Rio Itacaiúnas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rio Itacaiúnas
Ponte sobre o Rio Itacaiúnas em Marabá
Comprimento 390 km
Nascente Água Azul do Norte, Pará
Altitude da nascente 270 m
Caudal médio 600 m³/s
Foz Rio Tocantins
Área da bacia 42 000 km²
Afluentes
principais
Rio Madeira, Rio Parauapebas, Rio Oneã, Rio Vermelho, Rio Aquiri, Rio Tapirapé, Rio Sororó e Rio Preto.
País(es)  Brasil
País(es) da
bacia hidrográfica
 Brasil

O rio Itacaiúnas é um curso de água que nasce na serra da Seringa no município de Água Azul do Norte, estado do Pará, e é formado pela junção de dois rios, o rio da Água Preta e o rio Azul. Desemboca na margem esquerda do rio Tocantins, na sede da cidade de Marabá.

O rio teve uma importância muito grande na formação econômica da região sudeste do Pará. Grandes reservas de castanha-do-pará e caucho, que foram sustentáculos econômicos locais, existiam ao longo das margens do rio.

Com a intensa devastação da floresta e a prospecção mineral junto às cabeceiras dos afluentes do rio, na serra dos Carajás, o Itacaiúnas corre grande risco de secar e por fim morrer.[1] Há ainda um projeto de desvio do seu curso normal, para crescimento urbano da cidade de Marabá, outro fator que coloca em risco à sua sobrevivência.

Expedição Coudreau: 118 anos depois[editar | editar código-fonte]

Em 2015 a Fundação Casa da Cultura de Marabá promoveu uma expedição, capitaneada pelo biólogo e presidente da instituição, Noé von Atzingen[2], inspirado no raro exemplar do livro “Viagem a Itaboca e ao Itacaiúnas”, escrito pelo francês Henri Coudreau, em 1897, que teve a ideia de explorar e pesquisar o rio Itacaiúnas.[2]

Coudreau foi incumbido pelo então governador do Pará, Paes de Carvalho, de fazer investigações científico e geográficas da região do rio Tocantins e seus afluentes. O pesquisador foi acompanhado de sua esposa e de três canoeiros experientes. Ele navegou a extensão do rio Itacaiúnas em uma canoa.[2] Como grande pesquisador, Coudreau fez anotações no campo da geografia, etnografia, além das ciências naturais.[3]

A expedição constatou o que muitos ambientalistas vêm alertando há mais de uma década em Marabá: o rio está secando e praticamente morto em suas cabeceiras. Em alguns lugares completamente cortado e sem força[4]. Como relata Atzingen:

Floresta Nacional[editar | editar código-fonte]

Em 2 de fevereiro de 1998, por meio de um decreto presidencial foi criada a Floresta Nacional do Itacaiunas, nas linhas divisórias dos municípios de Marabá e São Félix do Xingu, a floresta tem por objetivo o manejo de uso múltiplo e de forma sustentável dos recursos naturais renováveis, a manutenção da biodiversidade, a proteção dos recursos hídricos, a recuperação de áreas degradadas, a educação florestal e ambiental, a manutenção de amostras do ecossistema amazônico e o apoio ao desenvolvimento sustentável dos recursos naturais das áreas limítrofes à Floresta Nacional.[5]

Referências

  1. AMÉRICO, Vanda. O Desfecho do Rio Itacaiúnas: Dicurso na Câmara Municipal de Marabá. Marabá, 2006.
  2. a b c POMPEU, U.. Muitas vidas ligadas ao Rio Itacaiúnas - Portal CT Online
  3. MONTARROYOS, Heraldo E.. História do Burgo de Itacaiunas e da Casa Marabá: A Origem de Uma Cidade Amazônica - parte 1 - Revista história-e-história - jan. 2013
  4. Rio Itacaiúnas: Expedição constata que nascentes estão secando - Portal Notícias de Parauapebas
  5. «Decreto Federal nº. 2480 de 02/02/1998». Secretaria de Estado de Meio Ambiente. Consultado em 19 de Agosto de 2010 
Ícone de esboço Este artigo sobre Unidades de Conservação da Natureza é um esboço relacionado ao Projeto Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre Hidrografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.