Francis Younghusband

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade. Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Francis Younghusband
Nascimento 31 de maio de 1863
Murree
Morte 31 de julho de 1942 (79 anos)
Lytchett Minster
Cidadania Reino Unido
Alma mater Real Academia Militar de Sandhurst
Ocupação explorador, atleta, escritor de não ficção, jornalista
Prêmios Ordem da Estrela da Índia, Cavaleiro Comandante da Ordem do Império Indiano, Medalha Charles P. Daly
Causa da morte acidente vascular cerebral

Sir Francis Edward Younghusband (Murree, 31 de maio de 1863 - 31 de julho de 1942) foi um oficial do Exército Britânico, explorador, e espiritualista. Ficou célebre pelas suas viagens pelo Extremo Oriente e Ásia Central, pelos livros onde narrou as suas viagens e pelo massacre de soldados tibetanos em 1904. Younghusband foi comissário britânico no Tibete e Presidente da Royal Geographical Society.

Carreira militar e de explorador[editar | editar código-fonte]

Em 1886 Younghusband deixou o seu regimento e iniciou as suas explorações como membro da missão que o Governo colonial da Índia enviou à Manchúria. Regressou à Índia a partir de Pequim passando por Kalgan, Kukuchoto, e, depois desta escala, atravessou o deserto de Gobi em direcção ao Altai, através da rota do deserto que se dirige e Zungaria a Hami, depois a Turfã e, finalmente, a Kashgar. Daí continuou para sul pelo passo Mustagh, por cartografar e longamente esquecido, até ao Baltistão e Caxemira, de onde chegou em 1887. No regresso, Younghusband foi eleito como membro mais jovem da Royal Geographical Society e condecorado com a medalha de ouro desta instituição. Conseguiu ampliar grandemente o conhecimento geográfico e geológico da zona, assim como proporcionar nova e importante informação ao serviço geodésico do governo inglês na Índia. Entre outros acidentes geográficos, destaca a sua chegada em Setembro de 1887 ao K2 ou Dapsang, a segunda montanha mais alta da Terra, com 8.611 metros de altitude.

O Passo Khunjerab, explorado por Younghusband

Depois desta primeira viagem, realizou uma nova expedição à vizinha meseta do Pamir em 1889 com una pequena escolta de gurkhas. Levou a cabo também uma série de observações da zona do vale do rio Hunza, por cartografar, e no passo Khunjerab, na cordilheira do Caracórum. Enquanto estava acampado num remoto lugar de Hunza, Younghusband recebeu um mensageiro que lhe trazia um convite para um jantar com o capitão Gromchevsky, seu homólogo russo no Grande Jogo, a rivalidade entre russos e ingleses pelo controlo da Ásia Central. Younghusband aceitou o convite de Gromchevsky, e depois do jantar os rivais estiveram a conversar toda a noite, partilhando brandy e vodka e discutindo a possibilidade de os russos invadirem a Índia. Gromchevsky impressionou Younghusband com a habilidade hípica da sua escolta cossaca; Younghusband fez o mesmo com Gromchevsky graças à pontaria dos seus gurkhas. Depois do encontro, Gromchevsky retomou o seu caminho em direcção a Caxemira, enquanto Younghusband continuou com a sua exploração de Hunza.

Em 1890 foi transferido temporariamente para o Serviço Político Indiano como oficial político. Em 1890-1891, depois da incorporação nesse departamento, esteve novamente no Pamir e, após a anexação definitiva de Hunza pelos britânicos, foi nomeado oficial político desde novo território da Índia Britânica. Quando desempenhava este serviço, numa das suas viagens, descobriu para Ocidente o monte Tagharma, de 7.860 m de altitude, que tem a peculiaridade de contar com dois maciços separados e de quase igual altitude. Depois deste destino, foi sucessivamente enviado como agente ou oficial político em vários principados da zona. Entre 1896 e 1897 foi correspondente do jornal "The Times of London" em África, concretamente no Transvaal e Rodésia, onde se avizinhava a Segunda Guerra Boer.

Com a patente de major, serviu como comissário britânico no Tibete de 1902 a 1904. Em 1903-1904, sob ordens do Vice-rei da Índia, Lord Curzon, uniu-se a John Claude White, oficial político em Sikkim, e conduziu uma missão militar para por fim às disputas fronteiriças entre Sikkim e Tibete e evitar qualquer influência russa neste país. A missão converteu.se de facto numa invasão em grande escala, e depois de vários combates as tropas britânicas ocuparam Lhasa, o que teve como resultado o Tratado Anglo-Tibetano de 1904 e a fuga do XIII Dalai Lama para a Mongólia, que permaneceu no exílio até 1911. A força britânica recebeu o apoio do rei Ugyen Wangchuck do Butão, que foi nomeado cavaleiro do Império da Índia.

Professor em Cambridge (1905-1906), Younghusband foi depois residente em Caxemira entre 1906 e 1909, antes de regressar à Grã-Bretanha, onde se converteu em membro activo de vários clubes e sociedades. Foi enobrecido em 1913. Durante a Primeira Guerra Mundial, o seu movimento patriótico, Fight for Right, promoveu a célebre canção "Jerusalém". Foi eleito presidente da Royal Geographical Society em 1919, e alentou os alpinistas a tentar a primeira ascensão ao Monte Everest. Patrocinou as fracassadas expedições de 1921, 1922 e 1924 que acabaram com a morte de George Leigh Mallory e de Andrew Irvine.

Em 1938 Younghusband estimulou Ernst Schäfer, líder da expedição alemã ao Tibete, a passar furtivamente a fronteira, mas viu-se a braços com a intransigência do governo britânico com Schäfer, membro das Schutzstaffel.

Vida espiritual[editar | editar código-fonte]

A educação religiosa de Younghusband teve profunda influência nos seus últimos anos de vida. Já em 1884 escrevera no seu diário que "através da minha vida devo levar a mensagem divina de Deus à humanidade". Posteriormente, durante a sua convalescência após um acidente, leu "O reino de Deus está em vós", de Leon Tolstoi - um livro que também influenciou consideravelmente Mahatma Gandhi.

Younghusband fundou o World Congress of Faiths em 1936 e escreveu vários livros sobre e espiritualidade. Influenciou uma das suas criadas, Gladys Aylward, a converter-se em missionária cristã na China.

Obras[editar | editar código-fonte]

Entre as suas numerosas obras encontram-se:

  • The Heart of a Continent (1898)
  • Kashmir (1909)
  • India and Tibet: Within (1912)
  • The Epic of Everest (1927)
  • Down India (1930)
  • Everest: The Challenge (1936)
  • The Sum of Things (1939)

Referências