Ignaz Pleyel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ignaz Josef Pleyel

Ignaz Josef Pleyel (Ruppersthal, Baixa Áustria, 18 de junho de 1757Paris, 14 de novembro de 1831) foi um compositor francês de ascendência austríaca da Era clássica.

Foi provavelmente o maior compositor popular na Europa, além de ser uma importante editor musical e construtor de pianos. Pouco se sabe sobre a natureza de seus estudos com Haydn, iniciados por volta de 1772, mas evidentemente o seu progresso foi o suficiente para agradar ao seu patrono, o Conde Ladislaus Erdödy, para que este expressasse a sua gratidão a Haydn, oferecendo-lhe um carro e dois cavalos para os quais o príncipe Esterházy concordou em fornecer um cocheiro e forragem.

Se os estudos de Pleyel lembravam os de Beethoven, então poder-se-á assumir que ele realizou um curso sistemático de estudos de contraponto com Haydn, com base na própria versão anotada e revista do compositor do tratado da Fux Gradus ad Parnassum e supervisão dos exercícios de Pleyel na composição. Durante os seus estudos com Haydn, Pleyel compôs uma ópera de marionetas, “Die Fee Urgele” que estreou no Eszterháza em novembro de 1776 e também foi apresentada no Nationaltheater em Viena. A ópera de marionetes de Haydn “Die Feuerbrunst” também foi representada em 1776 ou 1777, com uma abertura que agora se supõe ser em grande parte composta por Pleyel. A primeira posição profissional de Pleyel parece ser como mestre de capela do Conde Erdödy, embora não haja documentação existente sobre esta parte da sua carreira.

A criação musical deste período parece ter sido bastante substancial dada a evidência do material colocado à venda em leilão público após a sua morte em 1786, que incluiu várias centenas de sinfonias, concertos, quintetos, óperas e missas. Pleyel dedicou seus quartetos de cordas Op. 1 ao Conde Erdödy em reconhecimento por sua "generosidade paterna solicitude e incentivo". Pleyel viajou para Itália na década de 1780 e, por intermédio de Norbert Hadrava, um compositor ligado à embaixada austríaca em Nápoles, garantiu comissões para escrever peças para lira organizzata (sanfona) para o rei de Nápoles. Em 1784 Hadrava investiu na montagem de uma ópera sua, "Ifigênia em Aulide", com estreia no Teatro San Carlo em 30 de maio de 1785. Na mesma época Pleyel foi nomeado assistente de Franz Xaver Richter, mestre de capela da catedral de Estrasburgo, e após a morte de Richter em 1789 assumiu o posto de mestre. Desde 1786, também organizou e realizou uma série de concertos públicos em colaboração com o mestre de capela de Estrasburgo Temple Neuf, Schönfeld. Os anos em Estrasburgo foram os mais produtivos musicalmente para Pleyel. Com efeito, a maioria das suas composições data dos anos 1787-1795. Com suas circunstâncias profissionais incertas no rescaldo da Revolução Francesa, Pleyel aceitou um convite para realizar concertos profissionais em Londres e ficou lá de dezembro de 1791 até maio de 1792. Haydn recebia a maior parte da aclamação da crítica, mas os concertos de Pleyel eram bem atendidos e as suas sinfonias concertantes e quartetos, em particular, foram muito elogiadas pela imprensa.

No início de 1795 Pleyel acabaria por se fixar em Paris, abriu uma loja de música e fundou uma editora que, ao longo dos 39 anos de existência, publicou mais de 4000 obras, incluindo composições de Boccherini, Beethoven, Clementi e Haydn, entre outros. O empreendedor Pleyel estabeleceu agentes para a venda de suas publicações em toda a Europa e, por vezes organizou a comercialização de obras de outras editoras como a Artaria em Viena e a Breitkopf de Leipzig, com quem estava em contato próximo. Entre as publicações historicamente mais importante emitidas pela Maison Pleyel estão os primeiros pontos miniatura e, em 1801, uma coleção completa dos quartetos de Haydn, dedicados ao Primeiro Cônsul Bonaparte. A primeira edição continha 80 quartetos, edições posteriores contemplaram a adição de mais dois, como Haydn os compôs. Pleyel viajou para Viena com seu filho Camille em 1805 para estabelecer um escritório editorial do ramo. Ele tentou sem sucesso vender a Maison Pleyel em 1813, e ao longo dos últimos vinte anos de sua vida a empresa mudou seu enfoque saindo de sinfonias, quartetos e sonatas para um repertório mais popular. A enorme popularidade da música de Pleyel na sua própria vida o fez sem dúvida o mais famoso compositor do mundo naquele período. Como confirmação deste estatuto, foi fundada a Pleyel Society no porto baleeiro de Nantucket (Massachusetts) em 1822. A prova mais convincente de sua fama, porém, encontra-se no número impressionante de impressões e cópias de manuscritos de composições de Pleyel que sobrevivem hoje em dia. Como ocorreu com uma série de compositores com talento comercial, o melhor trabalho de Pleyel foi realizado relativamente cedo na vida antes que as distrações dos compromissos extra-musicais o impedissem de compor em tempo integral. Muitas das obras escritas na sombra de Haydn na década de 1780 são de qualidade excecional, harmoniosamente ricas, estruturalmente inventivas e com temas muito originais.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.