Nc6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 e5 5.Cb5 d6

A variação Kalashnikov (código B32 na ECO)[36] é uma parente próxima da variação Sveshnikov, e às vezes é conhecida como Neo-Sveshnikov. O lance 4...e5 tem uma longa história; Louis-Charles Mahé de La Bourdonnais o usou em suas partidas contra Alexander McDonnell em 1834, e também foi popular por um curto período na década de 1940. Essas partidas anteriores focaram na variação Löwenthal (semelhante à Kalashnikov, mas a resposta a 5.Cb5 é 5...a6) com 4...e5 5.Cb5 a6 6.Cd6+ Bxd6 7.Dxd6 Df6, onde as pretas desistem dos dois bispos para alcançar uma liderança no desenvolvimento. O lance caiu em desuso, no entanto, uma vez que foi determinado que as brancas mantinham a vantagem nessas linhas. Outra alternativa de quinto movimento para as pretas é 5...Cf6, que pode ser transposta para a variação Sveshnikov após 6.C1c3 ou 6.Bg5 d6 7.C1c3.

Somente no final dos anos 80 os jogadores das pretas reviveram 4...e5 com a intenção de encontrar 5.Cb5 com 5...d6: esta é a variação Kalashnikov. As ideias nesta linha são semelhantes às da Sveshnikov – as pretas aceitam um peão atrasado na "d6" e enfraquecem a casa "d5", mas ganham tempo perseguindo o cavalo. A diferença entre as duas variações é que as pretas não desenvolvem o cavalo para "f6" e as brancas não trazem o cavalo para "c3", então ambos os jogadores têm opções extras. As pretas podem renunciar ...Cf6 em favor de ...Ce7, por exemplo, depois de 6.C1c3 a6 7.Ca3 b5 8.Cd5 Cge7, que evita o plano das brancas de Bg5 e Bxf6 para infligir peões dobrados na "f" das pretas. Ou, as pretas podem adiar a retirada do cavalo em favor de jogar ...Be7–g5 ou um rápido ...f5. Por outro lado, as brancas têm a opção de 6.c4 — o Maróczy bind — que solidifica o controle na "d5" e reprime ...b5, mas deixa a casa "d4" ligeiramente fraca.

2...e6 3.d4 cxd4 4.Cxd4[editar | editar código-fonte]

O movimento 2...e6 das pretas dá prioridade ao desenvolvimento do bispo na casa escura. Depois de 3.d4 cxd4 4.Cxd4, as pretas têm três lances principais: 4...Cc6 (a variação Taimanov), 4...a6 (a variação Kan) e 4...Cf6. Depois de 4...Cf6 5.Cc3 (não 5.e5? Da5+), as pretas podem transpor para a variação Scheveningen com 5...d6, jogar 5...Cc6, a variação Quatro cavalos ou 5...Bb4, a variação Pino.

Variação Taimanov: 4...Cc6[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
g8 preto cavalo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
d7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
c6 preto cavalo
e6 preto peão
d4 branco cavalo
e4 branco peão
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
b1 branco cavalo
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Variação Taimanov: 1.e4 c5 2.Cf3 e6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cc6

Batizada em homenagem a Mark Taimanov, a variação Taimanov pode ser alcançada através de 2...e6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cc6 ou 2...Cc6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 e6. As pretas desenvolvem o cavalo para uma casa natural e mantêm as opções em aberto em relação à colocação das outras peças. Uma das ideias deste sistema é desenvolver o bispo do rei para "b4" ou "c5". As brancas podem evitar isso por 5.Cb5 d6, quando 6.c4 leva a uma versão do Maróczy bind favorecida por Karpov. A posição resultante depois de 6.c4 Cf6 7.C1c3 a6 8.Ca3 b6 é um tipo de ouriço.

A estratégia 8...d5 de Kasparov foi jogada duas vezes no campeonato mundial de xadrez (em 1985), mas virtualmente desapareceu da práxis de mestre após o jogo Karpov – Van der Wiel, Bruxelas (SWIFT) em 1986.

5.Cc3 é mais comum hoje em dia do que 5.Cb5, quando 5...d6 normalmente se transpõe para a variação Scheveningen e 5...Cf6 é a variação Quatro cavalos (veja abaixo). Movimentos independentes para as pretas são 5...Dc7 e 5...a6, sendo o primeiro a ordem de movimento mais comum vista nos últimos anos, como depois de 5...a6, a continuação 6.Cxc6 bxc6 7.Bd3, apesar de sua aparente simplicidade, deu às pretas dificuldades em alcançar a igualdade. A ideia de Taimanov era jogar 5...a6 (prevenindo Cb5) seguido por ...Cge7 e ...Cxd4; no entanto, o tratamento moderno da linha é jogar ...Cf6, por exemplo 5.Cc3 Dc7 6.Be2 a6 7.Be3 Cf6.

Variação Kan (Paulsen): 4...a6[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
b8 preto cavalo
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
g8 preto cavalo
h8 preto torre
b7 preto peão
d7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
a6 preto peão
e6 preto peão
d4 branco cavalo
e4 branco peão
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
b1 branco cavalo
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Variação Kan: 1.e4 c5 2.Cf3 e6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 a6

Nomeada em homenagem a Ilya Kan. Ao jogar 4...a6, as pretas evitam Cb5 e preparam um eventual avanço ...b5.

O quinto lance mais popular para as brancas é 5.Bd3, quando depois de 5...Bc5 6.Cb3 as pretas podem recuar 6...Be7 onde 7.Dg4 torna problemática a ala do rei das pretas, ou 6...Ba7. Também é possível 5.c4 criar uma configuração Maróczy bind.

A segunda resposta mais popular das brancas é 5.Cc3, quando o desenvolvimento do cavalo na ala do rei das pretas geralmente se concentra, uma vez que jogar ...Cf6 pode ser encontrado com e5, o que cria uma fraqueza das pretas na casa "d6" e causa ao cavalo das pretas uma jogada desvantajosa. Assim, as pretas normalmente fazem um lance para controlar a casa "e5" e impedir que o peão avance. O lance principal da Kan é 5...Dc7, embora possa ocorrer 5...Cc6 transpondo para uma Taimanov ou 5...d6 transpondo para uma Scheveningen. Uma ideia alternativa é o imediato 5...b5 para criar pressão a partir da ala da dama com a ideia de jogar ...b4 atacando o cavalo na "c3", ou ...Bb7 para aumentar a pressão ao longo da longa diagonal das casas brancas. As brancas geralmente respondem com 6.Bd3, apoiando o peão na "e4".

Variação Quatro cavalos: 4...Cf6 5.Cc3 Cc6[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
d7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
c6 preto cavalo
e6 preto peão
f6 preto cavalo
d4 branco cavalo
e4 branco peão
c3 branco cavalo
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Variação Quatro cavalos: 1.e4 c5 2.Cf3 e6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.Cc3 Cc6

A variação Quatro cavalos é usada principalmente como uma forma de entrar na linha principal da variação Sveshnikov, alcançada após 6.Cdb5 d6 7.Bf4 e5 8.Bg5 a6 9.Ca3 b5 ou 6.Bf4 d6 7.Cdb5 e5 8.Bg5 a6 9.Ca3 b5. O objetivo desta ordem de movimento é evitar linhas como a variação Rossolimo (1.e4 c5 2.Cf3 Cc6 3.Bb5), ou 1.e4 c5 2.Cf3 Cc6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.Cc3 e5 6.Cdb5 d6 7.Cd5, que são possíveis na ordem de movimento padrão da Sveshnikov. Por outro lado, na ordem de lances da Quatro cavalos, as brancas adquirem a opção extra de 6.Cxc6 bxc6 7.e5 Cd5 8.Ce4, então as brancas não são obrigadas a entrar na Sveshnikov.

Se as pretas não estiverem mirando na Sveshnikov, a principal alternativa é jogar 6...Bb4 em resposta a 6.Cdb5. Então 7.a3 Bxc3+ 8.Cxc3 d5 9.exd5 exd5 leva a uma posição em que as pretas desistem dos dois bispos, mas têm peças ativas e a possibilidade de jogar ...d5–d4.

Variação Pino: 4...Cf6 5.Cc3 Bb4[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
b8 preto cavalo
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
d7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
e6 preto peão
f6 preto cavalo
b4 preto bispo
d4 branco cavalo
e4 branco peão
c3 branco cavalo
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Variação Pino: 1.e4 c5 2.Cf3 e6 3.d4 cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.Cc3 Bb4

A variação Pino (também chamada de contra-ataque siciliano) é considerada teoricamente suspeita, mas se as brancas não estiverem preparadas, as táticas podem ser difíceis de calcular no tabuleiro. Depois de 6.e5! (6.Bd3 é menos desafiador) as pretas têm:

  • 6...Ce4?! 7.Dg4! Cxc3 8.Dxg7 Tf8 9.a3 Cb5+ 10.axb4 Cxd4 11.Bg5 Db6 12.Bh6 Dxb4+ 13.c3 Cf5 14.cxb4 Cxg7 15.Bxg7 com uma clara vantagem para as brancas, Szabo – Mikenas, Kemeri 1939
  • 6...Cd5 7.Bd2 Cxc3 8.bxc3 Be7 9.Dg4 e as pretas devem enfraquecer a ala do rei com 9...g6 ou desistir da troca após 9...0-0 10.Bh6 g6. As brancas não precisam fazer a troca, e atacar com 11.h4 pode de fato ser mais forte.

Também intrigante é 6.Cb5!, com 6...Cxe4?! encontra 7.Dg4, com forte compensação pelo peão.

2.Cf3 sem 3.d4: Alternativas para o terceiro lance das brancas[editar | editar código-fonte]

As brancas podem jogar 2.Cf3 sem pretender seguir com 3.d4. Os sistemas dados abaixo são geralmente classificados junto com as alternativas para o segundo movimento das brancas como anti-sicilianas.

2...d6 sem 3.d4[editar | editar código-fonte]

Variação Moscou: 3.Bb5+[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
b8 preto cavalo
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
g8 preto cavalo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
e7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
d6 preto peão
b5 branco bispo
c5 preto peão
e4 branco peão
f3 branco cavalo
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
d2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
b1 branco cavalo
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Moscow Variation: 1.e4 c5 2.Nf3 d6 3.Bb5+

Depois de 1.e4 c5 2.Cf3 d6, a alternativa mais importante das brancas para 3.d4 é 3.Bb5+, conhecida como variação Moscou ou o ataque Canal – Sokolsky. Grandes mestres às vezes escolhem essa variação quando desejam evitar a teoria; por exemplo, foi jogado por Garry Kasparov no jogo online Kasparov – The world. Especialistas nesta linha incluem os grandes mestres (GMs) Sergei Rublevsky e Tomáš Oral. O atual campeão mundial Magnus Carlsen também jogou esta variação extensivamente. As pretas podem bloquear o xeque com 3...Bd7, 3...Cc6 ou 3...Cd7. A posição após 3...Cc6 também pode ser alcançada através da variação Rossolimo após 1.e4 c5 2.Cf3 Cc6 3.Bb5 d6.

O mais comum é 3...Bd7, quando depois de 4.Bxd7+ Dxd7, as brancas podem jogar 5.0-0 seguido por c3 e d4, ou 5.c4 no estilo do Maróczy bind.

Outras[editar | editar código-fonte]

Outra possibilidade para as brancas é 3.c3, uma variação atrasada da Defesa siciliana, variação Alapin com a intenção de estabelecer um centro de peões com d4 no próximo movimento. A continuação mais frequente é 3...Cf6 4.Be2, quando 4...Cxe4? perde para 5.Da4+ e da mesma forma 4...Cc6 5.d4 Cxe4? perde para 6 d5 e 7 Da4+.

2...Cc6 sem 3.d4[editar | editar código-fonte]

Variação Rossolimo: 3.Bb5[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
g8 preto cavalo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
d7 preto peão
e7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
c6 preto cavalo
b5 branco bispo
c5 preto peão
e4 branco peão
f3 branco cavalo
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
d2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
b1 branco cavalo
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Variação Rossolimo: 1.e4 c5 2.Nf3 Nc6 3.Bb5

A variação Rossolimo, 3.Bb5, é uma alternativa bem respeitada para 3.d4. É nomeado em homenagem a Nicolas Rossolimo e está relacionada com a variação Moscou. A intenção usual das brancas é jogar Bxc6, dando às pretas peões dobrados. As principais respostas das pretas são 3...g6 preparando ...Bg7, 3...d6 preparando ...Bd7 (uma linha híbrida que também surge da variação Moscou após 2...d6 3.Bb5+ Cc6), e 3...e6 preparando 4...Cge7. Sergei Rublevsky e Tomáš Oral jogam esta linha, bem como a variação Moscou. O grande mestre ítalo-americano Fabiano Caruana é talvez o maior proponente desta linha no nível superior, e jogou esta variação nos jogos 1, 3 e 5 de sua partida no campeonato mundial com Magnus Carlsen.

Outras[editar | editar código-fonte]

3.Cc3 é um dispositivo de transposição comum para as brancas, que podem jogar 4.d4 ou 4.Bb5 no próximo movimento dependendo da resposta das pretas. As pretas às vezes jogam 3...e5 para evitar ambos os lances; então 4.Bc4 é considerado o melhor lance das brancas. 3.c3 transpõe para linhas da variação Alapin após 3...Cf6 ou 3...d5, enquanto 3.c4 transpõe para a inglesa simétrica.

2...e6 sem 3.d4[editar | editar código-fonte]

As brancas às vezes jogam 3.Cc3 como um lance de espera, embora tenha pouco significado independente. Com 3.d3, as brancas planejam desenvolver no estilo do ataque indiano do rei com g3 e Bg2; esta linha foi usada por Fischer para esmagar Oscar Panno em um jogo famoso (Fischer – Panno, Buenos Aires 1970). 3.c3 irá transpor para linhas da variação – Alapin após 3...Cf6, ou a Defesa francesa após 3...d5 4.e5 Cc6 5.d4, embora 4...d4 seja mais forte, como após 5.cxd4 cxd4 6.Da4+ Cc6 7.Bb5 Bd7 8.Bxc6 Bxc6 9.Dxd4 Bxf3 é um forte sacrifício de peões, dando às pretas uma excelente compensação. 3.c4 transpõe para a inglesa simétrica. 3.b3, pretendendo Bb2, é uma rara tentativa independente, ocasionalmente ensaiada por Heikki Westerinen na década de 1970.

3.Bd3[editar | editar código-fonte]

Danny Kopec sugeriu o lance 3.Bd3 contra qualquer uma das respostas comuns das pretas, pretendendo seguir com c3 e Bc2.[37]

2.Cf3: Alternativas para o segundo movimento das pretas[editar | editar código-fonte]

Depois de 1.e4 c5 2.Cf3, as pretas têm algumas opções menos comuns além de 2...d6, 2...Cc6 e 2...e6.

Dragão hiperacelerado: 2...g6[editar | editar código-fonte]

Depois de 2...g6, as brancas geralmente jogam 3.d4, que pode transpor para a Dragão acelerado após 3...cxd4 4.Cxd4 Cc6, embora as brancas possam desviar jogando 4.Dxd4, e as pretas também podem evitar a transposição com 3.d4 Bg7 4.dxc5 Da5+. Outras opções para o terceiro movimento das brancas são 3.c3 transpondo para uma variação Alapin e 3.c4.

Variação O'Kelly: 2...a6[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
b8 preto cavalo
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
g8 preto cavalo
h8 preto torre
b7 preto peão
d7 preto peão
e7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
a6 preto peão
c5 preto peão
e4 branco peão
f3 branco cavalo
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
d2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
b1 branco cavalo
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Variação O'Kelly: 2...a6

2...a6 é a variação O'Kelly. A ideia das pretas é enfrentar 3.d4 com 3...cxd4 4.Cxd4 Cf6 5.Cc3 e5 quando 6.Cdb5 é impedido, e depois de 6.Cb3 ou 6.Cf3 as pretas empatarão jogando 6...Bb4 e possivelmente ...d5. No entanto, as brancas podem evitar isso jogando 3.c3 ou 3.c4.

Variação Nimzowitsch – Rubinstein: 2...Cf6[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
b8 preto cavalo
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
d7 preto peão
e7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
f6 preto cavalo
c5 preto peão
e4 branco peão
f3 branco cavalo
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
d2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
b1 branco cavalo
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Variação Nimzowitsch – Rubinstein: 2...Cf6

2...Cf6 é a variação Nimzowitsch. Tem alguma semelhança com a Defesa Alekhine.[38] A resposta mais forte das brancas é perseguir o cavalo por 3.e5 Cd5 4.Cc3 e agora

  • (a) 4...Cxc3 5.dxc3, quando 5...b6?, como Nimzowitsch jogou e recomendou, perde para 6.e6! f6 7.Ne5![39]

ou

  • (b) 4...e6 (a linha principal) 5.Cxd5 exd5 6.d4 Cc6 7.dxc5 Bxc5 8.Dxd5 Db6 (8...d6 9.exd6 Db6 também é jogado)[40] 9.Bc4! Bxf2+ 10.Re2 0-0 11.Tf1 Bc5 12.Cg5 Cd4+ 13.Rd1 com jogo preciso favorecendo as brancas.[41]

Outras[editar | editar código-fonte]

Outros movimentos incluem:

  • 2...b6 é a variação Katalymov, em homenagem ao mestre cazaque/russo Boris Katalymov. Geralmente é considerada melhor para as brancas, embora tenha sido frequentemente jogada pelo grande mestre (GM) francês Christian Bauer. Outros grandes mestrres (GMs), incluindo Gata Kamsky, ocasionalmente a usaram como uma arma surpresa.
  • 2...Dc7 é a variação Quinteros. Frequentemente, ela se transpõe para uma linha padrão, como a variação Taimanov ou a variação Kan, ou então as brancas podem jogar 3.c3 no estilo da variação Alapin, onde a dama preta pode não estar tão bem colocada em c7.

Siciliana fechada: 2.Cc3[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
g8 preto cavalo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
e7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto bispo
h7 preto peão
c6 preto cavalo
d6 preto peão
g6 preto peão
c5 preto peão
e4 branco peão
c3 branco cavalo
d3 branco peão
g3 branco peão
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco bispo
h2 branco peão
a1 branco torre
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
g1 branco cavalo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Siciliana fechada (linha principal): 1.e4 c5 2.Cc3 Cc6 3.g3 g6 4.Bg2 Bg7 5.d3 d6

2.Cc3 é o segundo movimento mais comum das brancas respondendo a 1.e4 c5. As opções das pretas são semelhantes às de 2.Cf3, sendo as mais comuns ...Cc6, junto com ...e6 e ...d6, e menos comumente ...a6 e ...g6. 2...e5 transpõe para uma variante do jogo Viena. Em todos os casos, as brancas podem jogar 3.Cf3, como se as brancas tivessem jogado 2.Cf3 e depois 3.Cc3 (por exemplo, 2.Cf3 Cc6 3.Cc3, B30).

Na maioria das vezes, outras jogadas são a siciliana fechada. Os movimentos possíveis são 3.g3 e 3.f4 em geral, também 3.Cge2, e menos comumente 3.d3 e 3.Bc4. Muitas linhas transpõem para a siciliana aberta, a variação Moscou ou a variação Rossolimo, mas há muitas que não.

Também de algum interesse é 3.Bb5 para ...C6.

Uma linha típica é 2...Cc6 3.g3 (código B24 na ECO). Também 2...Cc6 3.f4 é a siciliana fechada, ataque do grande prêmio (parte do B23).

As brancas também podem manter as opções em aberto com 3.Cge2. Andrew Soltis apelidou isso de "Sistema camaleão", já que as brancas mantêm a opção de jogar uma siciliana fechada com 4.g3 ou transpor para uma siciliana aberta padrão com 4.d4 cxd4 5.Cxd4. Duas desvantagens são que

  • a) as linhas sicilianas fechadas com um Cge2 inicial não são muito desafiadoras para as pretas

e

  • b) se as pretas jogarem 2...Cc6 3.Cge2 g6, 4.d4 atingem um dragão acelerado onde as brancas perderam a opção de jogar c4, o Maróczy bind, muitas vezes considerada a melhor linha das brancas.[42]

Tendo em vista possíveis transposições para as principais variações sicilianas, as pretas têm várias respostas para 2.Cc3 na siciliana aberta. 2...Cc6 é a escolha mais comum, mas 2...e6 e 2...d6 são frequentemente jogadas. A linha principal da siciliana fechada é 2.Cc3 Cc6 3.g3 g6 4.Bg2 Bg7 5.d3 d6 (diagrama), quando as opções principais das brancas são 6.Be3 seguido por Dd2 e possivelmente 0-0-0 e 6. f4 seguido por Cf3 e 0-0.

Alternativas para o segundo movimento das brancas[editar | editar código-fonte]

Após 1.e4 c5, outros movimentos além de 2.Cf3 e 2.Cc3 são populares.

Variação Alapin: 2.c3[editar | editar código-fonte]

2.c3 é a variação Alapin ou siciliana c3. Originalmente defendida por Semyon Alapin no final do século 19, foi revivida no final dos anos 1960 por Evgeny Sveshnikov e Evgeny Vasiukov. Atualmente, seus praticantes mais fortes incluem os grandes mestres Sergei Tiviakov e Eduardas Rozentalis.

As brancas pretendem estabelecer um clássico centro de peões com 3.d4, então as pretas devem contra-atacar imediatamente no centro com 2...Cf6 ou 2...d5.

A linha 2...Cf6 3.e5 Cd5 lembra a Defesa Alekhine, mas a inclusão dos movimentos c3 e ...c5 é definitivamente a favor das pretas. Agora as brancas podem jogar 4.d4 cxd4 5.Cf3, quando as pretas podem escolher entre 5...e6 e 5...Cc6. Outra ideia para as brancas é 5.Bc4, que se encontra com 5...Dc7.

A outra linha principal é 2...d5 3.exd5 Dxd5 4.d4 Cf6 5.Cf3, quando as opções principais das pretas são 5...e6 e 5...Bg4. Nesta linha, as brancas geralmente acabam com um peão da rainha isolado depois que os peões são trocados na "d4."

Uma opção mais rara no segundo lance das pretas é 2...e6, com o objetivo de transpor para a variação avançada da Defesa francesa após 3.d4 d5 4.e5.

Ataque Grande prêmio: 2.f4[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
b8 preto cavalo
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
g8 preto cavalo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
d7 preto peão
e7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
c5 preto peão
e4 branco peão
f4 branco peão
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
d2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
b1 branco cavalo
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
g1 branco cavalo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Siciliana fechada (Ataque Grande prêmio): 1.e4 c5 2.f4

2.f4 é o ataque Grande prêmio ou ataque McDonnell: o último nome deriva da 14ª partida disputada em Londres em 1834 entre Alexander McDonnell e Charles Louis Mahé de La Bourdonnais, vencida pelas pretas. De acordo com Jeremy Silman e outros, a melhor resposta das pretas é 2...d5 3.exd5 Cf6!, o gambito Tal, que fez com que o 2.f4 imediato perdesse popularidade.[43] As brancas podem recusar o gambito com 3.Cc3, chamado de "variação Toilet (banheiro)", assim chamada devido ao seu local de invenção.[44] Uma opção menos comum é 2...e6, como La Bourdonnais jogou contra McDonnell. Os jogadores geralmente entram no ataque Grande prêmio hoje em dia jogando 2.Cc3 primeiro antes de continuar 3.f4. A linha principal moderna executa 2.Cc3 Cc6 3.f4 g6 4.Cf3 Bg7. Aqui as brancas podem jogar o 5.Bb5 posicional, ameaçando dobrar os peões pretos com Bxc6, ou o 5.Bc4 mais agressivo, visando um ataque na ala do rei.

Gambito Smith – Morra: 2.d4 cxd4 3.c3[editar | editar código-fonte]

abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
b8 preto cavalo
c8 preto bispo
d8 preto rainha
e8 preto rei
f8 preto bispo
g8 preto cavalo
h8 preto torre
a7 preto peão
b7 preto peão
d7 preto peão
e7 preto peão
f7 preto peão
g7 preto peão
h7 preto peão
d4 preto peão
e4 branco peão
c3 branco peão
a2 branco peão
b2 branco peão
f2 branco peão
g2 branco peão
h2 branco peão
a1 branco torre
b1 branco cavalo
c1 branco bispo
d1 branco rainha
e1 branco rei
f1 branco bispo
g1 branco cavalo
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
Gambito Smith – Morra: 2.d4 cxd4 3.c3

2.d4 cxd4 3.c3 é o gambito Smith – Morra. Recusá-lo por 3...Cf6 ou 3...d5, transpondo para a linha c3, é possível, mas aceitá-lo por 3...dxc3 é crítico.[45] Depois de 4.Cxc3, considera-se que as brancas não têm compensação suficiente para o peão;[46][47][48][49] no entanto, pode ser perigoso para as pretas se elas não estiverem preparadas, pois há muitas armadilhas para os incautos.[50]

Outros movimentos[editar | editar código-fonte]

Outros movimentos razoáveis incluem:

  • 2.Ce2 é a variação Keres, uma das favoritas de Paul Keres, e tem ideias semelhantes ao Sistema camaleão discutido em 2.Cc3 – as brancas podem seguir com 3.d4 com uma siciliana aberta, 3.g3 com uma siciliana fechada, ou 3.Cbc3, continuando a adiar a escolha entre as duas.
  • 2.g3, a variação Steinitz ou ataque Lasker – Dunne, às vezes era jogada por Taimanov. Ela pode transpor para a siciliana fechada, mas oferece outras opções, como 2...d5 3.exd5 Dxd5, com a rainha preta ameaçando capturar a torre branca exposta, e uma construção central incipiente com c3 e d4 para as brancas.
  • 2.c4, a variação Staunton – Cochrane, ocasionalmente leva à posições que lembram linhas na abertura inglesa. Palliser e Keres recomendam evitar a teoria tradicional da inglesa com 2...Cc6 3.Cc3 e5!, o que impede as brancas de jogar d4.[51]
  • 2.d3 sinaliza a intenção das brancas de se desenvolver ao longo das linhas do ataque indiano do rei e geralmente transpõe para o siciliana fechada.
  • 2.e5, que ganha espaço e impede que as pretas joguem ...Cf6. As brancas costumam apoiar o peão na "e5" com 3.f4 ou 3.Cf3. A desvantagem de 2.e5 é que nenhuma pressão adicional é trazida para o centro, permitindo várias opções às pretas. Wilhelm Steinitz jogou 2.e5 pelo menos três vezes em torneios, derrotando Szymon Winawer, Max Weiss e Celso Golmayo Zúpide.[52]
  • 2.Ca3, a variação Kronberger, é uma jogada excêntrica que recentemente voltou à proeminência pelo grande mestre (GM) Vadim Zvjaginsev na superfinal do campeonato russo de xadrez de 2005. Ele a usou três vezes durante o torneio, empatando duas vezes e vencendo Alexander Khalifman.
  • 2.Dh5, ameaçando o peão na "c" como no ataque da rainha rebelde, foi jogado duas vezes em 2005 por Hikaru Nakamura, mas o movimento é considerado duvidoso. Simplesmente 2...Cf6 dá às pretas uma posição confortável após 3.Dxc5 Cxe4, enquanto 3.Dh4 desloca a rainha e perde tempo. Nakamura perdeu em 23 jogadas para Andrei Volokitin em 2005, e Neil McDonald criticou a experiência inicial como "bastante tola".[53]
  • 2.a4 é geralmente seguido por 3.f4, com jogada semelhante a um ataque Grande prêmio. Simon Williams uma vez derrotou Jovica Radovanovic com a linha.[54]
  • 2.a3, a variação Mengarini, é semelhante ao gambito Wing, a ideia é jogar 3.b4 no próximo movimento.
  • 2.b3 seguido por 3.Bb2 é a variação Snyder, batizada em homenagem ao mestre da USCF Robert M. Snyder.[55] Ela foi usada ocasionalmente por Nigel Short e é a favorita do grande mestre (GM) georgiano Tamaz Gelashvili.
  • 2.Bc4 é o ataque Bowdler e, embora já tenha sido jogado no nível mais alto, hoje é popular apenas entre jogadores de clube ou iniciantes que não estão familiarizados com a siciliana e estão procurando atacar o fraco peão na "f7" ou se preparar para um roque rápido na ala do rei. No entanto, após um movimento como 2...e6, as pretas logo jogarão ...d5 e abrirão o centro enquanto ganham tempo atacando o bispo. A continuação em Anderssen – Wyvill, (em Londres, 1851) foi 2...e6 3.Cc3 a6 4.a4 Cc6 5.d3 g6 6.Cge2 Bg7 7.0-0 Cge7 8.f4 0-0 9.Bd2 d5 10.Bb3 Cd4 11.Cxd4, e agora Soltis recomenda 11...cxd4! 12.Ce2 Bd7![56]
  • 2.b4 é o gambito Wing. A ideia das brancas é 2.b4 cxb4 3.a3, esperando desviar o peão na "c" das pretas, então dominar o centro com um d4 inicial. No entanto, a teoria do xadrez provou no passado que essa ideia é, na melhor das hipóteses, duvidosa. O gambit Wing é, portanto, geralmente considerado muito imprudente e raramente visto na práxis do grande mestre. O grande mestre (GM) Joseph Gallagher chama isso de "uma relíquia esquecida, que dificilmente tem colocado os pés em um salão de torneio desde os dias de Frank Marshall e Rudolph Spielmann. As brancas sacrificam um peão por ... bem, não muito."[57] Magnus Carlsen é o um jogador notável que tentou isso recentemente em controles de tempo mais rápidos, mas, além de um fator surpresa, o gambito Wing não tem muito a oferecer.

Códigos na ECO[editar | editar código-fonte]

A Enciclopédia de aberturas de xadrez classifica a Defesa siciliana sob os códigos B20 a B99, dando-lhe mais códigos do que a qualquer outra abertura. Em geral, essas diretrizes se aplicam:

  • Os códigos B20 a B29 cobrem as linhas após 1.e4 c5 onde as brancas não jogam 2.Cf3, e as linhas onde as brancas jogam 2.Cf3 e as pretas respondem com um lance diferente de 2...d6, 2...Cc6 ou 2...e6.
  • Os códigos B30 a B39 cobrem as linhas que começam com 1.e4 c5 2.Cf3 Cc6 que não se transpõem em linhas que também podem começar com 2...d6. As variações mais importantes aqui incluídas são a Rossolimo, a Kalashnikov, a Sveshnikov e a Dragão acelerado.
  • Os códigos B40 a B49 cobrem as linhas que começam em 1.e4 c5 2.Cf3 e6, principalmente as variações Taimanov e Kan.
  • Os códigos B50 a B59 cobrem as linhas após 1.e4 c5 2.Cf3 d6 não cobertos pelos códigos B60B99. Isso inclui a variação Moscou (3.Bb5+), 3.d4 cxd4 4.Dxd4 e linhas na variação clássica, exceto para o ataque Richter – Rauzer, incluindo o ataque Sozin e a variação Boleslavsky.
  • Os códigos B60 a B69 cobrem o ataque Richter – Rauzer da variação clássica.
  • Os códigos B70 a B79 cobrem a variação Dragão normal (não acelerada).
  • Os códigos B80 a B89 cobrem a variação Scheveningen.
  • Os códigos B90 a B99 cobrem a variação Najdorf.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Henry Bird, escrevendo em 1883, resumiu as flutuações na reputação da siciliana assim:

    A siciliana ... provavelmente sofreu mais vicissitudes em relação à sua avaliação e apreciação do que qualquer outra forma de defesa. Em 1851, quando o torneio da Grande exposição de Londres foi iniciado, estava totalmente em desuso, mas sua adoção bem-sucedida em tantas ocasiões por Anderssen, o vencedor do primeiro prêmio, restaurou inteiramente a confiança. Sua rejeição por Morphy em 1857 –1858, e por Steinitz em 1862, fez com que novamente perdesse a consideração por não ser uma defesa perfeitamente válida e confiável. Desde então, sua sina continuou em um estado instável. Staunton (três semanas antes de sua morte), ... declarou que era bastante confiável e, na mesma data, Lowenthal expressou uma opinião semelhante. O Barão Kolisch ... concorda com essas opiniões.

    J.I. Minchin, ed. (1973). Games played in the London international chess tournament 1883 (em inglês) reimpressão ed. [S.l.]: British chess magazine. pp. 286 – 287. SBN 90084608-9 

  2. "Steinitz, ao longo de sua vida, teve uma certa antipatia pela siciliana. Ele nunca deixou de escrever que preferia 1...e5 e a maioria dos jogadores seguiu seu exemplo." Polugaevsky, Lev; Jeroen Piket; Christophe Guéneau (1995). Sicilian love: Lev Polugaevsky chess tournament, Buenos Aires 1994 (em inglês). [S.l.]: New in chess. p. 65. ISBN 90-71689-99-9 
  3. Griffith, R.C.; J. H. White (1925). Modern chess openings (em inglês). Leeds: Whitehead & Miller. p. 191  Doze anos antes, na segunda edição, os autores escreveram: "Por muitos anos, a siciliana desfrutou de uma quantidade justa, embora flutuante, de jogo por partidas. Embora não seja analiticamente tão sólida quanto a francesa, oferece maior oportunidade para contra-ataque e menos chance de um empate antecipado." Griffith, R.C.; J. H. White (1913). Modern chess openings (em inglês). Londres: Longmans, Green and Co. p. 164 
  4. Fine, Reuben (1965). Great moments in modern chess (em inglês). Nova Iorque: Dover publications. ISBN 0-486-21449-4  (descrita como "uma republicação completa e inalterada" de McKay, David (1948). The world's a chessboard (em inglês). [S.l.: s.n.] p. 212 )

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Rowson, Jonathan (2005). Chess for zebras: Thinking differently about black and white (em inglês). [S.l.]: Gambit publications. p. 243. ISBN 1-901983-85-4 
  2. Sosonko, Gennady; Paul van der Sterren (2000). New in chess yearbook 55 (em inglês). [S.l.]: Interchess BV. p. 227. ISBN 90-5691-069-8 
  3. Watson, John (outubro de 2006). Mastering the chess openings: Unlocking the mysteries of the modern chess openings (em inglês). 1. [S.l.]: Gambit publications. p. 175. ISBN 1-904600-60-3 
  4. Nunn, John (fevereiro de 2001). Understanding chess move by move (em inglês). [S.l.]: Gambit publications. p. 57. ISBN 1-901983-41-2 
  5. De Firmian, Nick (2008). Modern Chess Openings: MCO-15 (em inglês). [S.l.]: Random house puzzles & games. p. 244. ISBN 978-0-8129-3084-9 
  6. Ristoja, Thomas; Aulikki Ristoja (1995). Perusteet. Col: Shakki (em finlandês). [S.l.]: WSOY. p. 63. ISBN 951-0-20505-2 
  7. «Chess and chess players of the renaissance» (em inglês). Consultado em 19 de janeiro de 2008. Arquivado do original em 23 de janeiro de 2008 
  8. Polugaevsky, Lev; Jeroen Piket; Christophe Guéneau (1995). Sicilian love: Lev Polugaevsky chess tournament, Buenos Aires 1994 (em inglês). [S.l.]: New in chess. p. 50. ISBN 90-71689-99-9 
  9. Philidor, François-André Danican (2005). Analysis of the game of chess (1777) (em inglês). [S.l.]: Hardinge Simpole Ltd. pp. 200 – 201. ISBN 1-84382-161-3 
  10. Polugaevsky, Lev; Jeroen Piket; Christophe Guéneau (1995). Sicilian love: Lev Polugaevsky chess tournament, Buenos Aires 1994 (em inglês). [S.l.]: New in chess. p. 53. ISBN 90-71689-99-9 
  11. Korn, Walter; John W. Collins (1957). Modern chess openings (em inglês) 9ª ed. [S.l.]: Pitman. p. 113. ISBN 0-7134-8656-2 
  12. Staunton, Howard (1848). The chess-player's handbook (em inglês) 2ª ed. [S.l.]: Henry G. Bohn. p. 371. ISBN 1-84382-088-9  Os jogadores modernos considerariam ingênua a noção de que a siciliana "impede qualquer ataque".
  13. Shibut, Macon (2004). Paul Morphy and the evolution of chess theory (em inglês). [S.l.]: Dover. p. 42. ISBN 0-486-43574-1 
  14. J.I. Minchin, ed. (1973). Games played in the London international chess tournament 1883 (em inglês) reimpressão ed. [S.l.]: British chess magazine. pp. 286 – 287. SBN 90084608-9  Observações de Henry Bird, citadas acima.
  15. Polugaevsky, Lev; Jeroen Piket; Christophe Gueneau (1995). Sicilian love: Lev Polugaevsky chess tournament, Buenos Aires 1994 (em inglês). [S.l.]: New in chess. p. 64. ISBN 90-71689-99-9 
  16. Gossip, G. H. D.; Lipschütz, S. (1902). The chess-player's manual (em inglês). [S.l.]: David McKay. p. 799 
  17. Freeborough, E.; Rev. C. E. Ranken (1889). Chess openings: Ancient and modern (em inglês) 1ª ed. [S.l.]: Trübner and Co., Ltd. p. 239. ISBN 0-88254-179-X 
  18. Freeborough, E.; Rev. C. E. Ranken (1896). Chess openings: Ancient and modern (em inglês) 3ª ed. [S.l.]: Kegan Paul, Trench, Trübner and Co., Ltd. p. 248. ISBN 0-88254-179-X 
  19. «Capablanca on the Sicilian defence» (em inglês). Consultado em 19 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 9 de maio de 2008 
  20. Mason, James (1958) [originalmente publicado em 1894]. The art of chess (em inglês). [S.l.]: David McKay. pp. 461 – 462 
  21. Tarrasch, Siegbert (1976). The game of chess (em inglês). [S.l.]: David McKay. p. 322. ISBN 0-679-14042-5 
  22. The grand international masters' tournament at St. Petersburg 1914 (em inglês), David McKay, c. 1915, p. 75.
  23. Polugaevsky, Lev; Jeroen Piket; Christophe Gueneau (1995). Sicilian love: Lev Polugaevsky chess tournament, Buenos Aires 1994 (em inglês). [S.l.]: New in chess. pp. 67 – 69. ISBN 90-71689-99-9 
  24. Keene, R. (22 de março de 1997). «Mafia connections». The Spectator (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2008. Arquivado do original em 17 de maio de 2005 
  25. «Capablanca plays the Sicilian» (em inglês). Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  26. «Tarrasch plays the Sicilian» (em inglês). Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  27. Alekhine, Alexander (1961). The book of the New York international chess tournament 1924 (em inglês). Nova Iorque: Dover publications. p. 253. ISBN 0-486-20752-8 
  28. Harding, T. «The openings at New York 1924» (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2008. Arquivado do original em 31 de maio de 2008 
  29. Korn, Walter; Nick DeFirmian (1990). Modern chess openings (em inglês). [S.l.]: David McKay. p. 243. ISBN 0-8129-1785-5 
  30. Evans, Larry; Walter Korn (1965). Modern chess openings (em inglês). [S.l.]: Pitman. p. 182. ASIN B000HX7GR0 
  31. Gufeld, Eduard (junho de 1998). Secrets of the Sicilian Dragon (em inglês). [S.l.]: Cardoza publishing. ISBN 0-940685-92-2 
  32. Atanas Kolev e Trajko Nedev, The easiest Sicilian, Chess stars (Bulgaria), 2008, pp. 203–05. ISBN 978-954-8782-66-1.
  33. Kolev & Nedev (em inglês), pp. 205 – 209.
  34. Kolev & Nedev (em inglês), pp. 211 – 213.
  35. Kolev & Nedev (em inglês), pp. 209 – 210.
  36. «Kalashnikov variation» (em inglês). Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  37. «Foxy openings - volume 30 - Kopec anti-Sicilian system» (em inglês). Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2016 
  38. Aron Nimzowitsch, My system (21st century edition) (em inglês), Hays publishing, 1991, p. 250, ISBN 1-880673-85-1; Aron Nimzovich, My system (em inglês), David McKay, 1947, p. 358, ISBN 0-679-14025-5.
  39. John Nunn e Joseph Gallagher, Beating the Sicilian 3 (em inglês), Henry Holt and Company, 1995, pp. 200 – 201. ISBN 0-8050-4227-X.
  40. John Nunn e Joseph Gallagher, Beating the Sicilian 3 (em inglês), Henry Holt and Company, 1995, pp. 201 – 202. ISBN 0-8050-4227-X.
  41. John Nunn e Joseph Gallagher, Beating the Sicilian 3, Henry Holt and Company(em inglês), 1995, pp. 203 – 205. ISBN 0-8050-4227-X.
  42. John Cox, Starting out: Sicilian Sveshnikov (em inglês), Gloucester publishers, 2007, pp. 249 – 250. ISBN 978-1-85744-431-5.
  43. Tal gambit declined (em inglês) Arquivado em 2012-06-24 no Wayback Machine jeremysilman.com
  44. Nigel Davies (1998). The chess player's battle manual (book) (em inglês). Londres: Batsford books. p. 104. ISBN 978-0-7134-7043-7. Consultado em 7 de dezembro de 2013 
  45. Alexander Raetsky, Meeting 1.e4 (em inglês), Everyman chess, 2002, p. 134. ISBN 1-85744-219-9.
  46. John Watson, Mastering the chess openings, volume 1 (em inglês), Gambit publications, 2006, p. 175. ISBN 978-1-904600-60-2.
  47. Joseph Gallagher, Beating the anti-Sicilians (em inglês), Batsford/Henry Holt, 1994, p. 78. ISBN 0-8050-3575-3.
  48. Richard Palliser, Fighting the anti-Sicilians (em inglês), Gloucester publishers, 2007, pp. 201 – 202. ISBN 978-1-85744-520-6.
  49. Jeremy Silman, Winning with the Sicilian defence: A complete repertoire against 1.e4 (em inglês) (2ª ed. 1998), Chess digest, p. 289. ISBN 0-87568-198-0.
  50. Joseph Gallagher, Beating the anti-Sicilians (em inglês), Batsford/Henry Holt, 1994, pp. 78 – 79. ISBN 0-8050-3575-3.
  51. Rotella, Tony (2014). The killer Sicilian (em inglês). [S.l.]: Everyman chess. p. 431. ISBN 978-1-85744-665-4 
  52. «Chess database». chesstempo.com (em inglês). Consultado em 3 de maio de 2018 
  53. Kavalek, Lubomir (26 de setembro de 2005). «Chess» (em inglês). Consultado em 3 de maio de 2018 – via www.washingtonpost.com 
  54. «Williams, Simon K - Radovanovic, Jovica 2014 , 2nd Kings place open 2014 , London ENG». chesstempo.com (em inglês). Consultado em 3 de maio de 2018 
  55. Snyder, Robert (1977). Snyder Sicilian: A complete opening system – 2. P-QN3 versus the Sicilian (em inglês). [S.l.]: Ron's postal chess club 
  56. Andy Soltis, The great chess tournaments and their stories (em inglês), Chilton book company, 1975, pp. 17–18. ISBN 0-8019-6138-6.
  57. Gallagher, Joe (1994). Beating the anti-Sicilians (em inglês). [S.l.]: Henry Holt and company. p. 81. ISBN 0-8050-3575-3 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Wikilivros
O wikilivro Xadrez tem uma página sobre Defesa siciliana