Emanuel Ungaro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emanuel Ungaro
Nome completo Emanuel Maffeolit Ungaro
Nascimento 13 de fevereiro de 1933 (83 anos)
Aix-en-Provence,  França
Nacionalidade França Francês
Ocupação Estilista

Emanuel Maffeolit Ungaro (Aix-en-Provence, 13 de fevereiro de 1933) é um estilista francês de origem italiana. Foi fundador de uma casa de alta costura que leva seu nome.[1]

Geralmente considerado como o último grande costureiro, Ungaro aposentou-se em 2005.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Filho de um imigrante italiano, na época um modesto alfaiate do Midi, na França, é com ele que Emanuel Ungaro começa a aprender seu ofício.

Descobre Paris com a idade de vinte e dois anos. Posteriormente transfere-se para Barcelona, onde vai trabalhar com Cristóbal Balenciaga. Ungaro deve a sua formação a Balenciaga, com quem diz ter aprendido tudo, entre 1958 e 1965.

Em 1965, cria sua marca, que se distingue pelas misturas de estampados, pelas nuances vivas e pelos belos drapeados. Desde 1967, a loja principal de Emanuel Ungaro situa-se no 8e arrondissement, na Avenue Montaigne, dentro do chamado "triângulo de ouro de Paris" (delimitado pelas avenidas Montaigne, George V e Champs-Elysées), onde se localizam as principais lojas do comércio de luxo.

À frente de uma das últimas maisons de costura independentes, comemora, em 1995, um quarto de século de costura, com seu estilo rico, florido e sensual. Ele se lembra: "Hoje todo mundo quer ser artista... Eu, depois que as operárias iam embora, varria o local, com vergonha de que soubessem que era eu mesmo quem fazia a limpeza..."

Em 1997 a marca é vendida para o grupo italiano Ferragamo. Ungaro prefere então retirar-se. Deixa o mundo da moda parisiense em 26 de maio de 2004. Em 2005, a marca foi novamente vendida e entrou numa fase de refluxo, com a frequente troca de designers[2] [3]

Em 2009, as vendas da marca totalizaram cerca de USD 200 milhões em perfumes e produtos das linhas menos caras vendidos na Ásia, mas a coleção de passarela tem sido deficitária há anos.[2]

Atualmente a maison Ungaro está nas mãos do paquistanês Asim Abdulah. A marca permanece deficitária e, até 2010, registrava perdas não inferiores a 6 milhões de euros por ano.[4] Em 2010, depois de uma desastrosa passagem da atriz Lindsay Lohan pela área de criação da grife, Abdullah teria procurado Matteo Marzotto, ex-presidente da Valentino, mas a negociação não prosperou. Segundo o New York Post, Abdullah continuou à procura de um novo investidor, enquanto tentava trazer de volta Giambattista Valli, estilista da Ungaro até 2005.[5]

Finalmente, em 24 de setembro de 2012, foi anunciado que a marca retornaria à Semana da Moda de Paris na temporada outono/inverno de 2013, sob o comando criativo de Fausto Puglisi, estilista siciliano que já vestiu Madonna, Beyoncé e a jornalista de moda Anna Dello Russo, consultor da Vogue japonesa. O retorno da griffe ao evento teria sido possibilitado por um acordo entre Abdullah, através de sua companhia de investimentos, Aimz, e o grupo italiano Aeffe (fundado em 1972, pela estilista italiana Alberta Ferretti), que já controla as marcas Alberta Ferretti, Moschino e Cacharel, entre outras. O acordo é mais uma tentativa de revitalizar a Emanuel Ungaro, que desde 2005 teve mais de cinco diretores de criação - além da polêmica conselheira artística, Lindsay Lohan. Após o acordo, o grupo italiano ficou responsável pela produção e distribuição internacional das linhas feminina e de acessórios da Emanuel Ungaro. Fausto Puglisi foi indicado pelo presidente da Aeffe, Massimo Ferretti.[6]

Referências

  1. a b Milligan, Lauren (19 de Abril de 2010). «Emanuel Ungaro» (em inglês). Vogue.com (UK). Consultado em 26 de Maio de 2010. 
  2. a b Wilson, Eric (5 October 2009). «A Controversial Debut for Lohan in Paris». The New York Times [S.l.: s.n.] Consultado em 1 May 2010. 
  3. Alexander, Hilary (21 April 2010). «Giles Deacon for Emanuel Ungaro?». The Daily Telegraph (UK [s.n.]). Consultado em 25 April 2010. 
  4. The Fall of the House of Ungaro. Por Cathy Hory. NY Times, 20 de agosto de 2010.
  5. Lindsay Lohan foi a gota d’água: grife Ungaro pode ser vendida. Terra/FFW, 30 de março de 2010.
  6. Emanuel Ungaro: marca contrata novo diretor criativo e promete voltar às passarelas. Por Carla Valois. FFW, 25 de setembro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons