Jeroen Dijsselbloem

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jeroen Dijsselbloem
Jeroen Dijsselbloem
Presidente do Eurogrupo

União Europeia

Período 21 de Janeiro de 2013 -
Antecessor(a) Jean-Claude Juncker
Vida
Nascimento 29 de março de 1966 (51 anos)
Eindhoven,  Países Baixos
Dados pessoais
Partido PvdA

Jeroen René Victor Anton Dijsselbloem (pronúncia aproximada /dêissel-blum/; Eindhoven, 29 de março de 1966) é um político neerlandês do Partido do Trabalho. Atualmente é Ministro das Finanças dos Países Baixos e presidente do Eurogrupo.[1]

Como membro do Partido do Trabalho (Países Baixos)|(Partij van de Arbeid), centro-esquerda, é Ministro das Finanças dos Países Baixos desde 5 de novembro de 2012 no governo presidido por Mark Rutte.[2] Foi deputado do Parlamento dos Países Baixos entre 2000 e 2012 (com uma interrupção em 2002), concentrando-se em questões de cuidados de juventude, educação especial e professores.[3]

Jeroen Dijsselbloem estudou economia agrícola, com foco em economia empresarial na Universidade de Wageningen (1985-1991). Terá realizado investigação na área da Economia Empresarial, no University College Cork, na República da Irlanda (1991), com o objectivo de obter um Mestrado, sem no entanto o concluir[4]. Apesar de não ter concluído os estudos deste curso de Mestrado, entre Novembro de 2013 e Abril de 2014, o grau de Mestre constou da sua biografia oficial, até o mesmo ser desmentido por parte do University College Cork e da National University of Ireland[4].

De 1993 a 1996, ele trabalhou para o grupo parlamentar do Partido Trabalhista neerlandês e de 1996 a 2000, trabalhou no Ministério da Agricultura, Natureza e Pescas. De 1994 a 1997, foi membro do conselho municipal de Wageningen.[3]

Jeroen Dijsselbloem é desde janeiro de 2013 o presidente do Eurogrupo.[5]

Polémicas[editar | editar código-fonte]

Comentários sobre os países do sul da Europa[editar | editar código-fonte]

Em Março de 2017, poucos dias depois do seu partido ter sido copiosamente derrotado nas Eleições Gerais Holandesas, Dijsselbloem declarou ao jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung  "não se pode gastar o dinheiro todo em copos e mulheres e depois pedir ajuda", referindo-se aos países do sul da Europa afectados pela crise da dívida pública da Zona Euro.[6] A 21 de Março, numa audição no Parlamento Europeu, recusou-se a pedir desculpa pelas declarações.

Estas palavras deram origem a reacções de indignação por parte de vários responsáveis políticos de alto nível de vários países europeus e de diferentes famílias políticas. Gianni Pittella, líder do grupo socialista no Parlamento Europeu (ao qual o partido de Dijsselbloem pertence) disse que "não há desculpas nem razões para usar linguagem desta, especialmente para alguém que supostamente é um progessista".[7] Também o líder da bancada do Partido Popular Europeu, Manfred Weber, criticou o holandês, referindo no twitter que "a Eurozona é responsabilidade, solidariedade mas também respeito; não há espaço para estereótipos".[8] O Primeiro-Ministro de Portugal, António Costa, disse que "numa Europa a sério, o senhor Dijsselbloem já estava demitido neste momento; não é possível que quem tem uma visão xenófoba, racista e sexista possa exercer funções de presidência de um organismo como o Eurogrupo".[9] O antigo Primeiro-Ministro de Itália, Matteo Renzi, também defendeu a demissão de Dijsselbloem, dizendo que "se quer ofender Itália, devia fazê-lo num bar, e não no seu papel institucional".[10]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Jean-Claude Juncker
Presidente do Eurogrupo União Europeia
Janeiro de 2013 -
Sucedido por
-
Precedido por
Jan Kees de Jager
Ministro das Finanças dos  Países Baixos
Novembro de 2012 -
Sucedido por
-