Eric Johnson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o ator, veja Eric Johnson (ator).
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Eri Johnson.
Eric Johnson
Eric Johnson cropped.jpg
Eric Johnson em 2005
Informação geral
Também conhecido(a) como EJ
Nascimento 17 de agosto de 1954 (62 anos)
Origem Austin, Texas
País  Estados Unidos
Gênero(s) blues,rock, jazz fusion
Instrumento(s) guitarra e piano
Modelos de instrumentos Fender Eric Johnson Signature Stratocaster
Gibson ES-335
Signature Martin acoustic
Período em atividade 1968 - presente
Afiliação(ões) The Electromagnets
G3,
Alien Love Child
Página oficial www.EricJohnson.com

Eric Johnson (Austin, 17 de agosto de 1954) é um guitarrista e compositor estadunidense. De encantadora sonoridade, o timbre de Eric é pontuado por belas frases melódicas e timbre limpo. O guitarrista já recebeu vários prêmios, entre eles um Grammy na categoria "Best Rock Instrumental Performance", em 1992, pela música Cliffs of Dover, e entrou para o Hall of Fame da revista norte-americana Guitar Player, que afirmou: "Eric é um dos guitarristas mais respeitados do planeta".

Carreira[editar | editar código-fonte]

Nascido em uma família com fortes influências musicais, Eric, juntamente com suas 3 irmãs, iniciaram o estudo de piano logo cedo. Aos 11 anos idade, influenciado por músicos como Jimi Hendrix, Chet Atkins, John McLaughlin, Wes Montgomery e Django Reinhardt, começou a tocar guitarra.

Início: Bandas Mariani, The Electromagnets, Eric Johnson Group, e o lançamento do primeiro álbum solo[editar | editar código-fonte]

EJ e The Electromagnets performando na N.C. State University, Raleigh, N.C., em 11 Abril de 1976

Aos 15 anos, convidado pelo baterista Vince Mariani e pelo baixista Jay Podolnick, ingressou na banda de rock psicodélico Mariani, em 1968. A banda lançou apenas cem cópias de uma demo, intitulada Perpetuum Mobile. Hoje, um único disco chega a valer US$3.000,00 para os colecionadores por conta de sua raridade.

Seu enorme talento começou a despertar a atenção de vários artistas, entre eles o renomado guitarrista Johnny Winter, que, mesmo sendo 10 anos mais velho que Johnson, declarou: “Quando eu ouvi Eric, ele tinha apenas 16 anos, e me lembro que desejava tocar como ele”.

Em 1974, ele entrou na banda The Electromagnets (formada por Stephen Barber nos teclados, Kyle Brock nos baixos e Bill Maddox na bateria), banda de jazz-rock com grande influência de Jimi Hendrix, com a qual gravou dois álbuns em 1975 (Electromagnets e Electromagnets II) e fez turnê até 1977, quando saiu da banda.

Após o fim da banda, Eric Johnson formou o trio Eric Johnson Group, que chegou a gravar um ótimo álbum em 1978 - Seven Worlds - mas, devido a inúmeros problemas com a gravadora, o álbum só foi lançado duas décadas depois.

Enquanto este imbróglio acontecia, Johnson trabalhou como músico de estúdio e gravou com Cat Stevens[2],Carole King, Christopher Cross, e outros[3].

Foi numa destas apresentações que o superstar do pop, Prince, viu Johnson tocando na televisão, e logo recomendou que a gravadora Warner o contratasse.

Eles o fizeram. E em 1986, Eric Johnson lançou Tones, seu álbum de estreia em uma grande gravadora, com a participação de Roscoe Beck no baixo e Tommy Taylor na bateria. A canção "Zap" foi indicada, em 1987, ao prêmio Grammy na categoria "Best Rock Instrumental Performance"[4], o que acabou dando excelente reputação a Johnson.

Em maio do mesmo ano, a revista Guitar Player fez uma reportagem sobre ele. Esta reportagem ajudou a fomentar carreira de Johnson, que passava a receber cada vez mais reconhecimento no meio musical[5]

Ah Via Musicom: Consagração Definitiva e Prêmio Grammy[editar | editar código-fonte]

Em 1987, ele trocou a gravadora Warner Bros. pela Capitol Records. Foi com este selo que foi lançado, em 1990, o aclamado Ah Via Musicom, com o qual Johnson finalmente ganhou o reconhecimento de várias revistas de guitarra.

Este álbum entrou para a história por ser o primeiro a conter 3 músicas instrumentais entre as Top 10 da Billboard.[6]

O álbum foi indicado ao Grammy na categoria "Best Rock Instrumental Album"[7]

Foi neste álbum que ele gravou Cliffs of Dover, que lhe renderia um prêmio Grammy na categoria "Best Rock Instrumental Performance", em 1992.

No período que seguiu ao lançamento deste disco, Johnson foi nomeado 5 vezes o melhor guitarrista na categoria "Overall" e foi incluído no Hall of Fame da Guitar Player.

Venus Isle[editar | editar código-fonte]

Em 1996 ele gravou Venus Isle. Este foi um álbum diferente de todos de sua carreira, com influências musicais de várias partes do mundo, demonstrando o crescimento musical de Johnson como um guitarrista, compositor, produtor, arranjador musical e vocalista. A canção "Pavilion" alcançou a posição 33 na Billboard Mainstream Rock Tracks[8] e foi indicada ao prêmio Grammy na categoria "Best Rock Instrumental Performance".[9]

Porém, o álbum recebeu críticas mistas e não teve o mesmo sucesso comercial de seu antecessor. Como resultado, Johnson foi retirado da Capitol Records.

Turnê com o G3[editar | editar código-fonte]

Em 1997, Joe Satriani e Steve Vai convidaram Eric Johnson para a primeira turnê mundial do G3. Desta turnê, o álbum G3: Live in Concert foi lançado em formatos CD e DVD em 1997.

A versão de S.R.V. que Eric interpretou neste álbum lhe rendeu mais uma indicação ao Grammy na categoria "Best Rock Instrumental Performance".[10]

Este álbum foi um sucesso comercial, tendo recebido certificação de platina nos EUA.[11]

Alien Love Child[editar | editar código-fonte]

Após o sucesso com o G3, Eric foi, em 1998, um dos jurados da competição "Melhores bandas independentes" da revista "Musician magazine's", juntamente com Ani DiFranco, Moby, Art Alexakis, Keb' Mo' e Joe Perry.[12]

Em 2000, Eric lançou, um projeto paralelo, chamado Alien Love Child, com Chris Maresh no baixo e Bill Maddox na bateria. O álbum ao vivo Live And Beyond, foi lançado com outubro de 2000, com o selo Favored Nations Entertainment, de propriedade do guitarrista Steve Vai.

Este álbum renderia mais uma indicação ao prêmio Grammy na categoria Best Rock Instrumental Performance, com a música "Rain".[13]

Além do Grammy, o periódioco Austin Chronicle conferiu a banda os seguintes prêmios: Band of the Year, Favorite Blues Band, Favorite Single ("Rain"), Best Electric Guitar, Best Bass e Best Drums.

Souvenir[editar | editar código-fonte]

Lança Souvenir em 2002, com o selo "Vortexan Records", do qual é donok, contendo um apanhado de músicas inéditas gravadas ao longo de sua carreira, buscando abrandar um pouco seu perfeccionismo, tendo em vista sua produção menos exigente. O álbum foi lançado na Internet, e recebeu cerca de 65.000 execuções nas primeiras sete semanas após ter sido disponibilizado no mp3.com.[14]

A promoção do álbum foi realizada através de uma turnê em 2003, e uma turnê acústica no ano seguinte.[15][16]

Em 2003, Eric contribuiu com um extenso solo de guitarra na canção "The Good, the Sad and the Ugly" do álbum More to Life than This de Mike Tramp.[17]

Em 2004, a canção "Desert Rose" tocada por Johnson no festival "The Crossroads Guitar Festival", foi incluida no cd do festival que foi lançado em 2004.

Bloom[editar | editar código-fonte]

Em 2005 o álbum Bloom é lançado, também pela Favored Nations. No ano seguinte, este álbum renderia mais uma indicação ao Prêmio Grammy (Categoria: Best Rock Instrumental Álbum) na carreira de Eric.

Pós-Bloom[editar | editar código-fonte]

Também em 2006, lança em DVD e CD, o show ao vivo Live From Austin Texas, gravado no evento Austin City Limits em 1988, uma performance há muito tempo aclamada e que já vinha circulando não-oficialmente em áudio pela internet.

Em 2008, lança o DVD Anaheim (Live), show de abertura de uma turnê do guitarrista Joe Satriani, gravado no mesmo dia a local da gravação do DVD Satriani Live!.

Em 2010, dois álbum são lançados. Live from Austin, TX 84 veio em 22 de novembro, nos formatos CD e DVD. Este álbum retrata um show ocorrido em Austin, no ano de 1984.

Em dezembro, Up Close, o primeiro álbum de estúdio desde Bloom. 3 anos depois, este álbum foi relançado na Europa, com algumas pequenas alterações em algumas músicas, após serem revisadas e remixadas pelo músico.

Em 2014, mais um ao vivo, Europe Live é lançado, com 2 canções inéditas. O álbum alcançou o topo da Billboard Top Blues Albums.[8]

2 meses depois, Eclectic, um álbum lançado a partir da parceria entre Johnson e Mike Stern, com repertório essencialmente instrumental e composto praticamente por faixas já conhecidas da carreira de ambos, é lançado. Este álbum alcançou o terceira posição da Billboard Top Blues Albums.[8]

Em 2016, Eric Johnson lança EJ o primeiro álbum inteiramente acústico de sua carreira.[18] Com aspecto mais intimista, o álbum conta com nove canções inéditas e quatro covers.[19] O intuito de Johnson é mostrar sua essência como artista.[19]

Estilo e Técnica[editar | editar código-fonte]

Johnson tem um estilo próprio de tocar. Assim como sua própria personalidade, suas músicas são calmas e tranqüilas. Suas principais influências são de Django Reinhardt, Wes Montgomery, e Eric Clapton – a partir das quais ele desenvolveu uma sonoridade Fusion, combinando rock, jazz, blues e country. Ao solar, Eric Johnson flui pelo braço da guitarra, extraindo melodias expressivas com velocidade incrível.

Conhecido por ser um virtuoso, a diversidade estilistica e a excelência técnica de Johnson conquistaram a admiração de guitarristas renomados, como Santana, B.B. King, e Stevie Ray Vaughan, que também foi um grande amigo seu. Sua técnica é o que mais caracteriza seus solos – o tempo todo ele utiliza saltos de cordas que são muito difíceis de se executar, além de possuir um timbre único, suave como um violino.

Equipamentos[editar | editar código-fonte]

Guitarras:

Aplificação e efeitos:

Discografia[editar | editar código-fonte]

Paradas Musicais[editar | editar código-fonte]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Dentre várias indicações e prêmios, Eric Johnson recebeu um Grammy Award com a canção Cliffs of Dover (Categoria:Melhor Performance de Rock Instrumental)[21]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. concordmusicgroup.com/ Eric Johnson
  2. Junior, Chris. "Storytime: Eric Johnson" – the Medleyville US – March 22, 2004.
  3. Willcox, James."StarPolish Interview: Eric Johnson"Starpolish.com – November 6, 2003.
  4. Hernandez, Raoul. Arquivado em 11 de dezembro de 2004 no Wayback Machine – The Austin Chronicle.
  5. Blackett, Matt. "Editor's Note"MusicPlayer.
  6. a b billboard.com/ Eric Johnson: Biography
  7. rockonthenet.com
  8. a b c d e allmusic.com/
  9. rockonthenet.com
  10. rockonthenet.com
  11. «RIAA: Certificação de álbuns» (em inglês). Riaa.com. Consultado em 17 de Dezembro de 2012. 
  12. Weeks, Lisa. "Soundbites", Tucson Weekly, November 6, 1997.
  13. rockonthenet.com
  14. Griswold, Susan. "Eric Johnson – Official Biography" -Fishman.
  15. Baker, Brian.Arquivado em 18 de setembro de 2003 no Wayback Machine CityBeat.com, July 2, 2003.
  16. Love, Jianda. "Jianda interview with Eric Johnson" SugarMamaPR.com, 2003.
  17. «Mike Tramp – Sea of Tranquility interview». 
  18. guitarplayer.uol.com.br/ Eric Johnson irá Lançar álbum acústico. Ouça o single ‘Wrapped in a Cloud’
  19. a b guitarload.com.br/ Eric Johnson lança single “Wrapped in a Cloud”
  20. discogs.com Acessado em 14/07/2012.
  21. aceshowbiz.com