Edviges de Holsácia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Edviges
A imagem da rainha em um selo
Rainha da Suécia
Reinado 11 de novembro de 1276 - 18 de dezembro de 1290
Coroação 29 de julho de 1281, em Sodercopinga
 
Cônjuge Magno III da Suécia
Descendência Ingeborga, Rainha da Dinamarca
Birger da Suécia
Érico, Duque de Sudermânia
Valdemar, Duque da Finlândia
Riquissa Magnusdotter, Abadessa de Santa Clara
Casa Schauemburgo (por nascimento)
Bialbo (por casamento)
Nascimento 1260
Morte 1325 (65 anos)
Enterro Igreja de Riddarholmen, Riddarholmen, Estocolmo
Pai Geraldo de Holsácia-Itzehoe
Mãe Isabel de Mecklemburgo

Edviges de Holsácia (1260 — 1325[1]) foi rainha consorte da Suécia por casamento com Magno III da Suécia.

Família[editar | editar código-fonte]

Edviges era a filha mais velha do conde Geraldo de Holsácia-Itzehoe e de sua primeira esposa, Isabel de Meclemburgo.

Ela era uma descendente do rei Suérquero II da Suécia e de sua esposa dinamarquesa Benedita da Suécia, através da linhagem paterna. Sua tia paterna foi Matilde de Holsácia, Rainha da Dinamarca de 1250 a 1252, como esposa de Abel da Dinamarca.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Edviges se casou com Magno III, também conhecido como Magno Ladulås, em 11 de novembro de 1276, no Castelo de Calmar[1], e como presente de casamento, recebeu o feudo de Dåvö na cidade de Munctorpe, na Vestmânia. Contudo, Magno obteve uma dispensa papal para a união apenas após o casamento já ter ocorrido.

Durante a sua jornada para a Suécia, seu pai foi capturado durante a Revolta do Partido de Folkung por um nobre na cidade de Escara, e depois aprisionado em uma torre em Isemburgo, enquanto que Edviges foi obrigada a se refugiar em um convento em Escara.[2]

Edviges foi oficialmente a primeira rainha a ser coroada na Suécia, fato que ocorreu na data de 29 de junho de 1281, em Sodercopinga. Durante a coroação, foram rezadas orações para a fertilidade da nova rainha.

Ela fundou o convento de Greyfriars em Estocolmo, assim como várias igrejas e conventos, e participou de procissões de inaugurações de bispos, celebrações de dias de festas religiosas e da missa para o Santo Érico, em 1277.

Após a morte de seu marido em 18 de dezembro de 1290, ela foi uma das executoras de seu testamento. No ano seguinte, em 1291, Edviges passou a viver em Vestmânia. Ela também recebeu e governou Fiordundralândia, como rainha viúva. Esteve presente na coroação do filho, Birger.

Como rainha e rainha viúva, não parece ter sido muito ativa politicamente, pois vivia uma vida discreta.

A rainha era descrita como nobre, leal e uma mãe pacificadora, que era atormentada pelos conflitos entre os seus filhos. Além disso, foi como uma mãe adotiva para a futura noiva de seu filho Birger da Suécia, Marta da Dinamarca, enquanto a mesma era criança na Corte da Suécia.

Edviges morreu em 1325, e foi enterrada juntamente com seu marido e a filha Riquissa na Igreja de Riddarholmen, no ilhéu de Riddarholmen, em Estocolmo.

Filhos[editar | editar código-fonte]

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Medieval Lands - Terras Medievais
  2. Philip Line, Kingship and state formation in Sweden, 1130-1290, BRILL, 2007, p. 137


Precedida por:
Sofia da Dinamarca
Rainha da Suécia
11 de novembro de 1276 - 18 de dezembro de 1290
Sucedida por:
Marta da Dinamarca