Grigori Grinko

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Grigori Grinko
Nascimento 18 de novembro de 1890
Morte 15 de março de 1938 (47 anos)
Campo de fuzilamento de Communarka
Sepultamento Campo de fuzilamento de Communarka
Cidadania Império Russo, União Soviética
Alma mater Universidade de Carcóvia
Ocupação político
Causa da morte morte não natural
Assinatura
Hryhoriy Hrynko Signature 1934.png

Grigori Fedorovitch Grinko (em ucraniano: Григорій Федорович Гринько; em russo: Григорий Фёдорович Гринько) (30 de novembro de 1890 - 15 de março de 1938). Estatista e político soviético ucraniano.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Grinko nasceu numa família de funcionários do zemstvo no povo de Shtepovka (Oblast de Kharkiv). Formou-se na faculdade de Filosofia e História das universidades de Kharkiv e Moscovo, mas não finalizou os seus estudos em nenhuma delas ao ser expulso da Universidade de Moscovo em 1913 pela sua participação na revolta de estudantes. Antes disso, tinha-se afiliado ao Partido Socialista Revolucionário, na sua seção mais esquerdista. Entre 1913 e 1917, durante a Primeira Guerra Mundial serviu no exército como oficial inferior e, após o seu regresso, trabalhou como professor numa escola secundária de Kharkiv.

Militância política[editar | editar código-fonte]

Em 1918 converte-se num dos organizadores e líder do partido borotbista e, consequentemente, em 1919, torna-se membro do Comité Central Executivo Revolucionário Panucraniano (Всеукрревком - Vseukrrevkom). Em 1920, ingressa no Partido Comunista Revolucionário (bolchevique) quando os borotbistas foram disolvidos pelo Komintern[1]. Como antigo membro do desaparecido partido pró-independentista, foi purgado em 1922 por "desviação nacionalista", mas recuperaou a sua posição em 1925 e foi nomeado Comissário Popular de Ucrânia para a Planificação Estatal (Gosplan)[2].

Cargos políticos[editar | editar código-fonte]

Grinko ocupou um importante número de cargos políticos antes e depois da sua reabilitação. Em 1919 foi nomeado Comissário Popular para a Educação em Ucrânia, ocupando esse cargo até 1922. Entre 1922 e 1923 foi designado chefe do Gosplan da República Socialista Soviética da Ucrânia. Entre 1923 e 1925 ocupou os cargos de chefe do Comité Executivo da gubernia de Kiev e, simultaneamente, a chefia do Governo de Kiev e a chefia do Soviete da Cidade de Kiev. Depois, entre 1925 e 1926, volveu dirigir o Gosplan da RSS da Ucrânia, sendo também subchefe do Comité Central da RSS de Ucrânia e, ao mesmo tempo, membro do Presidium do Gosplan de toda a URSS. A nível federal também ocupou, entre 1928 e 1929, a chefia do Gosplan da URSS. Nese mesmo ano de 1929, foi eleito vice-Comissário Popular de Agricultura da URSS e, entre 1930 e 1937, Comissário Popular das Finanças Narkomfin em substituição de Nikolai Briukhanov.

Queda e julgamento[editar | editar código-fonte]

Ao igual que o seu predecessor, foi detido no processo do Grande Expurgo stalinista em 3 de agosto de 1937. Em 16 de agosto desse ano foi destituído do seu cargo, que foi ocupado por Vlas Tchubar. Entre o 2 e o 13 de março de 1938, nos julgamentos conhecidos como Processos de Mocovo, é condenado junto com outros importantes bolcheviques como Aleksei Rikov, Nikolai Bukharin, Nikolai Krestinski ou Christian Rakovski, acusados de opor-se ao Partido e às suas políticas de rápida industrialização, coletivização forçada e planeamento centralizado.

No julgamento, Grinko foi acusado de ser um espião alemão e polaco desde 1932 e de pertencer a um bloco trotskista-direitista junto com outros purgados como Mikhail Tchernov, Arkadi Rozengoltz e Isaak Zekenski. Foi acusado também de preparar em Sibéria, no norte do Cáucaso, em Ucrânia, em Bielorrússia, em Uzbequistão e outros territórios soviéticos uma série de pessoal kulak insurgente com o fim de levar a cabo atividade armada na retaguarda do Exército Vermelho. Por outra banda, foi acusado de levar a cabo um trabalho destrutivo desde o Narkomfin. Em 13 de março de 1938, foi sentenciado a morte por alta traição.

Em 1959 foi reabilitado durante o processo de desestalinização iniciado por Nikita Khrushchev.



Precedido por:
{{{antes}}}
Câmara Municipal de Kiev Sucedido por:
{{{depois}}}
Precedido por:
{{{antes}}}
Narkomfin Sucedido por:
{{{depois}}}

Outros artigos[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Magocsi, Paul Robert (1996). A History of Ukraine. Toronto: University of Toronto Press. ISBN 0-8020-0830-5, p. 532
  2. Magocsi, Paul Robert (1996). A History of Ukraine. Toronto: University of Toronto Press. ISBN 0-8020-0830-5, p. 538