Graham Chapman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Graham Chapman
Nascimento 8 de janeiro de 1941
Leicester
Morte 4 de outubro de 1989 (48 anos)
Maidstone
Nacionalidade  Reino Unido
Ocupação Actor e escritor

Graham Arthur Chapman (Leicester, Leicestershire, 8 de janeiro de 1941Maidstone, 4 de outubro de 1989) foi um actor e escritor britânico e membro do grupo Monty Python.

Infância e educação[editar | editar código-fonte]

Graham Chapman nasceu na Stoneygate Nursing Home em Stoneygate, Leicester. O pai de Graham, Walter, era inspector-chefe da polícia e a sua mãe chamava-se Edith Towers. Graham tinha um irmão mais velho, John, nascido em 1936.[1] Uma das suas primeiras memórias foi ver os restos mortais de pilotos polacos que tinham sofrido um acidente de avião perto de Leicester. Graham afirmou que essa imagem permaneceu na sua memória.[2]

Graham estudou na Melton Mowbray Grammar School onde demonstrou uma grande aptitude para a ciência, o desporto e o teatro. Um jornal local destacou o seu desempenho como Marco António na peça Julius Caesar de William Shakespeare organizada pela escola.[3] Tanto Graham como o seu irmão eram fãs ávidos de comédias transmitidas na rádio e gostavam particularmente do The Goon Show.[1]

Em 1959, Graham iniciou os seus estudos no curso de medicina na Emmanuel College da Universidade de Cambridge.[4] Enquanto ainda estudava na universidade, juntou-se ao grupo de teatro Footlights, onde conheceu e começou uma parceria de escrita com John Cleese.[5] Quando terminou os seus estudos em Cambridge, Graham juntou-se à digressão "Cambridge Circus" do Footlights na Nova Zelândia e Estados Unidos e adiou o seu internato por um ano.[6] Depois da digressão, prosseguiu os seus estudos no St Bartholomew's Medical College.[2] Quando completou o curso, ficou indeciso sobre se deveria praticar medicina ou seguir uma carreira na comédia. Acabou por escolher a última e nunca praticou medicina profissionalmente.[7]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Percurso na BBC[editar | editar código-fonte]

Graham Chapman e John Cleese começaram a escrever profissionalmente para a BBC durante os anos 1960, no princípio para David Frost, mas também para Marty Feldman. Graham também contribuiu com sketches para a série de rádio da BBC, I’m Sorry, I’ll Read That Again e para programas televisivos como The Ilustrated Weekly Hudd (com Roy Hudd como protagonista), Cilla Black, This Is Petula Clarck e This Is Tom Jones. Graham, John e Tim Brooke-Taylor juntaram-se mais tarde a Martin Feldman na sua série televisiva de comédia, At Last the 1948 Show. Graham John também escreveram para a série Doctor in the House. Juntamente com Michael Palin e Tim Brooke-Taylor, os dois participaram e escreveram a série How to Irritate People, transmitida em 1968.

Monty Python[editar | editar código-fonte]

Em 1969, Graham e John juntaram-se a Michael Palin, Eric Idle, Terry Jones e Terry Gilliam (os quatro tinham feito o programa infantil Do Not Adjust Your Set) e juntos formaram os Monty Python. O programa do grupo, Monty Python's Flying Circus, foi transmitido pela primeira vez pela BBC a 5 de outubro de 1969.

O programa era escrito por equipas bem definidas: Graham escrevia quase sempre com John Cleese.[8] Graham defendia a retirada das "punchlines" dos sketches e criou a personagem do Coronel que interrompia alguns dos sketches para dizer que estavam a ficar "demasiado patetas".[9]

Os sketches clássicos da dupla Chapman/Cleese incluem o Raymond Luxury Yacht (o especialista em pele com um nariz enorme) e o Dead Parrot (O Papagaio Morto). Os seus papéis em Flying Circus aproximaram-se mais da sua própria personalidade: personagens calmas, figuras autoritárias e imprevisíveis.

No livro de David Morgan, Monty Python Speaks de 1999, Cleese afirmou que Chapman, embora fosse o seu colega de escrita oficial em muitos dos seus sketches, contribuía relativamente pouco na escrita directa: "Ele aparecia e dizia alguma coisa maravilhosa e depois voltava a perder-se na sua mente". Segundo os restantes Pythons, a sua maior contribuição na escrita era a sua intuição incomparável para o que era engraçado. Apesar de pequenas, as suas contribuições eram muitas vezes o “tempero” que faltava aos sketaches. No clássico Dead Parrot, escrito maioritariamente por Cleese, o cliente frustrado estava inicialmente a tentar devolver uma torradeira defeituosa. Graham perguntou como poderiam fazê-lo mais furioso, e pensou que a devolução de um papagaio morto a uma loja de animais seria mais interessante do que uma torradeira.[10]

Graham atrasava-se frequentemente para os ensaios e gravações dos Monty Python, o que levou a que os seus colegas o apelidassem de "the late Graham Chapman" (o atrasado/ falecido Chapman).[10]

Durante os anos dos Monty Python, os problemas de alcoolismo de Graham afectaram bastante o seu desempenho. Os seus piores momentos foram vividos durante as filmagens de Monty Python e o Cálice Sagrado. Muitas das vezes, Graham não se lembrava das suas deixas ou não conseguia executar algumas partes mais físicas do seu papel, como foi o caso da cena da Ponte da Morte. Graham não conseguiu passar a ponte, por se encontrar embriagado. Um dos maiores desafios para Chapman durante as filmagens aconteceu no primeiro dia. Como o grupo se encontrava a filmar numa zona remota da Escócia, era quase impossível comprar álcool. Apesar de ter perguntado a quase toda a equipa se tinha álcool, Graham não o encontrou e começou a sofrer efeitos secundários da sua dependência.[10]

Na altura de A Vida de Brian, Graham já tinha ultrapassado os seus problemas relacionados com o álcool e os restantes Pythons ficaram surpreendidos e diziam que ele se tinha tornado num "santo" uma vez que, todos os dias, depois das filmagens, este dava consultas e fazia pequenas cirurgias a qualquer membro da equipa e aos figurantes.[2]

Depois dos Monty Python[editar | editar código-fonte]

No final dos anos 1970, Chapman mudou-se para Los Angeles onde participou em várias séries televisivas americanas, incluindo The Hollywood Squartes, Still Crazy Like a Fox e a série de sketches da NBC, The Big Show. Depois de voltar à Inglaterra, envolveu-se com o Dangerous Sports Club, um clube de desportos radicais que introduziu o bungee jumping ao grande público.

Após os Monty Python, Graham escreveu vários programas de televisão e vários projectos que nunca foram concretizados, no entanto apenas escreveu um filme, Yellowbeard. Graham protagonizou este filme, que contou com a presença de outros dois Pythons, Eric Idle e John Cleese (o último declarou que apenas entrou no filme como favor a Graham e que, para além de o guião ser um dos piores que alguma vez leu, classifica o filme como um dos seis piores da história do cinema)[11] . O filme recebeu críticas terríveis e foi um fracasso de bilheteira.[12]

Após Yellowbeard, Chapman começou uma série duradoura de digressões por universidades americanas durante os anos 1980 onde contava histórias dos Monty Python, o Dangerous Sports Club, Keith Moon e outros assuntos. As suas memórias foram publicadas em 1980 no livro A Liar's Autobiography.

O último projecto de Graham foi uma série televisiva chamada Jake's Journey. Apesar de o primeiro episódio ter sido feito, houve dificuldades na venda do projecto. Depois da sua morte perdeu-se o interesse no mesmo. Graham também iria aparecer como apresentador no episódio de Red Dwarf, Timeslides, mas morreu antes do início das filmagens.

Nos anos que se seguiram à morte de Graham, apesar da existência do arquivo do seu trabalho, poucos dos seus projectos foram concretizados. Um deles foi uma peça intitulada O Happy Day, realizada em 2000 pelo Dad's Garage Theatre Company em Atlanta. Michael Palin e John Cleese ajudaram a companhia a adaptar a peça. Ele também apareceu no vídeo Can I Play with Madness, do Iron Maiden, o seu último trabalho.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Graham Chapman era em muitos aspectos o estereótipo da respeitabilidade do ensino privado britânico; era alto (1,88 m), um ávido fumador de cachimbo que gostava de montanhismo e de jogar rugby. Ao mesmo tempo era um homossexual orgulhoso e muito excêntrico.

Chapman era alcoólatra desde os tempos em que estudava medicina. A bebida afectava os seus desempenhos nos estúdios televisivos e também nos filmes. Ele finalmente parou de beber no Boxing Day em 1977, depois de ter irritado os restantes Pythons com uma entrevista sem tabus (e muito regada) com o New Musical Express.[13]

Chapman manteve a sua homossexualidade em segredo até aos anos 1970, altura em que revelou publicamente durante uma entrevista num talk show. Chapman foi uma das primeiras celebridades a admitir a sua homossexualidade e na altura provocou alguma polémica.[13] Alguns dias após a famosa entrevista, Graham organizou uma festa na sua casa onde revelou aos seus amigos que era gay, e para apresentar oficialmente David Sherlock como seu companheiro. A sua relação com Sherlock foi descrita pelo próprio como sendo um verdadeiro casamento. Os dois estiveram juntos durante vinte anos, até à morte de Chapman, e adoptaram um rapaz, John Tomiczek, em 1971.[13] Depois de assumir a sua orientação sexual, Chapman passou a defender publicamente os direitos dos homossexuais, sendo também o fundador da revista Gay News, que apoiava financeira e editorialmente.[14]

Mais tarde, nas suas digressões por universidades, Chapman disse que, quando anunciou publicamente a sua homossexualidade, uma espectadora escreveu para os Monty Python a queixar-se que tinha ouvido dizer que um dos membros do grupo, que segundo ela não se tinha dignado a revelar a identidade, era gay. Juntamente com a carta, a espectadora enviou cerca de 20 páginas de orações que, se fossem repetidas todos os dias, poderiam salvar o membro em questão do inferno. Eric Idle, ciente da orientação sexual do amigo, enviou uma carta à espectadora onde dizia “Descobrimos quem era e matámo-lo.” Mais tarde, no seu livro, A Liar's Autobiography, Chapman escreveu, em tom de brincadeira, que como John Cleese não entrou na temporada seguinte de Flying Circus, a mulher deve ter levado a carta a sério.[13]

Morte[editar | editar código-fonte]

Em 1988, a saúde de Graham começou a deteriorar-se. Os seus anos de alcoolismo tinham deixado a sua marca e este tinha o fígado em muito mau estado.[13] No entanto foi algo diferente que o matou - em novembro desse ano, durante uma consulta de rotina no seu dentista, este reparou que as suas amígdalas estavam demasiado grandes. Mais tarde descobriu-se um tumor maligno nas amígdalas, que foi retirado.[1] No ano seguinte descobriu que o cancro se tinha espalhado para a coluna vertebral. Ele foi operado e retirou o tumor, mas ficou confinado a uma cadeira de rodas. Durante o ano de 1989 submeteu-se a várias operações e a tratamentos de quimioterapia, até que o cancro foi considerado terminal.[1] Foi na sua cadeira de rodas que gravou algum material para a celebração dos vinte anos dos Monty Python. Mas, a 1 de outubro, foi hospitalizado em Maidstone, depois de um ataque cardíaco grave que se tornou numa hemorragia interna.[15]

Na noite da sua morte, a 4 de outubro, estavam presentes John Cleese, Michael Palin, o seu companheiro David Sherlock, o seu irmão John e a sua cunhada, no entanto John Cleese teve sair do quarto para lidar com a dor e o choque de ver o seu amigo a morrer.[16] Terry Jones e Peter Cook também o tinham visitado nesse dia. A morte de Graham ocorreu na véspera do 20º aniversário da primeira transmissão do Monty Python's Flying Circus, algo a que Terry Jones chamou o "pior caso de festa perdida da História".[17]

Os Monty Python decidiram não estar presentes no seu funeral, para que este não atraísse demasiada atenção dos meios de comunicação social e para dar alguma privacidade à família. A sua presença foi marcada de uma forma bastante humorística, como sempre. O grupo enviou o pé característico dos seus programas com a mensagem: "Para o Graham dos outros Pythons. Pára-nos se estivermos a ficar muito patetas". Em vez de marcarem presença no funeral, os Pythons organizaram um Memorial, com todos os amigos de Graham, para celebrar a sua vida. O elogio foi feito por John Cleese e ainda hoje é recordado. Os restantes Pythons também discursaram, sendo que Eric Idle tinha lágrimas nos olhos e disse que Graham tinha preferido morrer a ouvir mais Michael Palin a falar (é conhecido como uma piada dos Monty Python que Palin fala demasiado). Durante a cerimónia foram cantadas músicas como Jerusalem, uma das preferidas de Chapman e Always Look On The Bright Side Of Life. Esta foi cantada pelos amigos mais próximos de Graham, guiados por Eric Idle, que mais tarde confessou ter sido uma das coisas mais difíceis que alguma vez teve de fazer.

Dez anos após a sua morte, circularam rumores de que as cinzas de Graham Chapman tinham sido lançadas para o céu com a ajuda do Dangerous Sport Club.[18] Um segundo rumor dizia que tinham sido espalhadas em Snowdown, no norte do País de Gales.[19]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d McCabe, Bob. The Life of Graham: The Authorised Biography of Graham Chapman. [S.l.]: Orion, 2007-01-01. ISBN 9780752865003
  2. a b c (Estate), Graham Chapman. The Pythons' Autobiography By The Pythons. [S.l.]: Orion, 2014-07-17. ISBN 9781409156789
  3. McCabe. [S.l.: s.n.], 2005.
  4. "A clump of plinths - The Spectator". The Spectator (em inglês). Consult. 2015-11-01. 
  5. McCall, Douglas. Monty Python: A Chronology, 1969-2012, 2d ed.. [S.l.]: McFarland, 2013-11-12. ISBN 9780786478118
  6. Slide, Anthony. Some Joe You Don't Know: An American Biographical Guide to 100 British Television Personalities. [S.l.]: Greenwood Publishing Group, 1996-01-01. ISBN 9780313295508
  7. "Entertainment". www.qmul.ac.uk. Consult. 2015-11-01. 
  8. "John Cleese: I still miss Graham Chapman". Express.co.uk. https://plus.google.com/+DailyExpress. Consult. 2015-11-01. 
  9. "Monty Python: Will the wrinkly revolutionaries have the last laugh?". Telegraph.co.uk. Consult. 2015-11-01. 
  10. a b c McCabe, Bob. The Life of Graham: The Authorised Biography of Graham Chapman. [S.l.]: Orion, 2007-01-01. ISBN 9780752865003
  11. Entrevista a John Cleese incluídas nos extras do DVD do filme Clockwise.
  12. "Yellowbeard". www.rottentomatoes.com. 1983-06-24. Consult. 2015-11-01. 
  13. a b c d e Chapman, Graham. A Liar's Autobiography. [S.l.]: Mandarin, 1991-01-01. ISBN 9780749308179
  14. "Graham Chapman: The missing Monty Python member". Express.co.uk. https://plus.google.com/+DailyExpress. Consult. 2015-11-01. 
  15. "Mourning Monty Python Lays to Rest Silly, Brave, Unique Graham Chapman : People.com". www.people.com. Consult. 2015-11-01. 
  16. "Graham Chapman". IMDb. Consult. 2015-11-01. 
  17. "Terry Jones - Quotes - IMDb". m.imdb.com. Consult. 2015-11-01. 
  18. "BBC News | ENTERTAINMENT | Python star Chapman's flying ashes". newsvote.bbc.co.uk. Consult. 2015-11-01. 
  19. "The life and times of Monty Python’s Terry Jones". walesonline. https://plus.google.com/112233526851492638568. Consult. 2015-11-01.  Ligação externa em |publicado= (Ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]