Jacundá (Pará)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Jacundá
"Arraia"
Trecho da Rodovia estadual Paulo Fontelles (PA-150) no município de Jacundá.

Trecho da Rodovia estadual Paulo Fontelles (PA-150) no município de Jacundá.
Bandeira indisponível
Brasão indisponível
Bandeira indisponível Brasão indisponível
Hino
Aniversário 29 de dezembro
Fundação 1915 (102 anos)
Emancipação 29 de dezembro de 1961 (55 anos)
Gentílico jacundaense
Prefeito(a) Zé Martins[1] (PMDB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Jacundá
Localização de Jacundá no Pará
Jacundá está localizado em: Brasil
Jacundá
Localização de Jacundá no Brasil
04° 27' 03" S 49° 06' 57" O04° 27' 03" S 49° 06' 57" O
Unidade federativa Pará Pará
Mesorregião Sudeste Paraense IBGE/2008 [2]
Microrregião Tucuruí IBGE/2008 [2]
Municípios limítrofes Nova Ipixuna e Itupiranga (ao sul); Goianésia do Pará (ao norte); Rondon do Pará (ao leste), e; Novo Repartimento (a oeste)
Distância até a capital 400 km
Características geográficas
Área 2 008,315 km² [3]
População 56 781 hab. IBGE/2016[4]
Densidade 28,27 hab./km²
Altitude 108 m
Clima Tropical semiúmido (As)
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,622 médio PNUD/2010[5]
PIB R$ 415 949,41 mil IBGE/2014[6]
PIB per capita R$ 7 534,77 IBGE/2014[6]
Página oficial

Jacundá é um município brasileiro do estado do Pará. Com uma população estimada em 56 781 habitantes em 2016, suas principais fontes de renda são a extração madeireira, a pecuária e a agricultura. Possui uma área de 2 014,859 km² e esta a uma altitude de 108 metros em relação ao nível do mar.

"Arraia" era o nome do local onde hoje encontra-se o município e devido a construção da hidrelétrica de Tucuruí, o município que se localizava onde hoje estão as águas represadas do rio Tocantins, mudou-se para tal localidade às margens da Rodovia Paulo Fontelles

História[editar | editar código-fonte]

O município de Jacundá pertence a zona fisiográfica do Itacaiunas e foi emancipado no início da década de 1960. As suas terras pertenceram, primeiramente, ao município de Marabá e depois ao de Itupiranga. O Vilarejo de "Arraia" surgiu em 1915[7], por iniciativa do coronel Francisco Acácio de Figueiredo, integrante do grupo que imigrou com Carlos Leitão do Goiás para o Pará em 1894[8].

Por força do decreto-lei estadual nº 3131 de 1938, Jacundá foi extinto e integrado ao distrito-sede de Marabá. Entretanto, em 1943, teve parte do seu território transferido para o distrito de Itupiranga. Essa situação permaneceu até 29 de dezembro de 1961, quando o município de Jacundá foi desmembrado daqueles dois municípios pela lei estadual nº 2460, tornando-se uma unidade autônoma[9].

Moradores da antiga Jacundá, então localizada às margens do Rio Tocantins, tinham seus projetos individuais de vida baseados, principalmente na pesca, criação de gado e agricultura de subsistência, predominando as culturas de arroz, feijão e mandioca.

Na década de 70 surgia a Rodovia PA-150 e a barragem de Tucuruí começava a ser projetada. A abertura da rodovia abriu também novas expectativas de vida para os moradores, ao mesmo tempo que atraiu uma legião de imigrantes.

Jacundá tem duas fases históricas importantes: a primeira começa no dia 29 de Dezembro de 1961 - data da emancipação - e se estende até 1980. A segunda começa do ano de 1980 e estende-se até os dias atuais. Esta segunda data refere-se à transferência da sede do município (ainda conhecida como Vila Arraia"), que antes era localizada às margens do Rio Tocantins, para as margens da Rodovia Paulo Fontelles (PA-150), em virtude da necessidade de remanejamento da população ribeirinha do rio Tocantins para a formação do grande lago da Hidrelétrica de Tucuruí. Arraia, na condição de sede municipal, passou a denominar-se Jacundá ainda em 1962, formando o único distrito do município.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Centro da cidade de Jacundá

O município de Jacundá possui como principal manifestação religiosa a festa em homenagem ao seu padroeiro, São João Batista, comemorado no dia 24 de junho. Outros eventos de caráter popular e religioso ocorrem na cidade, entre eles, festejo de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, realizado em 20 de outubro.

Também é realizado no município de Jacundá uma das maiores trilhas motorizadas da Região Norte do Brasil[carece de fontes?], a "Trilha TÔ NA PEGA", evento em que centenas de motocicletas, jipes e quadriciclos percorrem as estradas da zona rural, entre trechos de mata e de lamaçais.

A Feira da Indústria Comércio e Agropecuária de Jacundá, conhecida como FEICAJ, é uma forte atração cultural, para a qual, durante uma semana, a população volta suas atenções, tendo como atrações espetáculos musicais noturnos, exposição de gado bovino (matrizes e reprodutores selecionados das fazendas da região), além de barracas de artesanato e de itens do comércio local. Também, durante a feira, realizam-se rodeios com grande presença de público.

O Carnaval de Rua de Jacundá vem se tornando uma forte atração cultural arrastando foliões das várias cidades vizinhas[carece de fontes?]. As festas de junho também se destacam por reunir várias quadrilhas juninas locais[carece de fontes?].

Galeria de imagens[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Eleições 2016: confira quais foram os prefeitos eleitos na região do Carajás». UOL Eleições 2016 
  2. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  4. «Estimativa Populacional 2016» (PDF). Estimativa populacional 2016. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2016. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 21 de setembro de 2013 
  6. a b «PIBMunicipal2010-2014». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  7. DA SILVEIRA, Claudionor Gomes. Uma cidade submersa: memória e história de Jacundá, 1915-1983. Editora Paka-Tatu, 2001
  8. DA SILVA, Jualison Viana. Aspectos de uma Cidade Remanescente: Jacundá. Blog Atos Fatos e Boatos ao Leite da Castanha, 2012
  9. Histórico de Jacundá - IBGE Cidades
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Pará é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.