Eugène Voulgaris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Eugène Voulgaris
Nascimento agosto de 1716
Corfu
Morte 10 de junho de 1806 (89–90 anos)
São Petersburgo
Residência Khrestovozdvyz︠h︡ensʹkyĭ monastyr, Poltava, Mosteiro Alexandre Nevsky
Alma mater
Ocupação clérigo, filósofo, professor
Empregador Maroutsaia School, Athonite Academy, Phanar Greek Orthodox College, Catarina II da Rússia
Religião cristianismo ortodoxo

Eugène Voulgaris é búlgaro por origem e família, mas considerado o fundador do Iluminismo grego moderno. Líder ideólogo do Despotismo esclarecido. [1]

Filósofo, humanista e clérigo formado pela Universidade de Pádua, fundou em 1749 uma academia em Monte Atos perto do Mosteiro de Vatopedi. Altamente educado para sua época não foi bem recebido pelos monges e o resto do clero, foi forçado a abandonar sua empreitada e, em 1762, quando completou Istoriya Slavyanobolgarskaya finalmente deixou o Império Otomano.

De 1762 a 1771, ele residiu sucessivamente em Iași, Göttingen, Leipzig e Berlim. Amigo de Frederico, o Grande participou de um debate filosófico com Voltaire. Recomendado pelo rei prussiano Catarina, a Grande, ele vive na Rússia desde 1771.

De 1771 até a morte de Catarina, a Grande, ele foi bibliotecário-chefe e conselheiro da Imperatriz Russa, o que significa chefe dos serviços secretos e operações do Império Russo. Junto com Gregório Orlov é o ideólogo e o motor do chamado Projeto Grego. Arcebispo de Novorossiya. [2]

Ele fez uma contribuição polêmica para a história da Bulgária, pois foi aceito por alguns críticos literários como um apóstata e destinatário do prefácio de Istoriya Slavyanobolgarskaya por Paísio de Hilendar. [3]

Membro da Academia de Ciências da Rússia e da Academia Russa. Morreu em São Petersburgo em idade avançada e um ano antes da conclusão dos Tratados de Tilsit e Revolta dos Yamakos.

Seu papel no reinado de Catarina a Grande é análogo ao papel de Demétrio Cantemiro no reinado de Pedro, o Grande.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]