Itaguatins

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Itaguatins
Bandeira indisponível
Brasão indisponível
Bandeira indisponível Brasão indisponível
Hino
Fundação Não disponível
Gentílico itaguatinense
Prefeito(a) Maria Ivoneide Matos Barreto[1] (PR)
(2017–2020)
Localização
Localização de Itaguatins
Localização de Itaguatins no Tocantins
Itaguatins está localizado em: Brasil
Itaguatins
Localização de Itaguatins no Brasil
05° 46' 04" S 47° 28' 51" O05° 46' 04" S 47° 28' 51" O
Unidade federativa  Tocantins
Mesorregião Ocidental do Tocantins IBGE/2008 [2]
Microrregião Bico do Papagaio IBGE/2008 [2]
Municípios limítrofes Sítio Novo-TO / Maurilândia-TO / Imperatriz-MA
Distância até a capital 585 km km
Características geográficas
Área 739,846 km² [3]
População 6 029 hab. IBGE/2010[4]
Densidade 8,15 hab./km²
Altitude 130 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,617 médio PNUD/2000 [5]
PIB R$ 30 820,366 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 4 934,42 IBGE/2008[6]
Página oficial

Itaguatins é um município brasileiro do estado do Tocantins.

História[editar | editar código-fonte]

O município de Itaguatins, localiza-se no extremo norte do Tocantins, região conhecida como "Bico do Pagagaio".

Seu processo de colonização teve início no final do império com a chegado do Coronel Augusto Cezar de Magalhães Bastos, vindo da cidade de Imperatriz no Maranhão, que em uma de suas viagens, impelido pelas circunstâncias foi obrigado a ancorar seu barco pelo lado de baixo da cachoeira de Santo Antônio. em diálogo com o pescador o Coronel observou que toda embarcação fluvial, subindo ou descendo o Rio Tocantins era obrigado a parar a viagem, retirar parte da mercadoria constante da carga transportada, conduzi-la por terra até a ultrapassagem do trecho ocupado pela cachoeira. Devido a esse movimento, o local passou a chamar-se Descarrêto, nome pelo qual é conhecido o Bairro localizado acima da cachoeira.

O Coronel Augusto Bastos construiu uma casa confortável suficientemente capaz de acomodar residência e também armazenar toda e qualquer mercadoria oriunda no Norte e Sul, respectivamente, para comercializar nas praças adjacentes, inclusive Boa Vista, hoje Tocantinópolis. Iniciou a criação de gado bovino, vindo do interior do Maranhão (Grajaú e Carolina), estendendo seu rebanho por várias fazendas da região, inclusive Boa Vista, cidade conhecida na época por "Boa Vista do Padre João".

Em retribuição a acolhida naquela noite, pelo humilde pescador, de nome Antonio Manoel Luna o coronel batizou a sua fazenda com o nome de Santo Antonio, em homenagem aquele pescador que ali residia pioneiramente.

Em torno da residência, na fazenda Santo Antonio, foram surgindo moradias de imigrantes do Nordeste, à procura de terras férteis, e aos poucos foi tomando aspecto de povoado, passando a chamar-se então Povoado Santo Antonio da Cachoeira. As terras férteis, caça em abundância, existiam muitos peixes no Rio Tocantins e assim o aglomerado passou a se desenvolver, tornando-se ao mesmo tempo um ponto importante para o intercâmbio comercial.

As mercadorias vinham do centro comercial de Belém - PA, eram transportadas em barcos. Em uma dessas viagens a Belém, o coronel Augusto Bastos trouxe para o povoado a imagem de Santo António de Lisboa, uma verdadeira arte de obra Portuguesa, talhada em bloco de nogueira.

No povoado de Santo Antonio, foi construída uma capela onde o Padre João de Sousa Lima, vigário da Prelazia de Boa Vista, fez a solenidade religiosa, conduzindo a imagem do Santo pelo povoado até o altar da Igreja, onde compareceram populações de Imperatriz, São Vicente do Araguaia (Araguatins), Boa Vista (Tocantinópolis), os sertanejos de regiões ribeirinhas e demais ribeirinhos. Após a missa foi declarada solenemente a instalação da igreja de Santo Antonio da Cachoeira, e como último desejo o coronel pediu que ele, sua esposa e todos os membros de sua família fossem, quando mortos, sepultados no interior da Igreja.

Pelo Decreto-Lei Estadual nº 8.305 de 31 de dezembro de 1943, foi mudado o nome de Santo Antonio da Cachoeira para Itaguatins, que originou-se com junção do prefixo ita, que significa pedra em Tupi-guarani e com a terceira e última sílaba dos nomes dos rios Araguaia e Tocantins.

O povoado foi elevado a cidade no dia 18 de agosto 1945.

O primeiro Prefeito (nomeado) de Itaguatins foi o Senhor Antonio Cavalhedo Murici, que governou de 18 de agosto de 1945 a 16 de fevereiro de 1946. O primeiro prefeito eleito por voto popular foi Ataliba Costa Cruz, que governou de 24 de maio de 1948 a 31 de janeiro de 1951.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 05º46'08" sul e a uma longitude 47º29'00" oeste, estando a uma altitude de 130 metros. Sua população estimada em 2004 era de 6.579 habitantes.

Referências

  1. «Nosso Prefeito». Consultado em 13 de maio de 2017 
  2. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  3. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  4. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do Tocantins é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.