Filamento galáctico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Na cosmologia, filamentos galácticos (subtipos: complexos de superaglomerados, muralhas de galáxias e folhas de galáxias)[1][2] são as maiores estruturas conhecidas no universo, consistindo em muralhas de superaglomerados de galáxias gravitacionalmente ligados. Essas formações massivas, semelhantes a fios, podem atingir 80 megaparsecs h−1 (ou da ordem de 160 a 260 milhões de anos-luz)[3][4] e formam os limites entre grandes vazios.[5]

Formação[editar | editar código-fonte]

No modelo padrão da evolução do Universo, filamentos galácticos se formam ao longo e seguem cadeias de matéria escura semelhantes a teias, também chamadas de teia galáctica ou teia cósmica.[6] Pensa-se que esta matéria escura dita a estrutura do Universo na maior das escalas. A matéria escura atrai gravitacionalmente a matéria bariônica, e é essa matéria "normal" que os astrônomos veem formando paredes longas e finas de superaglomerado de galáxias.

Descoberta[editar | editar código-fonte]

A descoberta de estruturas maiores que superaglomerado de galáxias começou no final da década de 1980. Em 1987, o astrônomo R. Brent Tully, do Instituto de Astronomia da Universidade do Havaí, Estados Unidos, identificou o que chamou de Complexo de superaglomerados Peixes-Baleia. Em 1989, a Grande Muralha CfA2 foi descoberta,[7] seguida pela Grande Muralha Sloan em 2003.[8] Em 11 de janeiro de 2013, pesquisadores liderados por Roger Clowes, da Universidade de Central Lancashire, Reino Unido, anunciaram a descoberta de um grande grupo de quasares, o Huge-LQG, que supera em tamanho os filamentos galácticos descobertos anteriormente.[9] Em novembro de 2013, usando erupções de raios gama como pontos de referência, os astrônomos descobriram a Grande Muralha Hércules-Corona Borealis, um filamento extremamente grande medindo mais de 10 bilhões de anos-luz de diâmetro.[10][11][12]

Filamentos[editar | editar código-fonte]

O subtipo de filamentos tem eixos maiores e menores aproximadamente semelhantes em seção transversal, ao longo do eixo longitudinal.

Filamentos galácticos
Filamento Data Distância média Dimensão Notas
Filamento de Coma O Superaglomerado de Coma fica dentro do Filamento de Coma.[13] Faz parte da Grande Muralha CfA2.[14]
Filamento de Perseus-Pegasus 1985 Conectado ao Superaglomerado de Peixes-Baleia, sendo o Superaglomerado Perseus-Pisces um membro do filamento.[15]
Filamento de Ursa Maior Conectado ao Homúnculo CfA, uma porção do filamento forma uma porção da "perna" do Homúnculo.[16]
Filamento de Lince-Ursa Maior (Filamento LUM) 1999 de 2.000 km/s a 8.000 km/s no espaço do desvio para o vermelho Conectado e separado do Superaglomerado de Lince-Ursa Maior.[16]
z=2.38 filamento ao redor do protoaglomerado ClG J2143-4423 2004 z=2.38 110Mpc Um filamento do comprimento da Grande Muralha foi descoberto em 2004. A partir de 2008, ainda era a maior estrutura além do desvio para o vermelho 2.[17][18][19][20]
  • Um filamento curto, detectado pela identificação de um alinhamento de galáxias formadoras de estrelas, na vizinhança da Via Láctea e do Grupo Local foi proposto por Adi Zitrin e Noah Brosch.[21] A realidade desse filamento e a identificação de um filamento semelhante, porém mais curto, foi resultado de um estudo de McQuinn et al. (2014) com base em medições de distância usando o método TRGB.[22]

Muralhas de galáxias[editar | editar código-fonte]

O subtipo de filamentos das muralhas de galáxias tem um eixo maior significativamente maior do que o eixo menor na seção transversal, ao longo do eixo longitudinal.

Muralhas de galáxias
Muralha Data Distância média Dimensão Notas
Grande Muralha CfA2
(Muralha de Coma, Grande Muralha, Grande Muralha do Norte, Grande Muralha CfA)
1989 z=0.03058 251Mpc de comprimento
750 Mly de comprimento
250 Mly de largura
20 Mly de espessura
Esta foi a primeira estrutura ou pseudo-estrutura super-grande em grande escala no Universo a ser descoberta. O Homúnculo CfA fica no coração da Grande Muralha, e o Superaglomerado de Coma forma a maior parte da estrutura do homúnculo. O Aglomerado de Coma está no centro.[23][24]
Grande Muralha Sloan
(Grande Muralha do SDSS)
2003 z=0.07804 433Mpc de comprimento Este foi o maior filamento galáctico conhecido a ser descoberto,[23] até ser eclipsado pela Grande Muralha Hércules-Corona Borealis encontrada dez anos depois.
Muralha do Escultor
(Grande Muralha do Sul, Muralha do Sul)
8000 km/s de comprimento
5000 km/s de largura
1000 km/s de profundidade
no espaço do desvio para o vermelho
A Muralha do Escultor é "paralela" à Muralha de Fornax e "perpendicular" à Muralha de Grus.[25][26]
Muralha de Grus A Muralha de Grus é "perpendicular" às Muralhas de Fornax e Escultor.[26]
Muralha de Fornax O Aglomerado Fornax faz parte desta muralha. A muralha é "paralela" à Muralha do Escultor e "perpendicular" à Muralha de Grus.[25][26]
Grande Muralha Hércules-Corona Borealis 2013 z≈2[11] 3 Gpc de comprimento,[11]
150 000 km/s de profundidade[11]
no espaço do desvio para o vermelho
A maior estrutura conhecida no Universo.[10][11][12] Esta também é a primeira vez desde 1991 que um filamento galáctico/grande muralha detém o recorde como a maior estrutura conhecida no Universo.
Filamentos, muralhas e vazios de galáxias formam estruturas semelhantes a teias

Mapa das muralhas da galáxia mais próxima[editar | editar código-fonte]

O Universo dentro de 500 milhões de anos-luz, mostrando as muralhas de galáxias mais próxima

Grandes grupos de quasares[editar | editar código-fonte]

Grandes grupos quasares (LQG) são algumas das maiores estruturas conhecidas.[32] Eles são teorizados como protohiperaglomerados/protosuperaglomerados-complexos/precursores de filamentos galácticos.[33]

Grandes grupos quasares
LQG Data Distância média Dimensão Notas
Clowes-Campusano LQG
(U1.28, CCLQG)
1991 z=1.28
  • maior dimensão: 630 Mpc
Foi a maior estrutura conhecida no Universo de 1991 a 2011, até a descoberta do U1.11.
U1.11 2011 z=1.11
  • maior dimensão: 780 Mpc
Foi a maior estrutura conhecida no Universo por alguns meses, até a descoberta de Huge-LQG.
Huge-LQG 2012 z=1.27
  • tamanho característico: 500 Mpc
  • maior dimensão: 1240 Mpc
Foi a maior estrutura conhecida no Universo,[32][33] até a descoberta da Grande Muralha Hércules-Corona Borealis encontrada um ano depois.[11]

Complexo de superaglomerados[editar | editar código-fonte]

Complexo de superaglomerados
Nome Data Distância média Dimensão Notas
Complexo de superaglomerados Peixes-Baleia 1987 1 bilhão de anos-luz de largura,
150 milhões de anos-luz de profundidade
Contém Superaglomerado de Virgem e Grupo Local

Mapas de distribuição em grande escala[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Boris V. Komberg, Andrey V. Kravtsov, Vladimir N. Lukash; "The search and investigation of the Large Groups of Quasars" Arxiv; Bibcode1996astro.ph..2090K;
  2. R.G. Clowes; "Large Quasar Groups - A Short Review"; The New Era of Wide Field Astronomy, ASP Conference Series, vol. 232.; 2001; Astronomical Society of the Pacific; ISBN 1-58381-065-X ; Bibcode2001ASPC..232..108C
  3. https://www.calculateme.com/astronomy/parsecs/to-light-years/50
  4. https://www.unitconverters.net/length/megaparsec-to-mile.htm
  5. Bharadwaj, Somnath; Bhavsar, Suketu; Sheth, Jatush V (2004). «The Size of the Longest Filaments in the Universe». Astrophys J. 606 (1): 25–31. Bibcode:2004ApJ...606...25B. arXiv:astro-ph/0311342Acessível livremente. doi:10.1086/382140 
  6. Riordan, Michael; David N. Schramm (março de 1991). Shadows of Creation: Dark Matter and the Structure of the UniverseRegisto grátis requerido. [S.l.]: W H Freeman & Co (Sd). ISBN 0-7167-2157-0 
  7. Huchra, John P.; Geller, Margaret J. (17 de novembro de 1989). «M. J. Geller & J. P. Huchra, Science 246, 897 (1989).». Science. 246 (4932): 897–903. PMID 17812575. doi:10.1126/science.246.4932.897. Consultado em 18 de setembro de 2009. Cópia arquivada em 21 de junho de 2008 
  8. Sky and Telescope, "Refining the Cosmic Recipe" Arquivado 2012-03-09 no Wayback Machine, 14 November 2003
  9. Wall, Mike (11 de janeiro de 2013). «Largest structure in universe discovered». Fox News. Consultado em 12 de janeiro de 2013. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2013 
  10. a b Horvath, Istvan; Hakkila, Jon; Bagoly, Zsolt (2014). «Possible structure in the GRB sky distribution at redshift two». Astronomy & Astrophysics. 561: id.L12. Bibcode:2014A&A...561L..12H. arXiv:1401.0533Acessível livremente. doi:10.1051/0004-6361/201323020 
  11. a b c d e f Horvath I., Hakkila J., and Bagoly Z.; Hakkila, J.; Bagoly, Z. (2013). «The largest structure of the Universe, defined by Gamma-Ray Bursts». 7th Huntsville Gamma-Ray Burst Symposium, GRB 2013: Paper 33 in EConf Proceedings C1304143. 1311: 1104. Bibcode:2013arXiv1311.1104H. arXiv:1311.1104Acessível livremente 
  12. a b Klotz, Irene (19 de novembro de 2013). «Universe's Largest Structure is a Cosmic Conundrum». discovery. Consultado em 22 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 30 de novembro de 2013 
  13. 'Astronomy and Astrophysics' (ISSN 0004-6361), vol. 138, no. 1, Sept. 1984, pp. 85–92. Research supported by Cornell University "The Coma/A 1367 filament of galaxies" 09/1984 Bibcode1984A&A...138...85F
  14. THE ASTRONOMICAL JOURNAL, 115:1745-1777, 1998 May ; THE STAR FORMATION PROPERTIES OF DISK GALAXIES: Hα IMAGING OF GALAXIES IN THE COMA SUPERCLUSTER
  15. 'Astrophysical Journal', Part 1 (ISSN 0004-637X), vol. 299, Dec. 1, 1985, pp. 5–14. "A possible 300 megaparsec filament of clusters of galaxies in Perseus-Pegasus" 12/1985 Bibcode1985ApJ...299....5B
  16. a b The Astrophysical Journal Supplement Series, volume 121, issue 2, pp. 445–472. "Photometric Properties of Kiso Ultraviolet-Excess Galaxies in the Lynx-Ursa Major Region" 04/1999 Bibcode1999ApJS..121..445T
  17. NASA, GIANT GALAXY STRING DEFIES MODELS OF HOW UNIVERSE EVOLVED Arquivado 2008-08-06 no Wayback Machine, January 7, 2004
  18. Palunas, Povilas; Teplitz, Harry I.; Francis, Paul J.; Williger, Gerard M.; Woodgate, Bruce E. (2004). «The Distribution of Lyα‐Emitting Galaxies at z = 2.38». The Astrophysical Journal. 602 (2): 545–554. Bibcode:2004ApJ...602..545P. arXiv:astro-ph/0311279Acessível livremente. doi:10.1086/381145 
  19. Francis, Paul J.; Palunas, Povilas; Teplitz, Harry I.; Williger, Gerard M.; Woodgate, Bruce E. (2004). «The Distribution of Lyα‐emitting Galaxies at z =2.38. II. Spectroscopy». The Astrophysical Journal. 614 (1): 75–83. Bibcode:2004ApJ...614...75F. arXiv:astro-ph/0406413Acessível livremente. doi:10.1086/423417 
  20. Relativistic Astrophysics Legacy and Cosmology - Einstein's, ESO Astrophysics Symposia, Volume . ISBN 978-3-540-74712-3. Springer-Verlag Berlin Heidelberg, 2008, p. 358 "Ultraviolet-Bright, High-Redshift ULIRGS" 00/2008 Bibcode2008ralc.conf..358W
  21. Zitrin, A.; Brosch, N. (2008). «The NGC 672 and 784 galaxy groups: evidence for galaxy formation and growth along a nearby dark matter filament». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 390 (1): 408–420. Bibcode:2008MNRAS.390..408Z. arXiv:0808.1789Acessível livremente. doi:10.1111/j.1365-2966.2008.13786.x 
  22. McQuinn, K.B.W.; et al. (2014). «Distance Determinations to SHIELD Galaxies from Hubble Space Telescope Imaging». The Astrophysical Journal. 785 (1): 3. Bibcode:2014ApJ...785....3M. arXiv:1402.3723Acessível livremente. doi:10.1088/0004-637x/785/1/3 
  23. a b Chin. J. Astron. Astrophys. Vol. 6 (2006), No. 1, 35–42 «Super-Large-Scale Structures in the Sloan Digital Sky Survey» (PDF) 
  24. Scientific American, vol. 280, no. 6, pp. 30–37 «Mapping the Universe» (PDF). Arquivado do original (PDF) em 4 de julho de 2008  (1.43 MB) 06/1999 Bibcode1999SciAm.280f..30L
  25. a b c Unveiling large-scale structures behind the Milky Way. Astronomical Society of the Pacific Conference Series, vol. 67; Proceedings of a workshop at the Observatoire de Paris-Meudon; 18–21 January 1994; San Francisco: Astronomical Society of the Pacific (ASP); c1994; edited by Chantal Balkowski and R. C. Kraan-Korteweg, p.21 ; Visualization of Nearby Large-Scale Structures Arquivado 2015-11-27 no Wayback Machine ; Fairall, A. P., Paverd, W. R., & Ashley, R. P. ; 1994ASPC...67...21F
  26. a b c d Astrophysics and Space Science, volume 230, issue 1–2, pp. 225–235 "Large-Scale Structures in the Distribution of Galaxies" 08/1995 Bibcode1995Ap&SS.230..225F
  27. World Science, Wall of galaxies tugs on ours, astronomers find Arquivado 2007-10-28 no Wayback Machine April 19, 2006
  28. Tully, R. Brent; Courtois, Hélène; Hoffman, Yehuda; Pomarède, Daniel (2 de setembro de 2014). «The Laniakea supercluster of galaxies» (publicado em 4 de setembro de 2014). Nature. 513 (7516): 71–73. Bibcode:2014Natur.513...71T. PMID 25186900. arXiv:1409.0880Acessível livremente. doi:10.1038/nature13674 
  29. The Astronomical Journal, volume 120, issue 5, pp. 2331–2337. "B3 0003+387: AGN-Marked Large-Scale Structure at Redshift 1.47?" 11/2000 Bibcode2000AJ....120.2331T doi:10.1086/316827
  30. FermiLab, "Astronomers Find Wall of Galaxies Traversing the Hubble Deep Field", DARPA, Monday, January 24, 2000
  31. Vanden Berk, Daniel E.; Stoughton, Chris; Crotts, Arlin P. S.; Tytler, David; Kirkman, David (2000). «QSO[CLC]s[/CLC] and Absorption-Line Systems surrounding the Hubble Deep Field». The Astronomical Journal. 119 (6): 2571–2582. Bibcode:2000AJ....119.2571V. arXiv:astro-ph/0003203Acessível livremente. doi:10.1086/301404 
  32. a b ScienceDaily, "Biggest Structure in Universe: Large Quasar Group Is 4 Billion Light Years Across" Arquivado 2018-08-09 no Wayback Machine, Royal Astronomical Society, 11 January 2013 (accessed 13 January 2013)
  33. a b Clowes, Roger G.; Harris, Kathryn A.; Raghunathan, Srinivasan; Campusano, Luis E.; Soechting, Ilona K.; Graham, Matthew J.; "A structure in the early universe at z ~ 1.3 that exceeds the homogeneity scale of the R-W concordance cosmology"; Arxiv ; Bibcode2012arXiv1211.6256C ; doi:10.1093/mnras/sts497 ; Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, 11 January 2013

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]