Heaven's Gate (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Heaven's Gate
As Portas do Céu (PRT)
O Portal do Paraíso (BRA)
Pôster promocional por Tom Jung[1]
 Estados Unidos
1980 •  cor •  219
(veja Duração do filme) min
 
Direção Michael Cimino
Produção Joann Carelli
Roteiro Michael Cimino
Elenco Kris Kristofferson
Christopher Walken
Isabelle Huppert
Jeff Bridges
John Hurt
Gênero Épico
Faroeste
Música David Mansfield
Cinematografia Vilmos Zsigmond
Edição Lisa Fruchtman
Gerald Greenberg
William Reynolds
Tom Rolf
Companhia(s) produtora(s) Partisan Productions
Distribuição United Artists
Lançamento Estados Unidos 19 de novembro de 1980
Portugal 22 de julho de 1982
Brasil 12 de agosto de 1982
Idioma inglês
Orçamento US$ 44 milhões[2]
Receita US$ 3.5 milhões[3]
Página no IMDb (em inglês)

Heaven's Gate (O Portal do Paraíso, no Brasil; As Portas do Céu, em Portugal), é um filme épico de faroeste estadunidense de 1980. Escrito e dirigido por Michael Cimino e vagamente baseado na Guerra do Condado de Johnson, ele retrata uma disputa fictícia entre barões da terra e imigrantes europeus em Wyoming na década de 1890. Os dois protagonistas encontram-se questionando seu papel no conflito furioso entre ricos proprietários de terras e imigrantes europeus que tentam construir uma nova vida na fronteira americana, que culmina em uma batalha campal brutal. A batalha resultante é baseada no sangrento e real conflito. O filme apresenta um elenco conjunto, incluindo Kris Kristofferson, Christopher Walken, Isabelle Huppert, Jeff Bridges, John Hurt, Sam Waterston, Brad Dourif, Joseph Cotten, Geoffrey Lewis, David Mansfield, Richard Masur, Terry O'Quinn, Mickey Rourke, Willem Dafoe e Nicholas Woodeson, os dois últimos em seus primeiros papéis no cinema. É notável por ser um dos maiores fiascos de bilheteria de todos os tempos, perdendo para o estúdio cerca de US$ 37 milhões (US$ 114 milhões em dólares de 2012).[4] É referido muitas vezes como sendo o filme que "matou o Western". Ele também foi inicialmente visto como um dos piores filmes já feitos.[5][6][7]

Houve grandes revezes na produção do filme devido a custos e tempo excedentes, imprensa negativa (incluindo alegações de crueldade com animais no set) e rumores sobre o estilo de direção alegadamente autoritário de Cimino; o filme foi aberto a críticas ferozes, ganhando apenas US$3.5 milhões nos Estados Unidos (de um orçamento estimado em US$ 44 milhões),[8] fazendo com que seu estúdio, a United Artists, desmoronasse e destruindo efetivamente a reputação de Cimino, um auteur de Hollywood em ascensão, que vinha do sucesso de seu filme de 1978, The Deer Hunter, vencedor do Oscar de melhor filme e melhor diretor em 1979.[9] Cimino, que recebeu um Framboesa de Ouro de pior diretor por este filme, tinha uma visão cara e ambiciosa, empurrando a produção quase quatro vezes acima do orçamento planejado. Seus problemas financeiros resultantes e o consequente desaparecimento da United Artists levaram a um afastamento do breve período de produção cinematográfica da indústria cinematográfica norte-americana na década de 1970, conhecido como Nova Hollywood, em direção ao maior controle de estúdio dos filmes, como predominara em Hollywood até o final da década de 1960.[10]

Nas décadas seguintes desde o lançamento, no entanto, a avaliação geral de Heaven's Gate tornou-se mais positiva.[11][12] A reedição de 1980 foi caracterizada como "uma das maiores injustiças da história do cinema" e, posteriormente, as reedições foram aclamadas pela crítica.[13] A BBC classificou o filme Heaven's Gate na posição 98 em seus 100 maiores filmes americanos de todos os tempos.[14] Foi nomeado na 54ª edição do Oscar de melhor direção de arte para Tambi Larsen e James L. Berkey e a nomeação de melhor filme na Palma de Ouro da 71ª edição do Festival de Cannes.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

A sua acção decorre durante a Guerra do Condado de Johnson, entre os barões do gado e imigrantes europeus na década de 1890, no Wyoming.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Para a realização do filme, gastaram cerca de US$ 40 milhões (no valor atual a cifra equivale a US$ 200 milhões), mas só arrecadaram US$ 1 milhão nas bilheterias (ou seja, houve um prejuízo de quase 98%), um dos piores resultados de bilheteria da história cinematográfica.

Duração do filme[editar | editar código-fonte]

Em 26 de junho de 1980, Cimino previu uma workprint para executivos da United Artists que supostamente levava cinco horas e vinte e cinco minutos (325 minutos), o que Cimino disse que era "cerca de 15 minutos a mais do que o corte final seria".[15]

Os executivos se recusaram terminantemente a lançar o filme naquele tempo e mais uma vez pensaram em demitir Cimino.[15] No entanto, Cimino prometeu-lhes que poderia reeditar o filme e passou o verão inteiro e o outono de 1980 fazendo isso, finalmente reduzindo-o a sua duração original de 3 horas e 39 minutos (219 minutos). A abertura original em larga escala no Natal de 1979 veio e se foi, então United Artists e Cimino finalmente marcaram uma data de lançamento em novembro de 1980.[16]

Acusações de crueldade aos animais[editar | editar código-fonte]

O filme foi marcado por acusações de crueldade contra os animais durante a produção. Uma afirmação era que cavalos vivos eram sangrados pelo pescoço sem lhes dar analgésicos para que o sangue deles pudesse ser coletado e espalhado pelos atores em uma cena. A American Humane Association (AHA) afirmou que quatro cavalos foram mortos e muitos mais feridos durante uma cena de batalha. Foi alegado que um dos cavalos foi explodido por dinamite. Esta filmagem aparece no corte final do filme.

A AHA foi impedida de monitorar a ação do animal no set. De acordo com a AHA, o dono de um cavalo maltratado entrou com uma ação contra os produtores, o diretor, a Partisan Productions e o encarregado pelos cavalos. Proprietário citou uma ofensa injusta e quebra de contrato por privar intencionalmente o seu cavalo árabe de cuidar adequadamente. A ação citou "o grave trauma físico e comportamental e a desfiguração" do cavalo. O caso foi resolvido fora do tribunal.[17]

Houve acusações de brigas reais de luta de galos, galinhas decapitadas e um grupo de vacas estripadas para fornecer "intestinos falsos" para os atores.[17] O clamor levou a Screen Actors Guild (SAG) e a Alliance of Motion Picture and Television Producers (AMPTP) a autorizar contratualmente a AHA a monitorar o uso de todos os animais em todas as mídias filmadas.[17]

O filme está listado na lista de filmes inaceitáveis ​​da AHA.[17] A AHA protestou contra o filme distribuindo um comunicado de imprensa internacional detalhando as afirmações de crueldade contra os animais e pedindo que as pessoas o boicotassem. AHA organizou piquetes fora dos cinemas em Hollywood, enquanto as sociedades humanas locais fizeram o mesmo em todos os EUA. Embora Heaven's Gate não tenha sido o primeiro filme a ter animais mortos durante a sua produção, acredita-se que o filme tenha sido o grande responsável por desencadear o uso agora comum do aviso "Nenhum animal foi ferido..." e uma supervisão mais rigorosa dos atos animais. pela AHA, que inspecionava a produção de filmes desde os anos 1940.[18]

Todas as versões disponíveis lançadas no Reino Unido (incluindo o corte de diretores de 2012) obrigaram os cortes do British Board of Film Classification à crueldade contra os animais.

Prêmios e Indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Estados Unidos Framboesa de Ouro

Indicações[editar | editar código-fonte]

França Festival de Cannes

Estados Unidos Óscar

Estados Unidos Framboesa de Ouro

Referências

  1. "Heaven's Gate – Poster #1". IMP Awards. Acessado em 12 de outubro de 2010.
  2. Hughes, p.170
  3. «Heaven's Gate (1980)». Box Office Mojo. Consultado em 15 de agosto de 2011 
  4. Gabbi Shaw (27 de fevereiro de 2017). «The biggest box office flop from the year you were born». Insider. Consultado em 20 de junho de 2018 
  5. Queenan, Joe (20 de março de 2008). «From hell» – via The Guardian 
  6. «Critics At Large: Michael Cimino's Heaven's Gate and the Death of the Auteur Theory» 
  7. «Retro Review – Heaven's Gate (1980)». 8 de março de 2013 
  8. Eller, Claudia, "The costliest box office flops of all time", Los Angeles Times (January 15, 2014)
  9. Queenan, Joe (21 de março de 2008). "From Hell". The Guardian. Acessado em 3 de setembro de 2009.
  10. Biskind, Peter (1998). Easy Riders, Raging Bulls: How the Sex-Drugs-and-Rock-'n'-Roll Generation Saved Hollywood. New York City: Simon & Schuster. ISBN 0-684-80996-6. pp. 401–403.
  11. Epstein, Michael (2004). Final Cut: The Making and Unmaking of Heaven's Gate (television). Viewfinder Productions 
  12. Khan, Omar. "Heaven's Gate (1981)"
  13. Hoyle, Ben (1 de outubro de 2012). «Heaven's Gate: Box Office Turkey That Sank a Studio Is a Modern Masterpiece». The Times. p. 4. Consultado em 1 de outubro de 2012 
  14. «The 100 greatest American films» 
  15. a b Bach, Steven (1999) [1985]. Final Cut: Art, Money, and Ego in the Making of Heaven's Gate, the Film That Sank United Artists New ed. New York, NY: Newmarket Press 
  16. Dargis, Manhola (15 de março de 2013). «The Second Coming of 'Heaven's Gate'». The New York Times. Consultado em 12 de fevereiro de 2015 
  17. a b c d "Heaven's Gate". American Humane Association. Acessado em 19 de março de 2013. Arquivado em 26 de junho de 2015 no Wayback Machine.
  18. "Cruel Camera". The Fifth Estate. CBC Television. 5 de maio de 1982 e 16 de janeiro de 2008. Acessado em 12 de outubro de 2010.
  19. !981 Razzie Awards
  20. Festival Cannes 1981
  21. 1982 Oscar

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme de faroeste é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.