Duarte de Albuquerque

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde maio de 2014). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Duarte de Albuquerque Coelho (15911658), primeiro e único visconde de Pernambuco e marquês de Basto, (Olinda) foi o quarto donatário da capitania de Pernambuco, que herdou em 1603.

Era filho de Jorge de Albuquerque Coelho.

Quando os holandeses invadiram sua capitania, em 1630, defendida por seu irmão Matias de Albuquerque, a ele se juntou, permanecendo no Brasil até 1638. Descendia do primeiro donatário, Duarte Coelho Pereira e de sua mulher dona Brites de Albuquerque, de quem era neto, filho de Jorge de Albuquerque Coelho.

Escreveu obras históricas, como as Memórias Diárias de la Guerra del Brasil, publicada em Madrid, em 1654, narrando a luta contra os holandeses em Pernambuco de 1630-1638.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Os títulos nobiliárquicos de visconde de Pernambuco e de marquês de Basto foi criado no início do século XVII por D. Filipe III (IV de Espanha), rei de Portugal e Espanha.

Ambos os títulos foram concedidos depois de 1640, pelo que apenas foram registados e reconhecidos em Espanha.

Precedido por
Brites de Albuquerque
Donatário da Capitania de Pernambuco
15611578
Sucedido por
Jorge de Albuquerque Coelho


Ícone de esboço Este artigo sobre História de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.