Estação Central (Metrô de Belo Horizonte)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estação Central
A estação Central de Belo Horizonte abriga o terminal do metrô e o Museu de Artes e Ofícios.
Uso atual Estação ferroviária
Museu
Administração CBTU, EFVM e Instituto Cultural Flávio Gutierrez
Linhas Metrô de Belo Horizonte
Estrada de Ferro Vitória a Minas
Informações históricas
Inauguração 7 de setembro de 1895 (120 anos)
Fechamento c. 1990
Localização
Coordenadas Gnome-globe.png Estação Central
Localização Praça Rui Barbosa (Belo Horizonte) - Belo Horizonte,  Minas Gerais

A Estação Central de Belo Horizonte é a principal estação ferroviária da capital mineira. Está localizada no Centro de Belo Horizonte, com entrada principal na praça Rui Barbosa ao lado da avenida do Contorno, em um trecho do Boulevard Arrudas. A estação é famosa tanto por sediar movimentos culturais[1] como por fornecer passagens de trem até a cidade de Vitória, capital do Espírito Santo.

História[editar | editar código-fonte]

A estação seria construída pela Comissão Construtora da Nova Capital para ser o ponto inicial do Ramal Férreo da Capital do Estado de Minas Gerais, de 15km de extensão, que se ligaria a E.F. Central do Brasil, na localidade de General Carneiro. A inauguração do primeiro prédio da estação se daria em 7 de setembro de 1895, após o lançamento da pedra fundamental do prédio no ano anterior.[1] [2] Durante algum tempo, a estação seria batizada de Minas e seria uma das primerias edificações da nova capital[1] . Após a aquisição do Ramal Férreo da Capital do Estado de Minas Gerais pela União (através da Central do Brasil), a estação seria reconstruída. A inauguração do prédio atual, projetado por Caetano Lopes e Luiz Olivieri, seria realizada em 1922, quando a estação passou a ser denominada Central do Brasil.[1]

Posteriormente seria construída Estrada de Ferro Vitória Minas, sendo que seus trihlos chegariam a estação Central, que se tornaria uma das portas de entrada da capital mineira. Nos anos 1950, a entrada em serviço do Trem Vera Cruz que ligaria Belo Horizonte ao Rio de Janeiro, tornaria a estação Central cada vez mais movimentada. Com a decadência do transporte ferroviário nas décadas de 1970 e 1980, a estação Central se tornaria cada vez menos utilizada até a desativação do Vera Cruz em 1990 e da desativação da estação, obrigando o trem da Vitória a Minas a utilizar um galpão ao lado da estação como terminal da linha.[3]

A estação receberia obras para receber a primeira linha do metrô de Belo Horizonte, cuja inauguração se daria em agosto de 1986.[1] No ano seguinte, a CBTU construiria um prédio anexo ao da estação, transferindo parte da estrutura operacional para o mesmo, deixando o prédio da estação Central apenas com a sede administrativa da superintendência da CBTU e acesso para o novo prédio da estação do metrô. [4] Durante muito tempo, o prédio permaneceria desocupado, sofrendo com a ação do tempo. No início da década de 2000 seria iniciado pelo Instituto Cultural Flávio Gutierrez em parceria com a CBTU, o projeto do Museu de Artes e Ofícios de Belo Horizonte. Após alguns anos de obras, a um custo de R$ 18 milhões,o museu seria inaugurado em dezembro de 2005.[5]

Patrimônio histórico[editar | editar código-fonte]

A Estação Central de Belo Horizonte é o principal edifício do conjunto arquitetônico e paisagístico da Praça Rui Barbosa, tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais.[6]

Cultura popular[editar | editar código-fonte]

A estação serviria de inspiração para o poema Praça da Estação de Carlos Drummond de Andrade, publicado em 1982.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g Ana Clara Brant (19 de janeiro de 2013). «Conheça a história da Praça da Estação». O Estado de Minas. Consultado em 23 de março de 2013. 
  2. Ralph M. Giesbrecht. «Belo Horizonte». Estações ferroviárias. Consultado em 23 de março de 2013. 
  3. «Trem Vera Cruz». Estações ferroviárias. Consultado em 23 de março de 2013.  Texto "autor:Ralph M. Giesbrecht" ignorado (Ajuda)
  4. «Estação Central-Nos trilhos da história». Metrô de Belo Horizonte. Consultado em 23 de março de 2013. 
  5. Revista História Viva (julho de 2008). «Museu de Artes e Ofícios- Belo Horizonte». Estações ferroviárias. Consultado em 23 de março de 2013. 
  6. «Conjunto Arquitetônico e Paisagístico da Praça Rui Barbosa». Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais. Consultado em 23 de março de 2013. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre metropolitanos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.