Gonzales Coques

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Gonzales Coques
Self-portrait
Nascimento 8 de dezembro de 1614
Antuérpia
Morte 18 de abril de 1684 (69 anos)
Antuérpia
Cidadania Países Baixos do Sul
Ocupação pintor
Obras destacadas Intérieur avec personnages devant une collection de peintures, Married Couple in the Park
Movimento estético Barroco flamengo
Senhora em um Vestido de Cetim Azul

Gonzales Coques (ou Gonzalve Coc, Gonsaeles Cocx, Gonzales Coquez, Gonsalo Kocks, Gonsael Kockque ou mesmo Gonzales Cocx, como referido na Guilda de São Lucas) (entre 1614 e 1618 - 18 de abril, 1684) foi um pintor flamengo de retratos e cenas históricas.[1] Pela proximidade artística com Anthony van Dyck, recebeu o nome de de kleine van Dyck (o pequeno van Dyck). Coques também trabalhou como marchand. [2]

Vida[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Antuérpia possivelmente em 1618 (de acordo com o biógrafo Cornelis de Bie na obra Het Gulden Cabinet). [3] Foi aluno de Pieter Brueghel, o Jovem ou de seu filho, Pieter Brueghel III.[2] David Rijckaert II é mencionado como seu professor em um retrato gravado por Joannes Meyssens, incluído na obra Image de divers hommes, de 1649.[3][4] Casou-se com Catharina Ryckaert, filha de David. Foi membro da Câmara de retórica de Antuérpia e serviu duas vezes como diretor da Guilda de São Lucas.[1]

Foi pintor da corte de Juan Domingo de Zuñiga y Fonseca, governador dos Países Baixos do Sul, que morava em Bruxelas, e trabalhou para clientes da aristocracia como João José de Áustria, Frederico Guilherme, Eleitor de Brandemburgo e Frederico Henrique, Príncipe de Orange.[1][5] Trabalhou na decoração do Palácio de Huis ten Bosch, a casa de campo de Amália de Solms-Braunfels.

De acordo com análises estilísticas é possível que tenha trabalhado para van Dyck na Inglaterra e realizado trabalhos para Carlos I de Inglaterra, Henrique Stuart e Carlos II de Inglaterra.

Obra[editar | editar código-fonte]

Pintava principalmente retratos individuais e de família, executados em escala menor do que o que era feito à época (Conversation pieces).[6] Contudo, também trabalhou com retratos e pinturas históricas em grande escala, com colaboração de outros pintores, para a corte em Haia.

É conhecido principalmente por seus retratos e, em particular, por seus retratos em grupo, influenciados por Rubens e, principalmente, van Dyck. Suas obras apresentavam pessoas em atividades comuns do dia a dia, em suas casas e jardins, sendo obras narrativas em essência.[1]

Pintou algumas séries de retratos alegóricos sobre os cinco sentidos, onde os modelos foram artistas de Antuérpia à época. O conjunto que está no Museu Real de Belas Artes de Antuérpia tem os seguintes retratos: Audição (Jan Philip van Thielen), Olfato (Lucas Faydherbe), Tato (Pieter Meert) e Paladar (possivelmente um autorretrato). Há outros grupos de obras semelhantes em museus de Sibiu, Romênia e na National Gallery em Londres (Visão com Robert van den Hoecke).[7]

Gonzales Coques também trabalhou nas chamadas pinturas de galerias, assim como Frans Francken, o Jovem, Jan Brueghel, o Velho, Jan Brueghel, o Jovem, Cornelis de Baellieur, Hans Jordaens, David Teniers, o Jovem, Gillis van Tilborch, Wilhelm Schubert van Ehrenberg e Hieronymus Janssens. Essas obras consistiam em cenas de grandes e amplas salas elegantes, reais ou imaginárias, onde se encontravam pinturas, obras de arte e objetos preciosos.

Coques colaborava regularmente com outros artistas, tais como Frans Francken, o Jovem, Frans Wouters, Gaspar de Witte, Jacques d'Arthois, Jan Peeters I, Pieter Neefs, o Velho, Pieter Neefs, o Jovem, Dirck van Delen, Daniel Seghers, Pieter Thijs, Justus Danneels e Pieter de Witte II. Acredita-se que tenha colaborado com Hendrick van Balen, Gerard Seghers, Jan Brueghel, o Jovem e Catarina Ykens-Floquet em pinturas de guirlandas.

Referências

  1. a b c d Veronique van Passel, "Coques [Cocks; Cox], Gonzales [Consael; Gonsalo]," Grove Art Online. Oxford University Press, [acessado em 4 de outubro, 2015.
  2. a b Ursula Härting, Review of Marion Lisken-Pruss, Gonzales Coques (1614-1684). Der kleine Van Dyck (Pictura Nova. Studies in 16th- and 17th- Century Flemish Painting and Drawing XIII). Turnhout: Brepols 2013. 495 pp, 29 col. pls, 120 b&w illus. ISBN 978-2-503-51568-7, em: historians of netherlandish art, Newsletter and Review of Books Vol. 30, No. 2, Novembro 2013, p. 46-47
  3. a b Gonzales Coques no Netherlands Institute for Art History
  4. Ver Liggeren da Guilda de São Lucas, p. 635
  5. Hans Vlieghe, Constantijn Huygens en de Vlaamse schilderkunst van zijn tijd, em: De zeventiende eeuw. Jaargang 3, p. 190-201
  6. Hans Vlieghe (1998). Flemish Art and Architecture, 1585-1700. Col: Pelican history of art. New Haven: Yale University Press. pp. 146–148. ISBN 0-300-07038-1 
  7. Lista de artistas holandeses e flamengos no Brukenthal Museum, Sibiu em codart
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Gonzales Coques

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) pintor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.