Faith (álbum de The Cure)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Faith
Álbum de estúdio de The Cure
Lançamento 14 de abril de 1981
Gravação Setembro–Novembro 1980 , Fevereiro–Março 1981
Gênero(s) Pós-punk, rock gótico
Duração 36:54
Gravadora(s) Fiction Records
Produção Mike Hedges e Robert Smith
Opiniões da crítica

O parâmetro das opiniões da crítica não é mais utilizado. Por favor, mova todas as avaliações para uma secção própria no artigo. Veja como corrigir opiniões da crítica na caixa de informação.

Cronologia de The Cure
Seventeen Seconds
(1980)
Pornography
(1982)

Faith é o terceiro álbum de estúdio da banda britânica de rock alternativo The Cure, lançado em 14 de abril de 1981 pela gravadora Fiction Records. Precedido pelo single "Primary", Faith fez sucesso no Reino Unido, atingindo e permanecendo na 14ª posição por 8 semanas. Faith foi muito bem recebido pela crítica.

Mesmo tendo feito sucesso, o álbum Faith foi, por outro lado, a obstinação da banda em seguir o clima sombrio mas de forma mais acentuada em relação ao álbum anterior Seventeen Seconds, levando o The Cure a uma ruptura temporária após o lançamento do álbum Pornography, em 1982.

Pano de fundo[editar | editar código-fonte]

Após a turnê de Seventeen Seconds, o The Cure voltou para o Morgan Studios em 27 de setembro de 1980 para gravar um novo álbum, exceto Matthieu Hartley, que partiu devido ao desentendimento com a direção musical da banda. Durante esta sessão, as gravações das músicas "All Cats Are Grey" e "Primary" foram tentadas, mas nenhuma delas acabou no álbum. Robert Smith estava esperando que as faixas parecessem "fúnebres", mas em vez disso, ele disse que "elas simplesmente soavam aborrecimentos". Vários outros estúdios foram tentados: Red Bus, Trident, The Roundhouse e Abbey Road.

Muito do álbum Faith foi escrito em estúdio. Pelo menos duas músicas no álbum, "All Cats Are Grey" e "The Drowning Man", foram inspiradas nas novelas de Gormenghast de Mervyn Peake. Faith foi o primeiro álbum do The Cure a apresentar violão de seis cordas; "All Cats Are Grey" apresenta Robert Smith nos teclados e piano, sem guitarra. A capa, projetada por Porl Thompson, é uma foto do Priorado de Bolton, na vila de Bolton Abbey , na névoa.

A peça instrumental "Carnage Visors" (um antônimo para óculos de cor rosa, originalmente disponível apenas em versão K-7) é a trilha sonora do Carnage Visors, um curta-metragem de Ric Gallup, irmão de Simon Gallup, que era exibido na abertura dos shows ao invés de bandas convidadas durante a Turnê Picture em 1981, e apresentava animação de várias bonecas em diferentes posições. O filme desapareceu desde então, e apenas Smith, Laurence Tolhurst e Simon Gallup possuem cópias dele, embora durante uma entrevista televisionada em meados da década de 1980, o apresentador do programa tenha surpreendido a banda ao pôr no ar um clipe desse curta-metragem.

Lançamento e reedição[editar | editar código-fonte]

Faith foi lançado originalmente em 14 de abril de 1981, alcançando a 14ª posição no UK Albums Chart. O álbum foi remasterizado em 2005 como parte das Edições de séries de Luxo da Universal Music. A nova edição apresentou "Carnage Visors", demos e faixas ao vivo, bem como o single "Charlotte Sometimes". Também incluiu algumas faixas nunca antes lançadas (demos), todas instrumentais.

Crítica[editar | editar código-fonte]

Faith recebeu uma resposta ambivalente dos críticos em seu lançamento. Sounds deu ao álbum uma classificação de 4,5 estrelas numa escala máxima de 5 estrelas. O crítico John Gill sentiu que as duas faixas rápidas, "Primary" e "Doubt", eram uma reminiscência do trabalho anterior deles, com uma "sensação de melodia forte e assombrante". No entanto, ele observou que o resto do álbum era diferente, descrevendo-o como "um Dusseldorf moderno" com uma "sensação de melodia negra", tons suaves que fluem em torno de um baixo lânguido e gemido ", evocando também os anos sessenta do Pink Floyd e do The Doors. Gill finalmente disse: "Faith exige um ato pessoal de envolvimento, a recompensa é um sentimento de legítima autoria".

Melody Maker avaliou a gravação "impressionante", saudando sua "riqueza e força enganadora ". O escritor Adam Sweeting saudou Faith como "um exercício sofisticado de atmosfera e produção". Ele concluiu: "É sombrio, mas muitas vezes majestoso, nunca usando a força bruta onde a auto-sugestão a fará por si mesma. Você pode não gostar, mas você se tornará viciado".

NME analisou o álbum com uma foto da banda e uma legenda dizendo: "Sombrio? Gótico? Nós?". O escritor Ray Lowry criticou Faith e escreveu que "não diz absolutamente nada significativo". No final, Lowry descobriu que "este é apenas o rosto moderno do Pink Floydismo".

Record Mirror cortou o álbum, escrevendo: "The Cure permanece preso na maldita condenação que deveria ter morrido com Joy Division", em última análise, chamando-o de "oco, superficial, pretensioso, sem sentido e desprovido de coração ou Alma ".

Em uma retrospectiva, a AllMusic chamou Faith de "um registro deprimente, certamente, mas também um dos álbuns mais subestimados e bonitos que o The Cure produziu. Fact classificou o álbum na 3ª posição da lista dos 20 melhores álbuns góticos já feitos.

"Primary" foi regravada por Dandy Warhols e "The Funeral Party" foi regravada por Jesu para o álbum de tributo 2008 "Cure Perfect like Cats. A banda de metal O drone Nadja regravou "Faith" em seu álbum de 2009, When I See the Sun Always Shines on T.V.

Performances ao vivo[editar | editar código-fonte]

Em 2011, o The Cure tocou o álbum na íntegra em duas datas para o festival Live Vivid no Sydney Opera House em Sydney, Austrália. Os shows foram anunciados como The Cure: 'Reflections'.

Faixas[editar | editar código-fonte]

Todas as canções por: Simon Gallup, Robert Smith e Laurence Tolhurst.

Edição Original de 1981[editar | editar código-fonte]

  1. "The Holy Hour" – 4:25
  2. "Primary" – 3:35
  3. "Other Voices" – 4:28
  4. "All Cats Are Grey" – 5:28
  5. "The Funeral Party" – 4:14
  6. "Doubt" – 3:11
  7. "The Drowning Man" – 4:50
  8. "Faith" – 6:43

a versão em cassete incluía a faixa "Carnage Visors" – 27:29

2005 Deluxe Edition[editar | editar código-fonte]

CD1[editar | editar código-fonte]

O álbum original como acima
(incluindo "Carnage Visors" como faixa 9)
  • Uma versão posterior com apenas o CD 1, exclui a Carnage Visors.

CD2 (Raridades 1980-1981)[editar | editar código-fonte]

  1. "Faith" (Robert Smith home demo)
  2. "Doubt" (Robert Smith home demo)
  3. "Drowning" (group home demo)
  4. "The Holy Hour" (group home demo)
  5. "Primary" (studio out-take)
  6. "Going Home Time" (studio out-take)
  7. "The Violin Song" (studio out-take)
  8. "A Normal Story" (studio out-take)
  9. "All Cats Are Grey" (live)
  10. "The Funeral Party" (live)
  11. "Other Voices" (live)
  12. "The Drowning Man" (live)
  13. "Faith" (live)
  14. "Forever" (live)
  15. "Charlotte Sometimes" (single)

Banda[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de The Cure é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.