Invasão turca de Chipre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Invasão turca do Chipre)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Operação Átila redireciona para este artigo. Para plano alemão da 2.ª Guerra Mundial, veja Operação Átila (Segunda Guerra Mundial).
Invasão turca do Chipre
Parte do Conflito no Chipre
Ethnographic distribution in Cyprus 1960.jpg
Mapa etnográfico do Chipre de acordo com o censo de 1960.
Data Julho – Agosto de 1974
Local Chipre
Desfecho Vitória militar turca[1][2][3][4][5]
Desembarque de tropas turcas na parte norte do Chipre em 20 de julho de 1974.
Queda da junta militar grega em Atenas, três dias depois, em 23 de julho de 1974.
Declaração de independência (não reconhecida internacionalmente) da República Turca do Chipre do Norte em 15 de novembro de 1983, relativa ocupação turca do Norte do Chipre.
Combatentes
 Turquia

Chipre cipriotas turcos

 Grécia

Chipre cipriotas gregos

Principais líderes
Turquia Ten. Gen. Nurettin Ersin

Turquia Maj. Gen. Bedrettin Demirel

Turquia Maj. Gen. Osman Fazıl Polat

Turquia Brig. Gen. Süleyman Tuncer

Turquia Brig. Gen. Sabri Demirbağ

Turquia Brig. Gen. Sabri Evren

Chipre Ten. Gen. George Karayannis

Chipre Brig. Michael Georgitsis

Chipre Cor. Konstantinos Kombokis

Grécia Cor. Nikolaos Nikolaides[carece de fontes?]

Forças
Turquia:
  • 40 000 tropas
  • 20 000 combatentes cipriotas turcos
Chipre:
  • 5 000 tropas

Grécia:

  • 2 000 tropas
Vítimas
Cipriotas turcos:
  • 340 mortos
  • 1 000 feridos

Turquia:

  • 498 mortos[6]
  • 1 200 feridos[6]
  • 20 aeronaves destruídas

Total:

  • 838 mortos
  • 2 200 feridos
Chipre:
  • 309 mortos
  • 1 141 feridos

909 desaparecidos

Grécia:

  • 88 mortos
  • 148 feridos
  • 83 desaparecidos

Total:

A invasão turca do Chipre foi uma operação militar da Turquia, lançada em 20 de julho de 1974 em resposta a um golpe de Estado em Chipre apoiado pela junta militar grega e organizado pela Guarda Nacional Cipriota,[7] cujos líderes derrubaram o presidente cipriota e arcebispo Makarios III e instalaram Nikos Sampson[8] em seu lugar.[9] É conhecida na Turquia como Operação de Paz em Chipre (em turco: Kıbrıs Barış Harekâtı) e Operação Chipre (Kıbrıs Harekâtı).

A invasão turca, de codinome Operação Átila (Atilla Harekâtı), ocorreu em duas etapas e terminou em agosto de 1974, quando tropas turcas ocuparam 37% do território da ilha, que foi seguida pela criação de facto da República Turca do Chipre do Norte, que só a Turquia reconhece, em contradição com os termos do Tratado de Garantia de 1960.[10][11]

Mais de um quarto da população do Chipre foi expulsa da parte norte ocupada da ilha, onde os cipriotas gregos constituíram 80% da população. Houve também um fluxo de cerca de 60 000 cipriotas turcos do sul para o norte após o conflito:[12] um grande número de cipriotas turcos, muitos dos quais foram obrigados a viver em enclaves isolados e guetos por toda a ilha durante a violência étnica de 1963 e 1974, optaram por abandonar as suas casas no sul e mudaram-se para o norte depois de 1974.[7] A invasão turca terminou na partição do Chipre ao longo da Linha Verde monitorada pela ONU, que ainda divide o Chipre. Em 1983, a República Turca do Chipre do Norte (RTCN) declarou a independência, embora a Turquia é o único país que reconhece-la.[13]

Os Estados Unidos e a OTAN apoiaram a ideia de uma intervenção militar turca[14] Os conflitos entre as comunidades gregas e turcas na ilha que precederam a invasão tinham levado a Grécia e a Turquia (dois membros da OTAN) à beira de uma guerra total em várias ocasiões entre 1963 e 1974, um confronto mais grave foi impedido pela mediação de última hora do presidente dos EUA Lyndon Johnson, em 5 de junho de 1964.[7][15] O lado grego, tradicionalmente pró-EUA, culpou a administração do presidente Richard Nixon e, em particular, Henry Kissinger,[16][17] por apoiar a Turquia antes[18][19][20] e durante a invasão militar turca,[14] na sequência de uma decisão do Conselho de Segurança Nacional dos EUA em maio 1974[18] para trazer um fim a Questão do Chipre.[14]

A invasão ocorreu depois do conflito étnico entre a maioria da ilha, os cipriotas gregos, e a minoria, os cipriotas turcos, resultantes da repartição constitucional de 1963.[7] A Turquia afirma que ela invocou seu papel de direito ao abrigo do Tratado de Garantia de 1960, como justificativa para tal.[21] A repartição constitucional de 1963 e 1964, a invasão turca de 1974, o deslocamento de 180 000 cipriotas gregos das áreas ocupadas e à criação da auto-declarada República Turca do Chipre do Norte em 1983, formam as questões centrais em torno da disputa do Chipre.[22]

As Nações Unidas ainda reconhecem a soberania da República do Chipre, segundo os termos da sua independência em 1960. O conflito continua a afetar as relações da Turquia com o Chipre, Grécia e da União Europeia.

Referências

  1. Juliet Pearse, "Troubled Northern Cyprus fights to keep afloat" in Cyprus. Grapheio Typou kai Plērophoriōn, Cyprus. Grapheion Dēmosiōn Plērophoriōn, Foreign Press on Cyprus, Public Information Office, 1979, p. 15.
  2. David W. Ziegler, War, Peace, and International Politics, Longman, 1997, ISBN 9780673525017, p. 275.
  3. Nils Ørvik, Semialignment and Western Security, Taylor & Francis, ISBN 97807099195131986, p. 79.
  4. Richard D. Caplan, Europe and the Recognition of New States in Yugoslavia, Cambridge University Press, 2005, ISBN 9780521821766, p. 104., on the refusal of legal recognition of the Turkish Cypriot state, see S.K.N. Blay, "Self-Determination in Cyprus: The New Dimensions of an Old Conflict", 10 Australian Yearbook of International Law (1987), pp. 67-100.
  5. Joseph Weatherby, The other world: Issues and Politics of the Developing World, Longman, 2000, ISBN 9780801332661, p. 285.
  6. a b Artuç, İbrahim (İstanbul 1989). Kıbrıs'ta Savaş ve Barış‎, pp. 317-318, Kastaş Yayınları. Turkish language.
  7. a b c d «U.S. Library of Congress - Country Studies - Cyprus - Intercommunal Violence». Countrystudies.us. 21 de dezembro de 1963. Consultado em 26 de julho de 2009 
  8. William Mallinson (2005). Cyprus: A Modern History. [S.l.]: I. B. Tauris. ISBN 9781850435808 
  9. «Turkey urges fresh Cyprus talks» (em inglês). 24 de janeiro de 2006 
  10. Wikisource-logo.svg Treaty of Guarantee no Wikisource em inglês.
  11. «Government of Cyprus: Treaty of Guarantee» (em inglês). Cyprus.gov.cy. Consultado em 17 de agosto de 2009 
  12. “1974: Turkey Invades Cyprus”, BBC.
  13. Salin, Ibrahm . “Cyprus: Ethnic Political Components.” Oxford: University Press of America. 2004, p.29
  14. a b c «Telegram by Joseph Luns, Secretary General of NATO, to the United States Secretary of Defense regarding the agreement reached with the U.S. Undersecretary of State Joseph J. Sisco, envoy of Henry Kissinger, for supporting the Turkish military invasion in Cyprus». Julho de 1974 
  15. Jacob M. Landau (1979). Johnson's 1964 letter to Inonu and Greek lobbying of the White House. [S.l.]: Hebrew University of Jerusalem, Leonard Davis Institute for International Relations 
  16. «White House memorandum» (PDF) (em inglês). 20 de fevereiro de 1975 
  17. Larisa Alexandrovna and Muriel Kane (27 de junho de 2007). «Intelligence officers confirm Kissinger role in Turkish invasion» 
  18. a b «Telegram sent by Henry Kissinger to the U.S. Ambassador in Cyprus regarding the decision of the U.S. National Security Council to bring an end to the Cyprus problem» (em inglês). Maio de 1974 
  19. «Telegram sent by Henry Kissinger to the U.S. Ambassador in Cyprus to leave the island». Junho de 1974. Consultado em 26 de julho de 2009 
  20. «Telegram sent by Henry Kissinger to the U.S. Ambassador in Cyprus to leave the island». Junho de 1974. Consultado em 26 de julho de 2009 
  21. «How Did the Situation Change after July 1974 ?» (em inglês). Ministério de Relações Exteriores da Turquia 
  22. www.cyprus-dispute.org Cyprus-Dispute.org