Giuseppe Arcimboldo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Vertumno, retrao de Rodolfo II do Sacro Império Romano-Germânico pintadoc como Vertumno, o Deus romano das estações, c. 1590–91. Castelo de Skokloster, Suécia
Quatro Estações em uma Cabeça, c. 1590, Galeria Nacional de Arte, EUA

Giuseppe Arcimboldo (Italiano: [dʒuˈzɛppe artʃimˈbɔldo];[1] também Arcimboldi) (5 Abril 1526 – 11 Julho 1593) foi um pintor maneirista italiano mais conhecido por criar por vários quadros de Cabeças Compostas, onde retratava perfis humanos a partir da reunião de bichos, pessoas, plantas e diversos objetos.[2]

Essas obras formam uma categoria distinta de suas outras produções. Ele foi um pintor convencional de retratos da corte de três Sacro Imperadores Romanos em Viena e Praga; produzindo também temas religiosos e, entre outras coisas, uma série de desenhos coloridos de animais exóticos do zoológico imperial . Especializou-se em composições simbólicas grotescas de frutas, animais, paisagens ou vários objetos inanimados dispostos em formas humanas.[3]

Os retratos de naturezas mortas foram claramente concebidos em parte como curiosidades para divertir a corte, mas os críticos especularam sobre o quão seriamente eles se envolveram com o neoplatonismo renascentista ou outras correntes intelectuais da época.

Vida[editar | editar código-fonte]

O pai de Giuseppe, Biagio Arcimboldo, era um artista de Milão, Itália. Assim como seu pai, Giuseppe Arcimboldo iniciou sua carreira como designer de vitrais e afrescos em catedrais locais aos 21 anos.[4]

Em 1562, tornou-se retratista da corte de Fernando I na corte dos Habsburgos em Viena, Áustria e, mais tarde, de Maximiliano II e seu filho Rodolfo II na corte de Praga. Ele também foi decorador da corte e figurinista. Augusto I, Eleitor da Saxónia, que visitou Viena em 1570 e 1573, viu a obra de Arcimboldo e encomendou uma cópia de As Quatro Estações, que incorpora seus próprios símbolos monárquicos.

Arcimboldo morreu em Milão, Itália onde se aposentou após deixar o serviço militar em Praga. Foi durante esta última fase da sua carreira que produziu o retrato composto de Rodolfo II[5] , bem como o seu auto-retrato como as Quatro Estações. Seus contemporâneos italianos o homenagearam com poesias e manuscritos celebrando sua ilustre carreira[6].

Quando o Império Sueco invadiu Praga em 1648, durante a Guerra dos Trinta Anos, muitas das pinturas de Arcimboldo foram retiradas da coleção de Rodolfo II.

Suas obras podem ser encontradas no Museu de História da Arte em Viena de Viena e no Palácio de Ambras em Innsbruck; o Louvre em Paris; bem como em vários museus na Suécia. Na Itália, seu trabalho está em Cremona, Brescia, e na Galeria Uffizi, em Florença. O Wadsworth Atheneum em Hartford, Connecticut; o Denver Art Museum , em Denver, Colorado; a Fundação Menil em Houston, Texas; e o Museu Candie em Guernsey também guardam obras de Arcimboldo.

As obras de Arcimboldo, especialmente as suas múltiplas imagens e trocadilhos visuais, foram redescobertas no início do século XX por artistas surrealistas como Salvador Dalí. A exposição intitulada O Efeito Arcimboldo: Transformações do rosto do século XVI ao século XX no Palazzo Grassi em Veneza (1987) inclui inúmeras pinturas de 'duplo sentido'. A influência de Arcimboldo também pode ser vista na obra de Shigeo Fukuda, István Orosz, Octavio Ocampo, Vik Muniz e Sandro del Prete, bem como os filmes de Jan Švankmajer[7].

Galeria[editar | editar código-fonte]

As Quatro Estações[editar | editar código-fonte]

Os Quatro Elementos[editar | editar código-fonte]

Veja Também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Luciano Canepari. «Arcimboldo». DiPI Online (em italiano) 
  2. Thomas DaCosta Kaufmann (2009). Arcimboldo: Visual Jokes, Natural History, and Still-Life Painting. [S.l.]: University of Chicago Press. pp. 1, 93, 96. ISBN 9780226426860 
  3. Oxford illustrated encyclopedia. Judge, Harry George., Toyne, Anthony. Oxford [England]: Oxford University Press. 1985–1993. 21 páginas. ISBN 0-19-869129-7. OCLC 11814265 
  4. «Giuseppe Arcimboldo Biography». Giuseppe-arcimboldo.org 
  5. «Rudolph II., Kaiser». dx.doi.org. Consultado em 29 de setembro de 2023 
  6. Marrapodi, Michele, ed. (5 de dezembro de 2016). Italian Culture in the Drama of Shakespeare and His Contemporaries. [S.l.]: Routledge. ISBN 978-1-351-92585-3 
  7. [Literature: The Arcimboldo Effect: Transformations of the face from the 16th to the 20th Century. Abbeville Press, New York, 1st Edition (September 1987). ISBN 0896597695. ISBN 978-0896597693.]
  8. Fernando, Real Academia de BBAA de San. «Arcimboldo, Giuseppe - La Primavera». Academia Colecciones (em espanhol). Consultado em 31 de março de 2020 

Bibliografias[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Giuseppe Arcimboldo
Ícone de esboço Este artigo sobre arte ou história da arte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.